País fast food

País Fast Food. Capa da edição brasileira. Ed. Ática.

País Fast Food. Capa da edição brasileira. Ed. Ática.

SCHLOSSER, Eric. País Fast Food. São Paulo: Editora Ática, 2002.

Introdução

Pág. 20

Exceto pelas folhas de verdura e pelos tomates, grande parte dos alimentos é entregue aos restaurantes já congelada, enlatada, desidratada ou liofilizada. Uma cozinha de fast food é tão somente o estágio final de um vasto e altamente complexo sistema de produção em massa. Alimentos que talvez até pareçam familiares foram na verdade totalmente reformulados. O que nós comemos mudou mais nos últimos quarenta anos que nos 40 mil anteriores.

Grande parte do aroma e do gosto da fast food americana, por exemplo, é agora fabricado numa série de enormes indústrias químicas em Nova Jersey.

Pág. 21

A filosofia política dominante em grande parte do Oeste – com sua demanda por impostos mais baixos, governos menores e livre mercado desenfreado – contradiz frontalmente seus verdadeiros alicerces econômicos. Nenhuma outra região dos Estados Unidos dependeu tanto e por tanto tempo dos subsídios do governo, desde a construção de ferrovias no século 19 até o financiamento de bases militares e represeas no século 20. Um historiador classificou a fúria do governo federal em abrir estradas rodoviárias na área, de 1950 em diante, como um caso de “socialismo interestadual” a ser estudado – frase que descreve com muita aptidão a forma como o Oeste foi de fato conquistado. A indústria de fast food lançou raízes ao longo dessa malha rodoviária interestadual, espalhando uma nova forma de restaurante junto às novas estradas de aceseso às vias expressas.

Pág. 22

Por volta de 1980, grandes multinacionais – como a Cargill, a ConAgra e a IBP – começaram a dominar um mercado de commodity atrás do outro. Agricultores e pecuaristas estão perdendo a independência e se tornando, essencialmente, assalariados dos gigantes da agroindústria, isso quando não são expulsos da terra. Fazendas familiares estão sendo substituídas por agronegócios que não têm donos. As comunidades rurais estão perdendo a classe média e se transformando em sociedades estratificadas, divididas entre uma pequena elite abastada e um grande número de trabalhadores pobres.

Os resistentes agricultores independentes que Thomas Jefferson via como o alicerce da democracia norte-americana são realmente uma raça em extinção. Os Estados Unidos têm hoje mais presidiários do que agricultores em tempo integral.

Pág. 23

Acima de tudo, preocupo-me com seu impacto sobre a vida das crianças. Esses alimentos são direcionados sobretudo para as crianças e preparados por pessoas pouco mais velhas que elas. Essa é uma indústria que tanto alimenta os jovens quanto se alimenta deles. Durante os dois anos que passei pesquisando para este livro, comi uma quantidade fabulosa de fast food. A maioria tinha um gosto muito bom. Essa é uma as razões primordiais que levam as pessoas a comprarem fast food; ela foi cuidadosamente planejada para ter um gosto bom – além de ser barata e conveniente.

Parte 1. O jeito americano.

1. Os pais fundadores.

Págs. 30, 31 e 32

De repente, nascia no sul da Califórnia um estilo de vida completamente novo – e um novo jeito de comer. Ambos giravam em torno do automóvel. As cidades do Leste foram construídas na era da ferrovia e seus centros comerciais eram ligados aos bairros residenciais por trens e bondes. Mas o fantástico crescimento de Los Angeles ocorreu num momento em que o carro deixou de ser artigo de luxo. Entre 1920 e 1940, a população do sul da Califórnia quase triplicou, com o afluxo de 2 milhões de pessoas vindas de todas as partese do país. Enquanto no Leste as cidades se expandiam com a imigração e se tornavam mais diversificadas, Los Angeles se tornava cada vez mais homogênea e mais branca, inundada pela classe média do Meio-Oeste, sobretudo nos anos que antecederam a Grande Depressão. Inválidos, aposentados e pequenos negociantes foram para o sul da Califórnia atraídos por anúncios que prometiam clima quente e vida boa. Foi a primeira migração em grande escala feita sobretudo de carro. Los Angeles logo se tornou uma cidade diferente de tudo o que o mundo já tinha visto, espalhada e horizontal, uma metrópole completamente residencial, cheia de casas isoladas – uma nesga do futuro moldado pelo automóvel. Cerca de 80% da população nascera em algum outro lugar; cerca da metade entrara na cidade durante os cinco anos anteriores. A inquietação, a impermanência e a velocidade enraizaram-se na cultura que vinha surgindo, junto com uma abertura a tudo o que fosse novo. Outras cidades estavam sendo transformadas pelo automóvel, mas nenhuma foi tão profundamente alterada. Em 1940, havia cerca de 1 milhão de carros em Los Angeles, mais do que em 41 estados.

O carro deu aos motoristas uma sensação de independência e controle. Ir de um ponto a outro não mais exigia conhecimento dos complicados horários de trens; não mais era preciso pensar nas necesesidades dos outros passageiros, nem descobrir onde ficavam os pontos do bonde. Mais importante ainda, dirigir um carro parecia ser bem mais barato que usar transporte público – ilusão criada pelo fato de o preço de um carro novo não incluir o preço da construção das novas avenidas e estradas (grifo de Patrick). O lobby das indústrias petrolífera, automobilística e de pneus, entre outras, persuadira agências estaduais e federais a assumirem essa despesa fundamental. Se as grandes empresas de automóveis tivessem tido que pagar pelas ruas e estradas – tal como as companhias de bonde, que tinham de assentar e manter seus trilhos -, a paisagem do Oeste americano seria bem diferente hoje em dia.

A indústria automobilística, no entanto, não se contentou apenas em colher os benefícios da construção subsidiada de avenidas e estradas. Ela estava decidida a varrer do mapa a competição ferroviária de qualquer maneira. De 1920 em diante, a General Motors começou a adquirir secretamente sistemas de bonde em todo o país, usando uma série de corporações de fachada. Companhais de bonde em Tulsa, Oklahoma, Montgomery, Alabama, Cedar Rapids, Iowa, El Paso, Texas, Baltimore, Chicago, Nova York e Los Angeles – mais de cem empresas ao todo – foram adquiridas pela GM e em seguida totalmente desmanteladas: os trilhos foram retirados, os fios elétricos, arrancados. As empresas de bonde se transformaram em linhas de ônibus e os novos ônibus eram fabricados pela GM.

Por fim, a General Motors conseguiu convencer outras empresas que haviam igualmente se beneficiado com o desenvolvimento da malha rodoviária a também custearem a aquisição de companhias de bonde. Em 1947, a GM e várias aliadas foram indiciadas com base na lei antitruste. Dois anos mais tarde, as maquinações e intenções ocultas do grupo foram reveladas durante um julgamento ocorrido em Chicago. GM, Mack Truck, Firestone e Standard Oil da Califórnia foram todas consideradas culpadas pelo júri federal. O jornalista investigativo Jonathan Kwitny mais tarde diria que o caso foi um “ótimo exemplo do que pode acontecer quando o governo abandona questões de política pública de grande importância na mão dos interesses das corporações”. Mas a indignação do juiz William J. Campbell, encarregado do caso, não foi tão grande assim: como castigo, determinou que a GM e as outras empresas pagassem uma multa de 5 mil dólares cada uma. Os executivos que haviam conspirado em segredo e levado a cabo a destruição da rede de bondes do país foram multados em 1 dólar cada. E o reino do automóvel continuou avançando pelo pós-guerra afora, sem maiores desafios.

Págs. 33 e 34

(…) foi a guerra que transformou o sul da Califórnia na região econômica mais importante do Oeste. Seu efeito sobre o estado, nas palavras do historiador Carey McWilliams, foi um “boom fabuloso”. Entre 1940 e 1945, o governo federal gastou quase 20 bilhões de dólares na Califórnia, principalmente em Los Angeles e nos arredores, construindo fábricas de aviões, siderúrgicas, bases militares e instalações portuárias. Durante esses seis anos, os gastos federais foram responsáveis por quase metade de toda a renda pessoal da região. Até o final da II Guerra Mundial, Los Angeles já era o segundo maior centro manufatureiro do país, com uma produção industrial superada apenas pela de Detroit. Hollywood podia ficar com quase todas as manchetes, mas os gastos com a defesa continuaram sendo o grande foco da economia local pelas duas décadas seguintes, respondendo por cerca de um terço dos empregos.

Págs. 35 e 36

Lá pelo final dos anos 1940, os irmãos McDonald estavam insatisfeitos com o negócio de drive-in. Estavam cansados de viver procurando garçonetes e cozinheiros especializados em minutas — em grande demanda, na época —, à medida que os mais antigos saíam do emprego em busca de melhores salários em outras lanchonetes. Estavam cansados de substituir pratos, copos e talheres que os fregueses adolescentes viviam quebrando ou furtando. E estavam cansados dos fregueses adolescentes. Pensaram até em vender o restaurante. Mas, em vez disso, resolveram tentar algo novo.

