Nassif errou feio

Por Allan Patrick

Luís Nassif errou feio ao promover um troll machista da pior espécie em seu blogue. Ao invés de pedir sinceras desculpas e reconhecer o erro, passou a atacar as feministas que, com argumentos muito bem construídos, o criticaram (“barraqueiras” segundo ele). E vem promovendo mais posts distorcidos sobre feminismo, cavando ainda mais fundo no poço de bobagens em que se enfiou. A história está esmiuçada no blogue da Lola.

Estado mínimo e vazamento de petróleo nos Estados Unidos

Por José Ribas

Mancha do vazamento de petróleo na Deepwater Horizon vista do espaço.

O que esse desastre mostra, pelo menos para mim, é a desmitificação da corrupção no Brasil. Por muito tempo “institutos sérios” davam conta que o Brasil era (ou é ainda para eles) o país mais corrupto do mundo. Com a quebradeira americana capitaneada pelos corruptos de Wall Street, com os Madoff, os Lehman Brothers da vida e agora a comissão de segurança e exploração de petróleo americanos, com a BP e a enxurada de favores aos políticos e funcionários de alto escalão do governo americano, chego a conclusão que a corrupção nos Estados Unidos está para a corrupção brasileira como no governo do FHC: administrada por um engavetador, sem escândalo, sem corrupção, sem investigação, sem sujeira.

Ficou fácil ver que, apesar da gente saber que esse vazamento de óleo no Golfo do México ser a maior tragédia ambiental da história, uma tragédia maior estava em curso, mãe de todas as tragédias, que é a tragédia da corrupção orquestrada pela ganância capitalista mundial.

O tapete mundial aos poucos está sendo levantado.

Comentário pescado no blogue do Luís Nassif: O vazamento de petróleo nos Estados Unidos.

SUS, Brasilianas.org e carga tributária

Acima, o vídeo do programa Brasilianas.org, conduzido por Luís Nassif, sobre o Sistema Único de Saúde (SUS), exibido na segunda-feira, 10 de maio de 2010, às 22h, na TV Brasil.

Durante o programa, foi lida uma pergunta que eu enviei para o programa (para quem estiver curioso, ver o 17 min 42s):

A carga tributária no Brasil é de cerca de 36% do PIB. Nos países onde há serviços públicos de educação e saúde de excelência, a carga tributária é de cerca de 50% do PIB. Os recursos do pré-sal serão suficientes para preencher essa diferença?

A resposta foi dada pelo Professor de Economia da PUC-SP e membro da Associação Brasileira de Economia da Saúde, Áquilas Mendes (erros na transcrição são de minha responsabilidade):

Respondendo, é importante dizer o seguinte, primeiro reforçar, quando falamos em carga tributária, nós temos que falar em que tipo de serviço é prestado pelo Estado. Quando ele colocou alguns países, colocou os do primeiro mundo, capitalistas, desenvolvidos. Nós gastamos com saúde pública 3,6% do PIB. Nesses países eles gastam no mínimo 6% do PIB. Nós estamos muito defasados. Precisaríamos crescer. Mas não podemos crescer com base na carga tributária, somente, pois nossa base tributária incide sobre as camadas mais populares. Nós precisamos discutir esse tema pensando numa reforma tributária que leve em consideração políticas públicas como o SUS; que permitam ao Estado atendê-las de forma condizente.

O Professor fornece um dado muito importante: gastamos com saúde pública apenas 3,6% do PIB, enquanto nações da Europa Ocidental, com saúde pública de qualidade e atendimento universal, gastam pelo menos 6% do PIB. O Professor defende o aumento dos gastos em saúde. Do meu ponto de vista, critico apenas o fatalismo de sua resposta em relação à carga tributária. A propagação das ideias anti-Estado contagiaram até mesmo um defensor do sistema público de saúde para preveni-lo quanto à defesa de aumento da carga tributária, permitindo elevar a um patamar civilizado a oferta de serviços públicos. Carga tributária essa que poderia ser elevada sem mais transtornos para a população carente se nos concentrarmos, tal como nos países da Europa Ocidental e América do Norte, nos tributos diretos, principalmente sobre o patrimônio, como o ITR (imóveis rurais), IGF (grandes fortunas), ITBI (transmissão de bens móveis) e ITCMD (causa mortis e doação). Além, é claro, da cobrança de um pesado imposto sobre o carbono (de certo modo, esse é o modelo que o governo Lula vem defendendo), incidente sobre a exploração dos recursos petrolíferos do pré-sal.

Daniel Dantas e a estratégia de desqualificação do juiz Fausto De Sanctis

Publicado no blogue de Luís Nassif em 09/02/2010.

Por Analista

Até onde a imprensa brasileira vai na luta contra sua credibilidade?

