A Itália é diferente

Por Allan Patrick

A cada semana, um país na mira dos especuladores.

Por esses dias, várias notícias alarmistas tratavam do risco da Itália ter algum problema na rolagem de sua dívida pública. Na verdade eram especuladores se aproveitando, num momento em que venciam vários títulos da dívida italiana, para forçar pra cima os juros a serem pagos por aquele país no momento em que fazia a substituição dos títulos antigos por novos.

O motivo para acreditar que, embora a Itália tenha uma das maiores relações dívida pública/PIB do mundo (junto com o Japão), não vai ter problemas na rolagem dessa dívida, é que a maior parte dos credores são internos, ou seja, os próprios italianos – clientes do varejo – que não tem muito interesse em ataques especulativos ou corridas contra os bancos. A razão dessa insólita (e positiva) situação é que, ao contrário da crença “popular” – que afirma serem os povos da Europa do Norte poupadores e comedidos, enquanto os habitantes do Mediterrâneo não passam de latinos irresponsáveis – a Itália é o país com a maior taxa de poupança interna da Europa (informação importantíssima despretenciosamente escondida num relatório especial de 14 páginas da revista The Economist, edição de 11 de junho de 2011). Esqueçam aquelas historinhas publicadas nos cadernos de economia dos jornais brasileiros sobre a fábula de Jean de La Fontaine, onde a Alemanha normalmente é retratada como a nação das formigas, e os latinos como as cigarras.

Só pra concluir: o relatório da OECD em 2009 mostra que a Itália é o quinto país onde mais se trabalha na Europa (eu vi uma planilha com dados de 2010 mostrando o país em segundo lugar, mas perdi a referência). A Alemanha vem bem abaixo, em 23º. Tal como no Brasil, onde os estados do Rio de Janeiro e da Bahia normalmente estão nos primeiros lugares no número de horas trabalhadas, mas levam a má fama de terem trabalhadores “preguiçosos”, la dolce vita italiana pode estar muito presente na mente dos turistas, mas não tem amparo na realidade.

P.S.: que país na Europa lidera o número de horas trabalhadas há dez anos e mesmo assim é rotulado pela mídia, incluindo a TV alemã (a denúncia do preconceito está numa matéria da Al Jazeera), como uma terra de preguiçosos perdulários? Sim, ela mesma, a Grécia!

A Copa do Mundo na Alemanha… e em Natal?

Por Allan Patrick

Marta se despedindo da torcida após o jogo Brasil 3 x 0 Noruega. Foto: acervo pessoal do autor.

Aproveitando que estou em Londres estudando inglês e as distâncias na Europa são relativamente curtas, fui ver dois jogos da Copa do Mundo 2011 de Futebol Feminino. A primeira partida que vi, em Wolfsburgo, foi entre Brasil e Noruega. Realizei um de meus sonhos como fã de esporte: ver Marta jogando ao vivo. O Brasil ganhou sem grandes dificuldades, por 3 a 0.

Com grande tristeza vi dias depois, solitário, numa medíocre tela de notebook numa tarde chuvosa em Londres, a derrota do Brasil diante dos Estados Unidos. Doeu muito no meu coração. Ainda por cima tendo que aguentar a narração de Luciano do Valle e os comentários de Neto, repletos de pérolas machistas.

Marta ficou marcada pela torcida alemã durante o campeonato, sendo vaiada continuamente. Na sua visão, ela reclamava demais da arbitragem, gritava demais e outros que tais. Infelizmente, os torcedores locais confundiram a paixão que devotamos ao futebol com falsidade teatral. Bobagem. Os italianos falam com as mãos; da mesma forma também temos nossos arroubos expressivos: não conseguimos jogar uma partida de futebol com a tecla mute acionada. Temos que berrar e gesticular o tempo todo, esse é o nosso jeito (talvez um pouco de moderação seja um bom tempero). Testemunhei esse sentimento pessoalmente, pois toda vez que eu e um casal de amigos brasileiros, que assistíamos ao jogo contra a Noruega, comemorávamos um gol ou uma bela jogada, alemães que estavam sentados à nossa frente nos olhavam espantados, como se estivessem presenciando a chegada de marcianos à Terra.

Kumagai convertendo o último pênalti e dando o título ao Japão. Foto: acervo pessoal do autor.

Acabei comprando um ingresso para a final antes do Brasil ser desclassificado da Copa, num raro momento em que o sítio da FIFA colocou ingressos à venda.

A final, disputada no último domingo 17 de julho de 2011, foi bem animada (certamente, muito mais do que o chatíssimo Brasil x Paraguai que ocorria simultâneamente) e as japonesas merecidamente sagraram-se campeãs mundiais.

A “organização germânica”

Luciano do Valle deu um duro danado nos comentários machistas, mas não ficou só por aí. Não foi à Alemanha e narrou os jogos a partir do Brasil mesmo. Não se cansou, na cara de pau, de fazer elogios à “eficiência germânica” na organização dos jogos, sem ter ideia sobre o que estava falando.

