Por que olhar para a Espanha?

Bandeira da Segunda República Espanhola.

Bandeira da Segunda República Espanhola.

Com uma certa frequência, publicamos aqui no Caderno informações sobre a política e a economia da Espanha. Além da curiosidade inata por informações sobre o que se passa em outras terras, fato que nos permite ter um ponto de comparação que nos auxilia na hora de julgar nossa própria situação, há outro bom motivo para acompanhar os acontecimentos nesse país. Seus dois principais partidos, o PSOE (socialista) e o PP (neoliberal), são fontes de inspiração para os principais partidos que governam o Brasil: PSDB, DEM/PFL e PT. Além disso, as multinacionais espanholas tem participações de grande relevo na economia brasileira, inclusive em setores fundamentais, como telefonia e energia.

Vamos à notícia publicada no passado mês de agosto no jornal madrilenho El País:

63% dos trabalhadores espanhóis recebem menos de 1.100 euros
16,7 milhões de assalariados tem um rendimento bruto inferior a 13.400 euros

No total, 18,3 milhões de espanhóis tem rendimentos brutos mensais inferiores a 1.100 euros, o que representa 63% dos trabalhadores que desenvolvem suas atividades na Espanha, segundo um estudo realizado por técnico do Ministério da Fazenda. Este número representa 5% a mais do que da última vez em que esse relatório foi elaborado, com dados de 2006.

Ainda segundo o relatório, elaborado a partir da análise de dados de fontes pagadoras e da previdência, assim como da última estatística disponível para o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), na Espanha há 16,7 milhões de assalariados que tem um rendimento bruto anual inferior a 13.400 euros. E a média nacional chega a 18.807 euros brutos por ano.

Continua…

Não se iludam, pelo critério da paridade do poder de compra, um salário de 1.100 euros não é muito superior a 1.100 reais.

Textos relacionados:

O mileurista.

O progresso adequado da Espanha.

O destino incerto do Afeganistão

Excelente matéria publicada no El País e escrita por Ramón Lobo, um dos melhores correspondentes de guerra em atividade no mundo: La incierta papeleta de Afeganistán. Apenas para aguçar a curiosidade, traduzo aqui o último parágrafo do texto:

A política pública, que se desenvolve a partir do comportamento apresentado pelos agentes políticos diante dos cidadãos, por vezes não tem muita relação com a política privada, que transcorre nos bastidores. O ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney, um mestre do malabarismo e da ação no limite da legalidade, visitou há alguns anos o Parlamento afegão. Antes de adentrar no recinto um de seus assessores lhe explicou que se tratava de um Legislativo um pouco especial, repleto de narcotraficantes e senhores da guerra. “Bom, igual ao nosso”, exclamou.

Por que a Rússia “ajudou” a Islândia?

Glaciar na Islândia. Foto: Andreas Tille.

Glaciar na Islândia. Foto: Andreas Tille.

Voltamos à ótima matéria publicada pelo El País no domingo passado (19/07/2009): Irlanda no quiere ser Islandia. Sobre a situação da Irlanda, escrevemos aqui.

Quando do estouro da crise financeira, entre setembro e outubro de 2008, ficamos sabendo que a Islândia vinha desenvolvendo sua economia com base na atuação agressiva de seus bancos, que captavam investimentos nos mercados internacionais. Quando os bancos quebraram muita gente – principalmente no Reino Unido, onde o alvo eram clientes de varejo – perdeu suas economias. Estranhamente, um dos países que se ofereceu para “ajudar” a Islândia, com um empréstimo emergencial de US$ 5 bilhões, foi a Rússia. Houve quem opinou que o objetivo da Rússia era seduzir um membro da OTAN.

Aloysio Biondi, falecido jornalista econômico brasileiro, costumava dizer que a imprensa revela a verdade no último parágrafo de suas matérias. E o que o último parágrafo da reportagem do El País nos revela? Traduzo aqui:

Resumindo, a Irlanda não quer ser a Islândia, rica iilha do Atlântico Norte que faliu e se viu obrigada a pedir sua entrada na União Europeia. A comparação parece incomodar o ministro [irlandês] Lenihan. “Não podemos comparar a Islândia com a Irlanda”, decreta. “A Islândia são: 300 mil pessoas, alguns bancos criados com investimentos de imensos volumes de capitais de fundos de risco russos e muitos depositantes do Reino Unido, que aplicaram nesses bancos islandeses em função das taxas de juros muito atraentes. Isso é a Islândia”, explica. “A Irlanda”, acrescenta, “é um país com uma força de trabalho composta por duas milhões de pessoas com elevado nível de educação e um vibrante setor exportador, em constante crescimento econômico desde mediados dos anos 1990”. (grifo nosso)

Um furo de reportagem como esse (não vimos essa informação em nenhum outro lugar) merecia um pouco mais de destaque.

Textos relacionados:

Os islandeses disseram não.

Islândia sob ataque.

A Lei de Aloysio Biondi.

Irlanda, crise financeira e liberdade cambial.

Irlanda, crise financeira e liberdade cambial

irlanda

República da Irlanda

Por Allan Patrick

O El País publicou uma reportagem muito interessante neste domingo, 19 de julho de 2009: A Irlanda não quer ser a Islândia. Vou destacar e traduzir alguns trechos.