Os McDonalds despediram todas as garçonetes em 1948, fecharam o restaurante, instalaram chapas maiores e reabriram três meses depois com um método radicalmente novo de preparar a comida: um método destinado a aumentar a velocidade, reduzir os preços e elevar o volume de vendas. Os irmãos eliminaram quase dois terços dos itens que constavam do antigo cardápio. Livraram-se de tudo o que precisasse ser comido com garfo, faca ou colher. Os únicos sanduíches vendidos eram hambúrgueres, com ou sem queijo. Livraram-se dos pratos e dos copos e substituíram-nos por copos de papel, sacos de papel e pratos de papelão. Dividiram o preparo da comida em estágios que passaram a ser executados por diferentes pessoas. Para atender ao pedido padrão, uma pessoa grelhava o hambúrguer; outra punha os “acompanhamentos” e embrulhava-os; uma terceira fazia o milk shake; a quarta se encarregava das batatas fritas; e a quinta cuidava do balcão. Com essa nova divisão de trabalho, o empregado só precisava aprender a executar uma única tarefa. Cozinheiros especializados em minutas, com seus salários altos, não eram mais necessários. Todos os hambúrgueres eram vendidos com os mesmos condimentos: catchup, cebola, mostarda e dois picles. Não se admitia nenhuma substituição. O serviço rápido (chamado de Speed Service) dos irmãos McDonald revolucionou o negócio de lanches. Mais tarde, um anúncio para atrair interessados na franquia enunciaria os benefícios do sistema: “Imagine — nada de garçonetes — nada de garçons — nada de ajudantes de garçom, o sistema do McDonald é peça e pegue no balcão!”

Pág. 38

(…) e no mesmo ano em que o Congresso aprovou a Interstate Highway Act, uma lei que previa a construção em massa de rodovias interestaduais. O presidente Dwight D. Eisenhower defendera com unhas e dentes essa lei; durante a II Guerra, ficara impressionadíssimo com a Reichsautobahn de Adolf Hitler, o primeiro sistema de super-rodovias do mundo. A Interstate Highway Act levou as autobahns para os Estados Unidos e se tornou o maior projeto de obras, públicas da história do país, com 74 mil quilômetros de estradas construídas ao custo de mais de 130 bilhões de dólares de dinheiro federal. As novas rodovias deram um enorme ímpeto às vendas de carros e caminhões e à formação de novos bairros ajardinados e distantes dos grandes centros.

2. Os amigos do peito.

Pág. 50

Apesar do sucesso como negociantes, empresários, figuras culturais e defensores de um tipo especial de americanidade, talvez o feito mais significativo dos dois esteja num outro quadrante. Walt Disney e Ray Kroc foram vendedores geniais. Aperfeiçoaram a arte de vender para crianças. E o sucesso que obtiveram levou muita gente a direcionar seus esforços de marketing para elas, transfomando os consumidores mais jovens do país num grupo demográfico que hoje é estudado, analisado e cobiçado com avidez pelas maiores empresas do mundo.

Págs. 57 e 58

Heinz Haber, outro assessor-chave da Terra do Amanhã — e que acabou sendo o principal consultor científico da Walt Disney Company —, passara boa parte da II Guerra Mundial realizando pesquisas sobre vôos em alta velocidade e a grande altitude para o Instituto de Medicina da Aviação da Luftwaffe. Para avaliar os riscos que os pilotos da força aérea alemã teriam de enfrentar, o instituto realizou experiências em centenas de presos do campo de concentração de Dachau, perto de Munique. A maior parte daqueles que sobreviveram às experiências foram mortos e depois dissecados. Haber deixou a Alemanha depois da guerra e dividiu seus conhecimentos sobre medicina da aviação com a força aérea americana. Mais tarde co-apresentou “Homem no espaço” ao lado de Von Braun. Quando o governo de Eisenhower pediu a Walt Disney que produzisse um programa defendendo o uso civil da energia nuclear, Heinz Haber recebeu uma incumbência. Apresentou um programa da Disney chamado “Nosso amigo, o átomo” e escreveu um livro infantil muito popular com o mesmo título. Em ambos, a fissão nunclear foi mostrada como uma coisa divertida, e não assustadora. “Nosso amigo, o átomo” foi patrocinado pela General Dynamics, fabricante de reatores nucleares. A mesma empresa financiou o submarino atômico da Terra do Amanhã, na Disneylândia.

Pág. 62

Vinte e cinco anos atrás, apenas um punhado de empresas americanas tinha seu marketing direcionado às crianças — (…) Muitos pais que trabalhavam fora, sentindo-se culpados por passar menos tempo com os filhos, começaram a gastar mais dinheiro com eles. Um especialista em marketing chamou a década de 1980 de “a década do consumidor criança”.

Pág. 63

Segundo o CME KidCom Ad Traction Study II, estudo divulgado em 1999 durante a Conferência de Marketing para Crianças de San Antonio, no Texas, os comerciais da Taco Bell, em que aparecia um cachorro chiuaua falando, eram os mais populares entre os anúncios de fast food. As crianças que participaram das pesquisas também gostavam muito dos anúncios da Pepsi e da Nike, mas o grande favorito mesmo era o anúncio das cervejas Budweiser.

Págs. 66 e 67

Em 1978, a Comissão Federal de Comércio (FTC, Federal Trade Commission) tentou proibir todos os anúncios de televisão dirigidos a crianças de 7 anos ou menos. Vários estudos haviam mostrado que em geral a criança pequena não consegue diferenciar um programa de um anúncio na televisão. Também não é capaz de compreender o objetivo real dos comerciais e confia na veracidade do que está vendo. Michael Pertschuk, direror da FTC, argumentou que as crianças precisavam ser protegidas da publicidade que ataca sua imaturidade. “Elas não podem se proteger”, disse ele, “dos adultos que exploram sua percepção imediata.”

A proibição proposta pela FTC foi apoiada pela Academia Americana de Pediatras, pelo Congresso Nacional de Pais e Mestres, pela Liga de Consumidores e pela Liga do Bem-Estar da Criança,entre outras entidades. Mas foi atacada pela Associação Nacional de Radiodifusão, pelos Fabricantes de Brinquedos dos EUA e pela Associação Nacional de Anunciantes. Grupos de indústrias interessadas na rejeição da proposta fizeram lobby cerrado no Congresso para impedir qualquer restrição aos anúncios dirigidos ao público infantil e entraram com um processo na justiça federal para impedir que Pertschuk participasse das futuras reuniões da FTC sobre o assunto. Em abril de 1981, três meses após a posse do presidente Ronald Reagan, um relatório preparado por funcionários da FTC dizia que uma proibição dos anúncios voltados para as crianças seria impraticável, o que efetivamente enterrou a proposta. “Estamos satisfeitos com a recomendação muito razoável que veio da FTC”, declarou o diretor da Associação Nacional de Radiodifusão.

Pág. 73

Em 1993, o distrito escolar 11 de Colorado Springs deu início a uma voga nacional, tornando-se o primeiro sistema de ensino público dos Estados Unidos a colocar anúncios da Burger King nos corredores dos estabelecimentos e nas laterais dos ônibus escolares. Assim como outros distritos escolares, o 11 estava tendo problemas de caixa, graças a um número crescente de matrículas e ao horror público a qualquer aumento de impostos para custear a educação.

Pág. 77

Vinte anos atrás, os adolescentes americanos tomavam duas vezes mais leite do que refrigerante; agora tomam duas vezes mais refrigerante que leite.

Pág. 79

O programa patrocinado pela Procter & Gamble, chamado Decision Earth, ensinava que a derrubada em massa de árvores era boa para o meio ambiente; material de apoio distribuído pela Fundação Exxon para a Educação dizia que os combustíveis fósseis criavam poucos problemas ambientais e que fontes alternativas de energia eram caras demais; um guia de estudos financiado pela Fundação Americana de Carvão descartava os temores do efeito estufa, dizendo que “a Terra pode se beneficiar, e não ser prejudicada, pelo aumento da emissão de dióxido de carbono”.

A redução de impostos que está atrofiando as escolas norte-americanas mostrou ser um rico filão de marketing para empresas como Exxon, Pizza Hut e McDonald’s. O dinheiro que essas companhias gastam com seu “material educativo” é inteiramente dedutível do imposto de renda.

Pág. 81

No dia 28 de setembro de 1998, no início de um novo ano letivo, Bushey alertou os diretores para a queda nas vendas de refrigerante e para as consequências de uma redução no dinheiro vindo da Coca-Cola. Permitam que os alunos entrem na sala de aula com produtos da Coca, sugeriu ele; ponham as máquinas automáticas da Coca-Cola em lugares acessíveis aos alunos o dia todo. “As pesquisas mostram que as compras em máquinas automáticas estão diretamente ligadas à acessibilidade”, escreveu Bushey. “Lugar, lugar, o lugar é a chave.” (grifo de Patrick). Caso professores se sentissem incomodados por os alunos tomarem coca-cola na aula, ele recomendava que autorizassem o consumo de sucos de fruta, chás e água mineral, produtos igualmente vendidos nas máquinas automáticas. No final do memorando, John Bushey assinou o nome e depois identificou-se como “o cara da Coca”.

Bushey deixou Colorado Sprins em 2000 e mudou-se para a Flórida, onde é hoje diretor da escola de segundo grau de Celebration, uma comunidade planejada e administrada pela Celebration Company, subsidiária da Disney.

3. Por trás do balcão.

Págs. 88 e 89

Muitos dos problemas que levaram as famílias brancas de classe média a saírem do sul da Califórnia começam agora a aparecer nos estados das Rochosas. Durante a primeira parte da década de 1990, cerca de 100 mil pessoas mudavam-se para o Colorado todos os anos. Mas os gastos com serviços públicos não aumentaram em nível equivalente — isso porque os eleitores do Colorado optaram em 1992 por uma Carta de Direitos do Contribuinte que impôs rígidos limites sobre quaisquer novos gastos públicos (grifo de Patrick). A iniciativa inspirou-se na Proposição 13 da Califórnia e foi defendida por Douglas Bruce, grande proprietário de imóveis em Colorado Springs, que chegara havia pouco de Los Angeles. Lá pelo final dos anos 1990, os gastos do estado com a educação estavam em quadragésimo nono lugar no país; os corpos de bombeiros estavam todos com falta de pessoal; e vários trechos da Interestadual 25 apresentavam um volume de trânsito três vezes maior que a capacidade prevista no projeto inicial. Enquanto isso, o governo estadual tinha um superávit anual de cerca de 700 milhões que, por lei, não poderia ser usado para resolver nenhum desses problemas. A urbanização dos arredores de Colorado Springs ainda não é tão esmagadora quanto a de Los Angeles — onde um terço da superfície está coberta de auto-estradas, avenidas e estacionamentos —, mas poderá vir a sê-lo.

