Há mais assassinatos no Brasil do que em países em guerra?

Guerra em Gaza. Foto: Al Jazeera.

Guerra em Gaza. Foto: Al Jazeera.

O título do post é um dos lugares comuns que derrubam qualquer tentativa de diálogo racional, seja nas redes sociais, seja na vida real.

É usado com muita frequência na retórica da extrema direita, sempre dirigido contra o governo federal, embora os estados tenham um papel mais importante nessa área. Por isso registro aqui o comentário que fiz no Escreva Lola Escreva em resposta:

Comentário: “Depois que um esquerdista explicar porque morre mais gente aqui, do que em guerras declaradas mundo afora,”

 

Minha resposta: Nenhum esquerdista vai lhe explicar isso porque essa afirmação é falsa. 54 mil homicídios por ano na população de 200 milhões de brasileiros representam 27 homicídios por 100 mil habitantes/ano. Em uma semana de guerra em Gaza, morreram 342 palestinos para uma população de 1,7 milhão, o que dá uma taxa de 20 mortos por 100 mil habitantes. Em uma semana!

Tragicamente, depois que escrevi esse comentário, o número de vítimas na Faixa de Gaza já quadruplicou.

Cultura do automóvel e violência policial

Por Allan Patrick

Infelizmente, o que deveria ter sido festa acabou em violência. Fonte: Blog do Daniel Dantas.

Infelizmente, o que deveria ter sido festa acabou em violência. Fonte: Blog do Daniel Dantas.

Há 28 anos, Natal foi palco da tragédia do Baldo, em que a ação de um motorista ensandecido resultou na morte de 19 pessoas e na decadência do carnaval de rua da cidade. Desde então, com exceção de algumas iniciativas, embora muito criativas, esse período passou a ser, principalmente para as classes média e alta, um complemento do veraneio ou um momento para viajar.

Uma dessas luzes no carnaval da cidade é o bloco do Baiacu na Vara, que desde 1990 percorre as ruas do bairro da Redinha na quarta-feira de cinzas. Ontem (13/02/2013), a festa correu o sério risco de se transformar numa tragédia, absolutamente evitável. Imaginemos se trezentos carros estivessem numa carreata: uma viatura da Polícia Militar iria agredir os motoristas, jogar spray de pimenta e disparar ao ar pra que os carros lhe cedessem passagem? Lógico que não! Fariam o óbvio: contornariam ou pegariam um desvio. Mas como eram 3 mil foliões – pedestres, que, na nossa sociedade violentamente desigual, são pouco mais que nada -, a viatura se achou no direito de passar pelo meio do bloco “na marra”.

(Quem é cidadão-pedestre sabe como um carro já é agressivo de per si, ainda mais quando tenta forçar passagem contra pessoas. Mas o cidadão-motorista – e esse é um dos efeitos mais perniciosos da cultura do automóvel – não consegue enxergar sua própria projeção de agressividade aos pedestres. Testemunho isso diariamente na nossa cidade. Como não faço de carro a maior das minhas viagens, pego carona com frequência com grande variedade de amigos e colegas de trabalho. É impressionante como pessoas extremamente gentis e cordatas no “mundo real” se transformam quando estão ao volante, menosprezando e pondo em risco a vida de seres humanos os quais, em outro contexto, tratariam com carinho.)

Numa situação como essa, claro, em meio a uma multidão anônima, essa projeção de “poder” atrai negatividade, e garrafas d’água e latas foram arremessadas, o que aparentemente precipitou a reação destemperada dos policiais. A atenção ao chamado acabou ficando de lado e inclusive se vê no vídeo que foi preciso pedir o reforço de outras viaturas, também deslocadas de suas atividades para dar conta do caos em que a situação se tornou.

A violência foi transmitida e denunciada ao vivo, via twitter, pelo vereador Hugo Manso, que, sempre com muita ponderação, tentou acalmar os ânimos e chamar os policiais à conversa, no que infelizmente não foi correspondido.

