O que aprendi sendo xingado na internet

Por Allan Patrick

Atualização de uma resenha publicada no skoob.

Antes de mais nada, para que não fique nenhum mal entendido e alguém imagine que sou um troll anti-sakamoto, esclareço que adquiri três exemplares desse livro, um pra mim, dois para doá-los à biblioteca pública da universidade onde estudei (UFRN). Além disso, sou contribuinte mensal da ONG Repórter Brasil, dirigida pelo jornalista.

A minha primeira bronca com a obra é o apelo ao ponto de vista “isentão” que Sakamoto faz ao analisar a crise política atual, que vem desde 2014. Ele afirma que o radicalismo contemporâneo não é produto do extremismo alimentado pela direita mas de um “monstro que foi alimentado pelos dois mais importantes partidos políticos brasileiros” (pág. 10 da minha edição, de 2016).

Minha segunda bronca é com sua abordagem crítica em relação ao bolsa família (pág. 44), como se este não fosse um dos programas com maior acúmulo de dados e pesquisas acadêmicas mostrando sua eficiência. Sua crítica ao bolsa família parece ser direcionada a agradar o leitor de classe média alta carregado de preconceitos contra o programa.

Mas tem mais, Sakamoto arruma tempo pra bater palma pros programas sociais do governo FHC (pág. 111) e ataca o PT por ser muito “pragmático”, pois faz alianças políticas de “conveniência”.

Hora, mas não era ele que poucas páginas atrás tentava agradar o leitor ogro inimigo do bolsa família?

Como é normal nesse tipo de crítica ao PT, Sakamoto deixa de indicar qual seria a alternativa a esse pragmatismo.

Fechar o poder legislativo? Viver em permanente estado de conflagração? Já vimos que isso não dá certo.

Ao mesmo tempo em que acusa o PT de ser pragmático, põe nesse partido também a culpa pelos radicais de direita serem como são! (pág. 112).

A incoerência não para aí, pois apesar de atacar o PT por seu “pragmatismo”, condena quem se recusa a atender aos grandes meios de comunicação (o popular “PIG”) e recomenda à esquerda ser mais “pragmática” no trato com a imprensa (pág. 59). Deixa em segundo plano a questão da democratização dos meios de comunicação.

Qual seria a diferença, em termos de moral, entre o PP de Maluf e uma TV que desvia R$ 1 bilhão por meio da sonegação tributária?

Pra mim, o autor, por quem tenho imenso respeito como profissional, saiu menor deste livro.

A contemporaneidade do Exército Furioso

exército-furioso-cia-letrasExército Furioso é o título de um romance policial, publicado em 2011 pela autora e historiadora francesa Fred Vargas, conhecida aqui no Brasil pela defesa que fez em prol da liberdade do também escritor de romances policiais e perseguido político Cesare Battisti.

Embora não tenha sido escrito com a convulsão política que vivemos nos dias atuais no Brasil em mente, Exército Furioso tem como pano de fundo três instituições cujo apoio foram fundamentais ao golpe de 2016 e que se comportam de forma muito parecida às suas contrapartes brasileiras: polícia, mídia e judiciário.

Não se trata de uma coincidência surreal, mas da constatação de que o contexto político-econômico que aflige o Brasil não é tão diferente assim daquele que acomete o resto do mundo, inclusive os países ditos “civilizados”.

O romance em si é uma saborosa e divertida variante do clássico romance policial, em que uma investigação, tocada pelo protagonista Adamsberg, tenta desvendar um misterioso assassinato atribuído a forças do além.

Ao mesmo tempo, nosso herói-anti-herói também enfrenta o desafio de esconder um suposto assassino alvo de uma histérica caçada midiático-policial-judicial e simultaneamente cuidar de um pombo vítima de tortura, cujo autor – certamente um espírito de porco – também gostaria de encontrar. Para tudo isso conta com o apoio de uma equipe disfuncional e um filho de 28 anos que conheceu há pouco mais de um mês.

Fred Vargas nos diverte com sua fina ironia e seu conhecimento do folclore e das várias culturas francesas.

