Um primeiro balanço da administração municipal de Natal

Por Allan Patrick

Carlos Eduardo em entrevista ao RN TV 1ª edição de 05/02/2012.

Carlos Eduardo em entrevista ao RN TV 1ª edição de 05/02/2012.

O ano começou promissor para Natal, com uma nova gestão municipal disposta a colocar os serviços públicos da cidade para funcionar, cumprindo ao menos os anseios básicos do eleitorado. No segundo turno da eleição, fiz questão de tornar público meu voto no então candidato e atual prefeito, Carlos Eduardo. Ontem, 05/02/2012, na 1ª edição do RN TV (programa noticioso da afiliada local da Rede Globo), ao meio dia, ele foi entrevistado durante 15 minutos. Em meio a várias considerações sobre a “reconstrução” de Natal nas diversas áreas (saúde, educação, pavimentação, pagamentos atrasados, …), entendo que o ponto mais positivo da entrevista foi o anúncio de que a Prefeitura não mais desapropriará imóveis para viabilizar as obras de mobilidade da Copa do Mundo, uma vitória importante dos movimentos sociais, em especial da Associação Potiguar de Atingidos pela Copa 2014 e do Comitê Popular Copa 2014 Natal-RN.

E é justamente por esse bom começo e pelo ressurgimento, por mais incipiente que seja, de um sentimento de pertencimento entre natalenses e sua cidade, que me sinto compelido a fazer uma observação crítica sobre o que parece ser o ponto mais fraco no rol das ideias desta administração.

Já na segunda-feira (04/02/2012), o RN TV 2ª edição (noturno), levou ao ar uma matéria sobre o problema do trânsito em Natal. A reportagem nasceu com uma premissa ruim: “a cidade é carente de infra-estrutura para o tamanho de sua crescente frota de carros, que já chega a 300 mil veículos”. É uma meia-verdade, pela simples razão de que é impossível, em qualquer lugar do mundo, atender às demandas infinitas de recursos que a massificação do transporte automotivo individual gera.

(Segundo o censo do IBGE de 2010, Natal tem cerca de 270 mil domicílios. Isso nos dá aproximadamente 1,1 veículo por domicílio. Uma estatística que não é diretamente comparável, mas mesmo assim surpreende, é que 55,5% dos domicílios de Nova Iorque não tem registro de nenhum veículo. Mostra como estamos sim saturados de carros em qualquer escala de comparação.)

Sinto ser o portador da má notícia de que o trânsito não vai melhorar alargando esta ou qualquer outra via da cidade. Foto: Canindé Soares.

Sinto ser o portador da má notícia de que o trânsito não vai melhorar alargando esta ou qualquer outra via da cidade. Foto: Canindé Soares.

Pois bem, nessa matéria da segunda-feira, um secretário do município apontou como “solução” para os principais eixos de tráfego urbano de Natal o “alargamento” de ruas. Como não haverá desapropriação de imóveis e as leis da física permanecem imutáveis, já é de se imaginar quem serão as vítimas: canteiros, áreas verdes e calçadas, ou seja, os poucos espaços que hoje, de um modo ou de outro, estão a salvo para os pedestres.

Do mesmo modo se expressou o Prefeito em sua entrevista, pois ao falar em mobilidade urbana, tratou de viadutos, avenidas e túneis. Tal qual seu subordinado, nenhuma palavra sobre transporte público.

Se o objetivo do trânsito de uma cidade fosse levar carros de um lado pro outro, seria até possível concordar com essa linha de pensamento, mas a malha de transporte existe para levar pessoas, não carros. Até porque carros são a forma mais ineficiente de transportar pessoas, qualquer que seja o ponto de vista da análise: econômico, ambiental, de saúde pública (efeito da poluição) ou de saúde individual (cardiopatias, problemas respiratórios, na coluna e outros mais).

Portanto, não há como se falar em soluções para a mobilidade urbana sem que a ÊNFASE seja voltada para o transporte público e para o seu complemento natural, o pedestre/ciclista. Só desta forma é que realmente teremos o poder de alterar substancialmente para melhor a qualidade de vida dos habitantes da cidade e, de fato, melhorar o “fluxo” do trânsito.

Não é justo, porém, “fulanizar” essa culpa na figura do Prefeito se, infelizmente, o que ele defende nada mais é do que o conceito absolutamente arraigado nos setores mais “empoderados” (classe média e elite) de nossa cidade, para quem mobilidade urbana é sinônimo de fluxo de automóveis. Nesse sentido, não está fazendo nada mais do que exprimir o sentimento comum dessa sociedade.

A figura pública natalense que conseguir romper essa amarra, desconfio, é séria candidata a ser figura marcante de nossa história.

