Debate entre Celso Amorim e Thomas Friedman

Por Allan Patrick

Seguindo a dica de um leitor no blogue do Nassif, procurei e encontrei o vídeo do debate entre o ainda Ministro das Relações Exteriores Celso Amorim e o jornalista e colunista do The New York Times Thomas Friedman. O encontro ocorreu sob o patrocínio do Carnegie Endowment for International Peace, um think tank que estuda a política externa norte-americana. Entre outras questões, Amorim conversou sobre acordos com a África do Sul e Índia, sobre a rodada de Cancún da OMC e o G-20, a Conferência de Copenhague (COP15) e as negociações com o Irã.

Celso Amorime e Milton Friedman debatem no Carnegie Endowment for International Peace. Foto: Liliam Chagas/MRE.

A minha impressão ao assistir ao vídeo é que Celso Amorim esteve muito à vontade para expor seus pontos de vista. Friedman, pelo contrário, parecia tenso e mal humorado. As posições de Friedman são largamente conhecidas no Brasil, pelo simples fato de que representam um conjunto de ideias que é replicado intensamente pela maior parte de nossa mídia. Não posso deixar de registrar a curiosidade de vê-lo preocupado com a relação comercial Brasil/China, na qual o Brasil entra geralmente com comodities e a China com produtos de maior valor agregado, como eletrônicos. Ele vê nessa relação desbalanceada uma nova forma de “colonialismo” que, curiosamente, não viu quando o papel da China era exercido pelos Estados Unidos ou pela Europa.

Vídeo: The New Geopolitics: Emerging Powers and the Challenges of a Multipolar World.

Veja também:

Celso Amorim defende os interesses do Brasil no Irã.

Como Milton Friedman não salvou o Chile

Por Naomi Klein. Tradução por Allan Patrick.

03/03/2010 – The Guardian

Naomi Klein, durante o lançamento da edição polonesa de "Doutrina do Choque".

Desde que o mantra da desregulamentação dos mercados financeiros resultou na enorme crise econômica mundial que enfrentamos desde 2008 todo mundo voltou a ser keynesiano, e não tem sido fácil a vida dos seguidores fanáticos do falecido Milton Friedman. O seu fundamentalismo de livre mercado foi tão amplamente desacreditado que seus admiradores estão cada vez mais desesperados para reivindicar vitórias ideológicas, chegando às raias do absurdo.

Um caso particularmente desagradável ocorreu esta semana. Apenas dois dias depois que o Chile foi atingido por um terremoto devastador, o colunista Bret Stephens do Wall Street Journal informou a seus leitores que o espírito de Milton Friedman “pairava protegendo o Chile” porque “graças a ele, o país enfrentou uma tragédia que em outros lugares teria resultado num apocalipse… Não é por acaso que os chilenos estavam vivendo em casas de tijolos – e haitianos em casas de palha –  quando o lobo mau chegou para derrubá-las.”

De acordo com Stephens, as políticas radicais de livre-mercado prescritas ao ditador chileno Augusto Pinochet por Milton Friedman e seus “Chicago Boys” são a razão do Chile ser uma nação próspera com “um dos códigos de obra mais rigorosos do mundo.”

Há um grave problema nessa lógica: o código de obras chileno, elaborado tendo em mente a ocorrência de eventos sísmicos, foi adotado em 1972. Essa data é de enorme significado porque é anterior em um ano ao sangrento golpe pelo qual Pinochet assumiu o poder, com o apoio dos Estados Unidos. Isso quer dizer que se alguém merece crédito pela lei, não é Friedman ou Pinochet, mas Salvador Allende, Presidente democraticamente eleito pelo Partido Socialista. (Em realidade, muitos chilenos merecem crédito pelo código, já que a legislação é fruto de uma história de convivência com terremotos e a primeira lei sobre o tema data da década de 1930).

Mais significativo ainda, entretanto, é que a lei foi posta em prática mesmo em meio a um feroz embargo econômico (“faça a economia gritar de dor”, determinou Richard Nixon depois que Allende ganhou as eleições nos anos 1970). Esse código de obras foi atualizado nos anos 1990, bem depois que Pinochet e os Chicago Boys já tinham deixado o poder e a democracia havia sido restaurada.

Não se admire: como lembrou Paul Krugman, Friedman foi ambivalente sobre códigos de obras, que enxergava como sendo mais uma intervenção do Estado na liberdade do capitalismo.

Building codes impose costs that you might not privately want to engage in

Códigos de obras impõe custos que o cidadão, em seu próprio juízo, pode não estar disposto a assumir

Milton Friedman

Atual Código de Obras do Chile é um dos frutos do governo de Salvador Allende.

Em relação ao argumento de que as políticas de Friedman são a razão para que os chilenos vivam em “casas de tijolos” ao invés de “palha”, fica claro que Stephens desconhece o Chile pré-golpe. O Chile dos anos 1960 tinha um dos melhores sistemas de saúde e educação do continente, bem como um vibrante setor industrial e uma classe média em rápida expansão. Os chilenos acreditavam em seu Estado e essa é a razão pela qual elegeram Allende, para aprofundar esse processo.

Depois do golpe e da morte de Allende, Pinochet e os seus Chicago Boys fizeram de tudo para desmantelar o serviço público chileno, leiloando empresas públicas e eliminando qualquer regulamentação sobre o setor financeiro e o comércio internacional. Fortunas astronômicas foram criadas nesse período, mas a um terrível custo: no início dos anos 1980, as políticas da dupla Pinochet/Friedman tinham levado o país a uma rápida desindustrialização, a uma multiplicação por dez no índice de desemprego e a uma explosão no número de favelas. A corrupção disparou e uma crise da dívida se abateu sobre o país com tanta força que, em 1982, Pinochet foi forçado a demitir os principais conselheiros econômicos do grupo dos Chicago Boys e estatizar várias das maiores instituições financeiras que tinham gozado de um mercado sem regulamentação. (Soa familiar?).

Felizmente, os Chicago Boys não conseguiram desmantelar todo o legado de Allende. A empresa nacional de cobre, Codelco, permaneceu nas mãos do Estado, injetando recursos nos cofres públicos e prevenindo os Chicago Boys de arrasarem por inteiro a economia chilena. Eles também não conseguiram jogar no lixo o código de obras de Allende, uma derrota ideológica pela qual todos devemos ser gratos.

Veja também:

Chile, terremoto e estado mínimo.

Proudhon e o Chile.