Debate entre Celso Amorim e Thomas Friedman

Por Allan Patrick

Seguindo a dica de um leitor no blogue do Nassif, procurei e encontrei o vídeo do debate entre o ainda Ministro das Relações Exteriores Celso Amorim e o jornalista e colunista do The New York Times Thomas Friedman. O encontro ocorreu sob o patrocínio do Carnegie Endowment for International Peace, um think tank que estuda a política externa norte-americana. Entre outras questões, Amorim conversou sobre acordos com a África do Sul e Índia, sobre a rodada de Cancún da OMC e o G-20, a Conferência de Copenhague (COP15) e as negociações com o Irã.

Celso Amorime e Milton Friedman debatem no Carnegie Endowment for International Peace. Foto: Liliam Chagas/MRE.

A minha impressão ao assistir ao vídeo é que Celso Amorim esteve muito à vontade para expor seus pontos de vista. Friedman, pelo contrário, parecia tenso e mal humorado. As posições de Friedman são largamente conhecidas no Brasil, pelo simples fato de que representam um conjunto de ideias que é replicado intensamente pela maior parte de nossa mídia. Não posso deixar de registrar a curiosidade de vê-lo preocupado com a relação comercial Brasil/China, na qual o Brasil entra geralmente com comodities e a China com produtos de maior valor agregado, como eletrônicos. Ele vê nessa relação desbalanceada uma nova forma de “colonialismo” que, curiosamente, não viu quando o papel da China era exercido pelos Estados Unidos ou pela Europa.

Vídeo: The New Geopolitics: Emerging Powers and the Challenges of a Multipolar World.

Veja também:

Celso Amorim defende os interesses do Brasil no Irã.

Lula, cestas básicas e o bolsa família

Por Allan Patrick

Presidente Lula. Ricardo Stuckert/ABr

Presidente Lula. Ricardo Stuckert/ABr

Recebi este vídeo pelo correio eletrônico de um amigo que pedia ajuda para elaborar uma resposta a quem lhe tinha enviado originalmente o arquivo. O vídeo mostra o Presidente Lula, nos dias atuais, defendendo o Bolsa Família e, na sequência, o candidato Lula, nos anos 1990, criticando a distribuição de cestas básicas. Seria, portanto, uma prova da “contradição” e “incoerência” das ações e pensamentos do Presidente da República. O remetente original se referia a este material como “o vídeo do século”.

O que esse viral revela, na realidade, é a profunda incompreensão de setores da classe média sobre a forma de funcionamento dos programas de assistência social, seja porque estes setores estão muito mal informados, com acesso apenas a informações distorcidas sobre tais programas, seja pelo próprio desinteresse dessas pessoas em conhecer as condições de vida dos segmentos mais desassistidos da sociedade.

Na resposta ao meu amigo, disse-lhe que:

Lula está absolutamente certo nas duas falas. O Bolsa Família é um programa republicano: cumpriu as formalidades legais, o cidadão que vive na miséria tem o direito de recebê-lo, qualquer que seja sua opinião sobre quem ele bem entender. Exatamente o contrário das distribuições de cestas básicas, dentaduras e outros favores típicos dos coronéis de antanho. De fato, o Bolsa Família dificulta a ação da prática da troca de favores por votos, criticada pelo Lula dos anos 1990 no vídeo que você me enviou. Não é por outro motivo que o PFL/DEM está murchando a passos largos: sua fonte de votos, o assistencialismo coronelista, está desaparecendo, pois um sistema transparente, público – e republicano! – de assistência social foi criado. As pessoas não são mais escravas dos coronéis.

O debate dos presidenciáveis na Rede TV e a saúde pública

Por Allan Patrick

Acompanhei alguns trechos do debate entre os candidatos a Presidente da República ocorrido no último domingo, 12/09/2010, na RedeTV. A pergunta que mais chamou minha atenção foi sobre a saúde pública, um tema que tenho abordado com certa frequência aqui no caderno (seção “veja também” ao final deste texto). O candidato Plínio Arruda fez uma pergunta que há muito tempo os jornalistas deveriam ter feito ao candidato José Serra: como ele pode anunciar que fará profundos cortes no gasto público e, ao mesmo tempo, ampliar os investimentos, a qualidade do atendimento e a cobertura do Sistema Único de Saúde?

