Há mais assassinatos no Brasil do que em países em guerra?

Guerra em Gaza. Foto: Al Jazeera.

Guerra em Gaza. Foto: Al Jazeera.

O título do post é um dos lugares comuns que derrubam qualquer tentativa de diálogo racional, seja nas redes sociais, seja na vida real.

É usado com muita frequência na retórica da extrema direita, sempre dirigido contra o governo federal, embora os estados tenham um papel mais importante nessa área. Por isso registro aqui o comentário que fiz no Escreva Lola Escreva em resposta:

Comentário: “Depois que um esquerdista explicar porque morre mais gente aqui, do que em guerras declaradas mundo afora,”

 

Minha resposta: Nenhum esquerdista vai lhe explicar isso porque essa afirmação é falsa. 54 mil homicídios por ano na população de 200 milhões de brasileiros representam 27 homicídios por 100 mil habitantes/ano. Em uma semana de guerra em Gaza, morreram 342 palestinos para uma população de 1,7 milhão, o que dá uma taxa de 20 mortos por 100 mil habitantes. Em uma semana!

Tragicamente, depois que escrevi esse comentário, o número de vítimas na Faixa de Gaza já quadruplicou.

Inflação e redução da desigualdade

Desigualdade social. O custo para reduzi-la compensa.

Desigualdade social. O custo para reduzi-la compensa.

Uma informação que não encontro: quanto da inflação nestes últimos anos é provocada pela redução da desigualdade? Vejo esse dado fundamental para determinar a real dimensão do problema inflação no Brasil.

Explico: nos últimos 12 anos o Brasil tem sido um dos países que mais reduziu a desigualdade no mundo. Ora, é claro que isso gera uma pressão de custos de uma maneira geral e, particularmente, nos setores intensivos em mão de obra.

Os economistas à direita aproveitam e entram de sola dizendo que a produtividade da economia brasileira está caindo (a The Economist dá uma mãozinha), afirmando que o brasileiro é preguiçoso.

Na verdade, o que ocorre é que a padaria que faturava R$ 30 mil/mês com 5 funcionários, quando o salário deles era de R$ 500/mês, tem sua “produtividade” alterada quando a desigualdade no país diminui. Desenhando:

Custo: R$ 2,5 mil em mão de obra. Resultado: R$ 30 mil em faturamento.
Produtividade: R$ 12 mil/funcionário.

Quando o salário sobe para R$ 800:

Custo: R$ 4 mil em mão de obra. Resultado: R$ 35 mil em faturamento.
Produtividade: R$ 8,75 mil/funcionário.

O empresário tem três saídas para o aumento no custo da mão de obra:

1) diminuir número de funcionários;
2) aumentar preços;
3) reorganizar o funcionamento do negócio.

Normalmente acontece a combinação de 1 e 2.

A padaria que eu frequento é um claro exemplo. Foi organizada para funcionar com 10 funcionários. Hoje atende mal porque, no mesmo modelo que exigia 10 pessoas para funcionar bem, atua hoje com 5 funcionários. Praticamente não há auto-serviço. Os clientes dependem totalmente dos funcionários para comprar o pão no tradicional modelo de bancada de sempre.

Se, analisando essa pauta, chegamos à conclusão que um peso considerável da inflação que nos atinge (40% ?), principalmente no setor de serviços, é oriunda da redução da desigualdade, me desculpem, mas isso não é o retorno da “chaga da inflação”, mas redistribuição da renda do país. Chequem os custos de serviços na Noruega!

Dores normais de quem está transformando uma sociedade pra melhor.

Minorias e serviço público no Brasil

Escreva Lola Escreva, um dos principais blogues feministas no Brasil.

Escreva Lola Escreva, um dos principais blogues feministas no Brasil.

A Lola, do blogue Escreva, Lola Escreva, gentilmente me convidou a escrever um texto sobre como diferenças salariais entre gêneros persistem até no funcionalismo público brasileiro. Aproveitei para falar também um pouco da questão racial. Vão lá e confiram.

Excesso de profissões regulamentadas no Brasil?

Por Allan Patrick

Há um certo consenso no debate público que existem muitas profissões regulamentadas no Brasil. Normalmente a linha de argumentação começa afirmando que, como herança do nosso passado colonial português, desenvolvemos um apreço desmedido à burocracia e ao legalismo. Avança elencando os diversos projetos de lei que tramitam no Congresso, dentre os quais sempre é possível encontrar meia dúzia de casos exóticos e irracionais. Acrescenta que, em geral, o objetivo de quem quer regulamentar é meramente o de manipular o mercado para aumentar a própria renda. E, para arrematar, conclui que para libertar o espírito empreendedor que cada brasileiro tem dentro de si, deveríamos fazer como nosso irmão do norte, os Estados Unidos, onde esse furor regulamentador não existe e só as profissões de médico e engenheiro civil são de acesso restrito.

(Como se percebe, esse ponto de vista é normalmente defendido por quem concorda, em maior ou menor grau, que a economia funciona nos moldes do neoliberalismo. Milton Friedman era um ferrenho adversário das profissões regulamentadas.)

Só que não! O fato é que os Estados Unidos são um dos países com maior número de profissões regulamentadas no mundo. O Planet Money, programa da National Public Radio mostrou em edição recente a profusão de regulamentações profissionais naquele país. E usou o exemplo de uma cabeleireira em Utah que teve que fechar o próprio salão, pois naquele estado para fazer tranças no cabelo de clientes é preciso antes fazer um curso que custa US$ 16 mil e que só permite ao profissional devidamente licenciado trabalhar no próprio estado, pois em cada unidade da federação americana a profissão é regulamentada de forma diversa.

De volta ao Brasil

Por Allan Patrick

Se o voo não atrasar, pela hora que eu agendei a publicação deste post devo estar chegando de volta a Natal, depois de minha temporada de três meses estudando inglês em Londres. Uma cidade da qual eu sabia muito pouco mas que gostei quase de cara. Foram 90 dias sem precisar dirigir um carro e curtindo a vida comum de um londrino. Adorei passear pelas livrarias, bibliotecas, museus e descansar nos parques nos dias de sol (é, de vez em quando ele aparece).

Acima de tudo, foi muito bom conviver com tanta gente diferente na escola. Perceber as diferenças culturais. A tailandesa que nunca tinha ouvido falar em Marlon Brando ou no filme O Poderoso Chefão, a coreana que não sabia o que era o Papa (atenção: não quem era o Papa, mas o que), o jovem e ingênuo paquistanês que afirmou em sala de aula nunca ter visto um transexual (mas estava sentado ao lado de uma!), o professor polonês que queria dar aulas de karatê ao invés de inglês, o professor romeno de quem me tornei amigo, o colega siciliano de residência estudantil, rei da simpatia e da picardia, o coreano que chegou na casa só sabendo dizer “Hi!” e que evoluiu bastante no seu nível de inglês e se emocionou (eu também) na nossa despedida, as colegas japonesas, o argelino, os dois amigos do Cazaquistão (ele russo, ela cazaque) e a República de Aguascalientes  (uma brincadeira com os quatro mexicanos que passaram pela casa, todos do mesmo pequeno estado e que não se conheciam previamente, uma coincidência tão extraordinária como se eu tivesse encontrado três outros potiguares por aqui).