Pág. 94

Em vez de depender de uma equipe pequena, estável, bem paga e bem treinada, a indústria de fast food procura funcionários não especializados em meio período, dispostos a aceitar uma remuneração menor. Os adolescentes têm sido os candidatos perfeitos para esses serviços, não só por serem menos dispendiosos de contratar que os adultos, mas também porque sáo fáceis de controlar, devido à inexperiência e pouca idade.

Pág. 96

Os funcionários que trabalham no balcão são instruídos a aumentar o tamanho de um pedido com recomendações de promoções especiais, empurrando sobremesas, apontando para a lógica financeira por trás da compra de um refrigerante maior. [Nota: +3 centavos de custo e +17 centavos de faturamento]

Págs. 98 e 99

Ao mesmo tempo em que as redes de fast food silenciosamente gastam somas exorbitantes de dinheiro em pesquisa e tecnologia para eliminar o treinamento de funcionários, recebem centeas de milhões de dólares em subsídios governamentais para o “treinamento” de seu pessoal. Através de programas federais como o Targeted Jobs Tax Credit, um crédito fiscal concedido a quem oferecia certos empregos, e seu sucessor, o Work Opportunity Tax Credit, um crédito fiscal para aumentar as oportunidades de trabalho, as redes vêm há anos solicitando créditos fiscais de até 2.400 dólares para cada novo funcionário de baixa remuneração que é contratado.

(…)

Basta que os restaurantes de fast food empreguem alguém por apenas quatrocentas horas para receber o dinheiro do governo — e, assim que aquele funcionário sai ou é substituído, podem solicitar mais. O que o contribuinte norte-americano vem subsidiando na verdade é a alta rotatividade de empregados; as empresas ganham incentivos fiscais em troca de contratos de uns pouco meses com trabalhadores que não recebem nenhum treinamento.

Pág. 101

Em 1938, no auge da Grande Depressão, o Congresso aprovou uma lei para evitar que os empregadores explorassem os trabalhadores mais vulneráveis. A Fair Labor Standards Act, ou lei de padrõese trabalhistas justos, estabeleceu o primeiro salário mínimo federal. Também impôs limitações ao trabalho infantil. E tornou obrigatório o pagamento de horas extras a todo funcionário que trabalhasse mais de quarenta horas semanais. O valor da hora extra era de uma vez e meia o da hora normal.

(…)

Um punhado de funcionários recebe salários regulares. Um restaurante de fast food que empregue cinquenta pessoas tem quatro ou cinco gerentes e assistentes. Eles ganham por volta de 23 mil dólares por ano e em geral têm assistência médica, bem como algum tipo de bônus ou participação nos lucros. Têm também a chance de galgar os degraus da escada empresarial. Por outro lado trabalham cinquenta, sessenta, setenta horas por semana — sem receber hora extra. A rotatividade entre os assistentes de gerente é altíssima.

Pág. 104

Bryan Seale, ligado à Secretaria de Trabalho de San Francisco, examinou alguns contratos antigos de trabalho da McDonald’s e descobriu um parágrafo muito interessante, escrito em letras miúdas, no fim do documento. Parágrafo que dizia que os funcionários que não se submetessem a um teste no detector de mentiras poderiam ser despedidos. Seale determinou que a McDonald’s interrompesse a prática, que violava as leis estaduais. Também ordenou que a empresa parasse de aceitar gorjetas em seus restaurantes, uma vez que a clientela estava sendo enganada: as gorjetas deixadas para os funcionários iam direto para os cofres da companhia.

Pág. 108

Os professores em geral não querem dar aula lá e alguns não duram muito. Jane Trogdon trabalha ali desde o dia em que o colégio abriu em 1967. Nas ultimas três décadas, teve oportunidade de observar as tremendas mudanças ocorridas no corpo discente. Os alunos nunca foram dos mais favorecidos, mas agora parecem mais pobres que nunca. Antes, mesmo nas famílias de baixa renda, o pai trabalhava fora e a mãe ficava em casa, cuidando dos filhos. Agora parece que não há mais ninguém em casa e que os pais trabalham apenas para sobreviver, muitas vezes em dois ou três empregos. Muitos dos jovens que estudam lá estão sozinhos desde pequenos. De vez em quando os pais recorrem à escola, pedindo aos professores que apliquem disciplina e dêem orientação. Os professores fazem o que podem, apesar de receberem respeito por parte dos alunos e algumas ameaças de violência. Jane Trogdon preocupa-se com o número de jovens que saem do colégio e vão direto para o trabalho, principalmente em restaurante de fast food. Também se preocupa com o número de horas que essa garotada esta trabalhando. (grifo de Patrick)

Págs. 108 e 109

As prestações de um carro, mais o seguro, saem facilmente por uns 300 dólares mensais. Como há um número cada vez maior de jovens trabalhando para compra sua condução própria, diminuem constantemente o número de alunos que participam das atividades extracurriculares da escola, inclusive os esportes. Eles ficam no emprego até tarde da noite, não fazem as lições de casa e chegam ao colégio exaustos.

(…)

Quando Jane Trogdon foi trabalha na escola, a guerra do Vietnã estava no auge e havia discussões iradas entre alunos cabeludos e filhos de militares. O tumulto de outras épocas foi substituído por uma triste e desenraizada apatia. “Tenho muitos e muitos garotos que sofrem de depressão profunda”, conta Jane. “Nunca vi tanta gente tão jovem sofrendo desse jeito”.

Pág. 115

A Occupational Safety and Health Administration (OSHA), órgão do Ministério do trabalho voltado para questões de saúde e segurança ocupacional, tentou, por volta de 1995, lançar diretrizes para evitar a violência em restaurantes e lojas que funcionavam à noite. A OSHA foi levada a isso, entre outras coisas, pela constatação de que o homicídio se tornara a principal causa de mortes de mulheres no local de trabalho. As diretrizes propostas eram totalmente voluntárias e pareciam inofensivas. O departamento recomendava, por exemplo, que as lojas abertas até tarde melhorassem a visibilidade dentro de suas instalações e iluminassem muito bem o estacionamento. A Associação Nacional de Restaurantes (ANR), ao lado de outros grupos industriais, reagiu apresentando uma lista de mais de cem parlamentares contrários a quaisquer propostas da OSHA para conter a violência contra estabelecimentos comercias. Uma investigação realizada pelo Los Angeles Times descobriu que vários desses parlamentares tinham recentemente aceitado contribuições da ANR e da associação nacional de lojas de conveniência. “Quem se oporia à divulgação de diretrizes destinadas a salvar a vida de mulheres no trabalho?”, indagou Joseph Dear, antigo diretor da OSHA, ao repórter do jornal. “ as empresas que empregam essas mulheres.”

Pág. 117

O assassinato em maio de 2000 de cinco funcionários de um wendy’s no bairro de Queens, em Nova York, durante um assalto, recebeu grande atenção da mídia. Os assassinatos foram grotescos;

4. Sucesso

Pág. 125

Tornar-se um franqueado é uma combinação estranha entre iniciar o próprio negocio e trabalha para terceiros. No centro de todo acordo de franquia está o desejo das duas partes de ganhar dinheiro e ao mesmo tempo evitar riscos. O franqueador deseja expandir uma empresa já existente sem gastar capital próprio. O franqueado deseja começa um negócio próprio sem ter que arriscar tudo numa idéia nova. Um fornece a marca, um plano empresarial, conhecimento de causa, acesso a equipamentos e materiais. O outro põe o dinheiro e faz o trabalho. É um relacionamento com tensões implícitas. O franqueador abre mão de parte do controle quando deixa de ser dono de todas as operações; o franqueado abre mão de boa parte de sua independência e passa a obedecer às regras da empresa. Todos ficam felizes quando os lucros são bons, mas quando as coisas vão mal, o acordo quase sempre acaba descambando para uma batalha desequilibrada pelo poder. O franqueador quase sempre ganha.

Pág. 127

“Basicamente nós não lidamos com comida”, disse Sonneborn certa vez a um grupo de investidores de Wall Street, expressando uma visão pouco sentimental da McDonald’s que Kroc jamais endossou. “Na verdade nós estamos no negócio imobiliário. A única razão pela qual vendemos hambúrgueres de 15 centavos é que eles são a melhor maneira de produzir os lucros com os quais nossos locatários pagam o aluguel.”

Pág. 131

Embora tenham que obedecer às diretrizes empresárias do franqueador, eles não estão incluídos nas leis federais que protegem os funcionários de uma empresa. Embora tenham de fornecer o capital para abrir o negócio, os franqueados não estão incluídos nas leis que protegem o negociante independente. E, embora tenham adquirido eles mesmos todo o material utilizado no empreendimento, não estão incluídos nas leis de proteção ao consumidor. Aos olhos da lei federal, é perfeitamente legal que uma rede de fast food aceite propinas (chamadas de “abatimentos”) de seus fornecedores, abra um novo restaurante ao lado de uma outra franquia já existente, e que despeje um franqueado sem apresentar os motivos ou pagar compensação.

