Capitalização da Petrobrás

Por Allan Patrick

Plataforma P-52. Foteo: Ricardo Stuckert/PR.

Teve início o período de capitalização da Petrobrás e fiz a minha adesão. Diminuta, frente aos valores totais envolvidos, mas, enfim, é a minha contribuição. Com a adoção de um modelo normativo para o petróleo do Pré-Sal em moldes semelhantes ao norueguês, o que, traduzindo para o bom português, significa que haverá uma forte tributação sobre a exploração de petróleo, em torno de 85%, perspectivas muito interessantes vão se abrir para o país nas próximas duas décadas, principalmente e partir de 2020, quando as rendas do Fundo do Pré-Sal começarem a ser aplicadas em saúde e educação. Nesse processo, nada mais justo e correto do que fortalecer o controle público sobre a empresa estatal que explora a atividade. Exatamente como fez a Noruega em 2007, quando fundiu a sua empresa petrolífera, a Statoil, com a subsidiária de petróleo e gás da Norsk Hydro (a Eletrobrás deles), ambas estatais.

O fim do pré-sal?

Até onde o jornalismo brasileiro vai na luta contra sua credibilidade?

Até onde o jornalismo brasileiro vai na luta contra sua credibilidade?

Esta declaração do físico José Goldemberg, saiu no Valor Econômico, na matéria Foco em petróleo pode inibir avanço do etanol (20/10/2009), mas não ficaria mal no É o fim de tudo! Um blog apocalíptico:

Para o professor José Goldemberg, do Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP (IEE), o etanol “é um programa inteiramente consolidado porque está nas mãos da iniciativa privada”, portanto, sem interferência do governo e sem a dependência de subsídios, como acontecia no passado. “Se fosse dependente, certamente correria sério risco, porque o pré-sal vai exigir recursos de tal monta que efetivamente vai acabar sugando recursos de outras áreas, inclusive de educação e saúde”, afirma. O custo de abertura de um poço, que a Petrobras calcula em US$ 100 milhões, deve sair por cinco vezes mais, diz o professor, com base em estimativas internacionais. Além disso, “de cada dez poços que se abrem, apenas três é que seriam produtivos“, conclui. (grifo nosso)

Esse partidarismo Fla x Flu criado pela mídia (o Pig, no bordão de Paulo Henrique Amorim) nos leva ao desprazer de ver uma pessoa tão inteligente como o Professor José Goldemberg dando esse tipo de declaração sensacionalista por motivos partidários.