Capitalismo, uma história de amor

Capitalismo: uma história de amor. De Michael Moore.

Por Allan Patrick

Acabei de ver o último filme de Michael Moore, Capitalism: A Love Story. Incisivo como suas obras anteriores, me prendeu do começo ao fim. Além de abordar Wall Street com a mesma técnica que adotou ao tratar das empresas de seguro saúde americanas em Sicko, Moore coloca na tela várias histórias que já são conhecidas de quem teve a oportunidade de ler suas obras. Os relatos de pilotos de companhias aéreas americanas que tem salários tão pequenos que precisam se registrar no programa de food stamps (o bolsa família americano; horror, quer dizer que há um bolsa família nos Estados Unidos??) já estavam presentes em Cara, cadê o meu país? Mas desta vez não é apenas George Bush o único político a dar vexame. O Senador democrata Christopher Dodd é mostrado embolsando, de forma legal mas imoral, US$ 1 milhão em empréstimos graciosamente subsidiados pela Countrywide (atualmente incorporada ao Bank of America). E depois a turma do complexo de vira-latas vem dizer que nós é que somos um povo corrupto. A propósito, o mês passado eu tinha visto a notícia de que esse Senador não seria candidato à reeleição, mas a matéria não dizia o porque. Pois é, agora fiquei sabendo que o filme de Michael Moore foi a pá de cal nas pretensões do Senador. Recomendo fortemente o filme que, por enquanto e tragicamente, não foi lançado no Brasil, estando disponível apenas em DVD no exterior (na Amazon, por exemplo).

Made in Madrid

Por Allan Patrick

De vez em quando eu me vejo na obrigação de publicar algo sobre os casos de corrupção que pipocam no exterior, apenas para desmitificar o complexo de vira-latas nelsonrodriguiano das pessoas que repetem o chavão anti-povo de que o Brasil é a terra da corrupção. A nota é do blogue de Ignacio Escolar e vai aqui traduzida:

Um novo milagre desses que só acontecem na corte de Esperanza Aguirre (N. do T.: governadora da Comunidade Regional de Madri), a condessa de Fundescam (N. do T.: uma ONG que só existia no papel, presidida pela governadora e que financiava campanhas do seu Partido Popular) a Comunidade de Madri gastou 1.250.000,00 euros numa campanha publicitária fantasma da qual ninguém ouviu falar, tendo desaparecido sem deixar nenhum rastro, como se tivesse sumido no Triângulo das Bermudas (ou quem sabe em algum outro paraíso fiscal). É o primeiro caso conhecido de publicidade clandestina, um verdadeiro oxímoro. Essa invenção tinha por nome Made in Madrid e, teoricamente, esse dinheirão foi investido em anúncios e em merchandising, em 50 mil folhetos e 100 mil canetas com o simpático bordão. Se você tiver um em casa, guarde-o bem, pois a pesar da extensa tiragem é alvo de colecionadores: nada se sabe dos folhetos, das canetas nem do próprio Made in Madrid; uma campanha que, casualmente, foi encomendada a um dos fornecedores habituais da trama Gürtel (N. do T.: extenso caso de corrupção, investigado sob pelo juiz Baltasar Garzón, envolvendo o Partido Popular) e que, também por coincidência, foi escolhido em procedimento emergencial às vésperas das eleições regionais de 2007.

P.S.: não é a toa que Baltasar Garzón é tratado pelo Tribunal Supremo da Espanha de modo semelhante ao juis De Sanctis no nosso STF.

Veja também:

José Saramago defende o juiz Baltasar Garzón.

Atualização em 12/04/2010:

A Carta Maior publicou um artigo mais extenso sobre o tema: clique aqui.

O que Dubai tem que o Brasil não tem?

Por Allan Patrick

Burj Al Arab, hotel de luxo símbolo de Dubai.

Este ano de 2009 foi pródigo em artigos tecendo loas ao Emirado de Dubai (um dos 7 que formam os Emirados Árabes Unidos), paraíso fiscal localizado no Golfo Pérsico. Foi até palco de novela (Caminho das Índias).