Págs. 133 e 134

Em novembro de 1999, o parlamentar Howard Coble, republicano conservador da Carolina do Norte, apresentou um projeto de lei que obrigaria o franqueador a obedecer aos mesmos princípios fundamentais seguidos por outras companhias norte-americanas. A lei de Coble iria, pela primeira vez, obriga as redes de franquia a agirem de “boa-fé”, um dos esteios básicos do Código Comercial dos Estados Unidos. A lei também imporia limites ao trespasse, exigiria “bons motivos” antes da rescisão de um contrato, permitiria que os franqueados formassem suas próprias associações, daria a eles a opção de comprar de diversos fornecedores e lhes concederia o direito de processar o franqueador nos tribunais federais. “Não estamos querendo punir ninguém”, declarou o parlamentar depois de apresentar seu plano para reformar o sistema de franquia. “Estamos apenas procurando sanear e pôr uma certa ordem num segmento de nossa economia que está crescendo e que talvez esteja fugindo ao controle.” O estado de Iwoa adotou regras parecidas em 1992, sem expulsar os Burges Kings e McDonald’s de seu território. Mesmo assim, a AIF e as cadeias de fast food se opuseram violentamente à lei de Coble. A AIF contratou Alleb Coffey Jr., antigo conselheiro-geral da Comissão Judiciária da Câmara, e Andy Ireland, antigo deputado republicano que fora um dos principais integrantes da Comissão para Pequenos Negócios da Câmara, para ajudar a impedir uma maior regulamentação federal do sistema de franquias. Quando integrava a Câmara dos Deputados, Ireland criticara os franqueados que defendiam reformas legais, chamando-os de “choramingas” que corriam para a barra da saia do governo, em vez de assumir a responsabilidade pelos próprios erros.

(…)

Apesar de publicamente ser opositora ferrenha a qualquer interferência do governo no funcionamento do livre mercado, a AIF há muito tempo apóia todos os programas que permitem a expansão das redes de fast food às custas de empréstimos federais.

Por mais de três décadas, a indústria de fast food tem se utilizado da Small Business Administration, a Administração de Pequenos Negócios (SBA), para financiar novos restaurantes – transformando assim uma agencia federal criada para ajudar pequenos negócios independentes numa agência que acaba por eliminá-los.

Pág. 135

A cadeia que mais beneficiou com empréstimos da SBA foi a Subway. Dos 755 novos Subways que abriram nesse ano, 109 foram financiados pelo governo.

Parte 2. Carne e batata.

5. Por que as batatas são gostosas.

Pág. 146

De longe a figura mais importante num dos estados mais conservadores dos Estados Unidos, Simplot é uma demonstração viva dos traços contraditórios que guiaram o desenvolvimento econômico do Oeste americano, daquela curiosa mistura de individualismo empedernido e dependência de terras e recursos públicos. Num retrato pendurado sobre a mesa da recepção, na fábrica de Aberdeen, J. R. Simplot exibe o sorriso dissimulado de um turfista que acertou no azarão.

Ele nasceu em 1909. A família saiu de Dubuque, Iowa, no ano seguinte e acabou se acomodando em Idaho. O projeto de recuperação do Rio Snake estava oferecendo água barata para irrigação, custeada pelo governo americano, que converteria o deserto do sul do estado em terras férteis e produtivas. O pai de Simplot foi um dos colonos beneficiados com a concessão de terras, que ele arava com a ajuda de uma parelha de cavalos.

Pág. 152

“A única coisa que eu fiz de certo, e não se esqueça nunca disso – 99% das pessoas teriam vendido tudo depois de fazer 25 ou 30 milhões. Eu não vendi. Fiquei firme.”

As empresas de fast food compram-nas por cerca de 60 centavos o quilo, passam-nas em óleo quente e depois vendem-nas por 12 dólares o quilo.

Pág. 153

Mas os lucros fantásticos provenientes da venda de batata frita não chegaram até os agricultores. Paul Patterson, professor de economia agrícola da Universidade de Idaho, qualifica o atual mercado de batata de “oligopsônio” – um mercado no qual um pequeno número de compradores tem poder sobre um grande número de vendedores. As gigantescas indústrias processadoras fazem o possível para baixar o preço oferecido aos agricultores. A crescente produtividade dos fazendeiros de Idaho baixou ainda mais esses preços, transferindo uma proporção maior de lucros para as processadoras e redes de fast food. De cada dólar e meio gasto num saquinho grande de fritas numa lanchonete de fast food, talvez 2 centavos cheguem ao agricultor que plantou as batatas.

Pág. 154

Nos últimos 25 anos, Idaho perdeu cerca da metade de seus produtores de batata ao passo que durante esse mesmo período a extensão de terras dedicadas ao cultivo da batata aumentou. As pequenas fazendas familiares estão cedendo lugar a agroindústrias que se estendem por milhares de hectares. Essas imensas fazendas são divididas em propriedades menores para fins administrativos e os agricultores que acabaram expulsos de suas terras muitas vezes são contratados para administrá-las. O padrão da propriedade de terras no Oeste americano se parece cada vez mais com o da Inglaterra. “Nós demos a volta completa”, diz Paul Patterson. “Cada vez mais você encontra duas classes de pessoas no interior do estado: as que administram as fazenda e as que são donas.”

Págs. 155 e 156

O comportamento dos produtores de batata de Idaho muitas vezes deixa entrever o tipo de raciocínio falho descrito na maioria dos livros didáticos de economia usados na faculdade. “A falácia da composição” é um erro lógico – uma crença equivocada de que o que parece bom para um indivíduo continuará sendo bom quando outros fizerem a mesma coisa. Por exemplo, alguém se levanta durante um concerto lotado para ver melhor o palco. Mas se toda a platéia se levantar, ninguém vê nada. Desde o final da II Guerra Mundial, os agricultores americanos vêm sendo convencidos a adotar uma nova tecnologia atrás da outra, na esperança de melhorar a safra, reduzir os custos e superar os vizinhos. Ao adotar esse modelo industrial da agricultura – concentrado, sobretudo no nível de insumos e produtos, incentivando a especialização numa única safra, com forte dependência de fertilizantes químicos, pesticidas, fungicidas, herbicidas e maquinário avançado de colheita e irrigação – o agricultor norte-americano tornou-se o mais produtivo do mundo. Cada aumento de produtividade, no entanto, afasta um determinado número de agricultores americanos da terra. E deixa os que permanecem como reféns das companhias fornecedoras de insumos e das processadoras compradoras do produto. William Heffernan, professor de sociologia rural da Universidade do Missouri, diz que a economia agrícola americana lembra no momento uma ampulheta. Na parte de cima existem cerca de 2 milhões de pecuaristas e agricultores; na parte de baixo, coisa de 275 milhões de consumidores; e, naquela parte estreitinha do meio, mais ou menos uma dúzia de empresas multinacionais lucrando com cada transação.

(…)

O gosto da batata frita de um fast food é determinado em grande medida pelo óleo utilizado. Durante décadas, a McDonal’s fritou suas batatas numa mistura composta por 7% de óleo de semente de algodão e 93% de sebo de boi. Era essa mistura que dava às batatas fritas um sabor único – e um teor de gordura animal saturada ainda mais alto que o de um hambúrguer.

Diante da saraiva de críticas contra a quantidade de colesterol de suas batatas, a McDonald’s mudou para óleo vegetal puro em 1990.

Pág. 157

Cerca de 90% do dinheiro gasto com comida, nos Estados Unidos, é usado para compra de comida processada. No entanto as técnicas para enlatar, congelar e desidratar destroem grande parte do sabor do alimento. Desde o final da II Guerra, surgiu uma enorme indústria no país dedicada a tornar a comida processada palatável. Sem essa indústria do sabor, a de fast food não existiria. O nome das principais redes norte-americanas de fast food e o que elas vendem são hoje mundialmente conhecidos e, o que é mais, estão entranhados em nossa cultura popular. Pouca gente, no entanto, seria capaz de dizer o nome das empresas que fabricam o gosto da comida do fast food.

Págs. 160 e 161

Crianças pequenas podem aprender a gostar de comidas apimentadas e condimentadas, de comida saudável com pouco tempero, ou de fast food, dependendo do que as pessoas a sua volta estejam comendo.

Pág. 163

A substância química que fornece o sabor dominante do pimentão vermelho pode ser saboreada em quantidades tão baixas quanto 0,02 partes por bilhão; uma gota é suficiente para dar sabor a cinco piscinas de tamanho médio.

A onipresente expressão “sabor artificial de morango” nem de longe dá a verdadeira dimensão da bruxaria química e da perícia envolvidas na proeza de transformar um alimento altamente processado em algo com gosto de morango.

Pág. 165

Entretanto a distinção entre sabores naturais e artificiais às vezes se mostra um tanto arbitrária e absurda, baseada mais na maneira como o sabor foi feito do que no seu conteúdo. “Um sabor natural”, diz Terry Acree, professor de tecnologia científica alimentar da Universidade Cornell, “é um sabor obtido com tecnologia desatualizada.” Os sabores naturais e os sabores artificiais às vezes contêm as mesmas substâncias químicas, produzidas com métodos diferentes. O acetato de amila, por exemplo, dá a nota predominante do sabor de banana. Quando destilado dessa fruta com um solvente, o acetato de amila é um aromatizante natural. Quando produzido com uma mistura de vinagre com álcool amílico e ácido sulfúrico como catalizador, o acetato de amila é um sabor artificial. De uma forma ou de outra, o cheiro e o gosto são iguais. A expressão “sabor natural” faz parte agora dos ingredientes de tudo, desde iogurtes naturais de morango da Stonyfield Organic Farm até molhos apimentados da Taco Bell.

