Espanha, futebol e crise econômica

Por Allan Patrick

Rodrigo Rato embolsou 1,2 milhão de euro mesmo após a intervenção no banco que dirigia.

Em junho de 2009, com a crise econômica já bem avançada, a Caja Madrid, controlada pelo governo regional de Madrid, sob administração do Partido Popular (PP), emprestou conjuntamente com o Santander, 150 milhões de euros ao Real Madrid para a aquisição dos passes dos jogadores Ronaldo e Kaká.

Qualquer esperança de lógica econômica nas ações da Caja Madrid se dissipou esta semana, quando o Bankia, resultado da fusão da Caja Madrid com outras caixas espanholas em 2010, foi alvo de uma intervenção pelo Banco Central local. Para evitar sua quebra receberá uma injeção de recursos entre 7 e 10 bilhões de euros (ao câmbio de hoje, entre 17 e 25 bilhões de reais) do combalido governo espanhol.

Numa demonstração de qual é a diferença entre o discurso e a prática no conservador Partido Popular, Rodrigo Rato, até então presidente da instituição bancária, receberá 1,2 milhão de euros de indenização pela demissão. Rodrigo, quando foi Ministro da Economia na primeira metade da década passada, defendeu, em sintonia com o governo do qual fazia parte, uma reforma trabalhista que reduziu o custo de demitir trabalhadores. (No passado mês de fevereiro, de volta ao poder, o PP aprovou nova reforma para reduzir ainda mais esse custo).

Veja também:

O Banco Santander e o Brasil.
O segundo tempo da crise econômica mundial.

Biutiful

Por Allan Patrick

Cartaz para o cinema de Biutiful

Finalmente tive a oportunidade de ver Biutiful no cinema, neste fim de semana. Como todos os filmes do mexicano Alejandro González Iñárritu que tive a oportunidade de ver, tem uma narrativa social muito forte e personagens e histórias construídas a partir dos que estão à “margem” do mundo, de forma muito intensa e real. Sinto-me tão desconfortável vendo seus filmes quanto lendo uma obra de Dostoiévski, Émile Zola ou Victor Hugo.

Mas, para citar mais uma vez Ortega y Gasset, “Eu sou eu e minhas circunstâncias“, o que me tocou pessoalmente em relação ao filme foi que fiz, como turista, uma viagem a Madri no final de 2008 e, apesar de me concentrar nas amenidades que agradam um viajante, não pude deixar de notar diversas disfunções sociais que o filme relata com muita precisão. Imaginei que o filme tivesse sido planejado no pós-crise, mas em realidade ele começou a ser rodado exatamente no mesmo período em que estive na Espanha, momento em que o país mal havia entrado na ressaca do estouro da bolha imobiliária e ainda surfava o fim da onda da euforia desfrutada desde a adesão ao euro.

Três episódios que me marcaram nessa viagem foram testemunhar o covarde abuso verbal de um membro da polícia nacional em relação a um imigrante africano (tanto destempero policial, no Brasil, eu só testemunhei em São Paulo), a tentativa de duas crianças de me aplicarem um golpe num caixa eletrônico e a abordagem agressiva de um agenciador de garotas de programa. Todos esses fatos ocorridos na Gran Vía, a principal avenida de Madri. (O filme se passa em Barcelona, mas para o assunto que estamos tratando, sinto dizer, não há diferença, para além do bairrismo, entre catalães e madrilenhos).

Mídia

Não pude deixar de notar, ao pesquisar para escrever este texto, que o jornal espanhol Público, que se posiciona mercadologicamente como progressista e de esquerda, publicou à época do lançamento do filme uma resenha em que acusa a obra de fazer “exploração da miséria“. Surpreendente, não fosse pelo fato de que o jornal pertence ao Mediapro, conglomerado de mídia catalão interessado em vender uma outra imagem de Barcelona (Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen, foi produzido pelo Mediapro).

Compreendendo os separatismos na Espanha

Por Allan Patrick

Trem de alta velocidade na Espanha é ponto de discórdia. Foto: Mikel Ortega.