Enquanto isso, nos resta o trabalho de formiguinha dos ativistas interessados (ciclistas, pedestres, usuários de transporte público) em construir uma sociedade menos centrada no carro e mais na cidadania.

20% dos deslocamentos na Grande Natal são feitos de bicicleta

Fonte: Diário de Natal, Domingo, 1º de fevereiro de 2009.

Haverá estímulo para o transporte de massa

Percentual de viagens de bicicleta em Natal (20%) está no mesmo patamar de países avançados, como a Holanda (28%).

Para os estudiosos, o Plano de Mobilidade deve levar em consideração o cidadão que precisa do transporte público para viagens curtas, sendo importante para a economia interna da sua região e para a diminuição da pressão social sobre o sistema.

O estudo de Origem e Destino que baseia o Plano de Mobilidade Urbana de Natal identificou que mais de dois milhões de viagens são realizadas diariamente, sendo que 67% desse número compreendem viagens internas e 13% são de ligações entre Natal e a Grande Natal, com destaque para os percursos Parnamirim-Natal (76.180 viagens/dia), Natal-Parnamirim (72.969) e São Gonçalo-Natal (39.640).

O estudo mostra ainda que as Zonas Sul e Leste usam mais o transporte coletivo e veículos individuais enquanto as zonas Norte e Oeste são as que mais usam veículos não motorizados, como bicicletas, além de serem as que mais concentram viagens internas. 72% dos deslocamentos feitos na Zona Norte são internos, enquanto que na Zona Leste esse índice é de 63%.

O estudo também mostra que o número de usuários de bicicleta em Natal é maior que em outras cidades, beirando os 20%, concentrados nessas duas regiões, o que colocaria a  capital entre as cinco no Brasil que mais utilizam esse veículo – dado que surpreendeu os estudiosos.

A pesquisa identificou que na Zona Norte mais de 235 mil viagens são feitas diariamente à pé ou em veículos não motorizados. ‘‘Aqui está o verdadeiro nó, onde essas pessoas estão andando? Como está a situação das calçadas, a acessibilidade para esse deslocamento?’’, questiona Enilson. Desse total, 32.093 viagens teriam destinos para mais de 2 quilômetros de distância. O plano sugere um sistema de transporte público intra-zonas com tarifas menores, o chamado transporte vicinal, para atender a esse público potencial.

Além disso, hoje cerca de 45 mil viagens diárias partem e terminam na própria Zona Norte. De acordo com o estudo, o roteiro das linhas de transporte naquela área precisa mudar, já que ‘‘o sistema não foi preparado para esse tipo de uso, o que o torna desconfortável e caro’’, acrescenta Enilson.

A matéria completa pode ser lida aqui (PDF, 700kb).

Veja também:

O Ciclista que calculava.

As calçadas de Londres.

Por que diminuir a velocidade das vias?

Fonte: + Vá de Bike +

A menina do vídeo diz:

Se você me atropela a 40 milhas por hora (64 km/h), há cerca de 80% de chances que eu morra.

Se você me atropelar a 30 milhas por hora (48 km/h), há cerca de 80% de chances que eu sobreviva.

No final, é exibida a frase:

São 30 milhas por hora por uma boa razão.

Aqui em São Paulo, os motoristas acreditam que o limite de velocidade é só uma desculpa para multar. Quantas vezes não ouvimos frases como essas:

Se não tivesse tanta gente lerda, o trânsito fluiria melhor

Pra quê 60 km/h nessa avenida? Dá muito bem pra andar a 90 …

Até ali atrás a velocidade é 70. Aqui nessa curva diminui pra 60, só pra gente ser multado no radar ali na frente!

Mostre esse vídeo para essas pessoas. E explique que todos têm o direito de atravessar a rua em qualquer lugar sempre que não houver uma travessia a uma distância de menos de 50 metros (art. 69 do Código de Trânsito Brasileiro), porque talvez você escute que ali não é lugar de atravessar.

A cidade deveria priorizar as pessoas, a vida. Não o fluxo cada vez mais rápido de automóveis.

(a dica desta entrada veio do ótimo sítio chileno Arriba ‘e la Chancha, dica do XpK)

Saiba mais:

– Carros são o “acidente” que mais mata crianças em São Paulo – Os carros são a maior causa direta de mortalidade infantil por acidente no estado de São Paulo.

Carro mata, use com cuidado – Videos de uma campanha australiana que todo motorista deveria assistir.

Ao pedestre, com carinho – Como os carros se preparam para causar menos danos em caso de atropelamento.

Repressão preventiva – CET protegendo os carros dos pedestres, quando deveria fazer o contrário.

A culpa é do pedestre – Matéria do jornal Bom Dia Brasil coloca a culpa dos atropelamentos nos pedestres.

Textos relacionados:

Fluidez no trânsito é sinônimo de insegurança.