Obama e Osama

Por Allan Patrick

Obama e equipe acompanham operação que resultou no assassinato de Bin Laden. Foto: Pete Souza.

Não surpreende que tenha sido no governo de Barack Obama que os Estados Unidos tenham tido sucesso em montar uma operação para assassinar o seu assim denominado “inimigo público número 1”, Osama Bin Laden. Desde a campanha eleitoral para Presidente em 2008, que Obama já anunciava como a sua principal promessa para a política externa e de guerra ao terror a retirada do grosso das tropas americanas do Iraque (de fato, deixaram o país dois terços do seu contingente) e o reforço no cenário de guerra do AfPak. Recentemente escrevi sobre Onde os homens conquistam a glória, última obra do jornalista Jon Krakauer. No transcorrer do livro, fica claro que o governo Bush negligenciou propositadamente a ação militar no Afeganistão, abandonando a busca de Bin Laden em troca da, digamos assim, mais lucrativa aventura no Iraque. Analistas bem informados apontam que as mudanças recentes no ambiente político do Oriente Médio facilitaram a possível delação de Osama. Ainda assim, para o bem e para o mal,o crédito pelo “sucesso” da operação é de Obama.

Não vou entrar no mérito da ilegalidade e do péssimo exemplo para a comunidade internacional provocado por essa operação, pois esses temas já foram muito bem abordados pelo juiz Marcelo Semer.

Consequências

Já há congressistas americanos propondo o fim da ajuda militar ao Paquistão (e não são os pacifistas de sempre) e é possível que os Estados Unidos se retirem do Afeganistão como se retiraram do Iraque, abandonando as tarefas rotineiras de vigilância e mantendo apenas uma equipe de “instrutores” e um contingente na capital meramente suficiente para manter sob controle o governo formal (situação não muito diferente de quando a União Soviética deixou o país em 1988). Um acordão com o talibã, agora que o espantalho Bin Laden não está mais presente, pode selar a situação.

Em relação ao Paquistão, um não-país criado apenas como contraponto à Índia e mantido unido meramente pelos interesses da cleptocracia militar, o panorama é bem mais complexo, pois há sinais de que a Arábia Saudita está estreitando laços, num momento em que a região pode voltar a ser “esquecida” pela opinião pública mundial.

A fábrica de comunicados à imprensa

Nesse episódio, chega a ser grotesco a quantidade de informações manifestamente falsas que o Pentágono consegue plantar na imprensa, a maioria sem muito questionamento. Vou relacionar apenas algumas que percebi:

– Seu assassinato ocorreu numa troca de tiros (depois foi publicado desmentido informando que ele estava desarmado).

– Uma mulher foi morta na operação quando era usada como escudo humano (desmentido).

– Seu corpo foi jogado ao mar para respeitar as tradições muçulmanas (as ditaduras argentina e brasileira não foram tão criativas!).

E a campeã de todas, usada para justificar Guantánamo e os métodos de tortura, escondendo simultâneamente o verdadeiro delator de Osama:

– O seu esconderijo foi descoberto porque prisioneiros torturados em Guantánamo revelaram quem era o mensageiro de Osama (qualquer grupo clandestino de fundo de quintal muda seu modus operandi depois que pessoas-chave caem em poder do inimigo; achar que Bin Laden usava o mesmo mensageiro de dez anos atrás é muita ingenuidade).

O jornal Público fez uma matéria sobre o cipoal de contradições.

Reforma da saúde de Obama: quem vai pagar a conta?

Fonte: CNN Money, via Roni Deutch: The Tax Lady Blog. Traduzido por Allan Patrick.

Barack Obama, no momento em que assinava a lei de reforma da saúde.

A lei de reforma da saúde de Obama recentemente aprovada pelo Congresso americano promove diversas alterações na legislação tributária, mas o grupo de contribuintes que será mais afetado é o dos que tem renda superior a 250 mil dólares por ano.

Atualmente, a contribuição para o Medicare é de 2,9 % sobre os salários – o empregador e o empregado pagam 1,45% cada.

