Os caminhões são culpados pelos congestionamentos em Natal?

Por Allan Patrick

Quando em 2011 eu estive estudando inglês em Londres por três meses, uma das minhas maiores surpresas foi com o trânsito da cidade. Embora seja uma megalópole com 15 milhões de habitantes no total da sua região metropolitana, seu trânsito é melhor do que o de Natal/RN (1,35 milhão de habitantes) tanto no aspecto quantitativo quanto qualitativo. É possível até que essa seja a avaliação do senso comum, conhecendo-se de antemão que o sistema de transporte público londrino é muito bom; não é tão surpreendente portanto que o trânsito seja quantitativamente (respeitando-se a proporção) menor na cidade inglesa, conforme podemos ver abaixo, em imagens que valem por mil palavras:

Ponte de Westminster, vista do London Eye. Aproximadamente 20h.

Ponte de Westminster, vista do London Eye. Aproximadamente 20h (verão de 2011). Foto: acervo pessoal.

A foto acima parece incrível, não? Apenas um veículo (um ônibus) na ponte que fica no centrão da cidade, ao lado do Parlamento (o complexo do qual o Big Ben é a torre do relógio), às 20h. E mais cedo, será que o trânsito estava mais intenso?

Ponte de Westminster, vista do London Eye. Aproximadamente 19:15. Verão de 2011. Foto: acervo pessoal.

Ponte de Westminster, vista do London Eye. Aproximadamente 19:15. Verão de 2011. Foto: acervo pessoal.

Mesmo essa foto tendo sido tirada próximo às 19h, mais perto da hora de ponta do tráfego, nem se compara com a situação na Ponte de Igapó, em Natal/RN, cujo trânsito é costumeiramente muito, mas muito mais pesado.

Dito isso, o que realmente me surpreendeu em Londres no trânsito foi a perspectiva qualitativa. Há diversas normas que desestimulam o uso do carro, mas o trânsito de veículos utilitários, comerciais e de transporte público é incentivado, o que gera cenas como a retratada na foto abaixo (me perdoem a pouca qualidade da imagem, não tinha em mente este post no momento de registrá-la).

Cena típica do trânsito londrino: apenas veículos comerciais e de transporte público. Foto: acervo pessoal.

Cena típica do trânsito londrino: apenas veículos comerciais e de transporte público. Foto: acervo pessoal.

Na imagem vemos cinco carros, quatro dos quais vans comerciais e um (preto, à esquerda) táxi, além de um ônibus. Caminhões, apesar de não terem sido flagrados na foto, também são muito comuns. É natural que seja assim, é o comércio, a indústria, os serviços, enfim, a movimentação de mercadorias que fazem a economia de uma cidade girar. Nada mais justo, portanto, que estes veículos tenham privilégio no seu deslocamento.

Toda essa introdução foi para preparar o espírito de quem lê este post para enxergar de maneira diferente do habitual a seguinte nota, publicada nesta quinta-feira, 11/04/2013, pela Prefeitura de Natal:

Trânsito de caminhões na cidade será regulamento pela Semob

A Prefeitura do Natal vai regulamentar o trânsito de caminhões com peso superior a cinco (05) toneladas nas avenidas de tráfego intenso no município de Natal, nos horários compreendidos entre 5h e 20h, de segunda à sexta-feira. A regulamentação será feita pela Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob).

A notícia foi transmitida nesta quinta-feira, dia 11, pela secretária da Semob Elequicina Santos ao vereador Júlio Protásio (PSB), autor do projeto de lei que tem como objetivo desafogar o trânsito de Natal nos horários de pico, minimizando os transtornos causados pelo tráfego de veículos pesados nos principais corredores viários da cidade, evitando congestionamento e prejuízos à malha viária.

