Trânsito homicida

Por Allan Patrick

Frequentemente eu me sinto o próprio Dom Quixote quando converso com amigos ou publico textos neste Caderno sobre a necessidade de termos um novo modelo de desenvolvimento urbano, menos centrado na figura do automóvel, mais voltado para humanizar nossas vidas.

Hoje de manhã eu recebi uma péssima notícia. O filho de 3 anos de um colega de trabalho sofreu um grave acidente de carro. Por uma sorte do acaso, sobreviveu, tendo “apenas” quebrado o fêmur. Um primo, de 7 anos, que estava no mesmo carro, foi hospitalizado em estado grave. A mãe de seu primo está na UTI, quase desacreditada pelos médicos faleceu.

Infelizmente, fatos como este são tristemente comuns. Por isso, continuarei minha cruzada, por mais quixotesca que pareça. Precisamos de outro modelo de desenvolvimento. Outro mundo é possível. Mais que isso, outro mundo é necessário.

Qual o meio mais eficiente para cinquenta pessoas chegarem ao trabalho?

Alguma dúvida que a resposta certa é a letra B?

Não existe carro ecológico

Adaptado do apocalipse motorizado.

Ford Eco(?)sport.

“É impossível que um carro faça algum bem ao meio-ambiente, a não ser destrui-lo menos do que os outros.”

“Não existem carros ‘verdes’, ‘amigos do ambiente’ ou ‘limpos’”.

As frases são de Bente Øverli, executiva do órgão de regulação publicitária e defesa do consumidor da Noruega.

Ao contrário do Brasil, onde a sociedade é excluída da participação no conteúdo da mídia, a regulação publicitária na Noruega é feita por um órgão estatal, que recomendou aos fabricantes de automóveis que não utilizem mais frases mentirosas associando suas máquinas à preservação do planeta.

Mas bom mesmo é o Brasil, onde há quem acredite em auto regulamentação da publicidade

Comentário por Allan Patrick

O relatório completo (em inglês) pode ser encontrado na página do órgão público norueguês, o Forbrukerombudet, clicando aqui.

Esse prática é conhecida internacionalmente como greenwash.

Dia Mundial Sem Carro

Fonte: apocalipse motorizado, blogue de articulações e reflexões para superar a sociedade do automóvel (adaptado)

Dia Mundial Sem Carro. Arte: Singer / World Carfree Network.

Dia Mundial Sem Carro. Arte: Singer / World Carfree Network.

Enfrentar a dependência do automóvel e suas patologias associadas parece tarefa impossível para um número cada vez maior de pessoas e para grande parte dos governantes.

Quem possui um carro (e algum dinheiro para sustenta-lo), passa a não enxergar nenhum outro horizonte de mobilidade urbana.

Do outro lado, vultuosos montantes envolvidos na construção e manutenção de tudo que os carros precisam para rodar (ruas, pontes, avenidas, combustível, pneus, autopeças, estacionamentos…) e quase 100 anos de técnicas de planejamento urbano e de políticas públicas voltados para atender o fluxo sempre crescente de automóveis deixaram o poder público amarrado ao problema, sem enxergar nem conseguir agir em favor das alternativas (a não ser quando a saturação de carros começa a ser um problema para os próprios carros).

Somado a estes elementos, interesses privados monumentais sustentam e estimulam o desperdício e o individualismo associados ao automóvel, em uma indústria responsável por boa parte do dinheiro em circulação no planeta (junto com as indústrias da guerra e do tráfico de drogas).

A epidemia mundial de cidades degradadas pela presença marcante do automóvel se alimenta desta tríade: indivíduos dependentes, iniciativas privadas altamente lucrativas e poder público inerte e/ou interessado no estímulo ao automóvel.

A proposta do Dia Sem Carro é, em primeiro lugar, experimentar outras formas de deslocamento e deixar o carro em casa. Vivenciar a cidade, seus problemas e belezas de maneira não-mediada é um remédio surpreendente para a carrodependência,  um antídoto para a degradação do tecido social, podendo inclusive resultar em transformações coletivas maiores e inesperadas.

Além disso o Dia Sem Carro é um momento de reflexão sobre o impacto do automóvel nas cidades e sobre a carrodependência urbana, momento de exigir condições de deslocamento dignas para quem não possui automóveis e de promover suas alternativas.