Racismo à brasileira

Por Allan Patrick

Já vimos neste Caderno como o racismo, no mundo dito “civilizado”, pode aparecer de maneira transparente: Racismo escancarado, O referendo suíço, Olhos Azuis, Golpista chama Obama de “ese negrito”.

No Brasil, o estilo é outro, embora a discriminação seja a mesma. No passado fim de semana (12 e 13/dez/2009), tive a oportunidade de visitar minha cidade de origem: Natal, Rio Grande do Norte. Tinha ouvido de amigos e familiares diversas críticas à decoração natalina preparada pela Prefeitura Municipal (administração Micarla de Souza, Partido Verde), mas não esperava surpreender-me de forma tão negativa. A decoração natalina da cidade choca pela maneira quase exemplar de demonstrar como funciona o racismo à brasileira: sutil, mas contundente.

Como uma imagem vale mais do que mil palavras, seguem algumas que valem por um livro:

Anjo de cabelo vermelho.

Você já viu um nordestino de cabelo vermelho? Nem eu!

Anjo élfico.

E este anjo? Parece um elfo d’O Senhor dos Anéis. Bela referência à cultura… anglosaxã!

Uma anjo galega.

Esta anjinho é linda, não? Vamos supor que é uma homenagem à parcela de nossos antepassados galegos.

Papai Noel.

Papai Noel. De bochechas rosadas, como não haveria de ser? A cota dos galegos parece já ter sido ultrapassada…

Duende (espantalho?).

O que o Espantalho do Mágico de Oz faz por aqui? Seria um dos duendes da fábrica do Papai Noel? Por isso a carinha de quem acabou de chegar da Lapônia.

Anjo com bordado de cajus.

Ah, agora sim. Respeito à cultura e ao povo potiguar! Uma referência ao caju, fruto nativo do Rio Grande do Norte! Mas o anjo precisava ser loiro e ter as bochechas rosadas?

Anjo com bordado de praias e dunas.

Mais um tema regional. E mais um galeguinho!

Anjo com bordado do Mar.

Quando não é galego, o cabelo é vermelho…

Anjo sanfoneiro.

Será que o sanfoneiro é uma homenagem a Hermeto Pascoal ou a Sivuca? E só eu que não percebi isso?

Anjo com triângulo.

Mais um galeguinho de bochechas rosadas…

Anjo com zabumba.

Não confunda: o que este anjo tem na cabeça não é um chapéu de couro, mas o cabelo vermelho… deve ter vindo de Massachusetts.

Mas o pior está por vir…

Os Três Reis Magos.

Tentem ignorar o merchandising do supermercado francês. Notaram algo de estranho nos Três Reis Magos? Não? Vamos aproximar as imagens:

Primeiro Rei Mago.

Segundo Rei Mago.

Terceiro Rei Mago.

Notaram? Em Natal, o racismo subliminar é tão forte que nem Baltazar é negro! A maior parte da população do Estado (60%, segundo dados do IBGE, PDF) é ignorada na representação dos personagens natalinos. Se considerarmos que sequer na minoria de 35% de brancos há tão alta incidência de galegos, a exclusão é ainda maior.

Fotos

Todas as fotos são de minha autoria. Licença Creative Commons BY-SA 2.5, como tudo o que publico por aqui.

Textos relacionados:

Racismo escancarado.

O referendo suíço.

Olhos Azuis.

Golpista chama Obama de “ese negrito”.

O referendo suíço

Por Allan Patrick

Os suíços, em recente referendo, proibiram a construção de almádenas (ou minaretes) nas mesquitas existentes em seu país. Este quadrinho, desenhado pelo espanhol Manel Fontdevila, ilustra de forma irônica nossa opinião sobre o resultado:

Reação de hidrófobos de extrema-direita ao referendo na Suíça. Por Manel Fontdevila.

Tradução:

– Viva Suíça!

– Os muçulmanos estão nos colonizando!

– Estão nos invadindo!

– Impõe seus costumes! Comem nossos impostos!

– Quando eu penso… Tenho vontade de recolher o lixo ou limpar eu mesmo o ra** de Yaya!

– Fo***-se!