O interessante, do ponto de vista sociológico, em acompanhar o desenrolar dos fatos pelo twitter, é a possibilidade de enxergar com muita clareza como a narrativa reverbera de forma diferente em públicos distintos. Entre tuiteiros de classe média alta, tipicamente cidadãos-motoristas, cuja experiência de vida lhes tira a capacidade de sentir empatia pelo cidadão-pedestre – e muitos sequer percebem isso – o sentimento era de estranheza com o “por que as pessoas não saem do meio e deixam a via livre à viatura?”, exigência esta que nunca imaginariam razoável fazer de seus pares motoristas num congestionamento.

Há aí também um outro triste viés, que o natalense conhece bem mas quem é de fora pode notar pelas fotos ou pelo vídeo. A Redinha (e a zona norte de Natal como um todo), é um bairro popular. O tuiteiro de classe média alta está acostumado, no seu carnaval em Pirangi, no litoral sul, ao policial simpático, que patrulha à pé, dá boa tarde e orienta os foliões. Não consegue “entender” então, porque alguém agiria com violência contra esses servidores públicos no cumprimento de suas funções, pois não percebe que nossa sociedade desigual condiciona a polícia a ter comportamentos diferentes de acordo com o “público” com o qual se relaciona.

Isso me lembra de quando vi uma palestra em 2008, do então Secretário Nacional de Segurança Pública, Ricardo Balestreri. Era um tempo em que eu mesmo ainda não tinha me desvencilhado da cultura do automóvel e ainda me pegava em várias situações raciocinando como cidadão-motorista. Balestreri conseguiu fazer ver à plateia, composta basicamente por estudantes de direito, policiais e autoridades públicas, como o modelo de policiamento feito de dentro de um automóvel tinha que ser repensando em favor das patrulhas a pé. Que carros deveriam ser usados para o que foram inventados: transportar pessoas de um lugar para outro. Que um patrulhamento à pé, para além do estreitamento de laços do policial com as comunidades e cidadãos, tinha como resultado um patamar de qualidade muito maior do que o feito a partir de um automóvel. Parece papo esotérico quando se é cidadão-motorista – e a luz de um giroflex exerce ainda um fascínio muito grande no tão impreciso conceito de “sensação de segurança” – mas à medida em que a gente se torna mais e mais pedestre, percebemos o quão certo ele estava.

Atualização em 18/02/2013

Ivênio Hermes fez uma análise da situação do ponto de vista da boa técnica de ação policial.

Sobre armas e massacres

AR-15

Fuzil AR-15 semi-automático. TheAlphaWolf/Wikipedia.

Por Allan Patrick

Com o recente massacre ocorrido na Escola Sandy Hook, em Newtown, Coneticute, surge pela enésima vez a pergunta: há alguma relação entre controle de armas e a erupção desses eventos catastróficos? Tem se formado um consenso nos últimos anos de que essa relação não existe, sob o argumento de que há outros países, como Suíça ou Canadá, onde também há um grande percentual da população com armas em casa e esses eventos não ocorrem. Mas o diabo está nos detalhes. A NRA, o grupo de lobby das armas, não age nos Estados Unidos unicamente em favor do direito ao cidadão de ter armas. Ela atua no sentido de tornar o comércio e porte de armas tão livre e amplo quanto o de qualquer mercadoria (*). Há, portanto, uma diferença qualitativa relevante entre como estão armados os estadounidenses e os suíços e canadenses. Estes últimos tem, em geral, armamento de caça ou proteção pessoal.

Uma arma de caça pode até matar um elefante com um tiro, mas não dispara onze tiros por segundos. Uma arma do tipo AR-15 no Brasil em posse de bandidos é notícia. A posse de uma arma deste porte por uma professora pré-escolar,  nos Estados Unidos, não é notícia. E, sim, há uma enorme diferença entre tentar perpetrar um massacre com uma faca, um revólver ou um fuzil de repetição. A capacidade de reação a um ataque surpresa com esse último, estejam as vítimas armadas ou não, é muito baixa.

Eu sugiro a quem estiver interessado em confirmar a “naturalidade” e a ampla disseminação de armamento pesado nos EUA a procurar assistir algum episódio do programa Doomsday Preppers, do National Geographic, que relata como famílias e indivíduos americanos se “preparam” para eventos catastróficos.