A Semob vai definir quais são os corredores e instalar as placas de sinalização para em seguida promover o cumprimento da regulamentação. A expectativa do órgão é que o trânsito tenha um ganho considerável em fluidez e que o sistema viário sofra menor impacto nos próximos anos, melhorando a qualidade da malha viária e reduzindo o número de buracos nas vias.

O que atrapalha o trânsito – é a triste realidade que nos custa enxergar – não são os caminhões, veículos comerciais ou ônibus, mas os automóveis utilizados para transporte individual de pessoas. Os carros são a forma mais ineficiente, do ponto de vista energético e econômico, de se transportar uma pessoa, além de serem também a mais poluente e que mais males causa à saúde.

A medida apresentada pela Prefeitura à sociedade, através da imprensa, – esperamos que apenas ainda como proposta e não como fato consumado – é inócua se o objetivo é promover o fluxo do trânsito, agindo apenas na psique de motoristas de carros, mas é extremamente prejudicial não só à economia da cidade como também do estado, já que prejudica sobremaneira a operação do Porto de Natal, responsável por escoar cerca de 1/3 das exportações potiguares.

Alternativa

Infelizmente, com a imaturidade atual da opinião pública (e publicada), que enxerga fluidez de carros como um conceito mais importante do que fluidez de pessoas, Natal/RN está sujeita a medidas danosas à sua economia e população.

Mas, mesmo na prisão de pensamento que a “sociedade do automóvel” nos encaixa, é possível raciocinar medidas para dar maior “fluidez” ao trânsito sem prejudicar de forma tão intensa a economia da cidade. Para dar apenas um exemplo, poderíamos – com um investimento muito modesto – aproveitar as linhas férreas que servem a cidade, construindo um entreposto de cargas em Parnamirim ou São José de Mipibu para aproveitar a linha sul da CBTU que conecta essas cidades até o Porto de Natal, bastando para isso reativar o pequeno trecho da Rua Chile que liga a estação ferroviária da Ribeira às docas.

Também a um custo relativamente baixo, seria possível acrescentar um ramal à linha norte da CBTU, conectando-a ao aterro sanitário de Ceará Mirim, eliminando assim entre cem a duzentas viagens diárias de caminhões de coleta de lixo pelas avenidas mais congestionadas da cidade, como a Av. Bernardo Vieira e Tomaz Landim.

De volta ao Brasil

Por Allan Patrick

Se o voo não atrasar, pela hora que eu agendei a publicação deste post devo estar chegando de volta a Natal, depois de minha temporada de três meses estudando inglês em Londres. Uma cidade da qual eu sabia muito pouco mas que gostei quase de cara. Foram 90 dias sem precisar dirigir um carro e curtindo a vida comum de um londrino. Adorei passear pelas livrarias, bibliotecas, museus e descansar nos parques nos dias de sol (é, de vez em quando ele aparece).

Acima de tudo, foi muito bom conviver com tanta gente diferente na escola. Perceber as diferenças culturais. A tailandesa que nunca tinha ouvido falar em Marlon Brando ou no filme O Poderoso Chefão, a coreana que não sabia o que era o Papa (atenção: não quem era o Papa, mas o que), o jovem e ingênuo paquistanês que afirmou em sala de aula nunca ter visto um transexual (mas estava sentado ao lado de uma!), o professor polonês que queria dar aulas de karatê ao invés de inglês, o professor romeno de quem me tornei amigo, o colega siciliano de residência estudantil, rei da simpatia e da picardia, o coreano que chegou na casa só sabendo dizer “Hi!” e que evoluiu bastante no seu nível de inglês e se emocionou (eu também) na nossa despedida, as colegas japonesas, o argelino, os dois amigos do Cazaquistão (ele russo, ela cazaque) e a República de Aguascalientes  (uma brincadeira com os quatro mexicanos que passaram pela casa, todos do mesmo pequeno estado e que não se conheciam previamente, uma coincidência tão extraordinária como se eu tivesse encontrado três outros potiguares por aqui).

