Trânsito homicida

Por Allan Patrick

Frequentemente eu me sinto o próprio Dom Quixote quando converso com amigos ou publico textos neste Caderno sobre a necessidade de termos um novo modelo de desenvolvimento urbano, menos centrado na figura do automóvel, mais voltado para humanizar nossas vidas.

Hoje de manhã eu recebi uma péssima notícia. O filho de 3 anos de um colega de trabalho sofreu um grave acidente de carro. Por uma sorte do acaso, sobreviveu, tendo “apenas” quebrado o fêmur. Um primo, de 7 anos, que estava no mesmo carro, foi hospitalizado em estado grave. A mãe de seu primo está na UTI, quase desacreditada pelos médicos faleceu.

Infelizmente, fatos como este são tristemente comuns. Por isso, continuarei minha cruzada, por mais quixotesca que pareça. Precisamos de outro modelo de desenvolvimento. Outro mundo é possível. Mais que isso, outro mundo é necessário.

Qual o meio mais eficiente para cinquenta pessoas chegarem ao trabalho?

Alguma dúvida que a resposta certa é a letra B?

20% dos deslocamentos na Grande Natal são feitos de bicicleta

Fonte: Diário de Natal, Domingo, 1º de fevereiro de 2009.

Haverá estímulo para o transporte de massa

Percentual de viagens de bicicleta em Natal (20%) está no mesmo patamar de países avançados, como a Holanda (28%).

Para os estudiosos, o Plano de Mobilidade deve levar em consideração o cidadão que precisa do transporte público para viagens curtas, sendo importante para a economia interna da sua região e para a diminuição da pressão social sobre o sistema.

O estudo de Origem e Destino que baseia o Plano de Mobilidade Urbana de Natal identificou que mais de dois milhões de viagens são realizadas diariamente, sendo que 67% desse número compreendem viagens internas e 13% são de ligações entre Natal e a Grande Natal, com destaque para os percursos Parnamirim-Natal (76.180 viagens/dia), Natal-Parnamirim (72.969) e São Gonçalo-Natal (39.640).

O estudo mostra ainda que as Zonas Sul e Leste usam mais o transporte coletivo e veículos individuais enquanto as zonas Norte e Oeste são as que mais usam veículos não motorizados, como bicicletas, além de serem as que mais concentram viagens internas. 72% dos deslocamentos feitos na Zona Norte são internos, enquanto que na Zona Leste esse índice é de 63%.

O estudo também mostra que o número de usuários de bicicleta em Natal é maior que em outras cidades, beirando os 20%, concentrados nessas duas regiões, o que colocaria a  capital entre as cinco no Brasil que mais utilizam esse veículo – dado que surpreendeu os estudiosos.

A pesquisa identificou que na Zona Norte mais de 235 mil viagens são feitas diariamente à pé ou em veículos não motorizados. ‘‘Aqui está o verdadeiro nó, onde essas pessoas estão andando? Como está a situação das calçadas, a acessibilidade para esse deslocamento?’’, questiona Enilson. Desse total, 32.093 viagens teriam destinos para mais de 2 quilômetros de distância. O plano sugere um sistema de transporte público intra-zonas com tarifas menores, o chamado transporte vicinal, para atender a esse público potencial.

Além disso, hoje cerca de 45 mil viagens diárias partem e terminam na própria Zona Norte. De acordo com o estudo, o roteiro das linhas de transporte naquela área precisa mudar, já que ‘‘o sistema não foi preparado para esse tipo de uso, o que o torna desconfortável e caro’’, acrescenta Enilson.

A matéria completa pode ser lida aqui (PDF, 700kb).

Veja também:

O Ciclista que calculava.

As calçadas de Londres.

Progressividade fiscal em multas de trânsito

Fonte: Blogue XTreme. A tradução é cortesia deste Caderno.

Ir a mais de 100 km/h na Suíça: multa de 202 mil euros

Segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Ferrari Testarossa. O valor da multa seria suficiente para comprar um modelo novo.

Segundo a BBC, um milionário suíço teve a infeliz ideia de percorrer as ruas do povoado São Galo a 137 km/h com uma Ferrari Testarossa. A brincadeira custou-lhe 202.415,00 euros.

Para o cálculo da multa, nem é tão relevante a velocidade do infrator, porque na Suíça o valor da infração varia na proporção do patrimônio do condutor. No caso do suíço, cujo nome não foi revelado, sua fortuna está avaliada em quase 16 milhões de euros. É proprietário de uma generosa propriedade rural e cinco automóveis de luxo, entre eles o mítico automóvel italiano.

Esta multa se tornou a mais elevada da história do povoado germano-suíço de São Galo, dobrando o valor da anterior, em que o condutor de um Porsche havia superado em 57 km/h o limite de velocidade.

O valor da multa teria sido suficiente para adquirir uma Ferrari Testarossa nova no último ano em foi fabricada, 1996, quando era vendida por 220 mil dólares.