Os flavorizantes naturais e artificiais são hoje fabricados pelas mesmas indústrias químicas, em lugares que poucos associariam com a Mãe Natureza. Chamar qualquer um desses sabores de “natural” exige uma atitude muito flexível para com o vernáculo e uma dose generosa de ironia.

6. No pasto.

Pág. 176

As opiniões apaixonadas que os vaqueiros despertam refletem pontos de vista opostos acerca da identidade norte-americana, tentativas de manter velhos mitos ou de criar novos. Uma coisa, porém, ninguém discute a respeito do assunto: os vaqueiros estão desaparecendo rapidamente. Nos últimos vinte anos, cerca de meio milhão de pecuaristas venderam o gado e foram embora da terra. Muitos dos 800 mil proprietários de gado que restaram não estão se saindo bem. Têm até um segundo emprego. Estão vendendo boi pelo preço de custo com prejuízo. Os que estão em pior condição são os que têm de trezentas a quatrocentas cabeças, administram a propriedade eles mesmos e vivem exclusivamente do que produzem. Aquele tipo trabalhador, idealizado nos mitos do caubói, é o que mais chances tem de quebrar, hoje em dia.

Pág. 178

Nos cinqüenta anos seguintes os pecuaristas venderam gado num mercado relativamente competitivo. O preço era estabelecido em leilão, através de lances abertos. Os grandes frigoríficos competiam com centenas de pequenas empresas regionais. Em 1970, as quatro maiores empresas frigoríficas abatiam apenas 21% do gado americano. Uma década depois, o governo Reagan permitiu que essas empresas se fundissem e se aliassem, sem medo das leis antitruste. O Ministério da Justiça e a sucessora da P & AS, a Administração para Inspeção de Grãos, Frigoríficos e Currais (GIPSA), optaram por não intervir enquanto os grandes frigoríficos obtinham o controle de um mercado de gado atrás do outro. Hoje em dia, as quatro maiores empresas frigoríficas – ConAgra, IBP, Excel e National Beef – abatem cerca de 84% do gado americano. A concentração do mercado, dentro da indústria de carne, está hoje em seu nível mais alto, desde que começaram os registros de dados, no início do século 20.

Esse grau sem precedentes de concentração ajudou a reduzir os preços que os produtores independentes alcançam. Nos últimos vinte anos, a participação dos pecuaristas em cada dólar gasto com carne no mercado varejista caiu de 63 para 46 centavos.

Págs. 179 e 180

Muitos produtores de gado temem que a indústria de carne esteja sendo deliberadamente reestruturada nos moldes da avicultura. E não querem acabar com os avicultores – que nos últimos anos perderam praticamente todo o poder e se vêem atolados em dívidas e presos a contratos onerosos redigidos pelas grandes empresas processadoras.

(…)

A avicultura também foi transformada por uma onda de fusões durante os anos 80. Oito empresas processadoras de frango controlam agora cerca de dois terços do mercado americano. Essas processadoras transferiram quase toda a sua produção para a região rural do sul do país, onde o clima costuma ser ameno, a mão-de-obra barata, os sindicatos fracos e os agricultores desesperados para encontrar um jeito de continuar na terra. Os estados de Alabama, Arkansas, Geórgia e Mississippi respondem no momento por mais da metade de todos os frangos criados nos Estados Unidos. Embora diversos fatores tenham contribuído para revolucionar a indústria e aumentar o poder das grandes processadoras, houve uma novidade que desempenhou papel especialmente importante. Os nuggets de frango da McDonald’s transformaram uma ave que costumava ser trinchada à mesa em algo facilmente digerível atrás do volante de um carro. Isso fez de uma mercadoria agrícola um produto com valor agregado. E incentivou um sistema de produção que transformou boa parte dos granjeiros em pouco mais que servos do grande senhor.

Pág. 181

Os nuggets de frango foram introduzidos nacionalmente no ano de 1983. Um mês depois do lançamento, a McDonald’s já era a segunda maior compradora de frango do país, ultrapassada apenas pala KFC. Os McNuggets eram gostosos, fáceis de mastigar e pareciam mais saudáveis que outros itens do cardápio de um McDonald’s. Afinal de contas eram feitos de galinha. Mas o bem que pudessem fazer à saúde era ilusório. Uma análise química realizada por pesquisador da Faculdade de Medicina de Harvard descobriu que o “perfil de ácidos graxos” dos McNuggets era bem mais parecido com o da carne bovina do que com o da carne de frango.

Pág. 182

Obter o contrato para o processamento dos McNuggets ajudou a Tyson Foods a se tornar a maior empresa processadora de frangos do mundo. Ela agora fabrica cerca da metade dos McNuggets vendidos nos EUA e fornece carne de frango para noventa das cem maiores redes de fast food americanos. A Tyson é uma empresa verticalmente integrada: os frangos nascem, são abatidos e processados em suas instalações. No entanto ela não os cria. Deixa esse gasto de capital e os riscos financeiros a cargo de milhares de “contratantes independentes”.

O avicultor entra com a terra, com o trabalho, com os barracões da granja e com o combustível. A maioria precisa tomar dinheiro emprestado para construir as granjas, que custam cerca de 150 mil dólares cada e têm capacidade para 25 mil frangos. Uma pesquisa feita em 1995 pela Universidade Técnica de Louisiana mostrou que o avicultor médio criava galinhas há quinze anos, era dono de três barracões de granja, estava endividado até o pescoço e ganhava talvez 12 mil dólares por ano. Cerca da metade dos avicultores largam o negócio depois de três anos apenas, vendendo ou perdendo tudo. As estradas vicinais do interior de Arkansas estão hoje pontilhadas de granjas abandonadas.

Pág. 183

As grandes processadoras não revelam publicamente os termos de seus contratos. No passado, tais contratos exigiam não só que os avicultores abrissem mão de todo e qualquer direito de mover uma ação contra a empresa como também proibiam que entrassem para qualquer associação que pudesse unir os criadores numa entidade com forte poder de barganha. As processadoras não apreciam a idéia de criadores de aves unindo forças para proteger seus interesses. “Nosso relacionamento com os criadores é na base do contrato individual”, disse um executivo da Tyson a um repórter, em 1988. “E queremos que continue assim”.

Pág. 184

Os pecuaristas que tentaram estabilizar seus rendimentos acabaram vítimas de sua própria falha de cálculo. Seguiram o conselho das agroindústrias e deram hormônio de crescimento a seus animais. Resultado: os animais estão muito maiores; há menos cabeças sendo vendidas; e a carne não pode ser exportada para a União Européia, onde o uso de hormônios foi proibido.

Pág. 185

Durante uma reunião com executivos japoneses, que estava sendo filmada em segredo, o presidente da Archer Daniels Midland pregou as virtudes da colaboração. “Nossos competidores são nossos amigos e nossos clientes são nossos inimigos.”

Pág. 187

Os impostos de transmissão após a morte acabam comendo mais da metade do valor das terras de uma fazenda. Mesmo que uma família consiga operar com lucros, deixar a fazenda para a geração seguinte pode exigir a venda de grandes porções de terra, diminuindo assim sua capacidade produtiva.

Págs. 189 e 190

A taxa de suicídios entre pecuaristas e agricultores americanos é hoje três vezes mais alta do que a média nacional. A questão recebeu atenção por uns tempos, durante a crise agrícola iniciada por volta de 1980, mas de lá para cá tem sido quase ignorada. Enquanto isso, por toda a América rural, o número de mortes aumenta sem parar. À medida que o modo de vida tradicional do vaqueiro é destruído, muitas das crenças que acompanham esse modo de vida também se vão.

(…)

No vale do Silício, empresários e capitalistas consideram o fracasso como um primeiro passo rumo ao sucesso. Depois de três investidas fracassadas na internet, a quarta pode dar certo. O que está sendo vendido importa bem menos do que o quanto se vende. Numa fazenda de gado, entretanto, um fracasso pode ser fatal. A terra perdida não é apenas uma commodity. Tem um significado que não pode ser medido em dólares e centavos. É uma conexão tangível com o passado, alguma coisa para ser legada aos filhos, jamais vendida. Como observa Osha Gray Davidson, em seu livro Broken Heartland (1996), “Fracassar depois de várias gerações… ver-se como o elo frágil de uma forte corrente… é um fardo terrível e, para muitos, insuportável”.

7. Engrenagens da grande máquina.

Pág. 191

Atendendo às demandas das redes de fast food e de supermercados, os grandes frigoríficos cortaram custos reduzindo salários. Transformaram uma das ocupações fabris mais bem pagas do país numa das mais mal remuneradas, criaram uma mão-de-obra industrial formada por imigrantes pobres, passaram a tolerar índices altíssimos de acidentes de trabalho e deram origem a guetos rurais no interior dos Estados Unidos. Crime, miséria, consumo de drogas e desabrigados estão hoje presentes onde jamais esperaríamos encontrar algo do gênero.

Pág. 192

Esses bichos não comem capim-do-campo nem capim-de-búfalo como o das pradarias. Durante os três meses que antecedem o abate, comem atirados em cochos compridos de concreto, muito semelhantes às valas que dividem uma rodovia. Os grãos engordão rapidamente o gado, ajudados por esteróides anabólicos implantados no ouvido.

Os dois pastos de engorda da Monfort, situados nos arredores de Greeley, produzem mais excremento do que as cidades de Denver, Boston, Atlanta e St. Louis – juntas.

