Causos londrinos: o oyster card

Por Allan Patrick

Oyster card, um smartcard "esperto".

Como já tive a oportunidade de registrar, o custo de uma passagem simples no metrô de Londres é absurdamente alto (£ 4.00 ou R$ 10,40). A alternativa para gastar menos é o Oyster Card, um smartcard que deve ser usado toda vez que se entra e sai das estações do metrô. Além de oferecer um desconto significativo, ele calcula automaticamente o menor custo para a viagem do usuário. Isso porque o metrô de Londres não utiliza tarifa única; ele possui um sistema de zonas e o custo das viagens varia conforme o passageiro as cruza. É bastante complicado de entender e penaliza os morados dos bairros mais distantes (e pobres).

Eu diria que o oyster não é um cartão “inteligente” (smart), mas “esperto” (na pior conotação que damos à palavra no Brasil). Eu tive o desprazer de usar a linha DLR do metrô (que, vejam só, pertence a um operador diferente daquele que administra as outras linhas). O problema é que, por ser um operador diferente, nessa linha a sinalização do local onde você deve registrar a sua saída com o oystercard é diferente (e quase imperceptível). Justamente foi isso que me ocorreu, eu passei desapercebido pelo local onde deveria registrar o “touch out” do oystercard ao sair da estação. Como eu estava indo pra estação de trem contígua à estação final dessa linha de metrô, vi uma catraca igual à que se usa na saída das estações tradicionais do metrô (só que, pro meu infortúnio, era na verdade a catraca de entrada da estação de trem). Então, ao invés de registrar minha “saída” do metrô, o que eu fiz foi registrar minha “entrada” no sistema ferroviário. Ter deixado minha saída do metrô em aberto fez o meu cartão ser debitado pela tarifa cheia do metrô. Pior, ter registrado minha entrada no sistema ferroviário (pensando que era a saída o metrô) me fez pagar também a tarifa cheia dos trens (que é de £ 8.00), além de ter comprado o próprio ticket do trem. Não entendeu? Não se preocupe, você é uma pessoa razoável, porque eu também não entendi e só descobri o ocorrido no momento de voltar pra casa, quando percebi que o saldo do meu cartão estava negativo (gastei meia hora rachando a cabeça, olhando pro extrato on-line na máquina de auto atendimento, até entender o que tinha ocorrido). Resultado: o meu oystercad foi debitado na tarifa máxima na rede ferroviária e do metrô. Perdi umas 10 libras nessa história (quase R$ 30,00).

Veja também:

Causos londrinos: a terra da privatização

Causos londrinos: olhe o batente!

Causos londrinos: a terra da privatização

Por Allan Patrick

As necessidades mais básicas do ser humanos custam R$ 1,00 em Londres. Foto: Allan Patrick.

O liberalismo veio ao mundo aqui no Reino Unido. Também foi aqui que Margaret Thatcher deu início ao mais feroz processo de privatizações que se tem notícia. E aqui também surgiu a terceira via, uma social-democracia com vergonha de ser social-democrata e que serviu (e serve) de modelo a boa parte da esquerda europeia, tendo influenciado até personagens políticos no Brasil, como o ex-presidente Fernando Henrique. Foram essas pessoas que conseguiram implantar a ideologia do “se privatizar, vai melhorar” na mente das pessoas. Sendo assim, eu não deveria ter razão para me surpreender com o que vejo em Londres. Já citei o elevado custo do metrô, cujas passagens eram subsidiadas até o início dos anos 1980 com base numa alíquota extra do IPTU dos imóveis mais caros de Londres. Essa forma simples e direta de tributação progressiva foi extinta no governo Thatcher. Finalmente, na década passada, foi privatizado e opera como uma Parceria Público-Privada. Uma passagem no metrô londrino pode chegar a custar R$ 10,00.

Nada mais em sintonia com essa linha de raciocínio que os banheiros públicos – todos eles, seja numa estação de trem ou num shopping center – cobrem pedágio para serem utilizados, £ 0.30 (aprox. R$ 1,00).

Também não devemos estranhar que até mesmo o pagamento da restituição de impostos tenha sido privatizado!

No destaque, a comissão cobrada pela empresa privada responsável pela restituição do VAT (o ICMS do Reino Unido).

Portanto, uma compra que fiz no valor de £ 131.00 e que deveria resultar na restituição de £ 21.83 quando deixasse o país, vai ser encolhida para £ 13.30 porque a empresa privada responsável pela restituição vai cobrar de taxa de administração “módicos” £ 8.53. Enquanto isso, na “caótica” Argentina… quando lá estive recebi minha restituição por inteiro sem nenhum intermediário… nem precisando enfrentar maiores trâmites burocráticos do que aqueles que ainda terei que enfrentar aqui.

Causos londrinos: olhe o batente!

Por Allan Patrick

Mind the gap! Foto: Allan Patrick.

Um detalhe que me chama cada vez mais a atenção na vida urbana e a questão da acessibilidade. Porque, se de fato almejamos construir uma sociedade democrática de massas, temos que incluir a todas as pessoas no exercício de seus direitos básicos de cidadadão. E, portanto, devemos ter ambientes urbanos que facilitem ao máximo o acesso a pessoas com dificuldades de locomoção, seja porque são portadores de necessidades especiais, seja pelas condições físicas naturais da idade, como é o caso de crianças e idosos. Faça essa longa introdução formal para registrar minha surpresa com o desastre que é o metrô de Londres, o Underground. Não estou me referindo à entrada das estações, algumas centenárias, onde muitas vezes só estão disponíveis escadas normais e nem escadas rolantes existem (obras milionárias vem sendo realizadas nas principais capitais europeias, inclusive Londres, para adaptar velhas estações e incluir elevadores, se não em todas, na maioria). Refiro-me ao batente existente ao subir (literalmente!) nos vagões. Toda vez que as portas abrem, o sistema de som nos lembra em tom alto e claro: mind the gap! (não se esqueça do batente). Não é excesso de preciosismo, ao contrário da maior parte desses avisos automáticos! Os batentes dos vagões do metrô de Londres são realmente imponentes.

Pode-se argumentar: ora, se para chegar ao embarque tivemos que subir e/ou descer escadas, qual o problema de mais um “batentezinho”? O problema é que esse “batentezinho”, como vemos na foto aí de cima, ao contrário dos batentes das escadas, não é bem sinalizado, prejudicando quem tem alguma debilidade na visão. E, lembrando ainda, esse batente é transposto no momento de maior tensão e pressa, quando dezenas de pessoas estão querendo entrar ou sair do trem (pense na hora do rush!).

A mesma imagem, agora ressaltando o "gap".

Sei que alguém pode contra argumentar a minha reclamação lembrando da absurda “escadaria” que temos que encarar nos ônibus brasileiros. Há aí, contudo, uma diferença fundamental. Infelizmente, nossos ônibus tem que ser preparados para enfrentar estradas e ruas em péssimas condições. Isso os faz assumir praticamente características de veículos off-road (preste atenção na próxima vez que você vir um ônibus escolar da rede pública, um destes recém-adquiridos pelo Ministério da Educação: parecem hummers). Já o metrô londrino circula em ambiente absolutamente controlado e imutável. É uma falha inaceitável, ainda mais se você lembrar que este é um dos metrôs mais caros do mundo (a viagem simples sai por £ 4.00 ou R$ 10,40 em 12/06/2011).

Atualização em 17/06/2011

Essa situação é tão constrangedoramente notória, que há até um artigo na wikipédia (inclusive traduzido para o português!)