A nova liderança do Tea Party e os recursos públicos

Por Allan Patrick

Michele Bachmann. Foto: wikipédia.

A deputada americana Michele Bachman, figura proeminente do Tea Party, movimento político que opera no interior do Partido Republicano dos Estados Unidos, venceu a consulta popular entre os militantes do partido em Iowa. Conhecida como Iowa Straw Poll, é uma consulta informal que age como termômetro para medir os sentimentos dos eleitores republicanos. Embora nem sempre o seu vencedor venha a ser o escolhido no resultado final das primárias, o histórico mostra que costumam ser candidatos competitivos. Neste ano, o resultado prático foi a desistência de um candidato importante, Tim Pawlenty.

Voltando ao Tea Party: esse movimento se notabilizou pela sua aversão ao Estado, a tudo que é público e, claro, ao pagamento de impostos.

Não deixa de ser curioso, portanto, registrar que Michele Bachman trabalhou por cinco anos como advogada para o IRS (a Receita Federal americana), alvo predileto do ódio do Tea Party e de um atentado terrorista suicida da extrema-direita em 2010. Além de ter trabalhado para o Leviatã do Tea Party, a fazenda da família Bachman recebeu mais de 260 mil dólares em subsídios agrícolas entre 1995 e 2008. Mas não ficou por aí: a clínica psicológica que mantem em sociedade com o marido faturou quase 200 mil dólares provenientes de planos públicos de saúde, como o Medicare, entre 2006 e 2010.

Estado pequeno é muito bom… desde que seja para os outros.

O estranho caso DSK

Por Allan Patrick

DSK é a sigla que identifica o político francês Dominique Strauss-Kahn, preso nos Estados Unidos sob a acusação de estupro, solto sob fiança e, recentemente, liberado das acusações pela promotoria numa carta estranhíssima, que mais parece um libelo de acusação moral à vítima, mas que não aborda o que deveria ser o elemento essencial do caso, ou seja, a ocorrência ou não do estupro, pois até a defesa admite a existência de um ato sexual. A desmoralização da vítima chega ao requinte de informar que ela colocou um dependente indevido na declaração de imposto de renda. Acusam-na ainda de mentir para conseguir um visto de residência nos Estados Unidos (como tantos imigrantes desesperados), de mentir sobre sua renda para conseguir morar numa residência subsidiada (outro ato de desespero numa terra estranha) e de ter amigos envolvidos no mundo do crime (uma consequência óbvia de viver numa má vizinhança). Todas situações menos graves do que o direito de fuga enunciado pelo Ministro Marco Aurélio do STF.

Parte do noticiário marrom acusa a camareira de ser uma prostituta e de ter feito um programa com DSK. É um fato fora de lógica numa análise minimamente equilibrada, dado o controle taylorista de produtividade no trabalho a que são submetidos empregados em funções manuais em qualquer grande corporação nos Estados Unidos. Nunca haveria espaço para uma camareira de uma cadeia de hotéis fazer um “intervalo” no seu trabalho para agir dessa maneira. Qualquer supervisor minimamente competente detectaria essa situação. Esse tipo de acusação é mais uma evidência de que houve violência do que um prova de inocência do acusado, tanto é assim que essa linha de raciocínio não foi utilizada nos canais oficiais, apenas nas declarações anônimas à imprensa.

A carta da promotoria não cita, mas a camareira também é “acusada” de ter cedido sua conta bancária para movimentações num total de “cem mil dólares” num período de dois anos. E, ainda, de ter ligado no dia seguinte à divulgação do caso para um amigo, que se encontrava preso, e dito que tentaria se beneficiar do fato do acusado ser rico. Daria um bom romance de Dostoiévski.

O pente fino sobre a vida da camareira é um claro indício que a equipe de investigação contratada por DSK e liderada pelo seu advogado, Benjamin Brafman, trabalhou duro na busca de indícios para desmoralizar a vítima. A camareira teve seu sigilo bancário e telefônico violados, sua vida privada virada do avesso e seus pequenos desvios escancarados em praça pública. Toda essa situação me lembra dois filmes: O Advogado do Diabo, com Keanu Reeves, e Conduta de Risco, estrelado por George Clooney, além do caso de um certo caseiro…

Eu me pergunto que financista, banqueiro ou político de alto escalão resistiria a uma devassa como essa.

