De volta ao Brasil

Por Allan Patrick

Se o voo não atrasar, pela hora que eu agendei a publicação deste post devo estar chegando de volta a Natal, depois de minha temporada de três meses estudando inglês em Londres. Uma cidade da qual eu sabia muito pouco mas que gostei quase de cara. Foram 90 dias sem precisar dirigir um carro e curtindo a vida comum de um londrino. Adorei passear pelas livrarias, bibliotecas, museus e descansar nos parques nos dias de sol (é, de vez em quando ele aparece).

Acima de tudo, foi muito bom conviver com tanta gente diferente na escola. Perceber as diferenças culturais. A tailandesa que nunca tinha ouvido falar em Marlon Brando ou no filme O Poderoso Chefão, a coreana que não sabia o que era o Papa (atenção: não quem era o Papa, mas o que), o jovem e ingênuo paquistanês que afirmou em sala de aula nunca ter visto um transexual (mas estava sentado ao lado de uma!), o professor polonês que queria dar aulas de karatê ao invés de inglês, o professor romeno de quem me tornei amigo, o colega siciliano de residência estudantil, rei da simpatia e da picardia, o coreano que chegou na casa só sabendo dizer “Hi!” e que evoluiu bastante no seu nível de inglês e se emocionou (eu também) na nossa despedida, as colegas japonesas, o argelino, os dois amigos do Cazaquistão (ele russo, ela cazaque) e a República de Aguascalientes  (uma brincadeira com os quatro mexicanos que passaram pela casa, todos do mesmo pequeno estado e que não se conheciam previamente, uma coincidência tão extraordinária como se eu tivesse encontrado três outros potiguares por aqui).

O Museu das Docas de Londres

Por Allan Patrick

Museu das Docas de Londres. Foto: acervo pessoal.

Londres é uma cidade farta em museus e seria perda de tempo aqui falar sobre a maioria deles, muito mais bem descritos e analisados por outros blogueiros. Mas, há uma pequena pérola que passa desapercebida para a maioria dos turistas, visitantes e até mesmo para muitos londrinos. Estou falando do Museu das Docas de Londres (Museum of London Docklands).

O prédio do museu é um antigo armazém de açúcar e a viela onde está localizado era conhecida como “Bloody Alley” (beco sangrento, viela sangrenta) porque os estivadores que trabalhavam no local descarregando os navios tinham sempre suas mãos, pescoços e costas em carne viva por causa das péssimas condições de trabalho.

O museu conta a história dos portos e docas de Londres desde a fundação da cidade pelos romanos e é isso o que o torna tão especial, porque em essência narra a história econômica da cidade e, por tabela, do Império Britânico. Foi o único museu da cidade do qual eu fui – literalmente – expulso em razão do horário de fechamento.

Só nele é possível encontrar a informação de que, no século XVIII, um quarto da renda no Reino Unido era oriunda dos lucros dos senhores de engenho das Índias Ocidentais (colônias do Reino Unido no Caribe) e que um destes escravagistas, William Beckford, chegou a se tornar Prefeito de Londres, tal a influência política e econômica que exerciam no Império.

Essa acumulação primitiva de capital iria criar as condições para a deflagração da Revolução Industrial, colocando o Reino Unido na liderança econômica do mundo durante todo o século XIX o que resultou, claro, no período de máxima expansão das Docas de Londres, que o museu retrata muito bem.

Para um retrato perfeito da história econômica do Império Britânico, faltaria apenas um relato um pouco mais aprofundado da evolução do setor financeiro da cidade, muito ligado historicamente à força das conexões comerciais marítimas, que é abordado de forma um pouco superficial. Não deixa de ser curioso, posto que o a região das docas de Londres, onde o museu está, depois da desativação das atividades portuárias nos anos 1980, foi convertida em centro financeiro, praticamente tão importante quanto o da City de Londres.

Veja também:

A Europa que não conhecemos: a City de Londres.

