Surge a autocrítica do primeiro mandato de Dilma

Por Allan Patrick

Dilma em evento na Fiesp. Foto: Marcelo Camargo/ABr.

Dilma em evento na Fiesp. Foto: Marcelo Camargo/ABr.

Não é mais prática neste Caderno a mera republicação de conteúdo, mas vamos aqui abrir uma exceção para chamar a atenção a um texto com uma excelente autocrítica registrada pela ex-Presidenta Dilma Rousseff sobre a condução da economia no seu primeiro mandato. O original foi publicado no Jornal GGN sob o título Dilma ao GGN: privatização, apagão e Estado de exceção.

Cometi equívoco, sim.

Erramos ao julgando que as isenções para as contribuições à Previdência, de quase R$ 30 bi, mais as do IPI poderiam resultar em aumento do investimento. Fizemos várias reuniões para discutir se as medidas contracíclicas ampliariam a demanda, neutralizaria o movimento de redução da atividade econômica.

Tínhamos um problema grave no câmbio. Ele veio de R$ 1,70 e chegou aos R$ 2,00. Aí ficamos mais aliviados. No entanto, nosso comércio com os Estados Unidos estava com déficit. O ajuste dos EUA foi em cima de salários e de benefícios. Decidimos então baixar o custo do trabalho, já que vivíamos uma fase de pleno emprego. Achávamos que melhoraria a atividade econômica.

A prática comprovou que serviu apenas para recomposição de margem. Fragilizou a gente, quando era mais necessário enfrentar a crise econômica. Perdemos R$ 40 bilhões de receita básica.

A vida mostrou que foi uma avaliação errada. Foi uma quantidade enorme de isenções fiscais.

O segundo equívoco foi achar que daria para fazer ajuste apenas cortando as despesas. Todos os países que saíram da recessão tiveram que aumentar a receita. Só com cortes de despesas, apenas se aprofunda ainda mais a crise. Os cortes fiscais que fizemos significou uma recomposição da receita perdida com as isenções. Nossa força seria a CPMF, que poderia arrecadar R$ 38 bilhões.

Não foi Joaquim Levy que bolou os ajustes fiscais. O Guido deixou quase todas as reformas prontas. Fizemos o aperfeiçoamento do seguro desemprego, resolvemos a questão da pensão-viúva.

Agora confiram aqui com nossa avaliação registrada em fevereiro deste ano: A economia no governo Dilma em 2015.

Não escrevo isso para me vangloriar, mas para fazer uma nova autocrítica da esquerda e do PT. Primeiramente à própria Dilma por não expor claramente esse raciocínio no início do seu segundo mandato. Ao não agir assim, Dilma deixou estupefata sua base de apoio à esquerda e permitiu que a narrativa do “assumiu o discurso e a prática neoliberal do perdedor” propagado pela extrema esquerda antipetista fosse ganhando ares de verdade entre seus apoiadores, um dos ingredientes relevantes do processo de deslegitimação democrática que resultou no impeachment.

Não ajudou também que parte expressiva da esquerda do PT, ao invés de fazer essa análise autocrítica do conjunto, preferiu a saída fácil de atacar Joaquim Levy. Talvez porque reconhecer o que Dilma agora expos resultaria numa verdadeira e incômoda autocrítica, já que membros desses setores foram responsáveis diretos pela implementação dessas políticas econômicas no primeiro mandato de Dilma que resultaram, ao final, no insucesso fiscal.

Atualização em 15/11/2016:

Novo texto no blog de Luís Nassif que ajuda na composição do quadro: O Xadrez da teoria que produziu 12 milhões de desempregados.

A contemporaneidade do Exército Furioso

exército-furioso-cia-letrasExército Furioso é o título de um romance policial, publicado em 2011 pela autora e historiadora francesa Fred Vargas, conhecida aqui no Brasil pela defesa que fez em prol da liberdade do também escritor de romances policiais e perseguido político Cesare Battisti.

