A Itália é diferente

Por Allan Patrick

A cada semana, um país na mira dos especuladores.

Por esses dias, várias notícias alarmistas tratavam do risco da Itália ter algum problema na rolagem de sua dívida pública. Na verdade eram especuladores se aproveitando, num momento em que venciam vários títulos da dívida italiana, para forçar pra cima os juros a serem pagos por aquele país no momento em que fazia a substituição dos títulos antigos por novos.

O motivo para acreditar que, embora a Itália tenha uma das maiores relações dívida pública/PIB do mundo (junto com o Japão), não vai ter problemas na rolagem dessa dívida, é que a maior parte dos credores são internos, ou seja, os próprios italianos – clientes do varejo – que não tem muito interesse em ataques especulativos ou corridas contra os bancos. A razão dessa insólita (e positiva) situação é que, ao contrário da crença “popular” – que afirma serem os povos da Europa do Norte poupadores e comedidos, enquanto os habitantes do Mediterrâneo não passam de latinos irresponsáveis – a Itália é o país com a maior taxa de poupança interna da Europa (informação importantíssima despretenciosamente escondida num relatório especial de 14 páginas da revista The Economist, edição de 11 de junho de 2011). Esqueçam aquelas historinhas publicadas nos cadernos de economia dos jornais brasileiros sobre a fábula de Jean de La Fontaine, onde a Alemanha normalmente é retratada como a nação das formigas, e os latinos como as cigarras.

Só pra concluir: o relatório da OECD em 2009 mostra que a Itália é o quinto país onde mais se trabalha na Europa (eu vi uma planilha com dados de 2010 mostrando o país em segundo lugar, mas perdi a referência). A Alemanha vem bem abaixo, em 23º. Tal como no Brasil, onde os estados do Rio de Janeiro e da Bahia normalmente estão nos primeiros lugares no número de horas trabalhadas, mas levam a má fama de terem trabalhadores “preguiçosos”, la dolce vita italiana pode estar muito presente na mente dos turistas, mas não tem amparo na realidade.

P.S.: que país na Europa lidera o número de horas trabalhadas há dez anos e mesmo assim é rotulado pela mídia, incluindo a TV alemã (a denúncia do preconceito está numa matéria da Al Jazeera), como uma terra de preguiçosos perdulários? Sim, ela mesma, a Grécia!

O ovo da serpente

"Então mostre o seu amor pelos estrangeiros, porque vocês foram estrangeiros na terra do Egito. Deuteronômio 10:19". Foto por Edu-Tourist

"Então mostre o seu amor pelos estrangeiros, porque vocês foram estrangeiros na terra do Egito. Deuteronômio 10:19". Foto por Edu-Tourist

O ovo da serpente é o filme em que Ingmar Bergman mostra a gestação do nazismo (a serpente) na Berlim da década de 1920. Notícias como esta, do jornal espanhol Público, nos fazem pensar:

Una línea de autobús sólo para inmigrantes en Italia

La línea 24 de Foggia hará dos recorridos para “crear un servicio mejor”, uno para italianos y otro para extranjeros

La compañía de transportes automovilísticos de Foggia, en el sur de Italia, inaugurará el próximo lunes una línea de autobús sólo para inmigrantes, han informado los medios locales.

Se trata de una duplicación de la línea 24, que hará dos recorridos diferentes, uno para los italianos residentes en la localidad y otro para los inmigrantes, y que unirá Foggia con el arrabal de Mezzanone. El autobús destinado a los inmigrantes tendrá su origen en el centro de acogida para los solicitantes de asilo ubicado en ese arrabal, mientras que la línea tradicional partirá del centro de Mezzanone.

“Cansados de robos”

Monumento aos imigrantes em Nova Iorque. Foto por melanzane1013

Monumento aos imigrantes em Nova Iorque. Foto por melanzane1013

Según los medios locales, la decisión de poner dos autobuses diferentes y que ha obtenido la aprobación del Ministerio del Interior italiano se debe a los problemas sucedidos en los últimos tiempos entre los inmigrantes y los residentes en Mezzanone.

El diario ‘La Repubblica’ explica que se han vivido diversos episodios de “intolerancia por parte de los residentes en Mezzanone, cansados de robos y molestias por parte de los inmigrantes”. Asimismo, relata que numerosos conductores de autobús han solicitado escolta policial tras haber sufrido agresiones.

El gobernador de la región, Nichi Vendola, ha asegurado que es necesario “abolir cuanto antes” esta iniciativa, a la vez que ha asegurado que las medidas que deben tomarse son las de multiplicar los servicios para todos los residentes en la zona.

Por otro lado, el alcalde de Foggia, Orazio Ciliberti, ha aclarado que “no se trata de una cuestión de racismo, sino de crear un servicio mejor. Nadie impide a los inmigrantes del centro de acogida que caminen dos kilómetros para poder coger el autobús que parte del centro de Mezzanone”.

Não, não dá para concordar com aqueles que, à esquerda, gostam de situar políticos centristas ou de centro-esquerda, como Obama ou Lula, no mesmo saco de gatos da direita, onde se amontoam os Bush, Berlusconi e Aznar da vida.

Atualização de 26/04/2009:

Minha tradução:

Uma linha de ônibus só para imigrantes na Itália

A linha 24 de Foggia terá dois percursos para “oferecer um serviço melhor”, um para italianos e outro para estrangeiros.

A companhia de transporte público de Foggia, no sul da Itália, inaugurará na próxima segunda-feira uma linha de ônibus só para imigrantes, informaram os meios de comunicação local.

A nova linha é um clone da linha 24, que agora terá dois percursos distintos, um para os italianos residentes na cidade e outro para os imigrantes, no seu trajeto entre Foggia e o distrito de Mezzanone. O ônibus destinado aos imigrantes terá sua origem no centro de acolhida para os solicitantes de asilo localizado nesse distrito, enquanto que a linha tradicional partirá do centro de Mezzanone.

“Cansados de roubos”

Segundo a imprensa local, a decisão de por dois ônibus diferentes – aprovada pelo Ministério do Interior da Itália – deve-se aos problemas ocorridos nos últimos tempos entre imigrantes e residentes de Mezzanone.

O diário “La Repubblica” explica que houve diversos episódios de “intolerância por parte dos moradores de Mezzanone, cansados de roubos e perturbações por parte dos imigrantes”. Nesse sentido, relata que vários motoristas de ônibus solicitaram escolta policial por ter sofrido agressões.

O governador da região, Nichi Vendola, garantiu que é necessário “abolir o quanto antes” essa iniciativa e assegurou que as medidas que devem ser tomadas são as de multiplicar os serviços para todos os moradores da zona.

Por outro lado, o prefeito de Foggia, Orazio Ciliberti, esclareceu que “não se trata de uma questão de racimo, mas de criar um serviço melhor. Nada impede que os imigrantes do centro de acolhida caminhem dois quilômetros para poder pegar o ônibus que parte do centro de Mezzanone”.