Causos londrinos: o empoderamento feminino

Por Allan Patrick

A participação da mulher no mercado de trabalho mostra como ainda estamos muito atrasados em relação a Londres, principalmente por ser um problema cuja solução depende unicamente da nossa vontade de agir. Ver mulheres no comando dos ônibus e das composições de trem e metrô, apenas para ilustrar a diferença com um exemplo público e notório, é sintoma de uma sociedade sadia.

Mulher no volante, sociedade pujante.

Causos londrinos: o oyster card

Por Allan Patrick

Oyster card, um smartcard "esperto".

Como já tive a oportunidade de registrar, o custo de uma passagem simples no metrô de Londres é absurdamente alto (£ 4.00 ou R$ 10,40). A alternativa para gastar menos é o Oyster Card, um smartcard que deve ser usado toda vez que se entra e sai das estações do metrô. Além de oferecer um desconto significativo, ele calcula automaticamente o menor custo para a viagem do usuário. Isso porque o metrô de Londres não utiliza tarifa única; ele possui um sistema de zonas e o custo das viagens varia conforme o passageiro as cruza. É bastante complicado de entender e penaliza os morados dos bairros mais distantes (e pobres).

Eu diria que o oyster não é um cartão “inteligente” (smart), mas “esperto” (na pior conotação que damos à palavra no Brasil). Eu tive o desprazer de usar a linha DLR do metrô (que, vejam só, pertence a um operador diferente daquele que administra as outras linhas). O problema é que, por ser um operador diferente, nessa linha a sinalização do local onde você deve registrar a sua saída com o oystercard é diferente (e quase imperceptível). Justamente foi isso que me ocorreu, eu passei desapercebido pelo local onde deveria registrar o “touch out” do oystercard ao sair da estação. Como eu estava indo pra estação de trem contígua à estação final dessa linha de metrô, vi uma catraca igual à que se usa na saída das estações tradicionais do metrô (só que, pro meu infortúnio, era na verdade a catraca de entrada da estação de trem). Então, ao invés de registrar minha “saída” do metrô, o que eu fiz foi registrar minha “entrada” no sistema ferroviário. Ter deixado minha saída do metrô em aberto fez o meu cartão ser debitado pela tarifa cheia do metrô. Pior, ter registrado minha entrada no sistema ferroviário (pensando que era a saída o metrô) me fez pagar também a tarifa cheia dos trens (que é de £ 8.00), além de ter comprado o próprio ticket do trem. Não entendeu? Não se preocupe, você é uma pessoa razoável, porque eu também não entendi e só descobri o ocorrido no momento de voltar pra casa, quando percebi que o saldo do meu cartão estava negativo (gastei meia hora rachando a cabeça, olhando pro extrato on-line na máquina de auto atendimento, até entender o que tinha ocorrido). Resultado: o meu oystercad foi debitado na tarifa máxima na rede ferroviária e do metrô. Perdi umas 10 libras nessa história (quase R$ 30,00).

Veja também:

Causos londrinos: a terra da privatização

Causos londrinos: olhe o batente!

Causos londrinos: aviões

Por Allan Patrick

Avião sobrevoando Londres. Foto: Allan Patrick.

Antes de vir para Londres, eu já tinha lido algumas notícias sobre as reações populares à construção de mais uma pista no principal aeroporto de Londres, o Heathrow.  Mas agora eu entendo perfeitamente o sentimento dos londrinos. A cidade tem nada menos do que cinco aeroportos, todos com movimento de passageiros superior ao de Natal. A poluição sonora é brutal, principalmente porque o mais movimentado deles, o aeroporto de Heathrow, está pessimamente localizado de forma tal que todos os aviões que chegam ou saem cruzam boa parte da cidade a baixa altitude. É quase insuportável ouvir um avião passando sobre sua cabeça, em casa, na escola ou em qualquer lugar a cada cinco minutos.