Capitalismo, uma história de amor

Capitalismo: uma história de amor. De Michael Moore.

Por Allan Patrick

Acabei de ver o último filme de Michael Moore, Capitalism: A Love Story. Incisivo como suas obras anteriores, me prendeu do começo ao fim. Além de abordar Wall Street com a mesma técnica que adotou ao tratar das empresas de seguro saúde americanas em Sicko, Moore coloca na tela várias histórias que já são conhecidas de quem teve a oportunidade de ler suas obras. Os relatos de pilotos de companhias aéreas americanas que tem salários tão pequenos que precisam se registrar no programa de food stamps (o bolsa família americano; horror, quer dizer que há um bolsa família nos Estados Unidos??) já estavam presentes em Cara, cadê o meu país? Mas desta vez não é apenas George Bush o único político a dar vexame. O Senador democrata Christopher Dodd é mostrado embolsando, de forma legal mas imoral, US$ 1 milhão em empréstimos graciosamente subsidiados pela Countrywide (atualmente incorporada ao Bank of America). E depois a turma do complexo de vira-latas vem dizer que nós é que somos um povo corrupto. A propósito, o mês passado eu tinha visto a notícia de que esse Senador não seria candidato à reeleição, mas a matéria não dizia o porque. Pois é, agora fiquei sabendo que o filme de Michael Moore foi a pá de cal nas pretensões do Senador. Recomendo fortemente o filme que, por enquanto e tragicamente, não foi lançado no Brasil, estando disponível apenas em DVD no exterior (na Amazon, por exemplo).

Orgasmo S.A.

Orgasmo S.A. (Orgasm Inc. no original) é um curioso documentário sobre a indústria farmacêutica. Inicialmente, a cineasta Liz Canner aceitou a tarefa de editar vídeos eróticos a serem utilizados num processo de análise duma droga produzida por uma indústria farmacêutica.

Seu empregador está desenvolvendo o que espera ser a primeira droga “viagra” para mulheres a ser aprovada pela FDA (a Anvisa dos Estados Unidos) com o objetivo de tratar uma nova doença: a Disfunção Sexual Feminina (FSD na sigla em inglês). Liz obteve permissão da empresa para filmar seu próprio documentário. Inicialmente, ela planejava fazer um filme sobre ciência e o prazer, mas ela logo passa a suspeitar que seu empregador, aliado a um conjunto de outras empresas do ramo farmacêutico, poderia estar tentando tirar vantagem das mulheres (e potencialmente pondo em risco sua saúde) em busca de lucros bilionários.

Residentes no Canadá podem ver o documentário na íntegra na página da CBC.ca.

Olhos Azuis

Esse é o título de um documentário sobre um seminário cuja temática é o racismo. A autora e condutora do seminário é Jane Elliott, ex-professora do primário em uma cidade de 800 habitantes no interior do estado norteamericano de Iowa.

O curioso é que por estes dias, ao mesmo tempo em que descobri esse documentário, um amigo que passou um ano na Flórida fazendo seu pós-doutorado me narrou uma situação incômoda pela qual ele passou. Estava na fila de uma lanchonete de fast-food e foi atendido, muito mal, por uma funcionária negra. Após pagar pelo seu pedido, notou que o próximo cliente na fila era negro e foi atendido maravilhosamente bem. Desabafou sua insatisfação com a situação. No entanto, pedi para ele assistir o filme e refletir sobre a questão.

O documentário costumava ser exibido no canal GNT e pode ser encontrado no youtube. Este é o seu início:

O exercício de Elliott foi desenvolvido quando dava aulas para a terceira série e foi resultado do assassinato de Martin Luther King. Na noite de 4 de abril de 1968, Jane Elliott sintonizou sua televisão para se informar sobre o assassinato. Uma cena que ela se lembra vividamente é a de um repórter, com o microfone apontado para um líder negro local, perguntando “Quando o nosso líder (John F. Kennedy) foi morto há alguns anos sua viúva nos mateve unidos. Quem controlará o seu povo?” Ela lembra o estranhamento que aquilo lhe causou. “Afinal, John F. Kennedy não era o presidente de todos os americanos, inclusive os negros?” Não deveriam os brancos americanos estar indignados também com a morte de King? Foi ali, na sua sala de estar que ela decidiu combinar uma aula que havia planejado sobre índios americanos com a lição sobre King para a série “O herói do mês” de fevereiro. Ela iria usar como norte para a experiência o provérbio “Oh Deus, não me permita julgar um homem até que eu ande um quilômetro com os seus sapatos.”

crianças1

Foto por Anthere.

