A França precisa de um Bezerra da Silva

Por Allan Patrick

A França precisa mais de um Bezerra da Silva e menos de um Sarkozy ou de um Le Pen.

Estava lendo no jornal espanhol Público uma matéria sobre o show midiático que Sarkozy está organizando para expulsar ciganos da França (veja aqui). Uma notícia trágica sobre um fato que, se estivesse ocorrendo num Estado pária, seria denominado apropriadamente como “limpeza étnica”. Lá no meio da matéria consta a informação de que, na verdade, o retorno dos ciganos é “voluntário” e não uma expulsão, pois eles estão aderindo a um programa de “Ajuda ao retorno humanitário”, que paga 300 euros por adulto e 100 euros por criança para famílias que queiram retornar aos seus países de origem. Há semelhanças aí com certas prefeituras do Sudeste que, nos períodos em que o Brasil passava por sucessivas crises econômicas, pagavam para que os nordestinos voltassem “para casa”. O jornal ressalta que muitos ciganos aceitam até mesmo de bom grado a passagem de avião, a “ajuda humanitária” e vão passar uma temporada de férias com a família em seus países, retornando à França um ou dois meses depois. Para a direita, esta seria a prova inconteste da indolência desse povo e de seu caráter imoral.

Eu sei que o assunto é trágico, como trágica é também a situação nas nossas favelas, mas me veio à cabeça como a França se beneficiaria de um Bezerra da Silva. Ao cantar com ironia certeira que “malandro é malandro e mané é mané”, debocharia de Sarkozy e exaltaria a esperteza cigana. Porque, diante de tanta estupidez, uma argumentação racional se torna inútil. O deboche se torna o melhor remédio para desmascarar a xenofobia demagógica.