Para nós, brasileiros, que vivemos num país tão grande, com tanta diversidade regional, é difícil entender porque num país relativamente pequeno, como a Espanha, há tantos movimentos separatistas (País Vasco, Catalunha e Galícia, só para citar os mais conhecidos). Uma das razões mais relevantes é que, justamente por se tratar de um país de dimensões medianas, há uma tendência à concentração de poder econômico e político na capital, Madri. Um exemplo bastante ilustrativo é o da rede de trens de alta velocidade (AVE, Alta Velocidad Española), cuja lógica de interligação é a da topologia em estrela, ou seja, aquela que conecta todos os pontos do país à capital, ignorando inclusive, quando é o caso, a lógica econômica.

Sobre esse tema, a interligação manca do trem de alta velocidade, o escritor, colunista de jornal e blogueiro Joan Garí comentou, ao tratar da inauguração do ramal Madri-Valência:

O passageiro que se encontrar por esses dias no flamante AVE Madri-Valência fará muito bem – sobretudo se o ponto de partida for esta última cidade – em aproveitar a hora e meia de viagem para ler o livro España, capital París (Destino), do professor universitário e ex deputado socialista Germà Bel.

Em suas páginas detalha-se como a política de transportes do Estado se pautou, desde o século XVIII até o presente, por critérios políticos (a obsessão jacobina [N.T.: pela centralização]), e não pelo critério da estrita eficiência econômica. Só uma análise desapaixonada – ou, por assim dizer, não triunfalista – permite se aperceber de um pequeno detalhe: 18 anos depois do início das operações de alta velocidade na Espanha, nenhuma de suas linhas nos conecta com a Europa. Com a linha Madri-Valência, mais uma vez foi cometido o mesmo erro da Madri-Sevilha (Felipe González) ou Madrid-Valladolid (José María Aznar). Madri, claro, tem agora un sistema fantástico para sugar empresas da periferia e transportar turistas que já não necessitam sequer pernoitar em seus destinos. Não gosto de ser estraga-prazeres, mas da ampla gama de milagres que lhe são atribuídos, o que conseguirá realmente o novo ramal do AVE é reforçar a radialidade das comunicaciones. E, entretanto, não parece lógico que as comunidades do Mediterrâneo, que geram 50% das exportaciones espanholas, não disponham de alta velocidad para pasageiros e mercadorias com destino à Europa.

O único e primordial AVE lógico teria sido a conexão Madri-Valência-Barcelona-França. As demais linhas são alardes de novo rico e não parece que os tempos atuais sejam para tanta pólvora inútil.

O leitor não deve estranhar que Felipe González é natural de Sevilha e José Maria Aznar, antes de ganhar as eleições nacionais, tenha governado a Comunidade de Castela e Leão, cuja capital de facto é Valladolid.

Made in Madrid

Por Allan Patrick

De vez em quando eu me vejo na obrigação de publicar algo sobre os casos de corrupção que pipocam no exterior, apenas para desmitificar o complexo de vira-latas nelsonrodriguiano das pessoas que repetem o chavão anti-povo de que o Brasil é a terra da corrupção. A nota é do blogue de Ignacio Escolar e vai aqui traduzida:

Um novo milagre desses que só acontecem na corte de Esperanza Aguirre (N. do T.: governadora da Comunidade Regional de Madri), a condessa de Fundescam (N. do T.: uma ONG que só existia no papel, presidida pela governadora e que financiava campanhas do seu Partido Popular) a Comunidade de Madri gastou 1.250.000,00 euros numa campanha publicitária fantasma da qual ninguém ouviu falar, tendo desaparecido sem deixar nenhum rastro, como se tivesse sumido no Triângulo das Bermudas (ou quem sabe em algum outro paraíso fiscal). É o primeiro caso conhecido de publicidade clandestina, um verdadeiro oxímoro. Essa invenção tinha por nome Made in Madrid e, teoricamente, esse dinheirão foi investido em anúncios e em merchandising, em 50 mil folhetos e 100 mil canetas com o simpático bordão. Se você tiver um em casa, guarde-o bem, pois a pesar da extensa tiragem é alvo de colecionadores: nada se sabe dos folhetos, das canetas nem do próprio Made in Madrid; uma campanha que, casualmente, foi encomendada a um dos fornecedores habituais da trama Gürtel (N. do T.: extenso caso de corrupção, investigado sob pelo juiz Baltasar Garzón, envolvendo o Partido Popular) e que, também por coincidência, foi escolhido em procedimento emergencial às vésperas das eleições regionais de 2007.

