Zygmunt Bauman e o caos em Londres

Por Allan Patrick

Queria acrescentar mais algumas informações para contextualizar melhor a situação em Londres. Primeiro para esclarecer que, embora racismo e preconceito estejam sim presentes – e com força – no país, Londres é, na comparação com outros países europeus por onde passei nos últimos dois anos, o lugar que me deu a impressão de ser mais relaxado em relação a esse tema.

Quando estive em Madri no final de 2008 – e olha que a crise mal tinha começado – senti um clima muito ruim em relação a imigrantes e estrangeiros. O mesmo clima que o diretor mexicano Iñarritú retratou em Biutiful. Nas minhas visitas à Alemanha e à Dinamarca fiquei me perguntando porque tanta nóia com muçulmano – me custou muito ver algum por aquelas bandas. E quando vi eram turcos, os mais laicos e relaxados praticantes do islamismo.

Aqui em Londres eu vejo casais interétnicos praticamente todos os dias – coisa que só testemunhei com mais frequência num lugar, o Brasil -, rodas de amigos de diferentes origens em parques, restaurantes ou bares. Ouço pelo menos de 6 a 7 línguas diferentes em qualquer passeio pela cidade.

Vejo indianos hindus, muçulmanos, cristão, sikhs e ateus. Vejo mulheres muçulmanas usando véu, não usando véu ou deixando só os olhos à vista. E aqui, ao contrário da França e de outros países da Europa continental, não há movimento popular nem político expressivo exigindo proibição de véus. Parêntesis: numa rápida visita à loja de luxo Harrods e aos bairros nobres da cidade percebemos a expressiva quantidade de árabes ricos que vivem na cidade. Como ninguém por aqui rasga dinheiro, deixam que Sarkozy et caterva façam propaganda gratuita para atrai-los a Londres. Fecha parêntesis.

Mas por que então toda essa confusão na cidade? Sim, a desigualdade, os cortes nos gastos sociais e a economia andando de lado são fatores muito importantes a levar em consideração. Mas um ponto muito importante e que possivelmente faz a diferença é a ideologia do consumismo, como muito bem ressalta o sociólogo Zygmunt Bauman.

Em Londres, proliferam os salões de beleza. Foto: acervo pessoal.

Esse é um dos aspectos da vida em Londres sobre o qual eu ainda pretendia escrever. De um modo geral, na Europa ainda há uma certa despreocupação com o consumismo e a vaidade pessoal (nos seus aspectos mais patológicos) quando usamos como base de comparação o Brasil, onde nossas vidas e conversas parecem girar apenas sobre compras, produtos, marcas, cosméticos, perfumes e cirurgias plásticas. Entretanto, nesse caso Londres é muito parecida com nossa realidade. Uma de minhas surpresas nos meus primeiros dias na cidade foi o desfile de grifes e a proliferação de salões de beleza. As pessoas são muito preocupadas com as aparências. Só aqui na rua da residência estudantil, há três salões. Peloamordedeus, não estou dizendo que a violência é culpa de excesso de salões de beleza! São dois sintomas diferentes de uma mesma fonte.

Não é a toa que os saques se concentraram principalmente em lojas de celulares e aparelhos eletrônicos. A ideologia do ter venceu a do ser por goleada.

Veja também:

Você com revólver na mão é um bicho feroz.

Leiam:

– Modernidade líquida.

– Vida para consumo.

– O mal-estar da pós modernidade.

– Amor líquido.

Ou qualquer outro material do Bauman que aparecer pela frente.