A pior coisa sobre o Brasil

Por Vincent Bevins

Correspondente no Brasil do Los Angeles Times.

Traduzido por Allan Patrick de The worst thing about Brazil – Revisão: aiaiai63. Links acrescentados na tradução.

A desigualdade no Brasil é tão onipresente que as pessoas aqui simplesmente não mais a percebem. Uma inesperada mensagem recebida do exterior me serve como lembrete deste tópico que é tão pouco debatido na sociedade brasileira, na mídia ou mesmo nas eleições. Foto: Tuca Vieira/Folha Imagem.

A desigualdade no Brasil é tão onipresente que as pessoas aqui simplesmente não a percebem mais. Uma inesperada mensagem recebida do exterior me serve como lembrete deste tópico que é tão pouco debatido na sociedade brasileira, na mídia ou mesmo no processo eleitoral. Foto: Tuca Vieira/Folha Imagem.

Eu vivo no Brasil há quatro anos, algo incrível em todos os sentidos, inclusive no fato de que eu já me adaptei à cultura local. Mas há aspectos que me pertubam, também. Mais do que qualquer outra coisa, eu detesto o fato de que me tornei insensível aos chocantes e brutais níveis de desigualdade que se encontram por aqui. Eu me acostumei, como se isso pudesse ser considerado normal.

Aliás, como a maioria dos estrangeiros no Brasil aprende rapidinho, esse é um dos pré-requisitos para se considerar um autêntico brasileiro. O verdadeiro nativo entende que essa desigualdade extrema é um fato da vida e tocar nesse assunto ou cruzar as fronteiras de classe é sinal de mau gosto. A tal ponto que demonstrar muita preocupação por esse assunto – ou desejar conhecer o Brasil mais além das rodinhas de elite – pode ser frequentemente considerado como “coisa de gringo”. Mas, quanto mais eu me vejo como “nativo” no que diz respeito a esse tema, mais desconfortável eu me sinto.

Recentemente, esse assunto voltou a me atingir como um raio quando eu recebi uma mensagem pelo WhatsApp, enviada por um amigo brasileiro visitando o meu país pela primeira vez. Ele escreveu de Nova Iorque:

“Uau, estou realmente impressionado com a igualdade social por aqui. Meus parabéns!”

E prosseguiu: “Os negros são parte da sociedade. Eles não estão excluídos como no Brasil.”

Pra todos os fins, metaforicamente, essas duas mensagens fizeram minha cabeça explodir. Eu nasci e me criei nos Estados Unidos, um país com muitos – muitos e bastante óbvios – problemas, provavelmente até mais que o Brasil, praticamente irrelevantes por aqui. Fora a nossa famosa propensão a bombardear países e matar centenas de milhares de pessoas sem enxergar muito bem qualquer efeito positivo nisso, a injustiça social sempre foi um dos nossos maiores problemas. Temos um dos piores níveis de desigualdade entre as nações mais desenvolvidas do mundo e pra mim é bem claro que enfrentamos um grave problema racial, especialmente no que diz respeito aos nossos concidadãos negros. E ainda por cima, nessa questão da desigualdade, o problema só está piorando, tanto assim que Obama chegou ao ponto de discursar recentemente sobre a necessidade de combater “a perigosa e crescente desigualdade”.

Talvez não sejam todos os brasileiros que enxerguem as coisas tão claras como o meu amigo fez quando foi aos Estados Unidos e à Europa. Mas o fato de que brasileiros tenham a sensação que, entre tantos lugares, logo Nova Iorque seja um paradigma de harmonia social é um lembrete chocante de quão profunda e problemática é a desigualdade no Brasil.

Mas é claro que eu não devia ter ficado surpreso. Quando cheguei aqui, flagrei constantemente aspectos da cultura que me pareciam vindos de outras eras. Duas portas distintas nos apartamentos (uma para a família, outra para os empregados). Jovens de classe média alta que nunca lavaram suas próprias roupas ou seus banheiros (e muito menos trabalharam antes de se formarem na faculdade) e que ocasionalmente deixavam escapar algum comentário racista ou classista – desses que lhe excluiriam permanentemente dos círculos sociais mais polidos em muitos outros lugares do mundo – como se não fosse nada.

Mas tudo isso se tornou normal pra mim, da mesma forma que, eu imagino, há muito tempo é para a maioria dos brasileiros.

Claro, pra mim é muito fácil abordar essa temática do preconceito ostensivo, já que sou um homem branco vindo dos Estados Unidos (ou ainda que fosse da Europa), lugares nos quais boa parte da classe média alta de São Paulo se espelha, mas nos quais ela seria, ironicamente, considerada grosseira, reacionária ou racista – e de péssimo gosto.