Steven Armstrong foi a primeira criança a chegar à sala de aula de Elliot, no dia seguinte, pedindo informações sobre o assassinato de King no dia anterior. Depois que o resto da turma chegou, Elliot perguntou o que eles sabiam sobre negros. As crianças responderam com vários estereótipos raciais, como “negros eram preguiçosos”, “negros eram mudos” ou “não conseguiam se manter nos empregos”. Ela então perguntou a estas crianças se elas gostariam de descobrir como era para ser uma criança negra e elas concordaram.

Nesse dia, uma terça-feira, ela decidiu fazer o grupo das crianças de olhos azuis superior ao outro, dando-lhes alguns privilégios, como o direito de repetir a refeição no almoço, acesso ao novo salão de ginástica e cinco minutos extras no recreio. Ela não permitiu que as crianças de olhos azuis e castanhos bebessem água no mesmo lugar. Ela se pôs a elogiar as crianças de olhos azuis por serem trabalhadoras e inteligentes. Os castanhos, por outro lado, foram desmotivados. Ela até fez essas crianças usarem fitas em torno de seus pescoços.

Foto por Christiaan Briggs.

Foto por Christiaan Briggs.

Inicialmente, houve resistência entre as crianças à idéia de que as de olhos castanhos não eram iguais às de olhos azuis. Para reverter essa situação, ela usou uma pseudo-explicação científica, afirmando que a melanina era responsável pela coloração dos olhos castanhos e que sua presença esteva associada à pouca inteligência e à preguiça. Em pouco tempo, a resistência inicial arrefeceu. Aqueles que foram considerados como “superiores” se tornaram arrogantes, autoritários e desagradáveis para os seus colegas de classe “inferiores”. Suas notas também melhoraram, e foram capazes de fazer exercícios de matemática e ler textos que antes pareciam estar além de sua capacidade. Os colegas “inferiores” também se transformaram: em crianças tímidas e subservientes, mesmo aquelas que tinham sido anteriormente dominantes na classe. Seu desempenho acadêmico tornou-se sofrível, mesmo com as tarefas simples de antes.

No dia seguinte, Elliott inverteu o exercício, tornando as crianças de olhos castanhos superiores. Embora essas crianças tenham mal-tratado os de olhos azuis de forma semelhante ao que havia ocorrido no dia anterior, Elliott relatou que a intensidade era muito menor. Às 14:30 dessa quarta-feira, Elliott disse às crianças de olhos azuis que retirassem seus colares e as crianças choraram e se abraçaram. Para refletir sobre o ocorrido, ela incentivou as crianças a escreverem cartas sobre a experiência a Coretta Scott King.

Fonte: Artigo sobre Jane Elliott na wikipédia.

Textos relacionados:

Racismo e política de cotas.

Criança, a alma do negócio

O Instituto Alana é uma ONG que desenvolve atividades em prol da defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes relacionadas a relações de consumo em geral, bem como ao excessivo consumismo ao qual são expostos. Promove a divulgação do documentário “Criança, a alma do negócio”, cuja resenha transcrevemos na sequência.

Por que meu filho sempre me pede um brinquedo novo? Por que minha filha quer mais uma boneca se ela já tem uma caixa cheia de bonecas? Por que meu filho acha que precisa de mais um tênis? Por que eu comprei maquiagem para minha filha se ela só tem cinco anos? Por que meu filho sofre tanto se ele não tem o último modelo de um celular? Por que eu não consigo dizer não? Ele pede, eu compro e mesmo assim meu filho sempre quer mais. De onde vem este desejo constante de consumo?

Este documentário reflete sobre estas questões e mostra como no Brasil a criança se tornou a alma do negócio para a publicidade. A indústria descobriu que é mais fácil convencer uma criança do que um adulto, então, as crianças são bombardeadas por propagandas que estimulam o consumo e que falam diretamente com elas. O resultado disso é devastador: crianças que, aos cinco anos, já vão à escola totalmente maquiadas e deixaram de brincar de correr por causa de seus saltos altos; que sabem as marcas de todos os celulares mas não sabem o que é uma minhoca; que reconhecem as marcas de todos os salgadinhos mas não sabem os nomes de frutas e legumas. Num jogo desigual e desumano, os anunciantes ficam com o lucro enquanto as crianças arcam com o prejuízo de sua infância encurtada. Contundente, ousado e real este documentário escancara a perplexidade deste cenário, convidando você a refletir sobre seu papel dentro dele e sobre o futuro da infância.

Direção Estela Renner
Produção Executiva Marcos Nisti
Maria Farinha Produções

Atualização (30/07/2009)

Esqueci de postar os enlaces para o filme nos formatos AVI (700 MB), MP4 (196 MB) e o arquivo ISO (2,6 GB) para queimar um DVD. A obra é copyleft, portanto pode ser distribuída livremente.