A melhor alternativa ao Google Reader

Por Allan Patrick

Google_Reader_logo

Logo do Google Reader.

O Google Reader é um agregador de feeds lançado em outubro de 2005. Desde então tenho sido um usuário viciado nessa ferramenta, por sua extrema praticidade.

O que ela tem de bom? Simples, digamos que você gosta de uns 5 ou 6 blogues ou páginas de notícias na internet. Como você fica sabendo se eles publicaram alguma novidade? Visita diariamente cada um deles? Trabalhoso, não? Como seria mais fácil se de alguma forma você fosse avisado sempre que fosse publicado um artigo novo! Aí é onde entra o agregador de feeds. Ele se encarrega de checar se houve alguma atualização em cada uma das páginas cadastradas. Ao invés de visitar diariamente 5, 6, 15 ou 20 páginas, você só precisa ir a uma única – a do agregador – para ficar bem informado.

É um salto de produtividade tão grande, que se você fizer leitura dinâmica dos titulares e cabeçalhos, logo vai perceber que é possível dar conta simultaneamente de uma boa centena de blogues gastando pouco mais de 20 minutos diários.

Ao longo dos anos, algumas características de redes sociais foram sendo acrescentadas ao Reader, sendo possível seguir e ter seguidores e comentar notícias e debater sobre elas. Além de permitir descobrir novas páginas na internet pela indicação de outras pessoas, o uso do Reader era turbinado, pois ao invés de ler todos os titulares dos blogues que você assinava, agora era possível utilizar a seleção feita pelos seus próprios amigos e ler apenas aqueles que eles já tinham achado interessante e compartilhado.

Em outubro de 2011 veio o primeiro baque: para “simplificar” o Reader e estimular os usuários a utilizarem a pífia e anêmica rede social Google Plus, a gerência da empresa decidiu cortar todas as funcionalidades sociais e de compartilhamento interno do produto.

Não é surpresa então que ele tenha sido continuamente abandonado por quem o utilizava, o que levou ao anúncio pela empresa de que em julho próximo deixará de existir por estar em trajetória declinante.

A alternativa

The Old Reader pretende resgatar o espírito de rede social do antigo Google Reader.

The Old Reader pretende resgatar o espírito de rede social do antigo Google Reader.

Dentre as várias opções que havia na internet para substituí-lo, preferi o The Old Reader por uma razão simples: a equipe de desenvolvimento tenta emular tanto quanto possível as característica originais do Google Reader que o fizeram ser tão interessante até 2011.

Como migrar

O primeiro passo para a transição é acessar o Google Takeout (no endereço http://www.google.com/takeout/).

Tela de login do Google Takeout. As tarjas vermelhas são para proteger a privacidade de quem gentilmente nos cedeu as telas para ilustrar este post.

Tela de login do Google Takeout. As tarjas vermelhas são para proteger a privacidade de quem gentilmente nos cedeu as telas para ilustrar este post.

Na tela seguinte, clique em choose services (escolher serviços) pra escolher apenas o Google Reader e não ter que perder um bom tempo esperando o sistema fazer uma cópia de segurança de todas as ferramentas que você utiliza no Google.

Clique em choose services para fazer uma cópia apenas do Google Reader.

Clique em choose services para fazer uma cópia apenas do Google Reader.

Selecionado Google Reader, clique em Create Archive (criar arquivo), aguarde até o arquivo de exportação (takeout) ser preparado. Quando ficar pronto, simplesmente clique em Download (baixar arquivo). Provavelmente será um arquivo .ZIP (compactado). Extraia os arquivos contidos nele numa pasta.

A tela inicial do The Old Reader (http://theoldreader.com) é esta:

Tela inicial do The Old Reader.

Tela inicial do The Old Reader.

Você não precisa criar uma nova conta com senha para usá-lo, desde que já esteja registrado no Google (quem usa o Reader ou GMail, por exemplo) ou no Facebook. Logo que você abrir uma conta, sua primeira visão será esta:

Clique em importar para dar continuidade ao procedimento de migração.

Clique em importar para dar continuidade ao procedimento de migração.

Clicando em importar, nós podemos dar prosseguimento à migração que estamos executando. O navegador vai abrir uma tela e você vai escolher a pasta/diretório onde descompactou o arquivo gerado pelo Takeout. Aí escolha o arquivo subscriptions.xml:

Selecione o arquivo subscriptions.xml para a importação.

Selecione o arquivo subscriptions.xml para a importação.

Como o afluxo de pessoas tem sido grande, leva um tempo até processar (principalmente se você assinar muitos blogues) todas as suas assinaturas:

Aguarde alguns dias até a importação de suas assinaturas ser concluída.

Aguarde alguns dias até a importação de suas assinaturas ser concluída

No mais, se você utiliza costumeiramente o Google Reader, será muito fácil adaptar-se ao The Old Reader, pois a interface é muito semelhante.

Uma pérola da blogosfera potiguar

Por Allan Patrick

Papacapim, culinária vegetal.

Por mais curioso que possa parecer, o blogue de autoria potiguar com os textos que mais  me encantam e emocionam está localizado na Palestina (é lá que vive sua autora, a natalense Sandra Guimarães). E para redobrar o inusitado, sua temática é a culinária vegetariana, da qual, como apreciador duma boa carne-de-sol, não sou adepto.