De outra parte, um comentário para quem crê na inexistência de islamofobia, racismo e outros preconceitos: já perceberam a diferença no tratamento dos grupos a que pertencem os autores de massacres? Se um muçulmano comete um massacre desse porte, o ato é automaticamente “terrorismo” e as “causas” giram em torno das “características” culturais do seu grupo. Se o negro é o autor, o rumo do debate gira ao redor da insuficiência de rigor da legislação penal. Mas, se um indivíduo dentro da normatividade (sim, o “pobre” e “sofrido” homem branco hétero) comete uma barbaridade como esta, trata-se de um “louco”, um indivíduo desgarrado agindo unilateralmente. É tabu fazer qualquer julgamento de fundo sobre o seu meio (**).

(*) sua maior derrota até o momento é o porte em aviões, que continua absolutamente proibido. Cortesia de Bin Laden.

(**) você já viu por aí alguma análise sobre o caldo de cultura de machismo e misoginia, ingrediente fundamental para o massacre de Realengo? Não? Experimente.

Você com revólver na mão é um bicho feroz

Por Allan Patrick

Dez dias sem acesso à internet durante um período em que o mundo parecia que ia acabar em Londres… Porque eu só fui saber do que estava acontecendo na cidade através de blogues brasileiros e ligações telefônicas de parentes e amigos. A razão é simples e eu percebi ao ver este mapa da BBC:

Entre os pontos de distúrbios em Londres vi, num relance, vários locais cujos nomes coincidem com estações fim-de-linha do metrô. Já comentei aqui no caderno que um dos choques nos meus primeiros dias na cidade foi o elevado preço do metrô, que funciona por meio de zonas, sendo as mais distantes do centro as mais caras. Não por coincidência, é lá onde ocorrem a maioria dos protestos. São lugares onde o desemprego campeia, por falta de oportunidades de trabalho e pela dificudade em conseguir um emprego não-qualificado nas melhores regiões da cidade, dado o custo do transporte. Consequentemente, jovens desejosos de um emprego de meio-período para complementarem a renda enquanto estudam também são prejudicados.

As condições sociais que geraram o ambiente propício para essa explosão de violência foram muito bem narradas pelo jornalista do The Guardian, Seumas Mines. Esse jornal já publicou este ano várias matérias antevendo os efeitos dos cortes nos gastos sociais promovidos pelo governo do Reino Unido (mas mulheres vítimas de violência doméstica e idosos com dificuldades de locomoção não vão ocupar as principais manchetes dos jornais internacionais).

Eu chamaria a atenção para o fato de que esse tipo de violência generalizada não é novidade na cidade. A wikipédia relaciona erupções de violência generalizada, nos registros históricos, desde 1189, quando houve um massacre de judeus.

O estopim do caos atual me fez lembrar da música do genial Bezerra da Silva:

Você com revólver na mão é um bicho feroz (Feroz)
Sem ele anda rebolando e até muda de voz
( Isso aqui…cá pra nós ).

A polícia local tem uma tradição de não dar tanto peso à vigilância armada. No entanto, quando resolveu, na década passada, contratar “consultores” para montar equipes de elite armadas, foi atrás de modelos em Israel e Sri Lanka, países onde infelizmente se encara o “outro” como o inimigo a ser exterminado. O resultado já testemunhamos no caso de Jean Charles de Menezes. A polícia local tem a fama de mentirosa e corrupta. Vários oficiais aceitaram propinas durante anos para passar informações exclusivas para tablóides e os seguidos comunicados à imprensa durante a apuração do caso Jean Charles e, agora, Mark Duggan (inicialmente morto em uma “troca de tiros” que depois se reconheceu que não houve), sempre admitindo uma informação errada anteriormente tida como verdade, desfizeram qualquer vestígio de prestígio da instituição.

Quando fui no mês passado para Frankfurt ver a final da Copa do Mundo de Futebol feminino, tuitei sobre o absurdo de haver dois policiais ingleses no sagão do aeroporto de Stansted, onde havia uma multidão de pessoas, fardados ao estilo BOPE e com metralhadoras imensas. O que eles poderiam fazer numa situação de real emergência que não implicaria na morte de dezenas de inocentes?

P.S.: não podemos deixar de anotar a indiferença a que estamos submetidos no Brasil. Todo esse caos aqui no Reino Unido resultou até agora em cinco mortos. Em Mossoró, com apenas 260 mil habitantes, num fim de semana temos três vítimas de uma chacina e as autoridades nem sequer dão um pio.

