O assassino norueguês e o feminismo

Por Allan Patrick

O Democracy Now! joga uma luz no anti-feminismo do assassino.

O assassino e autor do cruel massacre da ilha de Utoya, Anders Behring Breivik, em seu escatológico “manifesto”, uma espécie de amalgama de todos os delírios da extrema-direita ocidental, expressa opiniões sobre o feminismo que se encaixam perfeitamente com o masculinismo. Como vemos na entrevista realizada pelo Democracy Now! com Jeff Sharlet — autor do livro A Família, sobre uma soceidade fundamentalista cristã americana — à jornalista Amy Goodman, aqui traduzida (trata-se da transcrição de um diálogo ao vivo na TV, por isso a oralidade do texto):

AMY GOODMAN: Por todo seu manifesto, Breivik culpa a revolução feminista pela decadência da Europa. Ele afirma até mesmo que tentou medir a decadência relativa de cada país europeu com base na disposição das mulheres em “ficar”. Em determinada parte do manifesto, ele escreve: “Fato: 60-70% de todos os marxistas culturais/multiculturalistas são mulheres. Isso explica em parte porque à medida em que avança a revolução feminista, avança também o multiculturalismo, que lhe está diretamente ligado. Essas feministas, marxistas culturais, não apenas querem mais benefícios e direitos para si. Elas querem tudo, e foram mais ou menos premiadas com tudo o que poderiam sonhar em alcançar. Elas agora alcançaram a supremacia do matriarcado em assuntos domésticos e exercitam uma influência substancial na política.”

Ele também escreveu, “Fêmeas tem um capital erótico significativamente maior que o dos homens devido às diferenças biológicas (nos homens prevalecem as necessidades sexuais urgentes e portanto eles são facilmente manipulados).”

Jeff Sharlet, como isso se encaixa no contexto de sua ideologia?

JEFF SHARLET: É verdade — quero dizer, este tem sido um dos aspectos que tem passado batido e sobre o qual não se comentou o suficiente: como a crítica ao feminismo é central no seu manifesto. Você sabe, há enormes trechos onde de fato ele está pegando todas as bandeiras levantadas pela direita cristã americana. E vai mais além. A ponto de chegar aos limites mais extremos da direita cristã americana, propugnando que as mulheres não devem se aprofundar nos estudos. E ele se vê envolto em toda sorte de — esse frenesi de fertilidade, descrito por minha amiga Kathryn Joyce em seu livro, Quiverfull [sobre o movimento homônimo], que é uma grande fonte de informação sobre esse tema, que a direita cristã americana vê as mulheres cristãs — americanas e europeias — como de algum modo responsáveis por não estarem cumprindo seu dever em ter um número suficiente de filhos para competir com as muçulmanas. E você sabe que, por mais maluco que isso pareça ser — eu escrevi um outro livro sobre esse tema — há um monte de deputados no congresso americano que endossam essa ideologia. No manifesto está incluído um longo artigo de um americano chamado Phillip Longman e sua ideia de restauração do patriarcado como pré-condição para combater o islamismo.

E, claro, ele vai além, como acontece em muitos desses textos, essa constante descrição da moral sexual das mulheres. Ele diz que é possível medir a fraqueza e a capacidade dos países ocidentais em lutar contra o islamismo, como você afirmou, pela facilidade com que as mulheres “ficam”, o que ele afirma ter feito com seu grupo de amigos ao viajar pela europa e constatar, você sabe, com quantas mulheres eles eram capazes de dormir. Portanto há, quero dizer, esse tipo de — parece loucura, mas só até você começar a ver quais são suas fontes. E desde o começo, ele retorna a essa ideia fixa de que o feminismo, os direitos das mulheres, estão no coração dessa espécie de quinta coluna da resistência ocidental ao islamismo.

Também já foi relatado o comentário preconceituoso de Breivik em relação ao Brasil, essa nação destinada ao “fracasso” por causa da miscigenação. O “manifesto” de Breivik é um verdadeiro compêndio, muitas vezes baseado no Copiar/Colar, de todas as asneiras pronunciadas pela extrema-direita, de leste a oeste, de norte a sul.

O Haiti e a Doutrina do Choque

Por Allan Patrick

Doutrina do Choque, a ascensão do capitalismo de desastre.

Naomi Klein é autora de um livro seminal, “Doutrina do Choque: A ascensão do capitalismo de desastre.”

Claro, quem puder, leia o livro. Mas cito aqui um breve exemplo que permite contextualizar sua fala: quando houve o Tsunami da Ásia em 2004, os governos ocidentais condicionaram a ajuda (empréstimos) ao Sri Lanka (país insular próximo à costa oriental da Índia) à satisfação dos interesses de grandes corporações do turismo, que vinham tendo dificuldades para instalar seus resorts no país, em função da resistência dos pescadores em abandonarem as vilas onde residiam há gerações. O governo local, sem alternativas, cedeu, e milhares de pescadores, que haviam sido desalojados de seus vilarejos pelo tsunami, não puderam voltar às suas terras, que foram loteadas entre investidores estrangeiros.