O Museu das Docas de Londres

Por Allan Patrick

Museu das Docas de Londres. Foto: acervo pessoal.

Londres é uma cidade farta em museus e seria perda de tempo aqui falar sobre a maioria deles, muito mais bem descritos e analisados por outros blogueiros. Mas, há uma pequena pérola que passa desapercebida para a maioria dos turistas, visitantes e até mesmo para muitos londrinos. Estou falando do Museu das Docas de Londres (Museum of London Docklands).

O prédio do museu é um antigo armazém de açúcar e a viela onde está localizado era conhecida como “Bloody Alley” (beco sangrento, viela sangrenta) porque os estivadores que trabalhavam no local descarregando os navios tinham sempre suas mãos, pescoços e costas em carne viva por causa das péssimas condições de trabalho.

O museu conta a história dos portos e docas de Londres desde a fundação da cidade pelos romanos e é isso o que o torna tão especial, porque em essência narra a história econômica da cidade e, por tabela, do Império Britânico. Foi o único museu da cidade do qual eu fui – literalmente – expulso em razão do horário de fechamento.

Só nele é possível encontrar a informação de que, no século XVIII, um quarto da renda no Reino Unido era oriunda dos lucros dos senhores de engenho das Índias Ocidentais (colônias do Reino Unido no Caribe) e que um destes escravagistas, William Beckford, chegou a se tornar Prefeito de Londres, tal a influência política e econômica que exerciam no Império.

Essa acumulação primitiva de capital iria criar as condições para a deflagração da Revolução Industrial, colocando o Reino Unido na liderança econômica do mundo durante todo o século XIX o que resultou, claro, no período de máxima expansão das Docas de Londres, que o museu retrata muito bem.

Para um retrato perfeito da história econômica do Império Britânico, faltaria apenas um relato um pouco mais aprofundado da evolução do setor financeiro da cidade, muito ligado historicamente à força das conexões comerciais marítimas, que é abordado de forma um pouco superficial. Não deixa de ser curioso, posto que o a região das docas de Londres, onde o museu está, depois da desativação das atividades portuárias nos anos 1980, foi convertida em centro financeiro, praticamente tão importante quanto o da City de Londres.

Veja também:

A Europa que não conhecemos: a City de Londres.

As calçadas de Londres

Por Allan Patrick

Achei interessante preservar aqui um comentário que fiz no blogue da Lola em Peregrinação por uma cidade sem calçada:

Ah, Lola, um troll comenta que você foi a Roma só pra falar das calçadas… E se eu disser que estou quase completando meu terceiro mês em Londres admirando as calçadas da cidade 🙂

Ao contrário do que o troll poderia pensar, não fiquei sentado no meio fio admirando os paralelepípedos ou o cimento 🙂 … e sim a vida urbana. Os casais, pais ou mães levando os seus filhos em carrinhos para passear, fazendo compras, levando-os às creches ou escolas… Tudo isso à pé, porque as calçadas – não em todos os bairros, é verdade – geralmente são amplas e planas. É tão bonito ver crianças de 3 anos andando de patinete, sem medo de cair num desnível ou sem ter que apelar pra perigosa rua…

Cumprir todas as necessidades do dia-a-dia sem ter que babar por uma Toyota Hilux, como a nossa classe média faz! O resultado são cidades e pessoas mais saudáveis 🙂

13 de agosto de 2011 05:19

Fico pensando, o que é melhor para minha cidade, Natal? Isto:

Calçadas regulares favorecem o uso de patinetes por crianças, o deslocamento de pessoas portadoras de necessidades especiais, de idosos e, por que não?, de quem apenas gosta de caminhar. Foto: Juliana Rocha.

Isto:

Rua tomada dos carros para os pedestres em Londres. Foto: acervo pessoal.

Ou soluções pró-automóvel, como a proposta de ampliar para dez faixas a Av. Roberto Freire? Já parou pra pensar em dez faixas nas condições da BR-101, como na foto abaixo?

