Bolsa-família atende 45 milhões de americanos

Por Allan Patrick

Food stamp, o bolsa-família dos EUA. Foto: USDA.gov

Foi notícia na edição de 16 de julho de 2011 da revista The Economist e dá uma ideia do tamanho da crise que atinge a população do Estados Unidos:

Em abril, o programa food stamp (o bolsa-família dos EUA) atendeu 45 milhões de pessoas ou um de cada sete americanos.

O custo anual do programa este ano chegou a US$ 65 bilhões!

E o Departamento de Agricultura, que administra o programa, reconhece que apenas dois terços dos que poderiam se habilitar a receber o pagamento fizeram sua inscrição.

O benefício médio é de 133 dólares e o máximo atinge 200 dólares.

O Itaú na Economist

Por Allan Patrick

Anúncios de contracapa do Itaú na Economist.

Há duas semanas eu escrevi sobre um anúncio do Banco Santander na revista The Economist, mas em termos de anúncios quem tem me chamado a atenção na revista é o Banco Itaú. Desde que cheguei aqui em Londres, tenho comprado todas as semanas a revista, e sem exceção, sempre está lá um anúncio de página inteira do Banco Itaú. Com tanta regularidade, nem a IBM, a Toyota e a Samsung, outros dos anunciantes mais frequentes da revista. Certamente, é o maior anunciante da revista que não tem os leitores como potencial clientela. Mais recentemente, o Itaú tem sido mais ousado, e ocupa a contracapa edição sim, edição não.

Exemplo de edições da Economist que tiveram anúncio do Itaú na contracapa.

O interessante é que, após décadas em que as empresas e analistas brasileiros sofriam com a fraqueza da marca “Brasil”, que aos olhos estrangeiros mal se diferenciava da América Latina como um todo, o Itaú está aparentemente dando um passo atrás, ao se anunciar como um o “banco global da América Latina”. Sim, o Itaú é o maior banco privado do Brasil. Mas sua presença na Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile é tímida. E, fora desse conjunto de países na América do Sul, é um banco irrelevante em termos de varejo. E a presença na imprensa de economia londrina do nome Brasil é muito mais forte do que América Latina.

Qual será o objetivo do banco? Valorizar a “marca” e, portanto, seu posicionamento na mente dos analistas de mercado no exterior? A categoria América Latina (onde há concorrentes maiores, como o próprio Santander) é a correta?

Sobre essa campanha há um comunicado à imprensa, insosso e pouco explicativo, divulgado no começo do ano.

Veja também:

O Banco Santander e o Brasil.

O SUS na Economist

Por Allan Patrick

É preciso investir mais para ter um melhor Sistema Único de Saúde (SUS).

O Sistema Único de Saúde foi recentemente retratado numa matéria da revista The Economist (edição de 30/julho/2011), An injection of reality (“Uma injeção de realidade”).

A matéria começa elogiando o sistema criado pela Constituição de 1988, que fundiu os sistemas públicos pré-existentes (um para o povão, outro para os contribuintes da previdência). Este modelo dual, segundo a The Economist, continua vigente em boa parte da América Latina. É essa a razão pela qual ainda encontramos no nosso país pessoas de mais idade que se lembram “do tempo em que a saúde pública era eficiente”. Eu mesmo nasci em um hospital público. No entanto, a razão dessa “qualidade” era a ausência de universalidade, levando uma parcela majoritária da população ao desamparo.

A revista reconhece que o sistema não possui o financiamento adequado, como já relatamos tantas vezes aqui neste caderno. E informa que o gasto com o SUS é de apenas 3,1% do PIB.

Interessante notar a franqueza do professor de um MBA em saúde de uma faculdade particular brasileira ao sugerir que o atendimento básico de saúde seja privatizado e que o estado fique apenas com os procedimentos de maior complexidade e atendimento de emergência – justo aqueles que custam mais caro e que nenhuma empresa privada ou Oscip deseja assumir.

Veja também:

Há verba suficiente para a saúde?

SUS, Brasilianas.org e carga tributária.

Transplante de medula óssea e o SUS.

Os procedimentos complexos e o SUS.

Diagnóstico da saúde pública no Brasil e Saúde pública: o que o SUS consegue fazer?

O Banco Santander e o Brasil

Por Allan Patrick

Na edição da revista The Economist publicada duas semanas depois que escrevi o texto “O segundo tempo da crise econômica mundial”, no qual citei as dificuldades do Banco Santander em passar adiante (securitizar) dívidas dos entes públicos regionais da Espanha, esse mesmo banco publicou um anúncio de página inteira, indicando a origem dos seus lucros no primeiro trimestre de 2011 (Q1 2011, na gíria do mercado).

Obviamente, o anúncio não foi uma resposta ao meu texto. Mas se eu, um simples blogueiro, fiz aquela leitura, com os dados disponíveis na imprensa, certamente centenas de analistas do mercado financeiro também fizeram. Essa sim foi a motivação para a publicação do anúncio, que vocês podem ver abaixo:

Distribuição geográfica dos lucros do Banco Santander Q1 2011. Fonte: The Economist, 09/jul/2011.

O maior banco da zona do euro faz questão de alardear que 25% dos seus lucros – a maior parcela – vem do Brasil. Um bom – e mau – sinal de como anda nossa economia.

Veja também:

O segundo tempo da crise econômica mundial.

A Itália é diferente

Por Allan Patrick

A cada semana, um país na mira dos especuladores.

Por esses dias, várias notícias alarmistas tratavam do risco da Itália ter algum problema na rolagem de sua dívida pública. Na verdade eram especuladores se aproveitando, num momento em que venciam vários títulos da dívida italiana, para forçar pra cima os juros a serem pagos por aquele país no momento em que fazia a substituição dos títulos antigos por novos.

O motivo para acreditar que, embora a Itália tenha uma das maiores relações dívida pública/PIB do mundo (junto com o Japão), não vai ter problemas na rolagem dessa dívida, é que a maior parte dos credores são internos, ou seja, os próprios italianos – clientes do varejo – que não tem muito interesse em ataques especulativos ou corridas contra os bancos. A razão dessa insólita (e positiva) situação é que, ao contrário da crença “popular” – que afirma serem os povos da Europa do Norte poupadores e comedidos, enquanto os habitantes do Mediterrâneo não passam de latinos irresponsáveis – a Itália é o país com a maior taxa de poupança interna da Europa (informação importantíssima despretenciosamente escondida num relatório especial de 14 páginas da revista The Economist, edição de 11 de junho de 2011). Esqueçam aquelas historinhas publicadas nos cadernos de economia dos jornais brasileiros sobre a fábula de Jean de La Fontaine, onde a Alemanha normalmente é retratada como a nação das formigas, e os latinos como as cigarras.

Só pra concluir: o relatório da OECD em 2009 mostra que a Itália é o quinto país onde mais se trabalha na Europa (eu vi uma planilha com dados de 2010 mostrando o país em segundo lugar, mas perdi a referência). A Alemanha vem bem abaixo, em 23º. Tal como no Brasil, onde os estados do Rio de Janeiro e da Bahia normalmente estão nos primeiros lugares no número de horas trabalhadas, mas levam a má fama de terem trabalhadores “preguiçosos”, la dolce vita italiana pode estar muito presente na mente dos turistas, mas não tem amparo na realidade.

P.S.: que país na Europa lidera o número de horas trabalhadas há dez anos e mesmo assim é rotulado pela mídia, incluindo a TV alemã (a denúncia do preconceito está numa matéria da Al Jazeera), como uma terra de preguiçosos perdulários? Sim, ela mesma, a Grécia!