Na sequência, traduzimos a transcrição de um trecho do programa Democracy Now!, da Radio Pacifica de Nova Iorque, em que Naomi Klein faz uma breve exposição dos interesses dos adeptos da “Doutrina do Choque” no Haiti.

Democracy Now! Naomi Klein alerta sobre a possível aplicação da Doutrina do Choque no Haiti

AMY GOODMAN: Vamos voltar a Naomi Klein. Tentaremos colocar sua gravação no ar novamente, com seu comentário sobre os acontecimentos no Haiti e quem já está lucrando.

NAOMI KLEIN: Como eu descrevi em “Doutrina do Choque”, crises são oportunidades utilizadas atualmente como pretexto para impor políticas que não podem ser impostas em tempos normais de estabilidade. Países que passam por crises extremas estão desesperados por ajuda, qualquer auxílio financeiro, e portanto não estão numa posição que lhess permita negociar em pé de igualdade.

E vou fazer uma pequena pausa, só um segundo, para ler um breve texto, que é extraordinário. Acabei de postá-lo no meu sítio na Internet. O título é “Haiti: Detenham-nos antes que eles apliquem o choque de novo.” Isto foi ao ar há apenas algumas horas, três horas eu acho, no sítio da Heritage Foundation (um think tank conservador ligado ao Partido Republicano).

Diz a Heritage Foundation: “Em meio ao sofrimento, a crise no Haiti oferece oportunidades aos Estados Unidos. Além de prover assistência humanitária imediata, os Estados Unidos, em resposta à tragédia, tem a oportunidade de redesenhar o governo e a economia do Haiti, há muito tempo disfuncionais, e melhorar a imagem dos Estados Unidos na região.” E por aí segue.

Naomi Klein, durante o lançamento da edição polonesa de "Doutrina do Choque".

Bom, eu não sei se as coisas vão melhorar ou não, porque a Heritage Foundation levou treze dias para publicar uma lista de trinta e duas soluções de livre mercado para superar a tragédia do Furacão Katrina. Nós publicamos esse material no nosso sítio também. Entre as sugestões, havia a proposta de fechar os apartamentos residenciais destinados ao público de baixa renda, tornar a costa do Golfo do México um paraíso fiscal, livrar-se das leis trabalhistas que obrigam as empresas a pagar salário mínimo. Então, eles levaram treze dias antes de soltar esse material, na tragédia do Katrina. Agora, no Haiti, eles não esperaram nem vinte e quatro horas.

Por que eu disse que não sabia se as coisas iam melhorar ou não com a sugestão da Heritage Foundation? Bem, o fato é que duas horas atrás eles tiraram do ar o documento. Alguém disse a eles da indelicadeza de publicar algo assim nesse momento. E aí eles colocaram um texto muito mais suave no lugar. Por sorte, os jornalistas investigativos do Democracy Now! conseguiram recuperar a versão anterior do documento usando o cache do Google.  O que vocês vão encontrar agora é um gentil “Coisas que devemos lembrar enquanto ajudamos o Haiti”. E o que vocês vão encontrar, enterrado lá no meio do texto, é que “reformas estruturais na democracia e economia haitiana já  passaram da hora.”

O ponto importante é que nós precisamos ter a certeza que a ajuda ao Haiti é, isso, ajuda, e não empréstimos. Isso é absolutamente crucial. Já é um país altamente endividado. Este é um desastre que, como disse Amy, de um lado foi provocado pela natureza; mas por outro é obra da extrema pobreza cujo aprofundamento contou com a cumplicidade de nossos governos. Desastres naturais são tão piores em países como o Haiti, porque há erosão do solo em larga escala e as edificações são construídas de forma muito, muito precárias. Então muitas residências vêm abaixo porque foram construídas em lugares onde não deveriam ter sido localizadas. Tudo está interconectado. Mas temos que ter as coisas bem claras em relação a essa tragédia, que foi causada em parte pela natureza, em parte pelo homem, e não deve ser usada, em nenhuma circunstância, para aprofundar a dívida do Haiti e, tampouco, para impor os interesses das corporações ao país. Isso não é uma teoria da conspiração. É um modelo que já foi aplicado nem uma, nem duas vezes: foram várias.

AMY GOODMAN: Essa foi a palestra de Naomi Klein a noite passada, na Sociedade de Cultura Ética. Ela é autora do livro “Doutrina do Choque: A ascensão do capitalismo de desastre.”

Ainda sobre o livro Doutrina do Choque

O livro ganhou um curta-metragem, produzido por Alfonso Cuarón.

Veja também:

Como entender o Haiti com a ajuda de Naomi Klein.

O Haiti e a “ajuda” internacional.

O Haiti por Eduardo Galeano.

Porque os Estados Unidos devem bilhões ao Haiti.