Atualização em 20/07/2011:

Mario Vargas Llosa, o escritor peruano, publicou em 17/07/2011 um artigo no jornal El País, Derecho de pernada, dando sua opinião sobre o caso (aqui traduzido para o português). Conforme ele relata:

Os médicos que examinaram a camareira da Guiné, que denunciou o político francês por tê-la obrigado a praticar sexo oral com ele, detectaram que ela estava com um ligamento do ombro rompido, hematomas na vagina e as meias rasgadas. A polícia, por sua vez, comprovou a existência, tanto na parede quanto no tapete do quarto, de sêmen que a camareira afirma ter cuspido, enojada, logo depois que o suposto autor do crime ejaculou. Esses são fatos objetivos e a Justiça deverá determinar se o sexo oral foi forçado, como ela declara, ou consensual, como diz Strauss-Kahn.

Ou seja, como relatei neste post, a vítima foi alvo de um assassinato de caráter. Mas os fatos estão aí, e eles até agora não foram contestados.

Atualização em 16/08/2011:

O exame médico confirmou o estupro (via Público.es e tvnet).

Veja também:

O fim do caso DSK?

A criminalização do aborto

Por Allan Patrick

No começo do ano escrevi um texto sobre o fato de que ser contra o aborto não implica em ser a favor da sua criminalização. De fato, como mostram as estatísticas, nas sociedades que preferem investir recursos públicos na saúde pública ao invés do sistema penal, o número de abortos é menor.

Mas, infelizmente, na visão de muita gente, até mesmo pessoas de boa-fé – embora certamente ingênuas – a melhor forma de reduzir um problema é transformá-lo num crime.

Recentemente o jornal britânico The Guardian fez uma reportagem mostrando as consequências de se levar o raciocínio da criminalização do aborto a sério. Vamos mostrar aqui alguns casos relacionados pelo jornal.

Rennie Gibbs é acusada de homicídio, está presa e sujeita a ser condenada à prisão perpétua porque, aos 15 anos, sofreu um aborto espontâneo. Os promotores acusam-na de homicídio pelo fato de Gibbs ser viciada em drogas à época do ocorrido. Talvez esse caso não desperte a solidariedade do leitor. Mas, lembremos, ela não está sendo acusada com base em qualquer evidência factual ou pericial de que o uso de drogas levou ao resultado imediato do aborto espontâneo. Está sendo acusada meramente em função de uma estatística de saúde pública. Outras substâncias, legais, como o álcool e o tabaco, também podem provocar o mesmo efeito colateral. A propósito, quem se dispuser a ler bulas de remédio vai descobrir que, pela mesma razão, uma grande quantidade de substâncias não é recomendada no período da gravidez.

Bei Bei Shuai está na mesma situação porque, abandonada pelo companheiro, tentou o suicídio quando estava grávida. Shuai sobreviveu, mas a gestação foi interrompida. Não se tem notícia de qualquer insatisfação da promotoria em relação ao companheiro de Shuai.

No caso de Amanda Kimbrough, os médicos detectaram durante a gestação que o feto padecia de síndrome de Down e lhe informaram da possibilidade de realizar um aborto durante o período em que este é legalmente autorizado nos Estados Unidos. Kimbrough recusou, por ser contrária ao aborto. O bebê nasceu prematuramente e morreu pouco depois do parto. Ela está em prisão domiciliar e os promotores a acusam de homicídio porque uma vizinha testemunhou que ela fez uso de metanfetamina durante a gravidez. Ela nega a acusação e, mais uma vez, não se tem notícia de qualquer prova pericial que sustente a acusação. Os promotores também ignoram o fato de que quase metade das gestações de fetos com síndrome de Down resulta em aborto espontâneo.

Veja também:

Meu posicionamento sobre o aborto.

Brasil e o primeiro debate dos candidatos republicanos

Por Allan Patrick

Tim Pawlenty, governador de Minnesota. Foto: Wikipédia.

Ocorreu na semana passada, em Manchester (New Hampshire), o primeiro debate pra valer dos candidatos que concorrem nas primárias para a escolha de quem será o republicano a desafiar o Presidente Barack Obama nas eleições do próximo ano. O Brasil foi citado durante o debate por Tim Pawlenty, governador de Minnesota e um dos favoritos a ser escolhido pelos eleitores republicanos:

 JOHN KING (moderador do debate): I’m going to try to ask all of you to keep the follow-ups to 30 seconds, as we can, so we can get more in. Governor Pawlenty, answer the critics—and as you do so—who say five percent every year is just unrealistic. And as you do so, where is the proof? Where is the proof that just cutting taxes will create jobs? If that were true, why—during the Bush years, after the big tax cut, where were the jobs?