Plínio: Serra, os recursos da saúde estão estagnados a 10 anos em 3,5 pontos do PIB. E você tem afirmado que vai diminuir imposto, diminuir a proporção do gasto público no PIB, que vai pagar a dívida pública. Pergunta: como é que você vai elevar o gasto com a saúde a 10 pontos do PIB, se sua política econômica é contrária?

Serra: Uma política econômica de crescimento sustentável, Plínio, as receitas crescem, as receitas crescem mesmo que cresçam menos que o gasto, elas crescem substancialmente. Segundo, tem muita gordura na despesa federal atualmente, há um imenso desperdício, muito cabide de emprego, generalizado, com todo o loteamento político que se faz, investimentos mal programados que ficam pelo meio, ….

O vídeo completo pode ser visto abaixo. A resposta de Plínio é perfeita, e sintetiza o que eu penso a respeito de candidatos que prometem milagres sem aumento de impostos:

Plínio: Olhe, isso é mágica, reduzir gasto, reduzir imposto, pagar dívida pública e conseguir aumentar o investimento em saúde para 10 pontos do PIB aí é mágica.

Recentemente eu participei de algumas reuniões do SIASS (Sistema de Atenção à Saúde do Servidor, uma iniciativa do Ministério do Planejamento para integrar os serviços de saúde dos órgãos públicos federais) na cidade de Mossoró. Nas reuniões, estiveram presentes representantes de cerca de 15 órgãos federais. Eu só me lembro de um cujo chefe não era servidor de carreira do próprio órgão, a Penitenciária Federal, chefiada, de qualquer forma, por um Delegado da Polícia Federal, profissional concursado. Recentemente o blogueiro Marco Aurélio Mello (ex-editor de política e economia do Jornal da Globo) publicou um texto sobre essa falácia do “aparelhamento da máquina”, que pode ser lido clicando aqui. Irrita-me que José Serra, professor da Unicamp, com o preparo acadêmico que tem, se expresse de forma tão simplista e demagógica sobre um tema tão sério, a saúde pública.

P.S.: uma crítica mais incisiva e certeira sobre o comportamento de Serra no debate pode ser encontrada no blogue de Eduardo Guimarães (clique aqui).

Veja também:

Há verba suficiente para a saúde pública?

SUS, Brasilianas.org e carga tributária.

Diagnóstico da saúde pública no Brasil.

14 de Julho

1

Avante, filhos da Pátria,
O dia da Glória chegou.
O estandarte ensangüentado da tirania
Contra nós se levanta.
Ouvis nos campos rugirem
Esses ferozes soldados?
Vêm eles até nós
Degolar nossos filhos, nossas mulheres.
Às armas cidadãos!
Formai vossos batalhões!
Marchemos, marchemos!
Nossa terra do sangue impuro se saciará!

2

O que deseja essa horda de escravos
de traidores, de reis conjurados?
Para quem (são) esses ignóbeis entraves
Esses grilhões há muito tempo preparados? (bis)
Franceses! Para vocês, ah! Que ultraje!
Que élan deve ele suscitar!
Somos nós que se ousa criticar
Sobre voltar à antiga escravidão!

3

Que! Essas multidões estrangeiras
Fariam a lei em nossos lares!
Que! As falanges mercenárias
Arrasariam nossos fiéis guerreiros (bis)
Grande Deus! Por mãos acorrentadas
Nossas frontes sob o jugo se curvariam
E déspotas vis tornar-se-iam
Mestres de nossos destinos!

4

Estremeçam, tiranos! E vocês pérfidos,
Injúria de todos os partidos,
Tremei! Seus projetos parricidas
Vão enfim receber seu preço! (bis)
Somos todos soldados para combatê-los,
Se nossos jovens heróis caem,
A França outros produz
Contra vocês, totalmente prontos para combatê-los!