Embora não tenha sido escrito com a convulsão política que vivemos nos dias atuais no Brasil em mente, Exército Furioso tem como pano de fundo três instituições cujo apoio foram fundamentais ao golpe de 2016 e que se comportam de forma muito parecida às suas contrapartes brasileiras: polícia, mídia e judiciário.

Não se trata de uma coincidência surreal, mas da constatação de que o contexto político-econômico que aflige o Brasil não é tão diferente assim daquele que acomete o resto do mundo, inclusive os países ditos “civilizados”.

O romance em si é uma saborosa e divertida variante do clássico romance policial, em que uma investigação, tocada pelo protagonista Adamsberg, tenta desvendar um misterioso assassinato atribuído a forças do além.

Ao mesmo tempo, nosso herói-anti-herói também enfrenta o desafio de esconder um suposto assassino alvo de uma histérica caçada midiático-policial-judicial e simultaneamente cuidar de um pombo vítima de tortura, cujo autor – certamente um espírito de porco – também gostaria de encontrar. Para tudo isso conta com o apoio de uma equipe disfuncional e um filho de 28 anos que conheceu há pouco mais de um mês.

Fred Vargas nos diverte com sua fina ironia e seu conhecimento do folclore e das várias culturas francesas.

Minha leitura mais saborosa dos últimos tempos, realçada pelo contexto em que vivemos.

A economia no Governo Dilma em 2015

Por Allan Patrick

Joaquim Levy, o pomo da discórdia em 2015. Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Joaquim Levy, o pomo da discórdia em 2015. Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Vamos tecer aqui breves considerações sobre a economia brasileira no primeiro ano do segundo mandato do Governo Dilma, ou seja, durante 2015.

Comecemos pelo ponto que mais despertou polêmica, ao menos à esquerda do espectro político: a nomeação de Joaquim Levy para Ministro da Fazenda.

A maior parte dos críticos à esquerda ao Governo Dilma compõe uma narrativa em que enxerga a nomeação de Joaquim Levy como uma concessão da Presidenta aos setores mais conservadores do país, com o foco na manutenção da governabilidade e o ajuste das contas públicas. Sob essa perspectiva, sua passagem pelo governo teria sido um fracasso completo, pois nem conseguiu fazer o “ajuste fiscal” por culpa de sua própria ideologia de austeridade, que teria levado à queda do PIB e das receitas fiscais (arrecadação tributária), nem melhorou qualquer margem de governabilidade junto à mídia ou ao Poder Legislativo.

Mas é possível ver os fatos também numa perspectiva um pouco diferente.

No início de 2015 o Brasil ainda tinha o grau de investimento de três agências de rating (não vou entrar no mérito qualitativo do trabalho dessas agências). Com o PIB e a arrecadação tributária dando os primeiros sinais negativos, seria necessário proceder a um ajuste nas contas públicas para manter o status quo ante da qualificação da dívida pública.

Havia duas formas de fazer isso: uma mantendo o Ministro Guido Mantega à frente do Ministério da Fazenda; a segunda optando por um nome ao agrado do “mercado”.

Paradoxalmente, entre as duas opções, a que implicaria um corte menor de gastos públicos e, ao mesmo tempo, uma facilidade maior para desfazer as desonerações fiscais do primeiro mandato de Dilma, seria a de um ministro “próximo” ao “mercado”.

Não é nada agradável, mas a realidade é que a gestão de dívida pública é um fato intrinsecamente ligado ao mercado financeiro e, portanto, dependente dos humores e da “credibilidade” junto aos seus atores.

Com Guido Mantega seria necessário executar ajustes (cortes de gastos) ainda mais profundos para atingir o mesmo resultado perante esse público alvo.

Tanto é assim que, tendo ao final fracassado no objetivo de manter o grau de investimento com o rebaixamento da segunda agência de rating em mediados de dezembro de 2015, quase imediatamente Dilma demitiu Joaquim Levy.