P.S.: não é a toa que Baltasar Garzón é tratado pelo Tribunal Supremo da Espanha de modo semelhante ao juis De Sanctis no nosso STF.

Veja também:

José Saramago defende o juiz Baltasar Garzón.

Atualização em 12/04/2010:

A Carta Maior publicou um artigo mais extenso sobre o tema: clique aqui.

José Saramago defende o juiz Baltasar Garzón

Nem leis, nem justiça

Por José Saramago – 13/02/2010

José Saramago. 2006.

Em Portugal, na aldeia medieval de Monsaraz, há um fresco alegórico dos finais do século XV que representa o Bom Juiz e o Mau Juiz, o primeiro com uma expressão grave e digna no rosto e segurando na mão a recta vara da justiça, o segundo com duas caras e a vara da justiça quebrada. Por não se sabe que razões, estas pinturas estiveram escondidas por um tabique de tijolos durante séculos e só em 1958 puderam ver a luz do dia e ser apreciadas pelos amantes da arte e da justiça. Da justiça, digo bem, porque a lição cívica que essas antigas figuras nos transmitem é clara e ilustrativa. Há juízes bons e justos a quem se agradece que existam, há outros que, proclamando-se a si mesmos justos, de bons pouco têm, e, finalmente, não são só injustos como, por outras palavras, à luz dos mais simples critérios éticos, não são boa gente. Nunca houve uma idade de ouro para a justiça.

Baltasar Garzón.

Hoje, nem ouro, nem prata, vivemos no tempo do chumbo. Que o diga o juiz Baltasar Garzón que, vítima do despeito de alguns dos seus pares demasiado complacentes com o fascismo sobrevivo ao mando da Falange Espanhola e dos seus apaniguados, vive sob a ameaça de uma inabilitação de entre doze e dezasseis anos que liquidaria definitivamente a sua carreira de magistrado. O mesmo Baltasar Garzón que, não sendo desportista de elite, não sendo ciclista nem jogador de futebol ou tenista, tornou universalmente conhecido e respeitado o nome de Espanha. O mesmo Baltasar Garzón que fez nascer na consciência dos espanhóis a necessidade de uma Lei da Memória Histórica e que, ao abrigo dela, pretendeu investigar não só os crimes do franquismo como os de outras partes do conflito. O mesmo corajoso e honesto Baltasar Garzón que se atreveu a processar Augusto Pinochet, dando à justiça de países como Argentina e Chile um exemplo de dignidade que logo veio a ser seguido. Invoca-se aqui a Lei da Amnistia para justificar a perseguição a Baltasar Garzón, mas, em minha opinião de cidadão comum, a Lei da Amnistia foi uma maneira hipócrita de tentar virar a página, equiparando as vítimas aos seus verdugos, em nome de um igualmente hipócrita perdão geral. Mas a página, ao contrário do que pensam os inimigos de Baltasar Garzón, não se deixará virar. Faltando Baltasar Garzón, supondo que se chegará a esse ponto, será a consciência da parte mais sã da sociedade espanhola que exigirá a revogação da Lei da Amnistia e o prosseguimento das investigações que permitirão pôr a verdade no lugar onde ela tem faltado. Não com leis que são viciosamente desprezadas e mal interpretadas, não com uma justiça que é ofendida todos os dias. O destino do juiz Baltasar Garzón é nas mãos do povo espanhol que está, não dos maus juízes que um anónimo pintor português retratou no século XV.

Veja também:

Garzón e o jardim secreto.

Na internet:

Todo el Juzgado Central número 5 sale en defensa del juez Garzón (publico.es).

Un grupo de juristas busca implicar a Naciones Unidas en defensa de Garzón (publico.es).