Sob a nova lei, a partir de 2013, indivíduos de alta renda vão pagar mais 0,9% – elevando sua contribuição para o total de 2,35% sobre o valor de seus salários.

Uma pessoa solteira com renda aproximada de 250 mil dólarese irá pagar um adicional de 450 dólares por ano ao Medicare em relação ao que paga hoje, de acordo com os cálculos da Deloitte.

Se sua renda for de 1 milhão, o aumento será de 7 mil dólares.

Casais com renda de 500 mil dólares pagarão um adicional de 2.250,00 dólares. Se sua renda alcançar 1 milhão, seu adicional será de 6.750,00 dólares.

Veja também:

Os principais pontos da lei da reforma na saúde de Obama.

Cinismo nas críticas ao Plano de Saúde de Obama.

Os principais pontos da lei da reforma na saúde de Obama

Finalmente, o primeiro (e mais tímido) dos projetos de lei para reforma do sistema de saúde patrocinados por Barack Obama foi aprovado na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, após uma difícil tramitação em virtude do bombardeio sofrido à direita pelo Partido Republicano, favorável à manutenção do status quo.

Fonte: jornal espanhol Público – 23/03/2010. Tradução por Allan Patrick.

Cobertura universal

O sistema permanece nas mãos das empresas privadas

Obama comemora a aprovação do projeto de lei de reforma na saúde.

Graças à reforma, cerca de 32 milhões de estadounidenses terão acesso a um plano de saúde, um grande passo rumo à cobertura sanitária universal. Mesmo assim, 15 milhões de imigrantes indocumentados permanecerão excluídos. Além disso, ao contrário do que acontece em países da União Europeia, o sistema de saúde continuará nas mãos da inicativa privada ao invés de ser público e administrado pelo Estado, como Barack Obama e a Presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, pretendiam num primeiro momento.

Menos restrições

As operadoras não poderão excluir os pacientes enfermos

A partir do sexto mês após a aprovação da lei, as empresas de seguro saúde não poderão excluir os pacientes doentes. Atualmente, essa é uma prática comum, já que como a maioria dos seguros são contratados através das empresas para as quais trabalham, quando o funcionário muda de emprego também troca de seguradora. Se padece de algum transtorno crônico é possível que a nova seguradora lhe negue a cobertura, obrigando-o a pagar de seu próprio bolso os custos do tratamento. Também não poderão impor nas apólices limites de gasto para toda a vida, como era costume no mercado.

Menores de 26 anos

Foi prorrogada a idade para que os jovens permaneçam no plano dos pais

Todas as empresas devem oferecer aos pais a possibilidade de que seus filhos permaneçam no seu plano de saúde até o dia em que cumpram 26 anos. Até agora os filhos perdiam o benefício automaticamente ao cumprir 19 anos ou ao graduar-se na faculdade. Além disso, não poderão negar cobertura a um menor que sofra de um trastorno crônico ou que possua uma predisposição genética a certas doenças.

Medicina preventiva

Os exames de detecção precoce serão gratuitos

Até agora, muitas seguradoras cobravam do cliente 50% de todos os procedimentos que fossem considerados como medicina preventiva. Isto é, exames comuns na Espanha [N. do T.: ou mesmo no Brasil] -como mamografias para prevenir o câncer de mama ou exame de toque para a próstata – costumavam estar fora da cobertura dos planos de saúde dos estadounidenses. A partir de 1° de janeiro de 2011, todos esses exames preventivos deverão ser incluídos sem nenhum custo nas apólices de seguro saúde.

Seguro obrigatório

Multa para quem não fizer uma apólice

Atualmente, os cidadãos podem decidir se contratam ou não um seguro de saúde, mas a partir de 2014 isso não será mais possível. Excetuando aqueles cidadãos sem fonte de renda ou com renda muito baixa (que já deveriam estar abrigados pelo Medicaid), todos estarão obrigados a ter um plano de saúde. Do contrário, serão multados em pelo menos 695 dólares ou 2,5% da renda. As operadoras de plano de saúde serão sancionadas se descumprirem alguma de suas obrigações e se destinarem mais de 15% de seu faturamento a gastos administrativos ou de marketing.