O governo levou a cabo quatro ajustes no orçamento e ainda assim o déficit público disparou e deve chegar, este ano, a 12% do PIB. O Banco Central prevê que a economia vai se contrair em 6% neste ano e 3% no ano que vem. Os salários estão caindo na iniciativa privada e foram cortados no setor público, reduzindo o nível de vida da população aos níveis de 2002.

Para fins de comparação: Irlanda, 12 % de déficit público; Brasil, 3% de superávit; Irlanda, 6% de queda no PIB; Brasil, de 0 a 1 % de crescimento do PIB; Irlanda, salários em queda; Brasil, massa salarial crescente e aumento do salário mínimo.

Os irlandeses não só se congratulam por fazerem parte da União Europeia, como também por fazerem parte do Euro. Muitos se perguntam o que teria sido da economia de seu país sem o guarda-chuva do Euro e do Banco Central Europeu. O poderoso vizinho britânico, orgulhoso por manter sua independência monetária, viu como se desvalorizava dramaticamente sua libra esterlina, numa queda talvez até provocada pelo governo de Londres, mas que não deixa de refletir a debilidade de sua divisa em tempos turbulentos.

Há diversas vantagens em pertencer à União Europeia. Entretanto, o aspecto que o El País destaca com mais ênfase é a estabilidade cambial. Que não é necessariamente uma vantagem. Enquanto o Brasil e o Reino Unido (citado no texto) puderam jogar parcela expressiva da pressão da crise no câmbio, a Irlanda não teve essa liberdade – pois faz parte do grupo de países que adota o Euro – e portanto todo o peso da crise financeira foi lançado diretamente na economia real, resultando nos números catastróficos relatados na matéria. Faz lembrar o começo do século XX, quando a rigidez do padrão-ouro e o liberalismo econômico radical faziam a economia sofrer em prol de uma estabilidade infrutífera.

Voltaremos a essa matéria em outro texto, desta vez para analisar a Islândia.

Textos relacionados:

Por que a Rússia “ajudou” a Islândia?

Islândia sob ataque.

Um negro na Alemanha nazista

Hans J. Massaquoi na sua infância. Fonte: arquivo pessoal do autor.

Hans J. Massaquoi na sua infância. Fonte: arquivo pessoal do autor.

Por Allan Patrick

Uma matéria muito interessante no El País deste domingo (26/04/2009): El Negro que sobrevivió a los nazis. É a resenha de um livro, a autobiografia escrita por Hans J. Massaquoi,  mulato, filho de um diplomata liberiano e uma enfermeira alemã, que viveu sua infância e adolescência durante a ascensão do nazismo na Alemanha e o transcorrer da Segunda Guerra Mundial. A matéria narra também o trágico destino da maior comunidade afrodescendente da Alemanha na época: os “bastardos da Renânia“, filhos de militares franceses oriundos de suas então colônias africanas e mulheres alemãs da região da Renânia, ocupada pela França ao final da Primeira Guerra Mundial. Uma história da qual raramente se ouve falar e que revela diversos aspectos da vida cotidiana sob o regime nazista.

Eis o início da matéria do El País:

El Negro que sobrevivió a los nazis

IÑIGO LÓPEZ PALACIOS 26/04/2009

Hans J. Massaquoi nació en Hamburgo de madre alemana y padre liberiano. Tenía seis años cuando Hitler llegó al poder. De niño se quedó fascinado con la parafernalia nazi. Incluso quiso entrar en las juventudes hitlerianas. Se salvó por casualidad. Cuenta su extraña historia.

“¿Yo no soy ario?”. Hans tenía ocho años cuando lanzó esta pregunta a su madre. Así lo narra en su biografía Testigo de raza. Un negro en la Alemania nazi. La historia de un mulato nacido en Hamburgo en 1926 y que vivió en esa ciudad el ascenso y la caída del nazismo. “Sobreviví gracias a un resquicio en las leyes raciales. No éramos suficientes en mi ciudad para que los nazis se fijaran en mí, al revés de lo que les pasó a los llamados bastardos de Rhineland”, dice Massaquoi desde su jubilación en Estados Unidos.

Continua …

Minha tradução:

O Negro que sobreviveu aos nazistas

IÑIGO LÓPEZ PALACIOS 26/04/2009

Hans J. Massaquoi nasceu em Hamburgo de mãe alemã e pai liberiano. Tinha seis anos quando Hitler chegou ao poder. Na infância ficou fascinado com o fuzuê nazista. Teve vontade de ingressar nas juventudes hitleristas. Deu sorte e dessa ele se salvou. Conta agora sua estranha história.

“Eu não sou ariano?”. Hans tinha oito anos quando fez essa pergunta a sua mãe. Assim ele narra em sua biografia. Testemunha da raça. Um negro na Alemanha nazista. A história de um mulato nascido em Hamburgo em 1926 e que viveu a ascenção e queda do nazismo. “Sobrevivi graças a um descuido das leis raciais. Não eramos em número suficiente em nossa cidade para que os nazistas se lembrassem de mim, ao contrário do que ocorreu com os bastardos da Renânia”, diz Massaquoi, aposentado e vivendo nos Estados Unidos.

Textos relacionados:

Racismo e política de cotas.