5

Franceses, em guerreiros magnânimos,
Levem/ carreguem ou suspendam seus tiros!
Poupem essas tristes vítimas,
que contra vocês se armam a contragosto. (bis)
Mas esses déspotas sanguinários
Mas esses cúmplices de Bouillé,
Todos esses tigres que, sem piedade,
Rasgam o seio de suas mães!…

6

Entraremos na batalha
Quando nossos antecessores não mais lá estarão.
Lá encontraremos suas marcas
E o traço de suas virtudes. (bis)
Bem menos ciumentos de suas sepulturas
Teremos o sublime orgulho
De vingá-los ou de segui-los.

7

Amor Sagrado pela Pátria
Conduza, sustente nossos braços vingativos.
Liberdade, querida liberdade
Combata com teus defensores!
Sob nossas bandeiras, que a vitória
Chegue logo às tuas vozes viris!
Que teus inimigos agonizantes
Vejam teu triunfo e nossa glória

Islândia, um possível paraíso da liberdade de expressão?

Por Allan Patrick

A crise econômica catalisou discussões sobre como evitar a repetição dos erros que levaram à crise.

Quem visita este caderno com frequência sabe de nossa posição crítica em relação a paraísos fiscais. Mas, desta vez, vamos tratar de um outro tipo de paraíso, fruto de uma inicativa inédita no mundo. Este tipo de paraíso nós apoiamos.

Incomodados com os benefícios que o crime organizado tem ao operar nesses países (os paraísos fiscais), um grupo islandês, o Icelandic Modern Media Initiative (IMMI, Iniciativa Islandesa para uma Mídia Moderna) resolveu encampar a ideia de que a Islândia venha a funcionar como um “paraíso”, não para criminosos, mas para a liberdade de expressão.

No sítio do movimento encontramos sua proposta:

A Islândia se encontra numa encruzilhada única. Em função da grave crise que afetou o seu setor bancário, um profundo sentimento emergiu na nação de que alguma mudança fundamental deve ser feita para prevenir que eventos como este se repitam. Nesses momentos, é importante buscar uma visão coletiva de futuro e tomar um rumo que levará o país e o parlamento a se aproximarem.

Em 17 de fevereiro de 2010 um projeto de lei foi protocolado no parlamento islandês propondo que o país se posicione como um protetor da liberdade de expressão e de informação. Essa proposta de visão de futuro despertou um grande entusiasmo no parlamento e entre as pessoas que tomaram conhecimento da matéria.

O objetivo da proposta do IMMI é determinar que o governo trabalhe para fortalecer a liberdade de expressão ao redor do mundo e na Islândia, fornecendo toda a proteção às fontes e aos autores de denúncias.

A juiza Eva Joly manifestou seu apreço pela ideia:

Estou orgulhosa de apoiar a proposta do IMMI de criar um santuário para o jornalismo investigativo. Acredito que esta proposta é um grande apoio à manutenção de governos íntegros ao redor do mundo, incluindo a própria Islândia. No meu trabalho de investigação da corrupção, pude ver como é importante ter mecanismos robustos de informar o público. A Islândia, com a perspectiva inovadora, corajosa e independente de seu povo, é o lugar perfeito para uma dar início a um esforço global de transparência e justiça.

Um dos grandes beneficiários da iniciativa será o projeto Wikileaks, especializado em trazer à luz do dia documentos secretos de interesse público. Aqui, um vídeo do pessoal do Wikileaks explicando como deve funcionar a iniciativa:

Na página do vídeo podem ser encontrados enlaces para as demais partes da palestra.

P.S.: como apurou a repórter Alda Sigmundsdóttir no The Guardian (vide a matéria), ninguém deve imaginar que esta inicativa pode vir a acobertar tablóides, imprensa marrom ou mesmo pedófilos. A proposta do IMMI mantém atividades ilegais tal como elas são hoje: ilegais.

A dica deste texto veio do blogue da Tax Justice Network: Iceland seeks to become anti-secrecy haven.

Veja também:

Islândia sob ataque.