Subvenções

Ajuda para pagar medicamentos

Medicare, o programa público destinado a dar cobertura de saúde aos maiores de 65 anos, não cobre gastos com remédios superiores a 2.700 dólares por ano. A partir do ano que vem (2011), o Estado subvencionará 50% dos medicamentos que ultrapassarem esse limite e, a partir de 2014, pagará a totalidade da conta. Além disso, as famílias com quatro membros e renda anual até 88 mil dólarese receberão subvenções para pagar por remédios.

Transparência

As relações financeiras serão públicas

A lei obriga a tornar públicas as relações financieras de hospitais e médicos com as companhias farmacêuticas. Também será criado um instituto que fará a comparação da efetividade clínica dos tratamentos.

Veja também:

Cinismo nas críticas ao Plano de Saúde de Obama.

Reforma da saúde de Obama: quem vai pagar a conta?

Atualização em 27/03/2010:

Esclarecimento de Idelber Avelar via google reader: Muito bom o resumão, Patrick, obrigado pela tradução. Mas há que se corrigir uma coisa na matéria do jornal espanhol: a cobertura pública e universal (chamada por aqui de “single-payer”) jamais foi parte da plataforma de Obama. De Pelosi, muito menos. O que foi aprovado é um remendo. Com algumas coisas boas, mas um remendo.

A derrota de Obama em Massachusetts

Por Allan Patrick

Muito tem sido escrito sobre a derrota do Partido Democrata na eleição especial para a vaga do Senador Ted Kennedy, falecido no ano passado. Massachussetts, estado de origem da família Kennedy, tradicionalmente vota em candidatos do Partido Democrata. Há, no entanto, uma particularidade sobre o sistema eleitoral dos Estados Unidos que muitos analistas, principalmente aqueles no Brasil, não tem percebido. Naquele país, o voto não é obrigatório. Isto quer dizer que o fato de um senador do Partido Republicano não significa que houve uma mudança significativa nas preferências eleitorais daquele Estado. Basta comparar o número de votos do republicano Scott Brown, eleito senador, com os do derrotado candidato a Presidente, John McCain:

John McCain em 2008: 1.108.854 votos
Scott Brown em 2010: 1.168.107 votos

Já no campo democrata:

Barack Obama em 2008: 1.904.097 votos
Martha Coakley em 2010: 1.058.682 votos

Ou seja, o que ocorreu foi que quase a metade dos eleitores democratas que votaram em Obama em 2008 ficaram em casa na eleição para o Senado.

Quais os motivos que fizeram o eleitor democrata ficar em casa? Um motivo, provavelmente, deve ter sido a reforma do sistema de saúde. A maior parte dos analistas, principalmente nos Estados Unidos, defende que Obama se desgastou por aprovar uma reforma da saúde que aumenta o gasto público. Mas é difícil de aceitar que essa seja a versão mais próxima da realidade, até porque o próprio estado de Massachusetts tem uma legislação na área de saúde muito parecida com a que Obama quer aprovar no âmbito nacional.  O motivo pode ter sido o contrário: um giro ao centro muito rápido por parte de Obama, o que levou à desmotivação de seu eleitorado. Nesse sentido, defendeu Michael Moore: “Vergonha dos democratas“.

É mais provável que a realidade esteja próxima da famosa frase do publicitário de campanhas políticas, James Carville, que teria cunhado a frase “É a economia, idiota!” para galvanizar o sentimento da campanha de Bill Clinton e capitalizar o desempenho ruim da economia americana no período da presidência de George Bush (o Pai).

Para atestar esse fato, vejamos dois números relevantes da economia americana, divulgados no relatório da Agência de Informação em Energia:

Nos últimos dois anos houve queda no consumo de energia elétrica nos Estados Unidos.