Se no sítio da FIFA foi extremamente complicado comprar ingressos, na vizinhança dos estádios o que mais havia eram cambistas (por favor, antes de postar um comentário preconceituoso, aviso para poupar-lhe tempo: não, os cambistas não eram imigrantes do terceiro mundo, eram loiros dos olhos azuis e falavam perfeitamente alemão e inglês). As filas nos banheiros femininos eram enormes, pois pelo visto ninguém da organização acreditou que as mulheres iriam em massa assistir à Copa. Poucas pessoas do apoio entendiam ou falavam inglês. Os bares dos estádios não vendiam água, só refrigerante (a “módicos” € 4,50, cortesia do monopólio da Coca-Cola) e cerveja. O programa oficial da Copa, em língua inglesa, sempre estava esgotado nas lojas oficiais. Nos intervalos, as saídas de emergências e escadas ficavam abarrotadas de gente fumando (felizmente não houve nenhuma urgência). Em Wolfsburgo, dei o azar de ficar num setor da arquibancada próximo aos “vips” da Fifa. Resultado: o banheiro e o bar do andar foram fechados com exclusividade para eles. Centenas de pessoas tiveram que, no intervalo, se dirigir a outros andares para ir ao banheiro ou aos bares. Imaginem como não ficou congestionada a escada, já lotada de fumantes, numa situação como essa. Depois dizem que é só o Brasil que se acocora pras exigências bisonhas da FIFA…

Em Frankfurt, após a final, a multidão se dirigiu à estação de trem metropolitano mais próxima e não havia nenhuma indicação do destino dos trens e de suas respectivas plataformas. Por sorte, a primeira plataforma a que me dirigi era a correta. Mas vi centenas de pessoas subindo e descendo várias plataformas até encontrar a correta (se tivesse ocorrido algum tumulto, possível, porque havia alguns bêbados impertinentes, poderia ter acontecido um desastre). No mínimo a organização pensou que só torcedores do Eintracht Frankfurt, que já conhecem o estádio, iriam assistir a partida… porque bastavam 10 cartulinas e uma fita adesiva para esclarecer corretamente os destinos dos trens de cada plataforma da estação.

A Copa do Mundo em Natal?

Por várias vezes já expressei aqui meu ceticismo em relação a Natal sediar a Copa do Mundo:

Sou favorável a um plebiscito sobre a Arena das Dunas.
Vale a pena gastar R$ 1,1 milhão por minuto em função da Copa?
A Copa do Mundo em Natal. Vamos pagar quanto?

Mas agora, depois de ter sido espectador na Copa da Alemanha, mudo minha opinião: é plenamente possível realizar a Copa em Natal, desde que não seja construído um novo estádio. Os estádios alemães não são estruturalmente muito melhores do que o Machadão. A diferença fundamental, em termos de conforto, são as cadeiras. Em termos de infra-estrutura para a torcida, os principais defeitos do estádio natalense são a falta de acessibilidade e a absoluta carência de banheiros femininos. O resto é perfumaria (como telão, estrutura de bares, etc.). O que o Machadão realmente precisa é de carinho na sua conservação, o que nunca ocorreu na sua história. Até hoje, quase 40 anos depois de sua inauguração, seu entorno ainda não foi urbanizado (é um estádio construído no meio do barro que, em dia de chuva, vira lama).

A Comédia do Poder

Por Allan Patrick

Comédia do Poder. Cartaz do filme.

Recentemente faleceu o diretor francês Claude Chabrol e, quando fucei sua filmografia, notei que tinha o DVD de um dos seus filmes e que ainda não havia tido a oportunidade de assistir: A Comédia do Poder. A personagem principal do filme é claramente inspirada na juiza francesa Eva Joly, que foi responsável pela condução da investigação de inúmeros casos de corrupção, inclusive do escândalo da privatização da Elf Aquitaine, a Petrobrás francesa. Deixo aqui bem claro que nutro uma grande admiração por Joly, ao ponto em que adquiri dois exemplares de um mesmo livro seu porque não percebi que eram títulos diferentes da mesma obra, nas edições espanhola e argentina. Quem tiver a oportunidade de ler o seu livro vai compreender muito bem a barra pesada que enfrentaram (e ainda enfrentam) as autoridades que participaram da Operação Satiagraha e perder a ingenuidade de imaginar que essas ocorrências são práticas habituais no Brasil e inusuais no “mundo desenvolvido”.