Parte relevante da culpa por esse fracasso, é justo anotar, não foi de Levy, mas da decisão francamente estúpida do governo de bater chapa com Eduardo Cunha na eleição à Presidência da Câmara, ao invés de tentar compor com alguém menos problemático, o que permitiria a condução dos projetos de interesse do governo e do país no legislativo de forma mais tranquila.

Contribuiu, ainda, a irresponsável a ação da oposição e do seu braço midiático, que por interesses menores jogaram lenha no discurso da crise, dando-lhe uma dimensão maior do que a original. Estão aí as várias premiações do Nobel a economistas comportamentais para provar como o humor das populações e a psique coletiva é importante nos rumos da economia.

De qualquer forma, seja qual for a narrativa que a leitora ou leitor adote como a mais correta par ler os eventos de 2015, isso nos levará a uma pergunta chave:

Por que a necessidade de um ajuste fiscal?

Durante a campanha eleitoral de 2014, a oposição à direita, tanto a política como a midiática, acusou o Governo Dilma de ser irresponsável do ponto de vista fiscal.

Estariam certos e teria Dilma e o PT, portanto, praticado um estelionato eleitoral, ao adotar um forte ajuste fiscal no ano de 2015?

Antes de responder essa questão vamos abrir um parênteses, essencial à compreensão dessa questão, para trazer à luz do dia a “Agenda FIESP”.

A Agenda FIESP

Dilma em evento na Fiesp. Foto: Marcelo Camargo/ABr.

Dilma em evento na Fiesp. Foto: Marcelo Camargo/ABr.

O primeiro mandato de Dilma seguiu, na economia, uma linha que alguns economistas rotulam de Agenda FIESP (este e vários dos próximos links apontam para o Brasil Debate, uma revista eletrônica produzida principalmente por economistas de esquerda).

O objetivo dessa Agenda? Reduzir o “custo Brasil” e tornar mais competitiva no mercado internacional a produção brasileira.

No início do seu primeiro mandato houve um imenso esforço para reduzir os juros selic.

Foi promovida a desoneração da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamento.

Medidas foram tomadas pra reduzir o custo da energia elétrica.

gasolina foi mantida em valores bem abaixo do praticado no mercado internacional.

Ou seja, Dilma, em seu primeiro mandato, fez quase tudo (exceto adotar política de achatamento salarial e retirar direitos trabalhistas) o que a direita normalmente promete, publicamente, ao setor produtivo para aumentar sua competitividade, mas que nunca põe em prática quando está no poder.

O que obteve como resultado ao ter sido a Presidenta a melhor atender os anseios do setor produtivo em seu governo? A FIESP anunciou apoio ao seu processo de impeachment.

Quem tiver interesse em se aprofundar nessa análise, sugiro uma ótima webaula com o Professor Guilherme Mello do Instituto de Economia da Unicamp, de maio de 2015:

O desajuste fiscal como consequência da “Agenda FIESP”

Respeitado o fato de que o mundo ainda vive os efeitos da crise econômica detonada em 2008 e seus desdobramentos, é possível avaliar o resultado dessa “Agenda FIESP”.

A Petrobrás se endividou, pois tinha a necessidade de fazer vultosos investimentos na exploração do pré-sal ao mesmo tempo em que teve que abrir mão de receitas no mercado local pra manter o combustível a preços módicos.

A Eletrobrás, outro ativo essencial do país para a manutenção de investimentos produtivos na geração de energia elétrica, também foi fortemente afetada pela política de modicidade tarifária.

A política da gasolina barata teve ainda o efeito colateral de prejudicar a cadeia produtiva do setor de etanol, num momento em que os biocombustíveis estão em alta no mundo todo. Pra memória do ápice da promoção do álcool combustível no Governo Lula, fica como sugestão o documentário Pump (neste momento, fevereiro de 2016, em cartaz na Netflix).