Nos últimos dois anos (2008 e 2009) houve queda no consumo de energia elétrica nos Estados Unidos.

A redução no consumo de energia foid e 1,6 % em 2008 e 3,6 % em 2009 não foi resultado de qualquer tentativa de racionar ou consumir de forma mais eficiente a energia elétrica. Foi resultado direto do empobrecimento da população. Devemos lembrar que a energia elétrica, principalmente em países frios, é um dos últimos itens a serem cortados, seja no orçamento doméstico, industrial ou comercial, posto que não é supérfluo.

Mais complexo, porém também mais revelador, é o gráfico a seguir, do consumo de combustíveis nos Estados Unidos.

Evolução mundial no consumo de combustíveis entre 2003 e 2009.

Prestem atenção apenas à barra vertical da direita. Ela mostra se houve crescimento ou não no consumo diário de combustível. Em azul escuro está a China (crescimento em 2008 e 2009), em azul ciano escuro os Estados Unidos (decréscimo em 2008 e 2009) e em azul ciano claro o resto do mundo (crescimento em 2008 e redução em 2009). Tal como a energia elétrica, o combustível é um item básico de consumo, seja no caso das famílias, seja no âmbito da indústria e do comércio. E sua redução em 2009, na comparação com 2008, ano em que já tinha havido redução, é um péssimo sinal.

Cinismo nas críticas ao Plano de Saúde de Obama

Fonte: blogue da Rede pela Justiça Fiscal. Texto original em inglês. A tradução é uma cortesia deste Caderno.

Obama durante o discurso sobre o seu projeto de reforma da saúde.

Obama durante o discurso sobre o seu projeto de reforma da saúde.

Traduzo aqui texto do blogue da Rede pela Justiça Fiscal, em que são expostos os argumentos cínicos dos que criticam o “excesso de gastos” no programa de reforma da saúde pública de Barack Obama.

A redução de impostos de Bush e o plano de saúde de Obama

A introdução do relatório (em inglês) elaborado pela Citizens for Tax Justice (CTJ, Cidadãos pela Justiça Fiscal) de Washington diz tudo:

“Estimativas recentemente revistas pela Citizens for Tax Justice mostram que os cortes de impostos da era Bush alcançaram cerca de US$ 2,5 trilhões ao longo da década seguinte à sua implantação (2001-2010). As projeções preliminares do Congressional Budget Office [agência vinculada ao Congresso americano e que lhe provê de informações econômicas e orçamentárias] mostram que a reforma na legislação de saúde deverá custar cerca de US$ 1 trilhão ao longo da década seguinte à sua implantação (2010-2019).”

E ninguém vai ficar surpreso ao ler que:

“muitos dos congressistas que criticam a reforma da saúde pelos “gastos em demasia” que vai gerar são os mesmos que apoiaram os cortes de impostos promovidos por Bush. Seu histórico de votos no Congresso mostra que a reforma da saúde pública, para eles, não é uma questão de gastos, mas de prioridades.”

E ainda:

“Em 2010, quando todos os cortes implantados por Bush estiverem em vigor, impressionantes 52,5% dos benefícios gerados por esses cortes beneficiarão os 5% mais ricos dos contribuintes.”

E o CTJ também percebeu que:

“Se aprovados projetos de lei em tramitação na Câmara, metade dos custos gerados serão compensados diretamente com reduções nos custos dos nossos planos de saúde, enquanto a outra metade terá como origem um aumento na carga tributária dos contribuintes mais ricos. Uma análise elaborada previamente pelo CTJ mostrou que esse aumento na carga tributária é uma solução razoável para financiar a reforma da saúde pública e que afetará apenas 1,3% do total de contribuintes. Outro relatório do CTJ conclui que o aumento na carga tributária não terá impacto significativo nas pequenas empresas, ao contrário do que a desinformação que vem sendo publicada a respeito desse assunto faz crer.”

Veja também:

Os principais pontos da lei da reforma na saúde de Obama.

Reforma da saúde de Obama: quem vai pagar a conta?