TIM PAWLENTY: Well, John, my plan involves a whole plan, not just cutting taxes. We’re proposing to cut taxes, reduce regulation, speed up this pace of government, and to make sure that we have a pro-growth agenda. This president is a declinist. He views America as one of equals around the world. We’re not the same as Portugal. We’re not the same as Argentina. And this idea that we can’t have five percent growth in America is hogwash. It’s a defeatist attitude. If China can have five percent growth and Brazil can have five percent growth, then the United States of America can have five percent growth. And I don’t accept this notion that we’re going to be average or anemic. So, my proposal has a five percent growth target. It cuts taxes, but it also dramatically cuts spending. We need to fix regulation. We need to have a pro-American energy policy. We need to fix healthcare policy. And if you do those things, as I’ve proposed, including cut spending, you’ll get this economy moving, growing the private economy by shrinking government. (grifo nosso)

Fonte: Democracy Now, 14 de junho de 2011.

Então fica aí registrado que o Brasil conseguiu passar ao grande público internacional uma imagem de que é uma nação em ritmo acelerado de crescimento.

Obama e Osama

Por Allan Patrick

Obama e equipe acompanham operação que resultou no assassinato de Bin Laden. Foto: Pete Souza.

Não surpreende que tenha sido no governo de Barack Obama que os Estados Unidos tenham tido sucesso em montar uma operação para assassinar o seu assim denominado “inimigo público número 1”, Osama Bin Laden. Desde a campanha eleitoral para Presidente em 2008, que Obama já anunciava como a sua principal promessa para a política externa e de guerra ao terror a retirada do grosso das tropas americanas do Iraque (de fato, deixaram o país dois terços do seu contingente) e o reforço no cenário de guerra do AfPak. Recentemente escrevi sobre Onde os homens conquistam a glória, última obra do jornalista Jon Krakauer. No transcorrer do livro, fica claro que o governo Bush negligenciou propositadamente a ação militar no Afeganistão, abandonando a busca de Bin Laden em troca da, digamos assim, mais lucrativa aventura no Iraque. Analistas bem informados apontam que as mudanças recentes no ambiente político do Oriente Médio facilitaram a possível delação de Osama. Ainda assim, para o bem e para o mal,o crédito pelo “sucesso” da operação é de Obama.

Não vou entrar no mérito da ilegalidade e do péssimo exemplo para a comunidade internacional provocado por essa operação, pois esses temas já foram muito bem abordados pelo juiz Marcelo Semer.

Consequências

Já há congressistas americanos propondo o fim da ajuda militar ao Paquistão (e não são os pacifistas de sempre) e é possível que os Estados Unidos se retirem do Afeganistão como se retiraram do Iraque, abandonando as tarefas rotineiras de vigilância e mantendo apenas uma equipe de “instrutores” e um contingente na capital meramente suficiente para manter sob controle o governo formal (situação não muito diferente de quando a União Soviética deixou o país em 1988). Um acordão com o talibã, agora que o espantalho Bin Laden não está mais presente, pode selar a situação.

Em relação ao Paquistão, um não-país criado apenas como contraponto à Índia e mantido unido meramente pelos interesses da cleptocracia militar, o panorama é bem mais complexo, pois há sinais de que a Arábia Saudita está estreitando laços, num momento em que a região pode voltar a ser “esquecida” pela opinião pública mundial.

A fábrica de comunicados à imprensa

Nesse episódio, chega a ser grotesco a quantidade de informações manifestamente falsas que o Pentágono consegue plantar na imprensa, a maioria sem muito questionamento. Vou relacionar apenas algumas que percebi:

– Seu assassinato ocorreu numa troca de tiros (depois foi publicado desmentido informando que ele estava desarmado).

– Uma mulher foi morta na operação quando era usada como escudo humano (desmentido).

– Seu corpo foi jogado ao mar para respeitar as tradições muçulmanas (as ditaduras argentina e brasileira não foram tão criativas!).

E a campeã de todas, usada para justificar Guantánamo e os métodos de tortura, escondendo simultâneamente o verdadeiro delator de Osama:

– O seu esconderijo foi descoberto porque prisioneiros torturados em Guantánamo revelaram quem era o mensageiro de Osama (qualquer grupo clandestino de fundo de quintal muda seu modus operandi depois que pessoas-chave caem em poder do inimigo; achar que Bin Laden usava o mesmo mensageiro de dez anos atrás é muita ingenuidade).

O jornal Público fez uma matéria sobre o cipoal de contradições.