Minha leitura mais saborosa dos últimos tempos, realçada pelo contexto em que vivemos.

O Maomé devasso e os embustes que circulam pela internet

Por Allan Patrick

Hoax da vida na Lua, do século XIX. Imagem: Wikipédia.

Hoax da vida na Lua, do século XIX. Imagem: Wikipédia.

Nós temos a tendência a pensar que os embustes, hoaxes e boatos virtuais que circulam pela internet são uma invenção recente, relacionado aos tempos modernos, à era digital ou – no máximo – à era da comunicação de massas inventada com a imprensa.

São tantos os casos criados na era digital que fica difícil escolher um especificamente como caso paradigmático. Mas na era do papel, talvez um de seus expoentes máximos sejam “Os Protocolos dos Sábios de Sião“.

O curioso é que, ainda antes da invenção da imprensa tipográfica por Gutembergue esse tipo de embuste já ganhava asas.

O trecho a seguir é de autoria de Edward Said, palestino cristão, da sua obra “A questão da Palestina“, e retrata a história da origem dos relatos do Maomé devasso na cultura ocidental:

Tomemos a história das relações entre muçulmanos e cristãos na região, conforme relatada por Norman Daniel em seu livro Islam and the West: The Making of an Image [O islã e o Ocidente: a construção de urna imagem]. Para um cristão oriental ou para um arabista israelense que vê o Islã ou a “mentalidade” árabe como seu inimigo, a obra de Daniel é com frequência uma fonte de vivo desconforto. O que ele mostra é que os cristãos sírios, entre eles são João Damasceno (ca.675-ca.749) e o filósofo Al-Kindi (801-873), foram os primeiros a fornecer ao cristianismo europeu material teológico e doutrinal (em geral caluniosos) para atacar o Islã e Maomé. Esse material chegou à cultura ocidental convencional, na qual ainda podem ser encontrados. A maioria dos estereótipos sobre Maomé como devasso, falso profeta e sensualista hipócrita teve origem nos cristãos sírios, que conheciam o árabe e uma ou outra língua eclesiástica e, por isso, podiam dar vazão a esses mitos sórdidos. Sua motivação era compreensível: o islamismo era uma religião de proselitismo e conquista, e os sírios, como reduto cristão, sentiam que era seu dever liderar o ataque contra o Islã – o que lhes renderia poderosos aliados europeus. É desse pano de fundo há muito esquecido que muitos dos ressentimentos contra cristãos e muçulmanos emanam hoje no Líbano.

Não é mera coincidência que, tanto no caso dos “Protocolos” como neste relato de Said, o alvo são minorias religiosas.

Kobo ou Kindle?

Por Allan Patrick

Com a chegada ao Brasil do Kobo, por meio da Livraria Cultura, e do Kindle da Amazon, vendido por meio do Ponto Frio e da Livraria da Vila, temos a presença no Brasil dos dois principais leitores de livros eletrônicos à venda no mundo.

Kindle, um leitor eletrônico perfeito em sua simplicidade.

Kindle, um leitor eletrônico quase perfeito em sua simplicidade. Foto: acervo pessoal.

São importantes também no mercado de livros eletrônicos o iPad e os tablets que rodam o sistema Android. Mas ao contrário dos comparativos insossos que relacionam vantagens e desvantagens de cada plataforma, eu vou ser aqui bem sincero: na minha perspectiva é horrível ler livros eletrônicos num tablet. A tela cansa a vista e a dificuldade de se concentrar só na leitura do texto é imensa, dadas as tantas opções de distração que a conexão à internet oferece, como correio eletrônico, noticiário, vídeos, jogos, twitter e outras redes sociais.

Já os leitores eletrônicos especializados, como o Kobo e o Kindle, além de mais baratos, tem telas que são praticamente tão agradáveis à leitura quanto um texto impresso em papel. E não vem com distrações embutidas de fábrica.