Pág. 198

A revolução da IBP foi inspirada por uma visão dura e fria do mundo. Em meio a uma cultura que enaltecia a rigidez de caráter, Currier J. Holman orgulhava-se de ser mais rígido que qualquer outro. Não gostava dos sindicatos e não hesitava em fazer o que fosse necessário para quebrá-los. A IBP deve estar sempre à testa dos negócios, argumentava ele, como se estivesse em guerra. Quando os operários do frigorífico de Dakota City entraram em greve, em 1969, Holman contratou fura-greves para substituí-los. Os grevistas reagiram mandando uma bala pela janela de seu escritório – que matou um funcionário suspeito de fazer espionagem para a empresa – e jogando uma bomba na sede do conselho-geral da IBP. Diante dessa guerra de verdade, Holman foi procurar a ajuda de um aliado inusitado, mas poderoso.

Na primavera de 1970, ele e outros três executivos da IBP mantiveram reuniões secretas em Nova York com Moe Steinman, “consultor trabalhista” com vínculos muito fortes com a Cosa Nostra.

(…)

Depois de uma prolongada investigação sobre o envolvimento da máfia no mercado de carne bovina de Nova York, Currier J. Holman e a IBP foram julgados e condenados em 1974 por suborno a líderes sindicais e atacadistas de carne. O juiz Burton Robert multou a IBP em 7 mil dólares, mas não puniu Holman com nenhum termo de prisão ou multa, observando que o suborno fazia parte às vezes do custo de se negociar em Nova York. A ligação de Holman com o crime organizado, no entanto, ia muito além daquelas propinas que um negociante honesto nova-iorquino muitas vezes era obrigado a pagar. Ele nomeara um dos amigos de Moe Steinman para a diretoria da IBP (um homem que, dez anos antes, fora preso por suborno a inspetores de carne e por vender carne contaminada ao exército americano), e fizera do genro de Steinman um dos vice-presidentes da empresa e diretor da divisão de processamento (ainda que o genro, nas palavras do juiz Robert, “não soubesse praticamente nada do negócio de frigoríficos”) – sem falar que Holman forçara a saída de quatro altos executivos da IBP que se opuseram às negociações com representantes do crime organizado. Investigações posteriores feitas pela Forbes e pelo Wall Street Journal citaram a IBP como exemplo de como as grandes empresas podiam se ver infiltradas por integrantes da máfia.

Pág. 199

A incansável competição e os baixos preços da IBP deixavam aos frigoríficos de Chicago duas opções: ou se mudavam para o Oeste ou desistiam do negócio. Em vez de simbolizar democracia e liberdade, ir para o Oeste passou a significar obtenção de mão-de-obra barata. Um a um, os frigoríficos de Chicago fecharam as portas e foram surgindo abatedouros em estados rurais hostis aos sindicatos trabalhistas. Os novos frigoríficos em Iowa, Kansas, Texas, Colorado e Nebraska seguiram o exemplo da IBP, pagando salários que eram às vezes 50% menores do que o dos operários sindicalizados de Chicago.

Págs. 204 e 205

Em 1997, a ConAgra pagou 8,3 milhões de dólares em multas e declarou-se culpada perante um tribunal federal de acusações envolvendo entre outras coisas classificação fraudulenta de safras e adição de água em cereais. Segundo o Ministério da Justiça, a ConAgra lesou os agricultores de Indiana durante pelo menos três anos, adulterando amostras de safras, fazendo com que seus cereais parecessem de qualidade inferior para pagar menos por eles. Depois de adquirirem os cereais a preços injuntos, os funcionários da ConAgra borrifavam-nos com água, aumentando fraudulentamente seu peso, vendiam o produto e enganavam o consumidor.

(…)

Durante um período de dezoito meses, mais de 5 mil pessoas diferentes trabalharam no frigorífico de Greeley – uma rotatividade anual de cerca de 400%. O operário saía ou era despedido a uma média de três meses.

Págs. 208 e 209

Em setembro de 1994, a GFI América – grande fornecedora de hambúrguer congelado para a Dairy Queen, a Cracker Barrel Old Country Store e também para o programa de almoço escolar do governo federal – precisava de operários para sua fábrica em Minneapolis, Minesota. A empresa mandou uma equipe de recrutamento para Eagle Pass, no Texas, próximo à fronteira com o México, prometendo trabalho fixo e habitação. Foram recrutadas 39 pessoas e um ônibus alugado levou os novos operários do Texas até Minnesota, onde todos foram largados na rua, em frente ao prédio do People Serving People, um abrigo para sem-teto no centro da cidade. Como os trabalhadores não tinham dinheiro, o abrigo concordou em alojá-los. A GFI concordou em pagar ao abrigo 17 dólares por operário e ofereceu-se para doar alguns hambúrgueres, mas a oferta foi recusada. Só que os planos da empresa de usar um abrigo municipal para alojar seus operários acabaram saindo pela culatra. Grande parte dos novos recrutas se recusou a permanecer no abrigo; eles tinham recebido a promessa de morar num apartamento e sentiam-se traídos. A história não demorou a ir parar na imprensa local. Advogados trabalhando e favor dos desabrigados ficaram especialmente irritados com a tentativa da GFI América de abusar do maior abrigo de sem-teto de Minneapolis. “Nossa tarefa não é fornecer subsídios para as empresas que estejam importando mão-de-obra barata”, falou um funcionário da comarca.

Págs. 209 e 210

Em janeiro de 1987, Mike Harper disse ao recém-eleito governador de nebraska, Kay Orr, que a ConAgra queria uma série de incentivos fiscais – caso contrário tiraria suas fábricas de Omaha. Há quase 70 anos a empresa tinha sede naquele estado e os impostos estaduais de Nebraska estavam entre os mais baixos do país. Mesmo assim, um pequeno grupo de executivos da ConAgra reuniu-se num sábado de manhã na casa de Harper, em volta da mesa da cozinha, e formulou as bases da legislação que reescreveu o código tributário do estado. As leis, elaboradas em grande parte pela ConAgra, procuravam baixar os impostos estaduais que eram pagos não só pelas grandes empresas como também pelos altos executivos. Mike Harper iria pessoalmente obter um ganho de cerca de 295 mil dólares com a proposta de redução de 30% para a taxa máxima de impostos sobre pessoa física. Harpe era também um fanático por aviação e a nova legislação fornecia deduções fiscais para os jatos da ConAgra. Vários deputados estaduais qualificaram as exigências de Harper de “chantagem”. Mesmo assim aprovaram as deduções para evitar que o estado de Nebraska perdesse seu maior empregador privado. Mais tarde, Harper descreveria a facilidade com que a ConAgra teria se mudado para outro lugar qualquer: “Uma sexta-feira à noite a gente apaga as luzes – clique, clique, clique – carrega os caminhões e na segunda de manhã não tem mais nada”.

(…)

Graças à legislação de 1987, a IBP não pagou nenhum tributo estadual em Nebraska pelos dez anos seguintes. Seus executivos pagavam imposto de renda até a taxa máxima de 7%. Em que pesem todos esses benefícios financeiros, a IBP mudou sua sede em 1997, saindo do estado de Nebraska e indo para Dakota do Sul, um estado sem impostos empresariais – e sem imposto de renda para pessoa física.

8. O serviço mais perigoso da América.

Pág. 218

Todos os anos, cerca de um em cada três operários de frigorífico – coisa de 43 mil homens e mulheres – sofre algum acidente ou doença relacionada ao trabalho, exigindo cuidados médicos para além de primeiros socorros. Há fortes evidências de que esses números, compilados por uma agência encarregada de levantamento estatístico da força de trabalho, o Bureau of Labor Statistics, não retratam a taxa verdadeira de acidentes de trabalho ocorridos na indústria frigorífica. Milhares de acidentes e doenças muito provavelmente ficam sem registro.

Pág. 221

A pressão constante para não atrasar o serviço levou a um consumo generalizado de metanfetamina entre os operários de frigorífico. Os que tomam “arrebite” sentem-se autoconfiantes, cheios de energia, prontos para tudo. Sabe-se de supervisores que vendem arrebite para seus funcionários e há inclusive aqueles que fornecem gratuitamente a substância, em troca de certos favores, como por exemplo fazer um segundo turno. Os operários que usam metanfetamina podem até se sentir cheios de energia, criaturas invencíveis, mas na verdade estão correndo riscos ainda maiores de sofrer um acidente. Por motivos óbvios, um matadouro moderno não é exatamente o lugar certo para ficar “de barato”.

Pág. 223

O comportamento dos supervisores em geral dá o tom para o restante dos operários homens. Em fevereiro de 1999, um júri federal em Des Moines concedeu 2,4 milhões de dólares a uma funcionária de um matadouro da IBP. Segundo o testemunho da mulher, seus colegas tinham “gritado obscenidades e esfregado o corpo no dela, enquanto os supervisores davam risada”. Sete meses depois, a Monfort concordou em fazer um acordo amigável com a Comissão de Oportunidades Iguais no Emprego, que entrara em juízo em nome de quatorze funcionárias de uma fábrica no Texas. Como parte do acordo, a empresa pegou 900 mil dólares às mulheres e prometeu instaurar procedimentos formais para as queixas de assédio sexual. Na ação, alegou-se que os supervisores da fábrica da Monfort em Cactus, no Texas, faziam pressão para obter encontros e sexo com elas e que os colegas homens apalpavam e beijavam as mulheres, além de usarem partes de animais mortos de maneiras sexualmente explícitas.

Págs. 225 e 226

Embora não haja nenhuma estatística oficial, o índice de mortes entre as equipes de limpeza de frigorífico é altíssimo. Os funcionários são a última palavra em empregados descartáveis: ilegais, analfabetos, miseráveis, sem nenhum treino. O pior emprego dos Estados Unidos pode acabar da pior maneira possível. Às vezes esses operários são literalmente moídos e reduzidos a nada.