A desoneração da folha de pagamento, medida defendida até entre quem está bem mais à esquerda do governo no espectro político, como Leonardo Sakamoto, provocou uma sangria no caixa da Previdência que não foi compensada pelo aquecimento da economia no primeiro mandato de Dilma ou pela arrecadação de outros tributos.

A implosão na arrecadação da Contribuição Previdenciária

Há um sentimento público quase unânime, à esquerda e à direita, favorável à redução da incidência da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamentos, sob o argumento de que prejudicaria a geração de empregos.

É uma tese que merece contraditório, pois nos anos Lula houve a criação de 14 (catorze) milhões de empregos sem que se tocasse na sua base de cálculo.

A consequência da redução da Contribuição Previdenciária sobre a folha de pagamentos, “compensada” pela Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta, foi que o nosso sistema tributário se tornou ainda mais injusto, ao mesmo tempo em que ocorreu uma desastrosa queda na arrecadação, que tem sido muito mais forte do que a redução na atividade econômica.

As virtudes da Contribuição Previdenciária sobre a folha de pagamento

A primeira: embora não seja um tributo muito progressivo, é direto, ou seja, é proporcional ao nível de renda, enquanto tributos sobre o faturamento, chamados indiretos, pelos quais seria substituída, são proporcionais ao nível de consumo e, portanto, pesam mais quanto menor a renda familiar de quem consome.

segunda: a arrecadação sobre a folha é mais resiliente do que sobre o consumo. Nesse último caso, os ingressos fiscais ficam ainda mais dependentes dos humores de curtíssimo prazo da economia e do mercado de consumo.

A terceira: é muito mais fácil arrecadar a Contribuição Previdenciária sobre a folha de pagamentos porque ela tem um maior nível de “accountability” (há mais olhos atentos ao seu pagamento), pois não apenas o fisco está em cima, mas também os sindicatos, os próprios funcionários (é muito fácil para quem trabalha na contabilidade perceber que um tributo previdenciário não está sendo pago ou sonegado) e a Justiça do Trabalho.

Nenhuma dessas virtudes está presente em tributos sobre o faturamento, principalmente quando incidem de forma não-cumulativa.

As desonerações no Governo Lula

Devemos notar que as desonerações tributárias nos oito anos de Governo Lula se concentraram no IPI, tributo que permite ao contribuinte estimar com facilidade o impacto da desoneração no produto final. Também é um imposto cuja reversão da desoneração pode ser feita por meio de decreto presidencial, evitando desgastes desnecessários no Congresso ao fim da política de incentivos.

O papel da oposição

Então, respondendo à pergunta que deixamos em aberto sobre a campanha eleitoral de 2014, não, não houve estelionato eleitoral. Em nenhum momento a oposição política ou midiática “acusou” o Governo Dilma de baixar impostos, de reduzir o preço da gasolina ou de praticar a modicidade na tarifa de energia elétrica.

A “acusação” sempre foi no sentido de culpar o Governo Dilma por não abandonar a política de valorização do salário mínimo, a expansão do sistema de educação pública federal e os programas de atendimento à saúde como o Mais Médicos.

A oposição, infelizmente, é um vazio absoluto de ideias, e de lá não podemos esperar nada de positivo. Continuarão na sua campanha de desestabilização institucional, seja no Congresso, no TSE ou no STF.

Repetindo os erros?

Não culpo Dilma e os formuladores de seu programa econômico pela tentativa de aplicar a “Agenda FIESP”, já que é muito fácil criticar uma política pública tendo conhecimento posterior de seu resultado.

Discordamos de diversas críticas à esquerda que foram feitas ao longo do ano de 2015 à condução da economia pelo Governo Dilma. Todas elas, sem exceção, centravam fogo na escolha de Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda e na adoção do ajuste fiscal mas em nenhuma delas esteve presente um esforço de autocrítica sobre o esgarçamento fiscal provocado pela adoção da “Agenda FIESP”.

