Sobre armas e massacres

AR-15

Fuzil AR-15 semi-automático. TheAlphaWolf/Wikipedia.

Por Allan Patrick

Com o recente massacre ocorrido na Escola Sandy Hook, em Newtown, Coneticute, surge pela enésima vez a pergunta: há alguma relação entre controle de armas e a erupção desses eventos catastróficos? Tem se formado um consenso nos últimos anos de que essa relação não existe, sob o argumento de que há outros países, como Suíça ou Canadá, onde também há um grande percentual da população com armas em casa e esses eventos não ocorrem. Mas o diabo está nos detalhes. A NRA, o grupo de lobby das armas, não age nos Estados Unidos unicamente em favor do direito ao cidadão de ter armas. Ela atua no sentido de tornar o comércio e porte de armas tão livre e amplo quanto o de qualquer mercadoria (*). Há, portanto, uma diferença qualitativa relevante entre como estão armados os estadounidenses e os suíços e canadenses. Estes últimos tem, em geral, armamento de caça ou proteção pessoal.

Uma arma de caça pode até matar um elefante com um tiro, mas não dispara onze tiros por segundos. Uma arma do tipo AR-15 no Brasil em posse de bandidos é notícia. A posse de uma arma deste porte por uma professora pré-escolar,  nos Estados Unidos, não é notícia. E, sim, há uma enorme diferença entre tentar perpetrar um massacre com uma faca, um revólver ou um fuzil de repetição. A capacidade de reação a um ataque surpresa com esse último, estejam as vítimas armadas ou não, é muito baixa.

Eu sugiro a quem estiver interessado em confirmar a “naturalidade” e a ampla disseminação de armamento pesado nos EUA a procurar assistir algum episódio do programa Doomsday Preppers, do National Geographic, que relata como famílias e indivíduos americanos se “preparam” para eventos catastróficos.

De outra parte, um comentário para quem crê na inexistência de islamofobia, racismo e outros preconceitos: já perceberam a diferença no tratamento dos grupos a que pertencem os autores de massacres? Se um muçulmano comete um massacre desse porte, o ato é automaticamente “terrorismo” e as “causas” giram em torno das “características” culturais do seu grupo. Se o negro é o autor, o rumo do debate gira ao redor da insuficiência de rigor da legislação penal. Mas, se um indivíduo dentro da normatividade (sim, o “pobre” e “sofrido” homem branco hétero) comete uma barbaridade como esta, trata-se de um “louco”, um indivíduo desgarrado agindo unilateralmente. É tabu fazer qualquer julgamento de fundo sobre o seu meio (**).

(*) sua maior derrota até o momento é o porte em aviões, que continua absolutamente proibido. Cortesia de Bin Laden.

(**) você já viu por aí alguma análise sobre o caldo de cultura de machismo e misoginia, ingrediente fundamental para o massacre de Realengo? Não? Experimente.

Excesso de profissões regulamentadas no Brasil?

Por Allan Patrick

Há um certo consenso no debate público que existem muitas profissões regulamentadas no Brasil. Normalmente a linha de argumentação começa afirmando que, como herança do nosso passado colonial português, desenvolvemos um apreço desmedido à burocracia e ao legalismo. Avança elencando os diversos projetos de lei que tramitam no Congresso, dentre os quais sempre é possível encontrar meia dúzia de casos exóticos e irracionais. Acrescenta que, em geral, o objetivo de quem quer regulamentar é meramente o de manipular o mercado para aumentar a própria renda. E, para arrematar, conclui que para libertar o espírito empreendedor que cada brasileiro tem dentro de si, deveríamos fazer como nosso irmão do norte, os Estados Unidos, onde esse furor regulamentador não existe e só as profissões de médico e engenheiro civil são de acesso restrito.

(Como se percebe, esse ponto de vista é normalmente defendido por quem concorda, em maior ou menor grau, que a economia funciona nos moldes do neoliberalismo. Milton Friedman era um ferrenho adversário das profissões regulamentadas.)