Mas, em meio a textos excelentes sobre culinária vegetal, onde são abordados os aspectos culturais, nutricionais, históricos e gastronômicos de cada prato (às vezes até ilustrados por fotos de carnívoros que não dispensam uma iguaria vegetariana), surgem posts ainda mais brilhantes, sobre a Palestina. Ilustrados não apenas pela qualidade do texto da autora, mas pela riqueza das histórias dos seus personagens. Dois bons exemplos: Mustafa e Mohamad Alafandi, já na terceira geração como refugiados e mantendo a dignidade e a história de seu povo, e Khoulud Ayyad, que nós aqui no Nordeste tomaríamos como exemplo de mulher guerreira.

Lola em Mossoró

Por Allan Patrick

Lola Aronovich, Professora da Universidade Federal do Ceará, feminista e autora do conhecido blogue Escreva Lola Escreva, fará uma palestra sobre o Dia Internacional da Mulher em Mossoró. O local do evento é a sede da Delegacia da Receita Federal da cidade, localizada à Av. Alberto Maranhão, 1720, Centro. O ponto de referência para encontrar a Delegacia é a Igreja São Vicente; ambas estão situadas no mesmo cruzamento. A palestra ocorrerá na próxima quinta-feira, 24/02/2010, às 15h, e é aberta ao público em geral.

Escreva Lola Escreva, blogue de Lola Aronovich.

Debate entre Celso Amorim e Thomas Friedman

Por Allan Patrick

Seguindo a dica de um leitor no blogue do Nassif, procurei e encontrei o vídeo do debate entre o ainda Ministro das Relações Exteriores Celso Amorim e o jornalista e colunista do The New York Times Thomas Friedman. O encontro ocorreu sob o patrocínio do Carnegie Endowment for International Peace, um think tank que estuda a política externa norte-americana. Entre outras questões, Amorim conversou sobre acordos com a África do Sul e Índia, sobre a rodada de Cancún da OMC e o G-20, a Conferência de Copenhague (COP15) e as negociações com o Irã.

Celso Amorime e Milton Friedman debatem no Carnegie Endowment for International Peace. Foto: Liliam Chagas/MRE.

A minha impressão ao assistir ao vídeo é que Celso Amorim esteve muito à vontade para expor seus pontos de vista. Friedman, pelo contrário, parecia tenso e mal humorado. As posições de Friedman são largamente conhecidas no Brasil, pelo simples fato de que representam um conjunto de ideias que é replicado intensamente pela maior parte de nossa mídia. Não posso deixar de registrar a curiosidade de vê-lo preocupado com a relação comercial Brasil/China, na qual o Brasil entra geralmente com comodities e a China com produtos de maior valor agregado, como eletrônicos. Ele vê nessa relação desbalanceada uma nova forma de “colonialismo” que, curiosamente, não viu quando o papel da China era exercido pelos Estados Unidos ou pela Europa.

Vídeo: The New Geopolitics: Emerging Powers and the Challenges of a Multipolar World.

Veja também:

Celso Amorim defende os interesses do Brasil no Irã.

Compreendendo os separatismos na Espanha

Por Allan Patrick

Trem de alta velocidade na Espanha é ponto de discórdia. Foto: Mikel Ortega.

Para nós, brasileiros, que vivemos num país tão grande, com tanta diversidade regional, é difícil entender porque num país relativamente pequeno, como a Espanha, há tantos movimentos separatistas (País Vasco, Catalunha e Galícia, só para citar os mais conhecidos). Uma das razões mais relevantes é que, justamente por se tratar de um país de dimensões medianas, há uma tendência à concentração de poder econômico e político na capital, Madri. Um exemplo bastante ilustrativo é o da rede de trens de alta velocidade (AVE, Alta Velocidad Española), cuja lógica de interligação é a da topologia em estrela, ou seja, aquela que conecta todos os pontos do país à capital, ignorando inclusive, quando é o caso, a lógica econômica.

Sobre esse tema, a interligação manca do trem de alta velocidade, o escritor, colunista de jornal e blogueiro Joan Garí comentou, ao tratar da inauguração do ramal Madri-Valência:

O passageiro que se encontrar por esses dias no flamante AVE Madri-Valência fará muito bem – sobretudo se o ponto de partida for esta última cidade – em aproveitar a hora e meia de viagem para ler o livro España, capital París (Destino), do professor universitário e ex deputado socialista Germà Bel.

Em suas páginas detalha-se como a política de transportes do Estado se pautou, desde o século XVIII até o presente, por critérios políticos (a obsessão jacobina [N.T.: pela centralização]), e não pelo critério da estrita eficiência econômica. Só uma análise desapaixonada – ou, por assim dizer, não triunfalista – permite se aperceber de um pequeno detalhe: 18 anos depois do início das operações de alta velocidade na Espanha, nenhuma de suas linhas nos conecta com a Europa. Com a linha Madri-Valência, mais uma vez foi cometido o mesmo erro da Madri-Sevilha (Felipe González) ou Madrid-Valladolid (José María Aznar). Madri, claro, tem agora un sistema fantástico para sugar empresas da periferia e transportar turistas que já não necessitam sequer pernoitar em seus destinos. Não gosto de ser estraga-prazeres, mas da ampla gama de milagres que lhe são atribuídos, o que conseguirá realmente o novo ramal do AVE é reforçar a radialidade das comunicaciones. E, entretanto, não parece lógico que as comunidades do Mediterrâneo, que geram 50% das exportaciones espanholas, não disponham de alta velocidad para pasageiros e mercadorias com destino à Europa.

O único e primordial AVE lógico teria sido a conexão Madri-Valência-Barcelona-França. As demais linhas são alardes de novo rico e não parece que os tempos atuais sejam para tanta pólvora inútil.

O leitor não deve estranhar que Felipe González é natural de Sevilha e José Maria Aznar, antes de ganhar as eleições nacionais, tenha governado a Comunidade de Castela e Leão, cuja capital de facto é Valladolid.