Desde que o recesso do judiciário acabou em primeiro de fevereiro, e portanto chegou a hora de se rever as absurdas suspensões da Satiagraha e o sequestro das provas pelo STF, que há uma movimentação intensa nas redações por parte das assessorias de imprensa do Opportunity. Um desses “approachs” eu presenciei com os meus próprios olhos na redação do jornal que trabalho.

A coisa é descarada. Está saindo dos limites daqueles veículos já “manjados” como sendo manipulados por Daniel Dantas. Segue um pequeno histórico do massacre organizado na imprensa por Dantas contra o juiz De Sanctis. E parece que isso é apenas o começo, e o objetivo é tentar pressionar STJ e STF a destruir a Satiagraha.

No dia 02 de Fevereiro (um dia depois da volta do recesso), o Consultor Jurídico (CONJUR) publica uma matéria eivada de parcialidade e interpretação, insinuando que o juiz De Sanctis processou Reinaldo Azevedo e a Revista Veja, para se tornar BIlionário (vejam bem … BI!). A petição do juiz não diz isso e parametriza os danos nas referências normais do poder do ofensor. ( http://www.conjur.com.br/2010-fev-02/acao-revista-veja-tornar-juiz-sanctis-bilionario ).

A matéria é acompanhada de “destaque” no Conjur no final de semana, e de dezenas de comentários ofensivos ao juiz, muitos dos quais anônimos ou de advogados interessados em destruir o juiz.

Ontem ( 08/02/2010 ), o Conjur volta a carga, com matéria de capa do site até o dia de hoje ( http://www.conjur.com.br/2010-fev-08/stj-garante-sigilo-gravacoes-telefonicas-entre-nahas-advogado ). Mais uma vez a matéria é focada em desqualificar o juiz e distorce os fatos afirmando que as interceptações teriam sido “ilegais”, enquanto a decisão do STJ (Min Esteves Lima, o mesmo que paralizou a Satiagraha) só diz respeito a garantia do sigilo das gravações do advogado de Naji Nahas, o que já era garantido pelo sigilo do processo ( http://www.stj.gov.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp?tmp.area=398&tmp.texto=95849 ).

Hoje vem o Estadão, através do onipresente Fausto Macedo nesses assuntos, a desqualificar tendenciosamente o juiz De Sanctis. Fausto Macedo ocupa toda a página A 12 com fotos de advogados, um dos quais um dos principais advogados de Daniel Dantas – Alberto Zacharias Toron.

Na matéria de Toron, “Empresário russo vai ao STF contra De Sanctis” ( http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100209/not_imp508391,0.php ), não se sabe do que exatamente o juiz é acusado, mas a pauta serve para desestabilizar De Sanctis no STF alimentando os argumentos distorcidos de Gilmar Mendes.

Aparentemente a Reclamação versa sobre material que chegou à Justiça APÓS o juiz De Sanctis deixar o caso atendendo liminar. Recentemente a defesa de Daniel Dantas usou o expediente de colocar um “apenso secreto” em um processo para suspendê-lo depois. Agora nesse caso, acusam o juiz de fazer a mesma coisa, sem evidências que ele tenha feito.

A outra matéria de Fausto Macedo é ainda mais escandalosamente preparada. A matéria “Juiz arquiva inquérito contra empresa acusada de lavagem” ( http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100209/not_imp508387,0.php ), coloca De Sanctis no centro da notícia, quando a notícia não tem nada a ver com ele. O advogado Oliveira Neves é acusado de uma série de crimes e 300 empresas que eram suas clientes foram alvo de inquéritos.

Uma delas, como era de se esperar, estava com tudo em ordem e o inquérito foi arquivado com pedido da própria procuradoria. Há acusações contra centenas de outras e inúmeras acusações contra o advogado Oliveira Neves, com provas contundentes. Mas, como o caso está com o honesto e implacável juiz De Sanctis, a defesa do advogado quer alegar sua “suspeição” ( mesmo expediente adotado por Daniel Dantas) e a notícia de Fausto Macedo coloca o réu como um coitadinho … “Minha vida foi destruida” ( http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100209/not_imp508388,0.php ).

Vamos aguardar os próximos capítulos do massacre. O Brasil é o único país do mundo que permite criminosos de fazer isso com juízes, sob o silêncio etéreo das diversas Cortes de Justiça, do Ministério Público, e das associações de juízes e da sociedade em geral.

Hoje, um juiz que tiver um réu de Colarinho Branco sendo julgado, vai pensar muito se não é melhor aceitar uma propina do mesmo e ficar rico, ao invés de ser massacrado pelo sistema corrupto, anti-democrático e cada vez mais descredibilizado da Justiça Brasileira.

Por que todo político é igual?

Comentário:

Congresso Nacional. Brasília/DF.

Por que todo político é igual?

Por que todo político faz campanha pela esquerda e quando se elege vai a direita?

