Você com revólver na mão é um bicho feroz

Por Allan Patrick

Dez dias sem acesso à internet durante um período em que o mundo parecia que ia acabar em Londres… Porque eu só fui saber do que estava acontecendo na cidade através de blogues brasileiros e ligações telefônicas de parentes e amigos. A razão é simples e eu percebi ao ver este mapa da BBC:

Entre os pontos de distúrbios em Londres vi, num relance, vários locais cujos nomes coincidem com estações fim-de-linha do metrô. Já comentei aqui no caderno que um dos choques nos meus primeiros dias na cidade foi o elevado preço do metrô, que funciona por meio de zonas, sendo as mais distantes do centro as mais caras. Não por coincidência, é lá onde ocorrem a maioria dos protestos. São lugares onde o desemprego campeia, por falta de oportunidades de trabalho e pela dificudade em conseguir um emprego não-qualificado nas melhores regiões da cidade, dado o custo do transporte. Consequentemente, jovens desejosos de um emprego de meio-período para complementarem a renda enquanto estudam também são prejudicados.

As condições sociais que geraram o ambiente propício para essa explosão de violência foram muito bem narradas pelo jornalista do The Guardian, Seumas Mines. Esse jornal já publicou este ano várias matérias antevendo os efeitos dos cortes nos gastos sociais promovidos pelo governo do Reino Unido (mas mulheres vítimas de violência doméstica e idosos com dificuldades de locomoção não vão ocupar as principais manchetes dos jornais internacionais).

Eu chamaria a atenção para o fato de que esse tipo de violência generalizada não é novidade na cidade. A wikipédia relaciona erupções de violência generalizada, nos registros históricos, desde 1189, quando houve um massacre de judeus.

O estopim do caos atual me fez lembrar da música do genial Bezerra da Silva:

Você com revólver na mão é um bicho feroz (Feroz)
Sem ele anda rebolando e até muda de voz
( Isso aqui…cá pra nós ).

A polícia local tem uma tradição de não dar tanto peso à vigilância armada. No entanto, quando resolveu, na década passada, contratar “consultores” para montar equipes de elite armadas, foi atrás de modelos em Israel e Sri Lanka, países onde infelizmente se encara o “outro” como o inimigo a ser exterminado. O resultado já testemunhamos no caso de Jean Charles de Menezes. A polícia local tem a fama de mentirosa e corrupta. Vários oficiais aceitaram propinas durante anos para passar informações exclusivas para tablóides e os seguidos comunicados à imprensa durante a apuração do caso Jean Charles e, agora, Mark Duggan (inicialmente morto em uma “troca de tiros” que depois se reconheceu que não houve), sempre admitindo uma informação errada anteriormente tida como verdade, desfizeram qualquer vestígio de prestígio da instituição.

Quando fui no mês passado para Frankfurt ver a final da Copa do Mundo de Futebol feminino, tuitei sobre o absurdo de haver dois policiais ingleses no sagão do aeroporto de Stansted, onde havia uma multidão de pessoas, fardados ao estilo BOPE e com metralhadoras imensas. O que eles poderiam fazer numa situação de real emergência que não implicaria na morte de dezenas de inocentes?

P.S.: não podemos deixar de anotar a indiferença a que estamos submetidos no Brasil. Todo esse caos aqui no Reino Unido resultou até agora em cinco mortos. Em Mossoró, com apenas 260 mil habitantes, num fim de semana temos três vítimas de uma chacina e as autoridades nem sequer dão um pio.

P.S. 2: o governo britânico estuda bloquear as redes sociais. Quanto mais eu avanço na leitura do livro The Party, mais eu percebo como as “democracias” ocidentais estão convergindo para o modelo chinês. Rever V de Vingança, nesse contexto, é quase uma obrigação.

Causos londrinos: o empoderamento feminino

Por Allan Patrick

A participação da mulher no mercado de trabalho mostra como ainda estamos muito atrasados em relação a Londres, principalmente por ser um problema cuja solução depende unicamente da nossa vontade de agir. Ver mulheres no comando dos ônibus e das composições de trem e metrô, apenas para ilustrar a diferença com um exemplo público e notório, é sintoma de uma sociedade sadia.

Mulher no volante, sociedade pujante.

Causos londrinos: o oyster card

Por Allan Patrick

Oyster card, um smartcard "esperto".

Como já tive a oportunidade de registrar, o custo de uma passagem simples no metrô de Londres é absurdamente alto (£ 4.00 ou R$ 10,40). A alternativa para gastar menos é o Oyster Card, um smartcard que deve ser usado toda vez que se entra e sai das estações do metrô. Além de oferecer um desconto significativo, ele calcula automaticamente o menor custo para a viagem do usuário. Isso porque o metrô de Londres não utiliza tarifa única; ele possui um sistema de zonas e o custo das viagens varia conforme o passageiro as cruza. É bastante complicado de entender e penaliza os morados dos bairros mais distantes (e pobres).

Eu diria que o oyster não é um cartão “inteligente” (smart), mas “esperto” (na pior conotação que damos à palavra no Brasil). Eu tive o desprazer de usar a linha DLR do metrô (que, vejam só, pertence a um operador diferente daquele que administra as outras linhas). O problema é que, por ser um operador diferente, nessa linha a sinalização do local onde você deve registrar a sua saída com o oystercard é diferente (e quase imperceptível). Justamente foi isso que me ocorreu, eu passei desapercebido pelo local onde deveria registrar o “touch out” do oystercard ao sair da estação. Como eu estava indo pra estação de trem contígua à estação final dessa linha de metrô, vi uma catraca igual à que se usa na saída das estações tradicionais do metrô (só que, pro meu infortúnio, era na verdade a catraca de entrada da estação de trem). Então, ao invés de registrar minha “saída” do metrô, o que eu fiz foi registrar minha “entrada” no sistema ferroviário. Ter deixado minha saída do metrô em aberto fez o meu cartão ser debitado pela tarifa cheia do metrô. Pior, ter registrado minha entrada no sistema ferroviário (pensando que era a saída o metrô) me fez pagar também a tarifa cheia dos trens (que é de £ 8.00), além de ter comprado o próprio ticket do trem. Não entendeu? Não se preocupe, você é uma pessoa razoável, porque eu também não entendi e só descobri o ocorrido no momento de voltar pra casa, quando percebi que o saldo do meu cartão estava negativo (gastei meia hora rachando a cabeça, olhando pro extrato on-line na máquina de auto atendimento, até entender o que tinha ocorrido). Resultado: o meu oystercad foi debitado na tarifa máxima na rede ferroviária e do metrô. Perdi umas 10 libras nessa história (quase R$ 30,00).

Veja também:

Causos londrinos: a terra da privatização

Causos londrinos: olhe o batente!

Causos londrinos: aviões

Por Allan Patrick

Avião sobrevoando Londres. Foto: Allan Patrick.

Antes de vir para Londres, eu já tinha lido algumas notícias sobre as reações populares à construção de mais uma pista no principal aeroporto de Londres, o Heathrow.  Mas agora eu entendo perfeitamente o sentimento dos londrinos. A cidade tem nada menos do que cinco aeroportos, todos com movimento de passageiros superior ao de Natal. A poluição sonora é brutal, principalmente porque o mais movimentado deles, o aeroporto de Heathrow, está pessimamente localizado de forma tal que todos os aviões que chegam ou saem cruzam boa parte da cidade a baixa altitude. É quase insuportável ouvir um avião passando sobre sua cabeça, em casa, na escola ou em qualquer lugar a cada cinco minutos.