O livre-comércio é sempre a resposta?

Por Allan Patrick

Vagando a esmo numa livraria, encontrei o livro Mau samaritanos. O mito do livre-comércio e a história secreta do capitalismo, do economista coreano Ha-Joon Chang, prefaciado por Luiz Carlos Bresser-Pereira. Chang foi consultor do Banco Mundial, do Banco Europeu de Investimento, de Oxfam e de diversas agências das Nações Unidas. Atualmente é conferencista na Universidade de Cambridge. O livro é ótimo na quebra de paradigmas que estão firmemente embutidos em nossas mentes por força de repetição contínua ao longo de vários anos. Vou trazer alguns trechos aqui pro caderno e sugiro fortemente a quem chegou até aqui e estiver lendo este texto que corra até a livraria mais próxima e compre um exemplar.

Capítulo 3

Capa da edição brasileira. Elsevier/Campus.

Capa da edição brasileira. Elsevier/Campus.

Tenho um filho de 6 anos. Seu nome é Jin-Gyu. Eu o sustento financeiramente, embora ele já seja quase capaz de viver por conta própria. Pago sua moradia, alimentação, educação e saúde. Mas milhões de crianças de sua idade têm empregos. No século XVIII, Daniel Defoe pensava que as crianças podiam ganhar a vida a partir de 4 anos.

Acima de tudo, trabalhar significaria para o caráter de Jin-Gyu um mundo de coisas boas. Nesse momento, ele vive dentro de uma bolha sem ter noção do valor do dinheiro e das coisas. Ele não avalia os esforços que sua mãe e eu fazemos por ele, subsidiando sua existência sem trabalhar e protegendo-o contra a realidade hostil. Ele é superprotegido e teria de ser exposto à concorrência, de modo que pudesse se tornar uma pessoa mais produtiva. Pensando nisso, quanto mais ele for exposto à concorrência e quanto mais cedo isso ocorrer, melhor seria para se desenvolvimento futuro. Isso iria estimulá-lo a desenvolver uma mentalidade adequada ao trabalho pesado. Eu poderia fazê-lo sair da escola e arrumar um emprego. Talvez pudesse me mudar para um país em que o trabalho das crianças ainda fosse tolerado, até mesmo legal, para dar-lhe mais escolhas de emprego.

Posso ouvir você dizendo que talvez eu seja louco, míope e cruel. Você deve estar pensando que o certo seria proteger e nutrir o menino. Se eu mandar Jin-Gyu para o mercado de trabalho com 6 anos, ele poderá se tornar um engraxate esperto ou mesmo um vendedor de rua próspero, mas, obviamente, ele nunca vai se tornar um médico especialista em cirurgia de cérebro ou um físico nuclear – isso exigiria pelo menos outros  12 anos de proteção e investimento de minha parte. Mesmo de um ponto de vista puramente materialista, seria mais prudente investir na educação do meu filho do que olhar com satisfação o dinheiro que economizo por não levá-lo à escola. Se Oliver Twist estivesse certo, seria melhor ter sido batedor de carteira para Fagin do que ser resgatado pelo Bom Samaritano desencaminhado, Mr. Brownlow, que privou o menino de sua chance de se manter competitivo no mercado de trabalho.

Essa linha de argumento absurda é, em essência, como os economistas do livre-comércio justificam a abertura rápida e em larga escala do comércio nos países em desenvolvimento. Eles afirmam que os produtores dos países em desenvolvimento têm de ser expostos à maior concorrência possível agora, de modo que tenham o incentivo de aumentar sua produtividade para sobreviver. A proteção, por outro lado, apenas cria complacência e preguiça. Quanto mais precoce a exposição, segue o argumento, melhor seria para o desenvolvimento econômico.

Textos relacionados:

Por que o IPI foi reduzido para carros importados?

A Vale e o valor.

O Mágico de Oz e o bimetalismo

Novíssimo dicionário de economia de Paulo Sandroni

Novíssimo dicionário de economia de Paulo Sandroni

Paulo Sandroni é economista e professor universitário, autor do Dicionário de Economia do Século XXI, sucessor do saudoso Novíssimo Dicionário de Economia, através do qual tive saborosas lições dessa matéria quando, no começo desta década de 2000, me preparava para enfrentar diversos concursos públicos. Quem, por algum motivo, precisa de um dicionário de economia, não pode deixar de tê-lo na estante. Para despertar a curiosidade do leitor, transcrevo aqui o início do verbete sobre “O Mágico de Oz”, habitualmente citado em todas as resenhas de seus livros.

Frank Baum, o autor de O Mágico de Oz, não deixou nenhuma indicação explícita a respeito, mas existem fortes razões para se crer que a história de Dorothy e seus companheiros – o Espantalho, o Homem de Lata, o Leão Covarde e o cachorrinho Totó – era na verdade uma alegoria à luta feroz travada nos Estados Unidos no último decênio do século passado (XIX) entre os defensores do padrão-ouro e os adeptos do bimetalismo (padrão-ouro e prata). Dorothy é a personagem central de O Mágico de Oz. Morava no interior do Kansas com seus tios fazendeiros numa casa pobre de um único aposento, mas dotada de alçapão anticiclones. A ação tem início quando um ciclone arremessa a casa, Dorothy e Totó até o mágico Reino de Oz. Honesta e plena de virtudes, Dorothy representa o povo americano. O ciclone é o movimento populista que em poucos anos cresce de pequenas reuniões de fazendeiros endividados e quase arruinados, até se tornar um vasto movimento que desafiou os poderosos de Washington e Nova York. O Reino de Oz representa os interesses dos banqueiros e financistas, defensores do padrão-ouro, onde o dinheiro prevalece sobre tudo. A Bruxa Malvada do Leste é a sua mais legítima expressão: a casa de Dorothy cai justamente sobre ela. Do impacto sobram apenas os sapatos de prata desta, ou melhor, sua porção boa: a base do bimetalismo. Para retornar ao Kansas, Dorothy sai em busca do Mágico de Oz, que impera na Cidade das Esmeraldas. Em seu caminho, Dorothy vai superando obstáculos até chegar à estrada dos tijolos amarelos (o padrão-ouro), ante-sala da Cidade das Esmeraldas. No trajeto, encontra um espantalho (agricultores arruinados) preso à terra por uma estaca e à mercê dos corvos que devoram todo o milho. Dorothy liberta o Espantalho e este torna-se seu primeiro companheiro.