(…)

Numa fábrica da National Beef em Liberal, Kansas, Homer Stull entrou num tanque coletor de sangue para limpá-lo, um tanque imundo de 10 metros de altura. Stull desmaiou devido às emanações de gás sulfídrico. Dois colegas entraram no tanque e tentaram salvá-lo. Todos três morreram. Oito anos antes, Henry Wolf desmaiara, nocauteado pelo mesmo gás sulfídrico; Gary Sanders tentou salvar o colega; ambos morreram; o órgão encarregado de fiscalizar a segurança no local de trabalho, a Occupational Safety and Health Administration (OSHA), mais tarde multou a National Beef pela negligência. A multa foi de 480 dólares por cada morte.

Págs. 226 e 227

Coincidindo com o período em que as condições de trabalho nos frigoríficos norte-americanos pioraram bastante – com o aumento da velocidade da linha da linha de produção e a substituição de mão-de-obra qualificada por imigrantes ilegais – houve um abrandamento por parte do governo federal na aplicação das leis de saúde e segurança no trabalho. Havia já algum tempo que a OSHA era desprezada pelas indústrias do país, que consideravam a agência uma fonte de normas incômodas e burocracias desnecessárias. Quando Ronald Reagan foi eleito presidente, em 1980, a OSHA já estava sofrendo com falta de verbas e funcionários: seus 1.300 inspetores eram responsáveis pela segurança de mais de 5 milhões de locais de trabalho espalhados por todo o país. Um empregador médio norte-americano podia esperar uma inspeção da OSHA a cada oito anos. Mesmo assim, o governo Reagan estava decidido a reduzir ainda mais a autoridade do órgão, como parte do pano de desregulamentação. O número de inspetores acabou sendo reduzido em 20% e, em 1981, a agência adotou uma nova política de “anuência voluntária”. Em vez de chegarem sem se anunciar numa fábrica para fazer a inspeção, os funcionários da OSHA eram obrigados a examinar o livro de registros de acidentes de uma empresa antes de botar o pé na fábrica. Se os registros mostrassem um índice de acidentes mais baixo que a média nacional para aquela determinada indústria, o inspetor tinha que dar meia-volta e sair imediatamente – sem entrar na fábrica, sem examinar os equipamentos, sem falar com os operários. Os livros de registros de acidentes eram guardados e preenchidos pela gerência da própria fábrica.

Pág. 228

Numa indústria de carne bovina da IBP, em Dakota City, Nebraska, por exemplo, a empresa mantinha dois registros diferentes: um deles com todos os acidentes e doenças ocorridas no matadouro, o outro para mostrar aos inspetores da OSHA e aos pesquisadores do Bureau of Labor Statistics. Durante um período de três meses, em 1995, o primeiro registrou 1.800 acidentes e doenças ocorridos nas instalações da fábrica.

Págs. 235 e 236

Durante os dois primeiros anos do governo de Clinton, a OSHA deu a impressão de ser uma agência revitalizada. Começou a projetar os primeiros padrões ergonômicos para a indústria nacional, com o objetivo de reduzir distúrbios provocados por trauma cumulativo. As eleições de 1994, no entanto, marcaram um ponto de virada. A maioria republicana que subiu ao poder aquele ano, no Congresso, não só impediu a adoção de padrões ergonômicos como também questionou o próprio futuro do órgão. Trabalhando em conjunto com a Câmara de Comércio dos EUA e com a Associação Nacional de fabricantes, os parlamentares republicanos têm suado a camisa para limitar a autoridade de da OSHA.

Pág. 237

Raoul nasceu em Zapoteca, no México, e trabalhou como operário de obra em Anaheim antes de se mudar para o Colorado. Não fala inglês. Depois de escutar um anúncio da Monfort numa estação de rádio de língua espanhola, preencheu uma ficha se candidatando a um emprego na fábrica de Greeley. Um dia, Raoul foi tirar um pedaço de carne de uma máquina processadora. A máquina acidentalmente entrou em funcionamento. O braço de Raoul ficou preso e os colegas levaram vinte minutos para soltá-lo. A máquina teve que ser desmontada. Uma ambulância levou-o para o hospital, onde uma ferida funda no ombro foi costurada. O tendão cortado. Depois de levar os pontos e receber uma dose forte de analgésicos, foi levado de volta ao matadouro a colocado de volta na linha de produção. Envolto em ataduras, zonzo e com dor, um dos braços preso a uma tipóia, Raoul trabalhou o resto do dia limpando sangue de caixotes de papelão com a mão boa.

9. O que há na carne.

Pág. 247

Embora os pesquisadores médicos venham demonstrando vários elos de ligação entre os métodos modernos de processamento alimentar e o alastramento de doenças perigosas, as principais agroindústrias americanas continuam firmemente contrárias a quaisquer outras regulamentações que envolvam a segurança alimentar.

Pág. 248

Atualmente, o governo americano pode exigir o recall de bastões de beisebol, de calçados esportivos e de bichinhos de pelúcia que apresentem algum defeito. Mas não pode exigir que uma companhia frigorífica remova carne moída contaminada e potencialmente letal das cozinhas dos restaurantes de fast food e das prateleiras dos supermercados.

Págs. 249 e 250

Antes da II Guerra Mundial, a carne mais popular nos Estados Unidos era suína. Melhores salários, carne bovina a preços mais baixos, o crescimento da indústria de fast food e o fascínio em massa pelo hambúrguer acabaram levando o consumo de carne bovina para o primeiro lugar, na frente da carne suína.

Pág. 250

Em janeiro de 1993, médicos de um hospital de Settle, Washington, notaram um aumento inusitado no número de crianças internadas com diarréia hemorrágica. Algumas estavam sofrendo da síndrome hemolítica-urêmica, uma doença até então rara que provoca insuficiência renal. Funcionários da saúde logo localizaram o foco da intoxicação. Hambúrgueres mal passados servidos em restaurantes Jack in the Box da cidade. Testes com a carne desses hambúrgueres revelaram a presença do E. coli 0157:H7. A cadeia Jack in the Box pediu um recall imediato de toda a carne moída contaminada, que fora fornecida pela Vons Companies, em Arcádia, Califórnia. Mesmo assim, mais de setecentas pessoas em pelo menos quatro estados americanos adoeceram por causa dos hambúrgueres da Jack in the Box, mais de duzentas foram hospitalizadas e quatro morreram. A maioria das vítimas eram crianças. Uma das primeiras a adoecer, Lauren Beth Rudolph, comeu um hambúrguer num Jack in the Box de San Diego uma semana antes do Natal. Ela deu entrada no hospital na véspera do natal, com dores terríveis, teve três ataques cardíacos e morreu nos braços da mãe no dia 28 de dezembro de 1992. Tinha 6 anos de idade.

Pág. 252

Crianças com menos de 5 anos, idosos e pessoas imunodeprimidas são mais vulneráveis a doenças causadas pelo E. coli 0154:H7. A bactéria é hoje a principal causa de insuficiência renal entre as crianças americanas. Nancy Donley, presidente da organização STOP, sigla para Safe Tables Our Priority, ou “segurança na mesa é nossa prioridade”, voltada para a segurança alimentar, diz que é difícil imaginar o sofrimento que o E. coli 0154:H7 causa às crianças.

Pág. 254

Alguns rebanhos americanos podem ter sido infectados pelo E. coli 0154:H7 décadas atrás. Mas as recentes mudanças na forma como o gado é criado, abatido e processado criaram os meios ideais para o alastramento do agente patogênico. O problema começa nos imensos currais de confinamento. Um funcionário sanitário federal, que prefere permanecer anônimo, comparou as condições sanitárias do moderno curral de engorda com as das superpovoadas cidades européias da Idade Média, quando as pessoas jogavam o conteúdo de seus penicos da janela direto nas ruas, quando o esgoto corria a céu aberto e as epidemias devastavam populações inteiras. O gado amontoado nesses “pastos” não faz exercício nenhum e vive entre poças de esterco. “Você não deve comer comida suja nem tomar água suja”, disse-me ele. “Mas continuamos achando que podemos dar comida e água sujas para os animais.” Os currais de engorda tornaram-se um mecanismo muito eficiente de “re-circular o esterco”, o que é uma infelicidade, já que o E. coli 0154:H7 pode se replicar nos cochos e sobreviver nos excrementos por até 90 dias.

E aquilo que os bois comem muitas vezes contribui para o alastramento das doenças. O aumento no preço dos grãos incentivou o uso de rações mais baratas, sobretudo das que contém substâncias com alto teor de proteína que aceleram o crescimento. Cerca de 75% das cabeças de gado do país foram rotineiramente alimentadas com restos animais – rebotalhos derretidos de ovelhas e bois mortos – até agosto de 1997.

Pág. 255

Mesmo assim, os regulamentos atuais da FDA permitem que porcos e cavalos mortos sejam processados e transformados em ração para o gado, juntamente com frangos mortos. O regulamento não só permite que o gado seja alimentado com aves mortas como também permite que as galinhas sejam alimentadas com gado morto. Os americanos que passaram mais de seis meses no Reino Unido durante a década de 80 estão proibidos de doar sangue, para evitar o alastramento da variante humana da EEB, a doença de Creutzfeldt-Jakob. Mas o sangue do gado continua sendo misturado à ração fornecida ao rebanho bovino americano. Steven P. Bjerklie, ex-editor do jornal comercial Meat & Poultry, está atônito com o que vem sendo misturado à ração, hoje em dia. “Que diacho, esses bichos são ruminantes”, diz Bjerklie. “Eles foram programados para comer capim e, talvez, alguns grãos. Quer dizer, eles têm quatro estômagos por uma única razão – para comer produtos com alto teor de celulose. Não foram feitos para comer outros animais.”