A ausência dessa autocrítica e de um debate sobre o tema é preocupante, pois o risco de reincidir nos erros é real.

Sintoma disso é a recente proposta da bancada do PT na Câmara dos Deputados para reduzir a cobrança do Imposto de Renda Pessoa Física, que repete vários dos erros da redução da Contribuição Previdenciária sobre a folha.

Conclusões

A redução na Contribuição Previdenciária sobre a folha de pagamentos foi uma iniciativa muito difícil de ter seu impacto mensurado pelo consumidor. Dessa forma, a redução nos custos das empresas reverteu meramente no aumento da lucratividade, não no repasse para o público.

De certa forma, era essa a intenção do Governo Dilma com a “Agenda FIESP” como um todo: aumentar a lucratividade e daí elevar o nível poupança para, como consequência, promover o investimento, um axioma dos economistas clássicos liberais.

O problema é que não vivemos mais em economias fechadas e estanques. Essa lucratividade a mais no primeiro Governo Dilma acabou sendo investida em imóveis na Flórida ou contas bancárias localizadas em paraísos fiscais.

E para 2016?

Felizmente, o Governo Dilma começou a destravar o nó político ao colocar Jacques Wagner na Casa Civil, mas ainda teremos que aguentar mais um ano de Eduardo Cunha na Câmara dos Deputados, dado o temor reverencial que inspira em algumas instituições e a cumplicidade com a qual conta na mídia e na oposição.

Quanto à economia, teremos que aguardar ações do Ministério da Fazenda sob o comando de Nelson Barbosa pra avaliar se trará mudanças positivas em 2016.

A maioridade penal no Brasil: 12 anos

Por Allan Patrick

Você já deve ter visto, replicado milhares de vezes nas redes sociais, seja no facebook, twitter ou whatsapp, o meme representado abaixo ou algo muito parecido. O que a maioria das pessoas desconhece é que a maioridade penal no Brasil se dá aos 12 anos de idade.

Meme maioridade penal

O meme está errado de ponta a ponta, mas como todo meme que se preze, está sempre com a “razão” e dá lição de moral na “burrice” dos outros.

Talvez quem seja profissional ou estudioso do direito se irrite com essa definição, mas não estou tratando maioridade penal do ponto de vista estritamente jurídico – da interpretação literal do texto legal – mas do ponto de vista do debate público, de quando uma pessoa é privada de sua liberdade de ir e vir, seja num estabelecimento prisional ou numa instituição voltada para uma faixa etária específica. Porque é nesse campo que se dá a disputa política que gera memes como esse e os inúmeros candidatos no horário eleitoral propondo reduzir a maioridade penal para 16 ou 14 anos.

Suécia

Passemos ao caso concreto para dissipar dúvidas. O meme sugere que na Suécia a maioridade penal acontece aos 15 anos de idade. O artigo na wikipédia sueca que trata do assunto se chama straffbar, que na tradução direta seria punível. Esse artigo, no momento em que escrevo este texto (23/08/2014), relaciona países e suas respectivas idades para a responsabilização penal e lá consta Suécia, ao lado de Noruega, Finlândia, Islândia, Dinamarca e República Checa, na marca de 15 anos.

Então, quer dizer que na Suécia – país tido como socialmente mais avançado que o Brasil – a maioridade penal é menor que em nosso país? Como é comum nestes casos, o diabo mora nos detalhes. Sim, a maioridade penal é aos 15 anos, mas dessa idade até os 18 o menor não será preso, a não ser em casos excepcionais e em abrigos de custódia juvenil. E, entre 18 e 21 anos, só serão condenados à prisão em caso de crimes graves ou em situações excepcionais. Ou seja, na prática, a maioridade penal plena se dá aos 21 anos – idade até maior que no Brasil.

