A consciência de um liberal, de Paul Krugman

Por Allan Patrick

Capa da edição brasileira. Editora Record.

Há um bom tempo eu acompanho os artigos do economista Paul Krugman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2008. Mais recentemente, tenho lido seu blog. Esta semana, por uma infelicidade, sofri um acidente de carro (estou fisicamente perfeito, embora o evento por muito pouco não tenha sido catastrófico), o que me deixou mais de duas horas abandonado numa BR à espera de um guincho tendo como única companhia uma das últimas obras de Krugman, “A consciência de um liberal“. Trágica ironia: num momento eu poderia ter perdido a vida, 15 minutos depois eu estava acompanhando a prazerosa exposição de Krugman.

Uma breve explicação para quem não conhece o cenário político nos Estados Unidos. No Brasil, liberais (ou, mais recenemente neoliberais, neo = novo) são aqueles que defendem a liberdade econômica para o capital. Nos Estados Unidos, no contexto político atual, liberais são aqueles que defendem a liberdade para o ser humano, que só pode ser satisfeita com a existência alguma estrutura pública e coletiva, tais como a previdência social, a educação pública de qualidade e a saúde pública e gratuita universal.

Pois bem, este é o primeiro livro de Krugman, que tive a oportunidade de ler(*), e fiquei com uma ótima impressão do autor. Na obra, o autor discorre sobre como os Estados Unidos eram uma nação bastante desigual antes do New Deal, como este resultou numa rápida redução das desigualdades no país num brevíssimo período de tempo (que ele denomina “a grande compressão”), tendo Franklin Delano Roosevelt utilizado-se de vários instrumentos para alcançar esse feito, sendo o principal a progressividade fiscal (mais impostos para os mais ricos). E mostra, sempre com base em muitos dados e referências como bom acadêmico que é, como foi o New Deal que criou a sociedade de classe média nos Estados Unidos da América. Krugman narra ainda as décadas de ataque sofrido pelo estado de bem-estar social por parte do “movimento conservador radical”, cujo ápice foi a presidência de George W. Bush, e se mostra esperançoso com as perspectivas para o futuro, valendo-se para tanto de dados demográficos que projetam perspectivas mais otimistas para políticos progressistas do seu país nos próximos anos.

Um ótimo complemento para o livro “Maus Samaritanos“, de Ha-Joon Chang, que comentamos recentemente (aqui).

(*) trecho entre vírgulas acrescentado em 05/12/2012.

Reagan, impostos e desemprego

Por Allan Patrick

Paul Krugman, em seu blogue, chama a atenção para duas alterações significativas nos índices de desemprego nos Estados Unidos em consequência de mudanças relevantes na legislação tributária, durante o primeiro mandato do Presidente Ronald Reagan. O gráfico é este:

Nível de desemprego nos Estados Unidos entre 1980 e 1985.

O que significa ERTA? É a sigla em inglês para Economic Recovery Tax Act (em português: Lei Fiscal da Recuperação Econômica). Seu conteúdo: uma redução geral nos impostos federais dos Estados Unidos. Entre outras mudanças, a alíquota máxima do Imposto de Renda caiu de 70% para 50%. Qual o resultado na curva do desemprego? Um aumento de 8% para 11% entre a promulgação da lei, em 1981, e o ano de 1983, quando foi publicada a TEFRA, sigla em inglês para Tax Equity and Fiscal Responsibility Act (em português: Lei da Isonomia Tributária e Responsabilidade Fiscal). Esta última revogou parte da redução tributária promovida pela primeira. Qual o resultado? Redução no nível de desemprego.

Como explica em seu blogue, Paul Krugman não quer a partir daí afirmar que há uma correlação automática entre os eventos, mas sim mostrar que a redução na carga tributária não implica em redução do nível de desemprego. Através de um exemplo é fácil compreender como isso pode ocorrer: se o Estado aumenta a pressão tributária sobre um bilionário para financiar o funcionamento de uma nova escola, está elevando a carga tributária, mas reduzindo o desemprego, ao contratar professores e funcionários de apoio.

Veja também:

Menor carga tributária é sinônimo de desenvolvimento?

Krugman: o Estado salvou o mundo da crise.

Imposto para especuladores

Chegou a hora de frear o mercado financeiro

Paul Krugman – Do The New York Times.

Paul Krugman.

Será que deveríamos usar impostos para impedir a especulação financeira? Sim, dizem as autoridades britânicas que administram um dos maiores centros financeiros do mundo, em Londres. Outros governos europeus concordam – e eles estão certos.