Só que não! O fato é que os Estados Unidos são um dos países com maior número de profissões regulamentadas no mundo. O Planet Money, programa da National Public Radio mostrou em edição recente a profusão de regulamentações profissionais naquele país. E usou o exemplo de uma cabeleireira em Utah que teve que fechar o próprio salão, pois naquele estado para fazer tranças no cabelo de clientes é preciso antes fazer um curso que custa US$ 16 mil e que só permite ao profissional devidamente licenciado trabalhar no próprio estado, pois em cada unidade da federação americana a profissão é regulamentada de forma diversa.

Bolsa-família atende 45 milhões de americanos

Por Allan Patrick

Food stamp, o bolsa-família dos EUA. Foto: USDA.gov

Foi notícia na edição de 16 de julho de 2011 da revista The Economist e dá uma ideia do tamanho da crise que atinge a população do Estados Unidos:

Em abril, o programa food stamp (o bolsa-família dos EUA) atendeu 45 milhões de pessoas ou um de cada sete americanos.

O custo anual do programa este ano chegou a US$ 65 bilhões!

E o Departamento de Agricultura, que administra o programa, reconhece que apenas dois terços dos que poderiam se habilitar a receber o pagamento fizeram sua inscrição.

O benefício médio é de 133 dólares e o máximo atinge 200 dólares.

Rádio escuta

Por Allan Patrick

Estava ouvindo o rádio e um professor de economia falou:

– O nosso congresso parece cada vez mais com o cidadão comum, deixa tudo pra última hora, como na entrega do imposto de renda, que a maioria de nós só transmite perto da meia noite do último dia do prazo, faz promessas impossíveis que quebra logo em seguida, como nós fazemos na virada do ano, e só está interessado em gratificação imediata, sem pensar no longo prazo.

Bem, não era exatamente no rádio, mas no iPod (cumpre a mesma função nos dias de hoje!). E não era uma rádio brasileira, mas um podcast do New York Times.

O fim do caso DSK?

Por Allan Patrick

Num caso criminal em que a promotoria se dedicou a acusar a vítima, não chega a me estranhar que o advogado de defesa praticamente confesse a culpa do cliente:

E por fim, eu gostaria de dizer isso, dizer publicamente, e com orgulho. Hoje é um dia extraordinário, é um evento extraordinário que um promotor se apresente no fórum e afirme publicamente que não vai apresentar a denúncia, concluindo que a testemunha de acusação não é digna de crédito. Eu estou nesse ramo há 35 anos. Eu penso que nunca vi uma situação como essa. Portanto eu dou todo o crédito a Cy Vance [promotor do caso].

Benjamin Brafman, criminalista, advogado de Dominique Strauss-Kahn, o ex-diretor do FMI.

Recapitulando: a promotoria, ao invés de denunciar o acusado do estupro, promoveu o linchamento moral da vítima, apesar das evidências materiais do estupro (sim, do estupro, não de uma mera relação sexual) que corroboram o depoimento da vítima. O New York Times publicou uma matéria dando apoio à promotoria e revelando uma ligação telefônica realizada pela vítima do estupro, no dia seguinte ao ocorrido, no qual ela teria afirmado que “ele tem um monte de dinheiro e agora eu sei o que vou fazer”. Toda a imprensa foi na linha dessa matéria, dando um peso extraordinário a essa declaração e entrando no clima de desmoralizar a vítima. O advogado da vítima, depois de mais de um mês, finalmente têm acesso à gravação e desmente o seu conteúdo. Conteúdo que, se fosse verdadeiro, não teria nada de mais, pois é bastante razoável que a vítima de um crime nutra ódio pelo agressor e queira prejudicá-lo de todas as maneiras possíveis.

Espero que algum jornalista conhecedor do submundo das varas criminais de Nova Iorque traga à luz no futuro um livro narrando os detalhes dessa história.

Veja também:

O estranho caso DSK.