Essas perguntas, que angustiam tantos cidadãos, são respondidas no artigo a seguir, escrito pelo filósofo João Vergílio G. Cuter. O argumento principal poderia ser resumido no adágio da Lei de Gresham: a moeda má expulsa a moeda boa. Se nós, os cidadãos corretos, não financiamos as campanhas políticas, seja através de nossa contribuição direta, do nosso bolso, ou por meio de nossos impostos, via financiamento público de campanha, ou ainda deixamos de exigir a redução dos custos das campanhas, a “moeda má” impõe os seus “valores”:

Denuncismo e financiamento de campanha

Por João Vergílio G. Cuter – 02/12/2009 – 09:05

Aos poucos, vai se desenhando com clareza a estratégia de poder da direita no Brasil. Não se trata de uma estratégia formulada explicitamente, fruto de reuniões de cúpula, ponderações de perdas e ganhos, argumentações exaustivas. É uma espécie de sedimento involuntário que foi se formando no espírito dos principais atores do processo político, ao mesmo tempo em que ia se escondendo por trás de um discurso justificador de caráter nitidamente ideológico. Essa estratégia tem dois pontos de apoio interrelacionados: as regras atuais para o financiamento de campanhas eleitorais e o denuncismo moralista.

O primeiro fator desempenha, nessa estratégia geral, um papel duplo. Em primeiro lugar, funciona como uma espécie de filtro ideológico. Se um partido ou candidato não estiver vocalizando uma proposta palatável para as grandes fortunas do país, estará simplesmente fora do jogo. Dependerá apenas da arrecadação miúda, das pequenas contribuições de cidadãos isolados, o que num país como os EUA (com uma tradição muito maior que a nossa nessa modalidade de apoio) representa menos da metade do valor necessário para bancar o jogo. Num país como o Brasil, não representaria coisa nenhuma. A simples necessidade de passar o chapéu junto à iniciativa privada, portanto, já obriga o político a posicionar-se para lá de um certo ponto no espectro ideológico.

Confiabilidade ideológica, no entanto, não é tudo. Ninguém despeja centenas de milhares ou mesmo milhões de reais numa campanha política se não tiver pelo menos uma de duas certezas. Ou bem deve estar convencido de que o político ali presente está (ou estará) em condições de lhe proporcionar ganhos muitas vezes superiores à contribuição dada, ou bem deve estar temeroso de que, se contrariado em suas pretenções, poderá lhe infligir danos consideráveis. Tanto a capacidade de proporcionar ganhos quanto a de impor prejuízos pressupõe o controle de postos-chave na administração pública, assim como a disposição de praticar ilegalidades de diversos tipos e magnitudes. Ninguém joga o jogo da política brasileira atual sem firmar o pé na criminalidade organizada.

É nesse ponto que o sistema de financiamento da política se une ao segundo ponto de apoio do sistema todo: o denuncismo golpista. O principal preço do financiamento das campanhas políticas é o rabo preso. Ao conquistar o poder, o político deve saber de antemão que poderá ser apeado dali a qualquer momento por uma campanha desestabilizadora. Não deve passar de certos limites, pois do contrário os crimes que foi e continua sendo obrigado a cometer para se manter no jogo serão denunciados em capanhas espalhafatosas na grande imprensa.

É importante, por isso, que de tempos em tempos estourem escândalos como esse que envolveu o governador Arruda. Os políticos todos são alertados, nessas ocasiões, para a fragilidade de sua posição de mando. Percebem claramente que poderiam estar no lugar da vítima do dia, pois têm culpas exatamente semelhantes.

O denuncismo ocupa, hoje, a posição que já foi dos tanques. Em último caso, dada a profusão das acusações possíveis, é sempre possível mover uma campanha golpista contra qualquer ocupante do poder. Ou seja, quando o filtro ideológico inicial não funciona, resta sempre essa última altenativa, que terá o patrocínio direto, não mais dos militares, mas dos tribunais.

É esse o jogo que a direita pretende eternizar, apesar de quaisquer perdas que venha a sofrer no percurso. Globalmente, a estratégia garante a manutenção do status quo ao preço de uma corrupção generalizada. É preciso começar a perceber que essa corrupção, longe de ser indesejada, é funcional. No que depender dos conservadores, ela veio para ficar. O sacrifício de José Roberto Arruda envolve riscos localizados, mas envolve também ganhos bem palpáveis. Ao sacrificar um dos seus, a direita se credencia para pedir o sacrifício de quem quer que seja, quando a ocasião se der. É por isso que Lula tenta tirar o peso do episódio, mantendo-se à distância. E é por isso que, do outro lado, a cabeça do governador é pedida, em nome da coerência.

Esse jogo definitivamente não nos interessa. Financiamento público de campanhas o quanto antes!