Em abril, a jornalista Eliane Catanhêde publicou artigo (a íntegra pode ser lida em meio a este texto) na Folha de S. Paulo, cujo eixo principal destacamos aqui:

O que Dubai tem que o Brasil não tem? Essa é fácil. Tem decisão política, infraestrutura, planejamento. E não tem sujeira nem violência. O fato de ser uma faixa habitada entre os encantos do deserto e o mar muito azul, com calor todo o ano, ajuda, claro. Mas não chega a ser realmente decisivo. Mais do que as condições naturais, em que jamais poderia competir com o Brasil, pesam as decisões governamentais que tanto faltam no nosso país.

De um lado, o xeque Mohammed al Maktoum preserva a identidade e os direitos básicos dos cidadãos; de outro, investe tudo no turismo e corta impostos. Para começo de conversa, Dubai tem a sua própria companhia aérea, a Emirates, privada, com rotas para todos os continentes. Depois, ele atraiu com terrenos e incentivos as grandes redes hoteleiras do mundo, e os hotéis são fantásticos, para todos os gostos e bolsos. O marketing é a alma do negócio. E do país.

O petróleo, hoje, só responde por 3% a 5% do PIB, contra 20% do turismo. O xeque pode ser o símbolo do passado, com seu regime, seus trajes e suas manias, mas é bem mais moderno do que os políticos brasileiros, em muitos sentidos. No Brasil, os políticos querem jatinhos só para eles próprios voarem por aí.

(grifo nosso)

Que decisões governamentais foram essas de que fala a jornalista?  Cito algumas. Em 2003, o Emir Sheikh Mohammed transformou o país num hermético paraíso fiscal (fonte: Tax Justice Network, PDF). Favoreceu a especulação imobiliária, através da Nakheel Properties, que desenvolveu projetos bizarros e megalomaníacos, como The World e Palmeira Jumeirah. Utilizou-se da mão-de-obra quase escrava de trabalhadores miseráveis provenientes da Índia e do Sudeste Asiático.

Esta semana veio a notícia bombástica: o fundo soberano, Dubai World, do qual a Nakheel Properties era uma subsidiária, anunciou uma moratória, suspendendo pagamentos de uma dívida que chega a quase US$ 80 bilhões. Em bom português, deu um calote monumental.

Qual a resposta à pergunta que intitula este texto? O Emir é um símbolo do passado, com práticas típicas do coronelismo mais atrasado que o Brasil já teve. O seu “novo jeito de governar”, com “corte de impostos”, especulação financeira e imobiliária, e exploração de mão-de-obra, não tem nada de novo e não serve de lição para ninguém, muito menos para os brasileiros. O que nós precisamos é abandonar o complexo de vira-lata que faz crer a alguns que somos a nação mais original do mundo em má-governança.

Textos relacionados:

Risco moral.

Mercenários adoram paraísos fiscais.

Risco moral

A crise de 2008 e a economia de depressão. Paul Krugman. Editora Campus.

A crise de 2008 e a economia de depressão. Paul Krugman. Editora Campus.

Nelson Rodrigues tinha um rótulo engraçado e certeiro para a parcela da sociedade brasileira que não desperdiçava uma oportunidade de difamar o próprio país. Era o “complexo de vira-lata“. A turma que padece desse complexo também costuma sofrer, simultaneamente, de deslumbramento em relação aos países de “primeiro mundo”, que idealizam infantilmente. Lembrei disso quando folheei o último livro de Paul Krugman, “A crise de 2008 e a economia de depressão”, cujo excerto, extraído da pág. 64, transcrevo abaixo:

O termo “risco moral” se originou no setor de seguros. Desde muito cedo, sobretudo no ramo de incêndio, as seguradoras perceberam que os proprietários com seguro total contra perdas apresentavam a tendência curiosa de sofrerem incêndios destruidores – sobretudo quando mudanças nas condições vigentes reduziam o valor de mercado de seus prédios a nível inferior ao da cobertura do seguro. (Em meados da década de 1980, havia na cidade de Nova York numerosos proprietários de imóveis, conhecidos pela “propensão a incêndios criminosos”, que compravam prédios de empresas fantasmas, sob seu controle, a preços inflacionados, os quais, em seguida, eram segurados pelo custo de aquisição, como suposto valor de mercado; para algum tempo depois sofrerem perda total em decorrência de incêndio; ou seja, risco moral de fato.) Por fim, o termo passou a referir-se a qualquer situação em que alguém decide sobre o nível de riscos aceitável, enquanto outro assume os custos, se algo der errado.

Textos relacionados:

As casas uivantes e a crise mundial.

Fraude na restituição do Imposto de Renda nos EUA.