P.S. 2: o governo britânico estuda bloquear as redes sociais. Quanto mais eu avanço na leitura do livro The Party, mais eu percebo como as “democracias” ocidentais estão convergindo para o modelo chinês. Rever V de Vingança, nesse contexto, é quase uma obrigação.

O “zeitgeist” nórdico

Por Allan Patrick

Fronteira Dinamarca - Alemanha em julho/2011, antes da implantação da "blitz". Foto: arquivo pessoal do autor.

Zeitgeist é a palavra da moda quando se quer escrever sobre o caldo de cultura em que uma determinada sociedade está envolta. Há algumas semanas fui à Dinamarca visitar um amigo dos tempos do ensino médio. De lá seguimos para a Alemanha para ver o jogo da Seleção brasileira na Copa do Mundo de Futebol Feminino contra a Noruega. Algum desconforto com o zeitgeist nórdico já vinha me fazendo pensar em escrever algo sobre essa viagem. Mas os acontecimentos do fim de semana precipitaram as coisas.

A Dinamarca é uma nação admirável. Um país onde o estado de bem estar social é forte, a tributação é bastante progressiva, não só em termos fiscais, mas também ambientais. O meio público é fortemente regulamentado sob a perspectiva da qualidade de vida, como é o caso do mercado imobiliário e da construção civil. Isso sem que ninguém venha estribuchar afirmando que assim se cria um “ambiente ruim para fazer negócios”. Porém, maldito porém, meu amigo, que está no país há pouco tempo, menos de um ano, começou a me relatar, e naquele momento eu não refleti sobre o que ele dizia, cansado da viagem e dos planos para o dia seguinte, diversos casos de violência e insegurança que os dinamarqueses lhe contavam, invariavelmente envolvendo imigrantes. “Alguma TV privada deve ter lançado um programa policial”, pensei pra mim mesmo na hora.

E, de fato, aqui no Reino Unido, a iTV transmite um programa, Cops with Cameras, com uma boa audiência, que em termos de bizarrice não fica a dever a nenhuma Patrulha Policial. Outro dia eu o vi de relance enquanto jantava na residência estudantil e não pude deixar de notar a total ausência de vergonha na cara para fazer – e exibir na TV aberta – uma “operação especial”, com câmeras escondidas e policiais à paisana, para prender e esculachar um (01) vendedor de dvds piratas que tinha cinco (05) filmes falsificados na sua bolsa. Uau! (enquanto isso, na city londrina… deixa pra lá).

Tenho pra mim que esse mesmo tipo de programa deve estar fazendo sucesso lá pela Dinamarca. Como narrou o meu amigo, diversas cidades dinamarquesas desincentivam o uso de carros nos seus núcleo urbano (#parabénsDinamarca!), sendo comum que as pessoas, ao se deslocaram para uma cidade, deixem os seus veículos nos arredores, em grandes estacionamentos públicos, de onde se dirigem para os centros urbanos de trem.

Pois bem, teve início uma série de furtos de pertences deixados dentro dos veículos localizados nesses estacionamentos. Os furtos foram atribuídos a “europeus do leste”. O que a polícia fez? Tentou fazer algum tipo de monitoramento nesses locais? Começou uma investigação? Foi atrás do local onde esses produtos são comercializados? Tentou contactar a polícia polonesa, a quem “tradicionalmente” se joga a culpa por esses crimes? Nada disso, o governo nacional preferiu jogar o Tratado de Schegen no lixo e reativou controles migratórios na fronteira com a Alemanha, com o objetivo de fazer uma blitz ostensiva, com finalidades meramente eleitorais. Olha, gente, nem em Mossoró isso é levado mais a sério.

Junta-se aí também a vontade de evitar a vinda de refugiado africanos à Dinamarca. Afinal, o Quênia pode abrigar 380 mil refugiados da Somália (80 mil recém-chegados em apenas 10 dias, produto da seca desastrosa que assola a região), mas 15 mil líbios e tunesinos em toda a Europa continental é o fim do mundo, né?

Nesse ambiente político, não chega a ser uma surpresa, embora choque profundamente, a barbárie ocorrida na Noruega.

O zeitgeist vem sendo cultivado com muito esmero.