Desde 2011 tenho um kindle que sempre funcionou perfeitamente. Um raro dispositivo eletrônico que nunca apresentou defeito, mal funcionamento ou travamento. Devido ao seu baixo consumo, a bateria tem grande longevidade, na casa das semanas. E é um produto que não transmite a sensação artificial de ficar defasado tecnologicamente com a passagem do tempo.

O Kobo na sua situação mais comum: travado na mensagem "Please Charge Your eReader", apesar de ter passado toda uma noite conectado ao carregador.

O meu Kobo na sua situação mais comum: travado na mensagem “Please Charge Your eReader”, apesar de ter passado toda uma noite conectado ao carregador. Foto: acervo pessoal.

No finzinho do ano passado [dezembro/2012], comprei um Kobo, e – apesar de compartilhar com o Kindle as qualidades de um equipamento especializado na leitura de livros eletrônicos – não poderia estar mais decepcionado. Por duas vezes ele apresentou um travamento que exigiu um reset de harware (algo tão comum que qualquer busca no google mostra 40 mil ou mais resultados). Até que neste fim de semana nem com esta solução consegui trazê-lo de volta à vida. Felizmente, meu acervo nele ainda não incluia nenhuma obra paga (a biblioteca de livros gratuitos é bem provida) ou – muito mais importante – anotações, o que poderia aí sim representar uma pequena catástrofe intelectual.

Além dos inúmeros resultados que o google mostra em suas pesquisas sobre travamentos do Kobo (em várias línguas, o que mostra que o problema não é especificamente do lote da Livraria Cultura; aliás, o meu aparelho eu adquiri, durante uma viagem, na WHSmith), batendo papo no twitter também me deparei com outras “vítimas”.

Então, se você está procurando um leitor eletrônico de livros, eu não poderia ser mais enfático em sugerir o Kindle da Amazon, apesar de estar ciente da carga de energia negativa que circunda a empresa.

P.S.: refiro-me em todo texto às versões básicas do kindle, não à versão fire, que não difere muito de um tablet comum, com todos as suas virtudes e defeitos.

Atualização em 22/04/2013:

Após 15 dias trocando mensagens com a assistência técnica sobre o problema no Kobo, descobri que, para sua solução, seria necessário enviar o aparelho para os Estados Unidos ou Canadá [Nota: isso para quem, como eu, adquiriu o produto no exterior, a Livraria Cultura trata localmente quem comprou por meio dela o aparelho] junto com um envelope pré-pago para devolução, solução esta que funciona muito bem dentro do próprio país de envio, mas que não está prevista pela União Postal Universal e não funciona para encomendas internacionais.

Sendo assim, e já tendo o aparelho como perdido, procurei um amigo com talento hacker e abrimos o Kobo, pois a minha desconfiança era que o problema estava de alguma forma relacionado à bateria ou ao seu sistema de recarga.

Kobo com a capa traseira retirada. Foto: acervo pessoal.

Kobo com a capa traseira retirada. Foto: acervo pessoal.

Para abri-lo, meu amigo utilizou uma faca, o que exige certa habilidade manual (ele é um frequentador assíduo do iFixit, sítio com dicas para abrir e reparar equipamentos eletrônicos).

Nada de extraordinário foi feito: os parafusos mais próximos da bateria (que fixam a placa à parte frontal do “gabinete” do eReader), foram retirados e reafixados com um pouco menos de pressão que a original e, voilá, o aparelho voltou a dar sinal de vida quando conectado ao carregador. Checamos ainda se a bateria estava folgada ou não (aparentemente não), e conseguimos fechar de volta a tampa traseira. Tudo voltou mais ou menos ao normal.

Alívio ao ver o Kobo de volta à vida. Foto: acervo pessoal.

Alívio ao ver o Kobo de volta à vida. Foto: acervo pessoal.

Já a confiança para adquir ebooks vai demorar a retornar. Até lá, ele vai ser utilizado apenas com material de domínio público e, na necessidade de comprar um livro eletrônico, torcer para estar disponível no acervo da Amazon para o Kindle.

Manteremos este post atualizado caso haja novidades no funcionamento (ou não!) do Kobo.

Atualização:

Nem um mês depois, o Kobo morreu definitivamente.