Você pode até argumentar, às vezes com razão, que pessoas como eu até se beneficiam desse preconceito, mesmo se não quisermos. Mas os amigos e colegas brasileiros que infelizmente tem feições africanas, indígenas ou são de origem operária, quando levantam esse tema, são silenciados e tratados como bolcheviques ou preguiçosos interesseiros desejosos de se aproveitar do sistema de cotas.

É verdade que o Brasil é um dos poucos países do mundo que melhoraram a distribuição de renda na última década. Mas, na busca da justiça social e do aumento da produtividade econômica, o país ainda tem um longo caminho pela frente. Se você observar, no entanto, como as eleições estão se desenrolando, poderá pensar que o que este país precisa é de algumas reformas tecnocráticas ou de um candidato menos atingido por acusações de corrupção que os outros. Se você prestar atenção à mídia, vai imaginar que os avanços sociais desde 2003 já foram suficientemente revolucionários e assustadores, ou que não há muito o que falar sobre eles. Claro que, se você escolher ao acaso qualquer grande jornal daqui, você vai chegar à conclusão que eles são escritos pela classe média alta branca para a classe média alta branca, e é isso mesmo.

Sobre os “rolezinhos” que ocorreram no início deste ano, houve um debate se o Brasil era uma sociedade ao estilo do “apartheid”. Eu entendo que essa definição não é correta, posto que não há qualquer sanção estatal pra esse tipo de divisão social. Um amigo me sugeriu que temos aqui um sistema de “castas”, o que, acredito, está mais próximo de representar a realidade. Ao ponto de descrever com exatidão a seguinte situação: para um filho ou filha da “classe média”, a ideia de apresentar no almoço de família de domingo um namorado ou namorada cuja origem seja de família operária é algo basicamente desconhecido. De fato, eu já encontrei pessoas das duas classes que me admitiram nunca terem tido uma conversa real e com substância com membros da outra classe.

Mas por que não falamos sobre isso? Porque é muito óbvio.

Como acompanhar a apuração e o noticiário da eleição

Por Allan Patrick

A internet é a melhor alternativa para estar bem informado.

Para acompanhar on-line a apuração do resultado da eleição deste Domingo, 3 de outubro, a sugestão é baixar o programa Divulga 2010 da Justiça Eleitoral. Neste ano, o programa foi elaborado na plataforma Java, portanto pode ser usado não apenas no Windows, mas também no Mac OS X e no Linux.

Quanto ao noticiário, um time de feras estará durante todo o dia conectado ao vivo no 48 horas democracia, que também pode ser acompanhado através da tarja #48hvotobr no twitter.

Idelber Avelar estará blogando ao vivo no seu O Biscoito Fino e a Massa e tuitando no @iavelar.

Luís Nassif estará ao vivo a partir das 16h na twitcam e no seu blogue.

Tanto Nassif como Idelber estarão fazendo blogagem coletiva, contando com a colaboração de leitores do Brasil inteiro. Farei minha contribuição e convido o(a) leitor(a) a entrar no jogo.

Daniel Dantas e o goleiro Bruno

Por Allan Patrick

Bruno, goleiro do Flamengo, é suspeito de ter cometido um crime bárbaro. Se for condenado em primeira instância, a partir desse momento sua situação criminal será semelhante à do banqueiro Daniel Dantas.

Vejamos, no entanto, o tratamento que o jornal O Globo dá aos dois casos. Primeiro, a foto de Bruno publicada pelo jornal, em contraste com os editoriais do caso Daniel Dantas.

O Globo, Editorial, 15/07/2008, “Estado Policial”

Foto do goleiro Bruno, preso, nas páginas d'O Globo. É isso que o jornal denominou de "cultura autoritária da invasão da privacidade" quando o criminoso era Daniel Dantas.

Por um desses paradoxos, é em plena democracia que se observam graves agressões a direitos constitucionais por parte do braço armado e jurídico do Estado, a Polícia Federal, juízes e procuradores. São desrespeitos sérios à Carta, mas os quais, por atingirem pessoas de má reputação e serem acompanhados de discursos maniqueístas de agentes públicos – do ministro da Justiça, Tarso Genro, ao delegado federal responsável pelo inquérito, Protógenes Queiroz – , tudo passa como se o zelo para com os ritos legais demonstrado pelo presidente do Supremo, Gilmar Mendes, fosse solerte manobra destinada a proteger bandidos.

Daniel Dantas, Naji Nahas, Celso Pitta e todos os demais visados pela Operação Satiagraha parecem já condenados a priori. Não se discute a folha corrida dos personagens, mas os riscos que os direitos individuais correm quando inquéritos tramitam de forma sigilosa por tempo excessivo, prisões são decretadas sem parcimônia em instâncias inferiores da Justiça e a máquina de investigação da Polícia Federal produz um relatório, como o do delegado Protógenes Queiroz, em que, num estilo messiânico, de luta do “bem” contra o “mal”, até o trabalho da imprensa é tachado de criminoso.

