Ipea analisa diferença de salários públicos e privados

(14/12/2009 – 12:43) – Fonte: Ipea.

O nível de instrução é um dos principais fatores para a diferença de 56% no salário médio a favor do setor público (em todas as esferas de governo) na comparação com o setor privado.

Divulgado nesta segunda-feira, dia 14, o Comunicado da Presidência nº 37: Salários no Setor Público Versus Salários no Setor Privado no Brasil apresenta os condicionantes para a disparidade de vencimentos entre essas áreas e elementos importantes para discussão do tema.

O estudo mostra como, em 2008, o salário médio no serviço público era 56% maior que no setor privado. Em 1998, a diferença era de 33%. Estes dados são calcados nas informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Essa diferença se explica principalmente pelo perfil dos ocupados segundo o grau de instrução. Cerca de um terço dos trabalhadores no setor público tem nível superior completo, enquanto no setor privado, em 2008, esse número era de 11,4%.

Na outra ponta do espectro, por exemplo, o setor privado empregava, em 2008, 27,7% de pessoas com o ensino fundamental incompleto e 17,8% com o fundamental completo. Na administração pública, havia 22% de empregados com até o fundamental completo.

Comparação internacional

Para a formulação dos dados e de forma a evitar distorções nos resultados, foram considerados apenas empregados assalariados, com idade entre 25 e 59 anos, e contribuintes da previdência.

O Comunicado da Presidência nº 37 também mostra que a disparidade entre salários no setor público e privado no País não difere da de outros países, assim como o peso do gasto do governo central com o funcionalismo no total de gastos do governo federal.

Despesas com funcionários públicos federais em relação ao total de gastos do governo federal (em %)

Íntegra do comunicado da Presidência nº 37: Salários no Setor Público Versus Salários no Setor Privado no Brasil

Textos relacionados:

Produtividade na administração pública de 1995 a 2006 foi maior do que no setor privado.

Produtividade foi menor em estados que adotaram choque de gestão.

Por que olhar para a Espanha?

Bandeira da Segunda República Espanhola.

Bandeira da Segunda República Espanhola.

Com uma certa frequência, publicamos aqui no Caderno informações sobre a política e a economia da Espanha. Além da curiosidade inata por informações sobre o que se passa em outras terras, fato que nos permite ter um ponto de comparação que nos auxilia na hora de julgar nossa própria situação, há outro bom motivo para acompanhar os acontecimentos nesse país. Seus dois principais partidos, o PSOE (socialista) e o PP (neoliberal), são fontes de inspiração para os principais partidos que governam o Brasil: PSDB, DEM/PFL e PT. Além disso, as multinacionais espanholas tem participações de grande relevo na economia brasileira, inclusive em setores fundamentais, como telefonia e energia.

Vamos à notícia publicada no passado mês de agosto no jornal madrilenho El País:

63% dos trabalhadores espanhóis recebem menos de 1.100 euros
16,7 milhões de assalariados tem um rendimento bruto inferior a 13.400 euros

No total, 18,3 milhões de espanhóis tem rendimentos brutos mensais inferiores a 1.100 euros, o que representa 63% dos trabalhadores que desenvolvem suas atividades na Espanha, segundo um estudo realizado por técnico do Ministério da Fazenda. Este número representa 5% a mais do que da última vez em que esse relatório foi elaborado, com dados de 2006.

Ainda segundo o relatório, elaborado a partir da análise de dados de fontes pagadoras e da previdência, assim como da última estatística disponível para o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), na Espanha há 16,7 milhões de assalariados que tem um rendimento bruto anual inferior a 13.400 euros. E a média nacional chega a 18.807 euros brutos por ano.

Continua…

Não se iludam, pelo critério da paridade do poder de compra, um salário de 1.100 euros não é muito superior a 1.100 reais.

Textos relacionados:

O mileurista.

O progresso adequado da Espanha.

O mileurista

Localização da Espanha no mapa da Europa

Localização da Espanha no mapa da Europa

O neologismo mileurista (de mil euros) é aplicado na Espanha aos jovens adultos (entre 25 e 35 anos) cujos rendimentos giram em torno, ou superam timidamente, os mil euros (em 2007, portanto antes da crise, o rendimento médio bruto do assalariado espanhol era de 1.686,18 euros/mês). Normalmente o termo é utilizado para aqueles profissionais que, cumulativamente, possuem elevada formação acadêmica e exercem atividades profissionais para as quais estão super-qualificados, ou seja, são trabalhadores que têm um emprego inferior à sua capacidade técnica.

Devemos lembrar ainda que, pelo critério da paridade do poder de compra, uma renda de mil euros na Espanha gera um poder de compra que não se diferencia muito de uma renda, no Brasil, de mil reais (só para exemplificar: o aluguel de um quitinete em Barcelona ou Madri custa, em média, 700 euros).

Embora, no Brasil, esse problema também ocorra, principalmente entre os jovens profissionais que possuem “apenas” a graduação (em parte por decorrência da recente popularização do ensino superior no país), nossa situação em relação aos profissionais mais qualificados, como doutores e mestres, não é tão ruim como na Espanha. Mas é importante registrar a reclamação publicada por Luís Nassif em seu blogue: o desperdício de cérebros.

Textos relacionados:

Por que olhar para a a Espanha?

O progresso adequado da Espanha.