Espanha

Sucede a mesma coisa em relação à Espanha, onde a “maioridade penal” se dá aos 14 anos no texto do Código Penal, mas para fins práticos o menor terá o mesmo tratamento diferenciado que no Brasil é previsto pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, sendo tratado igual aos adultos apenas a partir dos 18 anos.

Rio Grande do Norte

Quem, no nosso estado, se preocupa com a “impunidade” dos menores poderia se dar ao trabalho de ler, na íntegra, o pedido de impeachment da Governadora do DEM. Lá se descobre (página 111) que não há cumprimento de medidas socioeducativas (com restrição de liberdade) no Estado por absoluta falta de vagas – vários CEDUCs estão interditados, parcial ou completamente.

Conclusão

Como é a praxe no discurso público sobre segurança pública, dá-se uma enorme importância a texto sobre um papel (o fim último da fúria legiferante), com amplo exercício da demagogia, e pouco ao exercício diário das atividades do poder executivo. Ao mesmo tempo em que candidatos e mídia dedicam rios de tinta a falar sobre a idade da “maioridade penal”, pouca atenção se dá ao assunto na realidade que afeta as pessoas.

P.S.: o Ministério Público do Paraná fez o levantamento de informações sobre o assunto em 53 países.

A pior coisa sobre o Brasil

Por Vincent Bevins

Correspondente no Brasil do Los Angeles Times.

Traduzido por Allan Patrick de The worst thing about Brazil – Revisão: aiaiai63. Links acrescentados na tradução.

A desigualdade no Brasil é tão onipresente que as pessoas aqui simplesmente não mais a percebem. Uma inesperada mensagem recebida do exterior me serve como lembrete deste tópico que é tão pouco debatido na sociedade brasileira, na mídia ou mesmo nas eleições. Foto: Tuca Vieira/Folha Imagem.

A desigualdade no Brasil é tão onipresente que as pessoas aqui simplesmente não a percebem mais. Uma inesperada mensagem recebida do exterior me serve como lembrete deste tópico que é tão pouco debatido na sociedade brasileira, na mídia ou mesmo no processo eleitoral. Foto: Tuca Vieira/Folha Imagem.

Eu vivo no Brasil há quatro anos, algo incrível em todos os sentidos, inclusive no fato de que eu já me adaptei à cultura local. Mas há aspectos que me pertubam, também. Mais do que qualquer outra coisa, eu detesto o fato de que me tornei insensível aos chocantes e brutais níveis de desigualdade que se encontram por aqui. Eu me acostumei, como se isso pudesse ser considerado normal.

Aliás, como a maioria dos estrangeiros no Brasil aprende rapidinho, esse é um dos pré-requisitos para se considerar um autêntico brasileiro. O verdadeiro nativo entende que essa desigualdade extrema é um fato da vida e tocar nesse assunto ou cruzar as fronteiras de classe é sinal de mau gosto. A tal ponto que demonstrar muita preocupação por esse assunto – ou desejar conhecer o Brasil mais além das rodinhas de elite – pode ser frequentemente considerado como “coisa de gringo”. Mas, quanto mais eu me vejo como “nativo” no que diz respeito a esse tema, mais desconfortável eu me sinto.

Recentemente, esse assunto voltou a me atingir como um raio quando eu recebi uma mensagem pelo WhatsApp, enviada por um amigo brasileiro visitando o meu país pela primeira vez. Ele escreveu de Nova Iorque:

“Uau, estou realmente impressionado com a igualdade social por aqui. Meus parabéns!”

E prosseguiu: “Os negros são parte da sociedade. Eles não estão excluídos como no Brasil.”