Ilustra bem o momento que se vive, perigoso para as liberdades, a afirmação do ministro da Justiça, Tarso Genro, à “Folha de S. Paulo”, de que acha muito difícil Daniel Dantas provar a inocência.

O pior é que a cultura autoritária da invasão da privacidade e da revogação, na prática, de outros direitos individuais conta hoje com um grande aparato de escuta eletrônica, acionado sem os devidos cuidados por juízes. As operadoras informam que havia no país, no ano passado, 409 mil linhas grampeadas, sendo que o número de grampos vinha crescendo à razão de 33 mil novas escutas por mês, revelou O GLOBO. No Rio, gravações foram permitidas sem que a polícia informasse o número a ser vigiado(!).

A espessa sombra de um estado policial cai sobre a sociedade. É inaceitável que, em nome de um bom propósito, o combate ao crime – não importa onde e por quem seja cometido – sirva de pretexto para ataques ao estado de direito.

O Globo, Editorial, 12/07/2008, “Defesa do Direito”

A questão é bem outra. A PF voltou a usar técnicas teatrais para dar realce a uma operação contra pessoas que atuam em áreas carregadas de simbolismo: mercado financeiro e política. E cabe mesmo à Justiça coibir excessos. É visível o prejulgamento numa série de análises e declarações, uma das características dos regimes ditatoriais. Há quem confunda prisão temporária e preventiva com o recolhimento ao xadrez para o cumprimento de pena. Estender sem critério prisão temporária é ressuscitar o regime militar, quando sequer era notificada a detenção de alguém.

Tentei encontrar uma foto de Daniel Dantas algemado no sítio d’O Globo (utilizando o google). A única que encontrei foi esta:

Daniel Dantas algemado. Compare o tratamento recebido pelo banqueiro com o do goleiro Bruno.

Cada um que tire suas conclusões.

Caça às bruxas. Século 21. Ano 2010

Por Allan Patrick

Uma pequena pausa para tratar de um assunto fora do tópico deste caderno. Enquanto a imprensa nacional e internacional gasta litros de tinta e horas de reportagem para tratar de democracia em Cuba e no Irã, numa monarquia absolutista conhecida como Arábia Saudita (saudita porque pertencente à família Saud), dá-se a condenação à pena de morte por decapitação de um ser humano acusado de… bruxaria! Isso mesmo, você não leu errado, bruxaria! A matéria pode ser vista na Agence France-Presse (em inglês). A repercussão na imprensa internacional e nacional, face ao absurdo da situação, é praticamente nula.

Inauguração de telecentro em Mossoró

Por Allan Patrick

Computadores montados com peças de máquinas caça-níqueis em operação no Telecentro. Foto: Walmir Alves. 12/Mar/2010.

No último dia 12 de março participei, como representante da instituição para a qual trabalho, da inauguração de um telecentro na Câmara Municipal de Mossoró. Os computadores utilizados no telecentro foram montados a partir do aproveitamento de peças de máquinas caça-níqueis apreendidas pela Receita Federal. Apenas no depósito de Natal-RN, há cerca de 800 dessas máquinas em processo de conversão.

O projeto é uma parceria entre a Receita Federal, que doa a máquina, a Federação das Câmaras Municipais do Rio Grande do Norte, que auxilia no acabamento final (gabinete, por exemplo) e as Câmaras Municipais, que cedem o espaço onde as máquinas são instaladas e a infra-estrutura apropriada (rede elétrica, conexão à internet etc.).

O projeto tem duas virtudes: a primeira é a inclusão a social, pois os telecentros beneficiados assumem o compromisso de atender gratuitamente à população. A segunda virtude é a redução do impacto ambiental, pela reutilização dos equipamentos, em sintonia com a regra dos três erres (reduzir, reutilizar, reciclar). Como vários armazéns da Receita Federal estão abarrotados com este tipo de equipamento, a destinação mais comum após a aplicação da pena de perdimento tem sido a destruição. Agora, estamos construindo esta alternativa.

Dito tudo isso, qual o destaque na imprensa sobre o evento? Um erro na placa de inauguração do local! O nome da prefeita estava no lugar do nome do homenageado. Gafe terrível, evidentemente, que deveria merecer destaque num box ao lado da matéria principal. Mas, infelizmente, ganhou as manchetes de primeira página, ofuscando o próprio evento. Provincianismo? Briga política entre os meios de comunicação vinculados aos grupos políticos da cidade? Talvez. Provavelmente. O fato é que, refletindo sobre a questão, podemos concluir que se algo semelhante tivesse ocorrido com o Presidente Lula, provavelmente a imprensa nacional (Estadão, Folha, O Globo), teria reagido tal como a imprensa local. Sintomático sobre o rumo que a imprensa dita de primeira linha tomou no país.