Capa da edição de 1900

Capa da edição de 1900

Em seguida, ela encontra o Homem de Lata. Paralisado pela ferrugem, ele espelha a situação dos operários industriais desempregados pela crise econômica. Dorothy recupera os movimentos do Homem de Lata e ganha mais um companheiro. O último a integrar-se à caravana é o Leão Covarde. Este representa William Jennings Bryan (1860-1925), um grande orador populista que aos 36 anos conseguiu a indicação como candidato à presidência da República nas eleições de 1896 pelos partidos Democrata, Populista e da Prata Nacional. Sua principal bandeira de luta nas eleições de 1896 era a volta do bimetalismo (ouro e prata). Nas eleições de 1900, no entanto, abranda suas posições, sendo por esta razão considerado um covarde por seus seguidores. Depois de muitas peripécias, o grupo chega à Cidade das Esmeraldas, (Washington D.C.). Ali, tudo era verde, isto é, da mesma cor do papel-moeda até hoje conservada pelo dólar e que tem origem nos greenbacks. Dorothy encontra o Mágico de Oz. Sempre operando sob um manto de mistério e sombra, este representa provavelmente o presidente do Partido Republicano, Mark Hanna, cuja fama de eminência parda do governo era reconhecida na época. Ele impõe uma condição para mandar Dorothy de volta ao Kansas: que ela destruísse a Bruxa Malvada do Oeste. Esta representaria as forças adversas da natureza (especialmente a falta de chuvas, fatal para as colheitas). Dorothy a destrói de forma bastante simples: um balde de água basta para derretê-la e afastá-la do caminho. A arma utilizada representa a redenção dos agricultores num duplo sentido: indispensável para uma boa colheita, a água é também sinônimo de “liquidez” na economia: se a prata pudesse ser cunhada, os meios de pagamento se ampliariam, os preços reagiriam tirando o país da deflação e as taxas de juros tenderiam a diminuir. Era o que os agricultores desejavam ardentemente. Dorothy retorna à Cidade das Esmeraldas para cobrar a promessa do Mágico de Oz. Ao encontrá-lo, percebe que não se trata de um homem todo-poderoso, e sim de um ser comum. O padrão-ouro é desmitificado. Nada tem de mágico: é débil e pouco confiável. Entregue à própria sorte, Dorothy aprende a “voar” batendo três vezes seus sapatos de prata um contra o outro, evidenciando mais uma vez as vantagens do bimetalismo. E retorna ao Kansas. …

Para os mais curiosos, além do livro, sugiro a leitura do artigo na wikipédia sobre as interpretações políticas de “O Mágico de Oz” (em inglês).

A casa dos espíritos

La casa de los espíritus, edição Editorial Sudamericana, 2007.

La casa de los espíritus, edição Editorial Sudamericana, 2007.

Confesso: nunca tinha me interessado em ler o romance de Isabel Allende  por causa do título da obra. Culpa do meu ceticismo bissexto. Mas tudo na vida tem solução. Allende deu uma entrevista para o meu programa de rádio favorito, o Democracy Now, sobre seu último livro, “A soma dos dias”. Bom, foi amor à primeira vista

No começo deste mês tirei uma semana de férias e fui a Buenos Aires. Encantado com tantas livrarias, comprei meu exemplar de “La casa de los espíritus”. Livro gostoso, daqueles que a gente quer ler de um fôlego só. A história narra, principalmente a partir da perspectiva das mulheres, a trajetória de uma poderosa família de um país latinoamericano ao longo do século XX. Embora, implicitamente, fique claro que os eventos transcorrem no Chile, qualquer latinoamericano pode se identificar, dada as semelhanças históricas que nos aproximam. E o toque de surrealismo que dá nome à obra é mais um ponto de identificação da comunidade latinoamericana. Mostra que temos um quê que nos diferencia dos europeus que vivem às voltas com os embates entre igrejas medievais e opressoras e setores anticlericais.

Não bastasse tudo isso, a obra é profundamente feminista – de uma forma tão sutil que os mais desavisados não perceberão – e portadora dos ideais da esquerda mais humana. Tanto mais chocante se levarmos em conta o machismo da sociedade chilena, onde o divórcio só foi legalizado em 2004.

Isabel Allende

Isabel Allende. Foto por Mutari.

E pensar que o livro é resultado de uma carta de Isabel Allende ao seu avô, que aos 99 anos estava à beira da morte. Definitivamente, esta é uma leitura que recomendado a a todos!

Por último, deixo a dica de uma ótima resenha que encontrei na rede (atenção, revela vários detalhes da obra).