Infelizmente, as autoridades dos Estados Unidos – especialmente o Secretário do Tesouro, Timothy Geithner – são absolutamente contra a proposta. Esperemos que eles repensem a questão: este é um momento perfeito para a criação de um imposto sobre transações financeiras.

A discussão começou em agosto, quando Adair Turner, presidente da Autoridade de Serviços Financeiros da Grã-Bretanha, sugeriu o imposto sobre transações financeiras como uma forma de desencorajar atividades “socialmente inúteis”. O primeiro-ministro britânico Gordon Brown aprovou a proposta, que foi apresentada na reunião das 20 maiores economias do mundo neste mês.

E por que essa é uma boa ideia? A proposta Turner-brown é uma versão atualizada da ideia que circulou originalmente em 1972, sugerida pelo prêmio Nobel de economia James Tobin. Tobin dizia que a especulação monetária – as transações que se beneficiam das flutuações de câmbio – estavam causando rupturas sérias na economia mundial. Para reduzi-las, ele criou um pequeno imposto módico para cada transação cambial.

Continua…

Textos relacionados:

O que é a Taxa Tobin?

Wall Street e o imposto sobre transações financeiras.

Imposto sobre transações financeiras nos Estados Unidos.

Caçadores de mitos: capital financeiro

Por Allan Patrick

Paul Krugman

Paul Krugman.

Eu costumo caminhar na esteira quase todo dia. E para passar o tempo assisto à Bloomberg. Há um aspecto que eu gosto: muitos números dos fundamentos da economia são divulgados em estado bruto, sem nenhum tipo de intermediário que lhe aplique um verniz ideológico. O aspecto chato é o rosário de economistas, quase sempre do mercado financeiro, repetindo constantemente o mesmo mantra em prol do capital especulativo. Por isso eu admiro o economista Paul Krugman, Prêmio Nobel de 2008. Porque ele lê os números e elabora uma análise aparentemente sem compromisso com lóbis do setor financeiro. Como nesta entrada do seu blogue, que traduzo a seguir, onde discorre sobre a influência do capital financeiro em economias do terceiro mundo:

9/11/2009 – Caçadores de mitos do sistema financeiro, Episódio Terceiro Mundo

Um argumento que eu continuo ouvindo é que “Bem, talvez a China não tenha recebido muito capital externo, então você não pode atribuir sua evolução recente às modernas finanças internacionais, mas diversos outros países em desenvolvimento  estão crescendo rapidamente graças ao capital financeiro.”

E minha resposta é uma pergunta: de quem vocês estão falando?

Desde o começo dos anos 1980, houve três grandes ondas de fluxo de capital financeiro para países em desenvolvimento.

A primeira onda teve como destinatário os países da América Latina que liberalizaram o comércio e abriram seus mercados como consequência da crise da dívida dos anos 1980. Essa onda chegou ao fim dolorosamente, com a crise mexicana de 1995 e com a prolongada crise argentina que veio a estourar em 2002.

A segunda onda atingiu as economias do Sudeste Asiático em mediados dos anos 1990, quando o milagre econômico dos tigres asiáticos havia alcançado seu auge. Essa onda também se encerrou dolorosamente, com a crise de 1997-8.

A terceira onda foi dirigida às economias do leste europeu em mediados desta década. Esta onda também está se encerrando dolorosamente, no presente momento.

Houve alguns bons exemplos de desenvolvimento econômico extraordinário desde os anos 1980. Mas eu não estou ciente de nenhum caso que tenha sido conduzido principalmente por capital financeiro externo. O ponto aqui não é se o movimento internacional de capitais é necessariamente algo ruim – esse é um tema bastante quente, a propósito. O ponto é que não há qualquer evidência nítida que fluxos de capital financeiro resultem ser uma fonte relevante de sucesso econômico.

Como a crise atual (2008) se compara com a de 1929?

Comparação da produção industrial mundial em 1929 com a atual:

Krugman two crises

Produção industrial (100 = início da crise) ao longo do tempo (meses). Em azul, comportamento em 1929. Em vermelho, curva da produção industrial no mundo (dias atuais, 2008-2009).

Fonte: Blogue de Paul Krugman.

P.S.: algumas diferenças importantes devem ser anotadas. A produção industrial é muito mais desconcentrada hoje do que em 1929, quando o peso dos Estados Unidos e da Europa Ocidental na produção industrial era muito maior. E, também, como já lembrado pelo próprio Krugman, o Estado é, atualmente, muito mais ativo e se tornou um fator essencial para evitar uma nova depressão.

Textos relacionados:

Menor carga tributária é sinônimo de desenvolvimento?

Krugman: o Estado salvou o mundo da crise.

Qual o maior problema econômico dos Estados Unidos?