Um típico dia na BR-101 em Natal. Foto: Canindé Soares.

O pior é que entre amigos de classe média, em Natal, só ouço elogios a essa violência contra nossa cidade 🙁 …

Veja também:

Democracia vai além do voto.

20% dos deslocamentos na Grande Natal são feitos de bicicleta.

Zygmunt Bauman e o caos em Londres

Por Allan Patrick

Queria acrescentar mais algumas informações para contextualizar melhor a situação em Londres. Primeiro para esclarecer que, embora racismo e preconceito estejam sim presentes – e com força – no país, Londres é, na comparação com outros países europeus por onde passei nos últimos dois anos, o lugar que me deu a impressão de ser mais relaxado em relação a esse tema.

Quando estive em Madri no final de 2008 – e olha que a crise mal tinha começado – senti um clima muito ruim em relação a imigrantes e estrangeiros. O mesmo clima que o diretor mexicano Iñarritú retratou em Biutiful. Nas minhas visitas à Alemanha e à Dinamarca fiquei me perguntando porque tanta nóia com muçulmano – me custou muito ver algum por aquelas bandas. E quando vi eram turcos, os mais laicos e relaxados praticantes do islamismo.

Aqui em Londres eu vejo casais interétnicos praticamente todos os dias – coisa que só testemunhei com mais frequência num lugar, o Brasil -, rodas de amigos de diferentes origens em parques, restaurantes ou bares. Ouço pelo menos de 6 a 7 línguas diferentes em qualquer passeio pela cidade.

Vejo indianos hindus, muçulmanos, cristão, sikhs e ateus. Vejo mulheres muçulmanas usando véu, não usando véu ou deixando só os olhos à vista. E aqui, ao contrário da França e de outros países da Europa continental, não há movimento popular nem político expressivo exigindo proibição de véus. Parêntesis: numa rápida visita à loja de luxo Harrods e aos bairros nobres da cidade percebemos a expressiva quantidade de árabes ricos que vivem na cidade. Como ninguém por aqui rasga dinheiro, deixam que Sarkozy et caterva façam propaganda gratuita para atrai-los a Londres. Fecha parêntesis.

Mas por que então toda essa confusão na cidade? Sim, a desigualdade, os cortes nos gastos sociais e a economia andando de lado são fatores muito importantes a levar em consideração. Mas um ponto muito importante e que possivelmente faz a diferença é a ideologia do consumismo, como muito bem ressalta o sociólogo Zygmunt Bauman.

Em Londres, proliferam os salões de beleza. Foto: acervo pessoal.

Esse é um dos aspectos da vida em Londres sobre o qual eu ainda pretendia escrever. De um modo geral, na Europa ainda há uma certa despreocupação com o consumismo e a vaidade pessoal (nos seus aspectos mais patológicos) quando usamos como base de comparação o Brasil, onde nossas vidas e conversas parecem girar apenas sobre compras, produtos, marcas, cosméticos, perfumes e cirurgias plásticas. Entretanto, nesse caso Londres é muito parecida com nossa realidade. Uma de minhas surpresas nos meus primeiros dias na cidade foi o desfile de grifes e a proliferação de salões de beleza. As pessoas são muito preocupadas com as aparências. Só aqui na rua da residência estudantil, há três salões. Peloamordedeus, não estou dizendo que a violência é culpa de excesso de salões de beleza! São dois sintomas diferentes de uma mesma fonte.

Não é a toa que os saques se concentraram principalmente em lojas de celulares e aparelhos eletrônicos. A ideologia do ter venceu a do ser por goleada.

Veja também:

Você com revólver na mão é um bicho feroz.

Leiam:

– Modernidade líquida.

– Vida para consumo.

– O mal-estar da pós modernidade.

– Amor líquido.

Ou qualquer outro material do Bauman que aparecer pela frente.