Voltando ao filme. Foi difícil assisti-lo por inteiro. Jeanne Charmant-Killman, inpirada em Eva Joly, é caracterizada como uma mulher fútil e autoritária. Não se sente qualquer empatia por ela. Os corruptos acusados são representados por personagens tolos, ingênuos e que figuram quase como vítimas do autoritarismo da juiza-personagem, que decide a seu bel prazer – por vezes antes mesmo de ouvir seus depoimentos – prendê-los apenas para atrapalhar o seu estilo de vida. O filme mal dá uma noção dos crimes investigados, tratados sempre de relance, en passant. O filme insinua que o marido da personagem Charmant-Killman tentou se suicidar em função dela ser uma pessoa distante, fria, frígida e workaholic. Além de  ter lhe aplicado um golpe do baú. É a mesma exploração que a imprensa fez em relação a Joly, cujo marido de fato faleceu em decorrência de um suicídio. No mundo real, Joly era uma imigrante pobre oriunda da Noruega (sim, os países nórdicos já foram pobres num passado nem tão distante!) que trabalhou como doméstica na residência da família Joly, estudou, graduou-se em direito, fez carreira na magistratura francesa e casou com o filho da família, Pascal Joly.

Embora o filme seja classificado como uma comédia, não consegui rir em nenhum momento. A impressão que se tem é que a juiza Charmant-Killman é uma ressentida que persegue uma série de homens de sucesso por inveja deles terem amantes mantidas luxuosamente (há diversas referências durante o filme a esse tipo de detalhe). Os atos judiciais, como a coleta de depoimentos, são encenados de forma a parecer quase uma cena de bar ou um achaque por parte da juiza. Mesmo se admitindo que há uma ampla liberdade artística na representação de atos da vida real, a sua exposição é feita quase na forma de um deboche. Será esse o humor que o diretor desejava apresentar?

Só para dar uma noção ao leitor brasileiro da gravidade dos fatos investigados por Eva Joly, a carreira política de Helmut Kohl, o homem tido como um dos principais responsáveis pela reunificação da Alemanha, acabou porque nesse processo se descobriu que parte das comissões e desvios da privatização da Elf foram destinadas ao financiamento de suas campanhas eleitorais. Sim, a corrupção na França respingou na sisuda e “proba” Alemanha.

O filme tem entre seus patrocinadores o Canal+ e o grupo Le Figaro. Não posso deixar de anotar que parte das investigações de Eva Joly revelaram que a mídia também recebia sua parte nas “comissões”pagas nos casos de corrupção apurados. As conclusões eu deixo a critério do leitor.

Ricos alemães defendem Imposto sobre Grandes Fortunas

O grupo afirma que a receita extra poderia financiar programas sociais para ajudar na recuperação econômica da Alemanha.

Fonte: BBC News, 23 de outubro de 2009.

Um grupo de ricos alemães preparou um abaixo-assinado dirigido ao governo de seu país solicitando o aumento dos impostos para pessoas ricas.

O grupo afirma que possuem mais dinheiro do que precisam, e a receita extra poderia financiar programas sociais e econômicos para ajudar na recuperação econômica da Alemanha.

O país poderia arrecadar 100 bilhões de euros se os contribuintes mais ricos pagassem, por dois anos, um imposto de 5% sobre o total de seu patrimônio, afirmam os defensores da medida

O abaixo-assinado já reuniu 44 assinaturas e será apresentado à Chanceler, recém-reeleita, Ângela Merkel.

O grupo afirma que a recente crise financeira está levando o país a um incremento nos índices de desemprego, pobreza e desigualdade social.

Simplesmente doar dinheiro não é suficiente para lidar com o problema, por isso eles pedem uma mudança na abordagem da questão.

“O caminho para sair da crise deve ser construído com investimentos maciços em meio ambiente, educação e justiça social,” defendem no abaixo-assinado.

Os que fizeram “fortuna pelo recebimento de uma herança, pelo trabalho duro, no mercado financeiro ou através de empreendimentos de sucesso” devem contribuir pagando mais impostos para aliviar a crise.

O homem por trás do abaixo assinado, o médico aposentado Dieter Lehmkuhl, afirmou ao jornal berlinense Tagesspiegel que há 2,2 milhões de pessoas na Alemanha com uma fortuna superior a 500.000 euros.

Se todos pagarem o imposto por dois anos, a Alemanha poderia arrecadar 100 bilhões de euros para financiar programas relacionados com meio ambiente, educação e projetos sociais, disse o médico aposentado e herdeiro de uma cervejaria.

Continua…

A dica da matéria da BBC veio do twitter de Ricardo Gentil, através do Vi o Mundo e blogue Anais Políticos.

Veja também:

O Imposto sobre Grandes Fortunas e o PNDH-3.

A queda do Muro de Berlim

Por Allan Patrick

Muro de Berlim

O Muro de Berlim, 1986. Foto: Thierry Noir.

A queda do Muro de Berlim completou seu 20º aniversário no último dia 09 de novembro, mas só recentemente tomei conhecimento de uma anedota que explica a perplexidade dos habitantes da Alemanha Oriental diante das mudanças pelas quais seu país passou.

Dois amigos se encontram anos após o fim do regime comunista e um deles diz indignado:

– Você viu como nos mentiam completamente sobre o socialismo?

– E o mais grave não é isso…

– O que pode ser mais grave do que isso?

– O tenebroso é que eles nos disseram toda a verdade sobre o capitalismo.

Textos relacionados:

A unificação alemã.