Yaya: Cid Hiaya el-Nayyar, membro de uma influente família muçulmana do Califado de Granada, último reino islâmico da Península Ibérica a ser derrotado e anexado pelos Reis Católicos, em 1492. Yaya vendeu-se ao reino cristão de Castela e converteu-se ao cristianismo, ajudando na conquista da nação de seus antepassados. Retificação em 18/08/2011: ver o comentário de João, abaixo.

Textos relacionados:

Racismo escancarado.

Racismo escancarado

Por Allan Patrick

Este é o assunto do momento na blogosfera espanhola. A Intereconomía TV é um canal de notícias espanhol que faz par com o americano Fox News, ao dar vazão às opiniões políticas da extrema direita. Nesta matéria que, vale o alerta, não é humorística, a apresentadora inicia rebatendo “as críticas dos meios de comunicação esquerdistas ao Papa por não recomendar o uso de preservativos na África”. Abaixo do vídeo, faço a tradução dos principais trechos.

Apresentadora: O Papa não fez mais do que revelar a verdade. Nos países africanos onde a presença da fé católica é maior, a AIDS cresce menos do que nos países onde se distribuem camisinhas.

Repórter: Qual a necessidade real dos preservativos na África? Se olharmos as instruções do produto, veremos que deve ser preservado em lugar fresco e seco, algo impossível na África. Além disso, devem ter cuidado para não rasgar o produto com as mãos. Enfim, a manicure africana não é exatamente muito conhecida por sua qualidade. Se, além disso, consideramos que a maior parte dos habitantes do Terceiro Mundo não sabem ler, o uso do preservativo na África pode ser um grande perigo.

Legenda: Razões científicas que ratificam as declarações do Papa Bento XVI.

Repórter: O preservativo tem uma margem alta de risco de contágio, de 2 % a 5 %,  e pode ser uma verdadeira armadilha a favor da AIDS. Para uma correta conservação das camisinhas, elas devem ser preservadas em lugar seco e fresco, o que não é possível na África onde a maior parte da população vive em desertos tórridos.

Legenda: A maior parte do continente africano tem um clima inadequado à guarda de preservativos.

Repórter: Além disso, no mundo ocidental o normal é ler as instruções antes de se utilizar os preservativos, mas na África devemos considerar que há o maior índice de analfabetos do mundo e seus habitantes dificilmente poderão compreender as instruções e utilizar as camisinhas adequadamente.

Legenda: A analfabetização do continente pode dificultar o entendimento das instruções de uso dos preservativos.

Repórter: Ainda que entendam e consigam ler as instruções, dificilmente os africanos poderão cumpri-las, porque muitos habitantes das zonas rurais do continente negro podem ter mãos inaptas à adequada abertura da embalagem dos preservativos. Isso mostra como é evidente o perigo dos países que enfrentam a doença distribuindo camisinhas.

Repórter: a doutrina da Igreja Católica continua sendo clara e segura: não à promiscuidade e que em toda relação os sentimentos sejam o principal.

Textos relacionados:

Racismo e política de cotas.

Olhos Azuis.

Racismo e política de cotas

Neste Dia da Consciência Negra, uma história em quadrinhos que descreve muito bem a relação entre negros e brancos não só nos Estados Unidos, país do autor, como também no nosso Brasil, e que serve de contra-argumento às ideias de quem defende que não deve haver políticas compensatórias para negros (a tradução está logo a seguir).

A historia do racismo nos Eua

No quadrinho, intitulado "Uma história concisa das relações entre negros e brancos nos Estados Unidos", um menino branco usa um escravo, negro, pra subir numa plataforma, enquanto afirma "Isso é pro seu próprio bem". Ao chegar lá em cima, diz pro negro: "Sinto muito por ter sido racista antes. Agora não sou mais". O negro responde: "Ótimo. Você pode me dar uma mão pra eu subir?". E o branco: "Claro que não! Isso seria racismo invertido!". E emenda: "Veja bem, se eu consegui subir aqui sozinho, por que você não conseguiria?".

© Barry Deutsch

Fonte: Political Irony via Escreva, Lola Escreva.

Textos relacionados:

Olhos Azuis.