Pra todos os fins, metaforicamente, essas duas mensagens fizeram minha cabeça explodir. Eu nasci e me criei nos Estados Unidos, um país com muitos – muitos e bastante óbvios – problemas, provavelmente até mais que o Brasil, praticamente irrelevantes por aqui. Fora a nossa famosa propensão a bombardear países e matar centenas de milhares de pessoas sem enxergar muito bem qualquer efeito positivo nisso, a injustiça social sempre foi um dos nossos maiores problemas. Temos um dos piores níveis de desigualdade entre as nações mais desenvolvidas do mundo e pra mim é bem claro que enfrentamos um grave problema racial, especialmente no que diz respeito aos nossos concidadãos negros. E ainda por cima, nessa questão da desigualdade, o problema só está piorando, tanto assim que Obama chegou ao ponto de discursar recentemente sobre a necessidade de combater “a perigosa e crescente desigualdade”.

Talvez não sejam todos os brasileiros que enxerguem as coisas tão claras como o meu amigo fez quando foi aos Estados Unidos e à Europa. Mas o fato de que brasileiros tenham a sensação que, entre tantos lugares, logo Nova Iorque seja um paradigma de harmonia social é um lembrete chocante de quão profunda e problemática é a desigualdade no Brasil.

Mas é claro que eu não devia ter ficado surpreso. Quando cheguei aqui, flagrei constantemente aspectos da cultura que me pareciam vindos de outras eras. Duas portas distintas nos apartamentos (uma para a família, outra para os empregados). Jovens de classe média alta que nunca lavaram suas próprias roupas ou seus banheiros (e muito menos trabalharam antes de se formarem na faculdade) e que ocasionalmente deixavam escapar algum comentário racista ou classista – desses que lhe excluiriam permanentemente dos círculos sociais mais polidos em muitos outros lugares do mundo – como se não fosse nada.

Mas tudo isso se tornou normal pra mim, da mesma forma que, eu imagino, há muito tempo é para a maioria dos brasileiros.

Claro, pra mim é muito fácil abordar essa temática do preconceito ostensivo, já que sou um homem branco vindo dos Estados Unidos (ou ainda que fosse da Europa), lugares nos quais boa parte da classe média alta de São Paulo se espelha, mas nos quais ela seria, ironicamente, considerada grosseira, reacionária ou racista – e de péssimo gosto.

Você pode até argumentar, às vezes com razão, que pessoas como eu até se beneficiam desse preconceito, mesmo se não quisermos. Mas os amigos e colegas brasileiros que infelizmente tem feições africanas, indígenas ou são de origem operária, quando levantam esse tema, são silenciados e tratados como bolcheviques ou preguiçosos interesseiros desejosos de se aproveitar do sistema de cotas.

É verdade que o Brasil é um dos poucos países do mundo que melhoraram a distribuição de renda na última década. Mas, na busca da justiça social e do aumento da produtividade econômica, o país ainda tem um longo caminho pela frente. Se você observar, no entanto, como as eleições estão se desenrolando, poderá pensar que o que este país precisa é de algumas reformas tecnocráticas ou de um candidato menos atingido por acusações de corrupção que os outros. Se você prestar atenção à mídia, vai imaginar que os avanços sociais desde 2003 já foram suficientemente revolucionários e assustadores, ou que não há muito o que falar sobre eles. Claro que, se você escolher ao acaso qualquer grande jornal daqui, você vai chegar à conclusão que eles são escritos pela classe média alta branca para a classe média alta branca, e é isso mesmo.

Sobre os “rolezinhos” que ocorreram no início deste ano, houve um debate se o Brasil era uma sociedade ao estilo do “apartheid”. Eu entendo que essa definição não é correta, posto que não há qualquer sanção estatal pra esse tipo de divisão social. Um amigo me sugeriu que temos aqui um sistema de “castas”, o que, acredito, está mais próximo de representar a realidade. Ao ponto de descrever com exatidão a seguinte situação: para um filho ou filha da “classe média”, a ideia de apresentar no almoço de família de domingo um namorado ou namorada cuja origem seja de família operária é algo basicamente desconhecido. De fato, eu já encontrei pessoas das duas classes que me admitiram nunca terem tido uma conversa real e com substância com membros da outra classe.

Mas por que não falamos sobre isso? Porque é muito óbvio.