Educação de qualidade custa caro

Por Allan Patrick, com informações do Último Segundo (indicado por IFRN).

Logo da rede de Institutos Federais. Fonte: Wikipédia

Durante a campanha eleitoral de 2010, sempre que tive a oportunidade, procurei debater o financiamento da educação pública com amigos e outras pessoas dispostas a conversar sobre o assunto. Infelizmente, ainda é lugar comum entre as pessoas que o problema da educação pública é decorrente de “má-gestão” ou do “ativismo sindical” dos professores e professoras. O meu discurso, relatando as condições de subfinanciamento do setor, decorrente mais dos orçamentos públicos precários do que do desvio para outros setores ou perdas para a corrupção, infelizmente não ecoa entre as pessoas. Isto é decorrente da informação de pouca qualidade sobre o assunto que está disponível para o público leigo.

Recentemente, uma matéria publicada no Último Segundo ajudou a clarear a questão. Os resultados do PISA, um programa internacional de avaliação escolar, mostram que alunos de um grupo de escolas públicas brasileiras estão entre os melhores do mundo, à frente de estudantes da França, dos Estados Unidos, Israel e Canadá. Ficaram em 7º lugar na classificação mundial, atrás apenas de Japão, Coréia, Cingapura, Finlândia, Hong Kong e Shangai. São alunos da rede pública federal de ensino, composta principalmente pelos Institutos Federais. Como ex-aluno de um deles, posso asseverar a sua qualidade.

A média de gastos por aluno/ano num Instituto Federal, segundo o Ministério da Educação, é de R$ 7,2 mil, contra R$ 2,3 mil na média das redes públicas estaduais e municipais. Diferença deste porte não se justifica por “desvios”, “má-gestão” ou “corrupção”. Há uma diferença qualitativa de gasto público que só pode ser financiada através de um outro padrão de arrecadação, seja pela via da carga tributária ou – o que deverá ser mais provável – por meio do futuro fundo do pré-sal.

Krugman: o Estado salvou o mundo da crise

Original publicado no The New York Times em 09/08/2009.
Traduzido e publicado em português pelo Último Segundo, 10/08/2009.
Republicado aqui com algumas pequenas correções na tradução.

Paul Krugman

Paul Krugman

Apesar de tudo, parece que não teremos uma segunda Grande Depressão. O que nos salvou? A resposta, basicamente, é o Grande Governo. Só para esclarecer: a situação econômica permanece terrível. Na verdade pior do que quase todos pensavam ser possível há algum tempo. A nação perdeu 6,7 milhões de empregos desde que a recessão começou.

Ao levar em conta a necessidade de gerar emprego para uma população crescente de novatos, percebemos que provavelmente faltarão nove milhões de empregos para tais pessoas.

O mercado de trabalho ainda não melhorou – aquela leve queda da taxa de desemprego no mês passado provavelmente foi um acaso feliz da estatística. Ainda não alcançamos o ponto em que as coisas realmente melhoram. Até agora, tudo que temos de comemorar são as indicações de que as coisas estão piorando de forma mais devagar.

No entanto, com tudo isso a última agitação nas notícias econômicas sugerem que a situação se afastou alguns passos da beira do abismo.

Há alguns meses, a possibilidade de cair nesse precipício parecia muito real. O pânico financeiro no final de 2008 foi, de certa forma, tão severo quanto o pânico bancário no começo dos anos 1930, e por certo tempo os indicadores econômicos principais – comércio mundial, produção industrial mundial e mesmo o preço das ações – estavam caindo tão rápido ou mais rápido do que em 1929 e 1930.

Mas na década de 1930 a tendência ainda era de queda. E, atualmente, o mergulho parece estar parando após apenas um ano terrível. Então o que nos salvou de um replay completo da Grande Depressão? É quase certeza que a resposta está na diferença da função cumprida pelo governo.

Provavelmente, o aspecto mais importante no papel do governo nesta crise não é o que ele fez, mas o que deixou de fazer: diferente do setor privado, o governo federal não cortou seus gastos com a queda da receita (o governo estadual e local são casos diferentes). As receitas de impostos foram baixas, mas os cheques da Previdência Social ainda estão sendo enviados. A Medicare ainda está pagando as contas dos hospitais. Desde funcionários federais a juízes e desde guardas florestais a soldados ainda estão sendo pagos.

Tudo isso ajudou a sustentar a economia em seu momento de dificuldade, de uma forma que não aconteceu em 1930, quando os gastos federais eram uma porcentagem muito menor do PIB. E, sim, isso significa que o déficit público – que é algo ruim em tempos normais –, na verdade, seja algo bom agora.

Além de ter esse efeito “estabilizador” automático, o governo deu um passo em direção ao resgate do setor financeiro. Você pode argumentar (e eu faria isso) que os pacotes de estímulo das empresas financeiras poderiam e deveriam ter sido mais bem negociados e que os contribuintes pagaram muito e receberam muito pouco. Ainda assim, é possível ficar insatisfeito, ou mesmo bravo, com o resultado desses pacotes financeiros, porque sem esses projetos as coisas teriam sido muito pior.

O fato é que dessa vez, diferente dos anos 1930, o governo não teve uma atitude indiferente enquanto o sistema bancário entrava em colapso. E esse também é outro dos motivos para não estarmos vivendo na Grande Depressão 2.

Os esforços deliberados do governo para impulsionar a economia foram tardes e provavelmente o menor possível, mas de maneira alguma banais. Desde o começo, argumentei que a Recuperação dos EUA e o Ato de Reinvestimento, também conhecido como plano de estímulo de Obama, eram pequeno demais. Apesar disso, estimações lógicas sugerem que cerca de um milhão de americanos a mais que estão trabalhando agora, sem esse plano, não estariam – um número que crescerá com o tempo – e que o estímulo teve um papel significativo em tirar a economia de sua queda livre.

Então, de modo geral, o governo teve uma função crucial em estabilizar essa crise econômica. Ronald Reagan estava errado: às vezes, o setor privado é o problema e o governo, a solução. E você não ficou feliz que agora o governo está sendo dirigido por pessoas que não odeiam o governo?

Não sabemos o que as políticas econômicas de uma administração de McCain e Palin teriam feito. Contudo, sabemos o que os republicanos na oposição estão dizendo – e eles estão reduzindo os pedidos para que o governo pare de ficar no caminho de uma possível depressão.

Não estou falando apenas da oposição ao pacote. Republicanos no comando de alguns cargos também querem acabar com os estabilizadores automáticos. Em março, John Boehner, líder da minoria na Câmara, declarou que dado que famílias estão sofrendo, “é hora de o governo apertar os cintos e mostrar ao povo americano percebemos essa situação”. Felizmente, seu aviso foi ignorado.

Ainda estou preocupado com a economia. Eu temo que ainda haja uma chance sólida de que o desemprego permaneça alto por um bom tempo. Mas parece que conseguimos evitar o pior: uma catástrofe absoluta não parece mais provável.

E o Grande Governo, dirigido por pessoas que entendem suas virtudes, é a explicação.

Textos relacionados:

Como a crise atual (2008) se compara com a de 1929?

Menor carga tributária é sinônimo de desenvolvimento?

Qual o maior problema econômico dos Estados Unidos?

A crise financeira sem mistérios.