Pág. 256

Estômago e intestinos ainda são tirados manualmente; se o exercício não for executado com cuidado, o conteúdo do sistema digestivo pode espirrar para tudo quanto é lado. A crescente velocidade das linhas de produção atuais torna essa tarefa muito mais difícil. Um único trabalhador numa “mesa de barrigada” pode chegar a eviscerar sessenta cabeças por hora. Executar o serviço corretamente requer prática e qualificação. Um antigo funcionário da IBP me contou que levou seis meses para aprender a retirar o estômago e amarrar os intestinos sem deixar espirrar nada. Pessoas menos treinadas fazem espirrar excremento com muita freqüência. No matadouro da IBP em Lexington, Nebraska, o índice é de 20%, ou seja, de cada cinco sistemas digestivos retirados, um espirra seu conteúdo para todo lado.

Pág. 257

Para piorar ainda mais as coisas, os animais usados para fazer cerca de um quarto da carne moída consumida no país – vacas leiteiras que não produzem mais leite – são os que mais chances têm de estar doentes e infestados de resíduos de antibióticos. O estresse da produção industrial de leite faz com sejam ainda menos saudáveis do que o gado amontoado num grande curral de engorda. O gado leiteiro pode viver até 40 anos, mas em geral é abatido aos 4, quando a produção de leite começa a cair. A McDonald’s depende em grande parte da carne de gado leiteiro para seus hambúrgueres, uma vez que os animais são relativamente baratos, têm baixos teores de gordura e permitem à rede anunciar aos quatro ventos que toda a sua carne é americana.

Aquele tempo em que a carne de hambúrguer era moída nos fundos do açougue, usando restinhos de um ou dois quartos de boi, já acabou faz tempo. Assim como os parceiros sexuais múltiplos que ajudaram a alastrar a epidemia de AIDS, a colossal mistura de animais na maioria das fábricas processadoras de carne moída do país desempenhou papel crucial na difusão do E. coli 0154:H7. Um único hambúrguer de fast food contém agora carne de dezenas ou até mesmo centenas de animais diferentes.

Págs. 259 e 260

Os governos dos presidentes Reagan e Bush reduziram os gastos com a saúde pública e colocaram em posto-chave do Ministério funcionários bem mais interessados na desregulamentação do que em segurança alimentar. O Ministério da Agricultura tornou-se em grande medida indistinto das indústrias que deveria policiar. O primeiro encarregado da pasta da agricultura de Ronald Reagan veio do ramo de carne suína. O segundo fora presidente do American Meat Institute (outrora conhecido como American Meat Packers Association), ou seja, intimamente ligado à indústria de carne bovina. E seu escolhido responsável pelo serviço de inspeção alimentar do Ministério fora vice-presidente da associação nacional de criadores de gado, a National Cattleman’s Association. Mais tarde, o presidente Bush nomeou o próprio presidente da associação para o cargo.

Pág. 263

Mas a chave para o programa de saúde alimentar de Theno foi sua devoção quase fanática aos testes microbianos. Ele descobriu que os níveis de contaminação variavam muito de um fornecedor de carne moída para outro. Alguns matadouros não apresentavam quase nenhum problema; outros eram meramente adequados; e alguns eram assustadores. As empresas fabricantes de hambúrguer para a Jack in the Box foram obrigadas a testar sua carne a cada quinze minutos, em busca de uma ampla variedade de micróbios perigosos, inclusive o E. coli 0154:H7. Os matadouros que continuavam enviando carne contaminada eram eliminados da lista de fornecedores.

Págs. 264 e 265

Algumas pessoas na indústria de fast food não gostam nem um pouco de ver a Jack in the Box, que afinal esteve envolvida num surto seríssimo de intoxicação alimentar, envergar o manto da liderança na questão de segurança alimentar. O apoio total que Theno deu à rígida legislação de segurança alimentar da Califórnia o tornou meio impopular entre os integrantes da associação de restaurantes do estado. A indústria frigorífica também não gosta muito dele. Theno diz que a resistência crônica da indústria aos testes microbianos é uma forma de negação. “Quando a gente não sabe do problema”, explicou, “não precisa lidar com ele.” Ele acha que o problema da contaminação da carne por E. coli 0154:H7 pode ser resolvido. Sua fé otimista no poder da ciência e da razão é enorme. “Se você implantar um sistema de acompanhamento de dados e fizer um perfil desses frigoríficos”, afirma ele, “solucionará o problema. Dá para resolver em seis meses… É uma questão de vontade, não de tecnologia.” Apesar de tudo o que diz a indústria frigorífica, a solução não precisa ser horrendamente cara. Todo o programa de segurança alimentar da Jack in the Box aumentou os custos da carne moída comprada pela rede em cerca de um centavo de dólar por cada meio quilo.

(…)

O esforço do presidente Clinton para implementar um sistema rígido e científico de inspeção alimentar sofreu um tremendo revés quando o Partido Republicano obteve maioria no Congresso nas eleições de novembro de 1994. Tanto a indústria frigorífica quanto a de fast food sempre forneceram grande apoio financeiro para a ala da direita dos republicanos. O “Contrato com a América” do presidente da Câmara dos Deputados, Newt Gingrich, enfatizando a desregulamentação governamental e opondo-se a um aumento do salário mínimo, encaixa-se perfeitamente na agenda dos grandes frigoríficos e das redes de fast food.

Pág. 271

Na esteira do surto de intoxicações ocorridas na rede Jack in the Box, o governo Clinton apoiou a proposta de uma legislação que desse ao Ministério da Agricultura autoridade para exigir o recolhimento do produto contaminado e impor multas aos frigoríficos. Os republicanos no Congresso não aprovaram nem essa lei nem leis semelhantes apresentadas em 1996, 1997, 1998, e 1999. A incapacidade do Ministério da Agricultura de exigir reparação monetária da indústria frigorífica é surpreendente, tendo-se em vista o poder do governo federal de usar as multas como meio de regular as companhias aéreas, as indústrias de automóveis, mineração, brinquedos e aço. “Nós podemos multar um circo por maltratar seus elefantes”, queixou-se o ministro da agricultura Dan Glickman, em 1997, “mas não podemos multar as empresas que violam os padrões de segurança alimentar”.

Pág. 272

Atualmente o Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar do Ministério da Agricultura está desmoralizado e com falta de funcionários. Em 1978, antes do primeiro surto conhecido de E. coli 0154:H7, o ministério tinha 12 mil inspetores de carne; agora tem cerca de 7.500. Os inspetores que entrevistei sentiam-se pressionados por seus superiores a não reduzir a velocidade das linhas de produção dos matadouros.

Pág. 274

Em vez de se concentrar nas causas primárias da contaminação – tipo de ração, superpopulação nos currais de engorda, falta de saneamento nos matadouros, excesso de velocidade nas linhas de produção, falta de supervisão mais rígida por parte do governo – a indústria frigorífica e o Ministério da Agricultura defendem agora uma exótica solução tecnológica para o problema dos agentes patogênicos contidos nos alimentos. Eles querem submeter a carne do país à irradiação. A irradiação é uma forma de controle de natalidade bacteriana introduzida pelo exército americano e pela Nasa nos anos 60. Quando os microorganismos são bombardeados com baixos níveis de raios gama ou de raios-X, eles não morrem, mas seu DNA é despedaçado e eles perdem a capacidade de se reproduzir.

Pág. 275

Um engenheiro frigorífico que entrevistei – e que ajudou a inventar alguns dos equipamentos de segurança alimentar mais sofisticados em uso – disse-me que, de uma perspectiva puramente científica, a irradiação é segura e eficaz. Mas está preocupado com a introdução de uma tecnologia eletromagnética e nuclear altamente complexa em matadouros onde é grande a presença de operários analfabetos que não falam inglês. “Não é o tipo de mão-de-obra que a gente quer ver trabalhando com esses equipamentos”, diz ele.

Também se manifesta preocupado com a possibilidade de que o uso da irradiação incentive os frigoríficos a “acelerarem o trabalho de abate, espalhando merda para tudo quanto é lado”.

Steve Bjerklie, o ex-editor da Meat & Poultry, se opõe à irradiação por motivos semelhantes. Ele acha que essa tecnologia reduzirá a pressão exercida sobre a indústria para realizar mudanças fundamentais e necessárias em seus métodos de produção, permitindo que as práticas condenáveis continuem. “Eu não quero ser servido com fezes irradiadas junto com a minha carne”, diz Bjerklie.

Pág. 279

A começar pelo ano letivo de 2000-2001, a carne moída destinada à distribuição nas escolas passaria a ser testada para verificação de agentes patogênicos; a carne que não passasse nos testes seria rejeitada; e o gado velho demais ou doente demais para caminhar até o matadouro não poderia mais ser processado e transformado em carne moída para consumo das crianças de escolas públicas que participam do programa de almoço escolar do Ministério da Agricultura. A indústria frigorífica imediatamente se opôs às novas regras.

A indústria frigorífica acabou aceitando executar todos os testes rigorosos exigidos pelas redes de fast food, mas continua se recusando a fazer esses mesmos testes com a carne destinada ao público em geral.

Pág. 280

Através de uma série de testes, Charles Gerba, microbiólogo da Universidade do Arizona, descobriu que há muito mais bactérias fecais na pia da cozinha do americano médio do que no assento da privada desse mesmo americano médio. Segundo Gerba, “seria melhor você comer uma cenoura que tivesse caído de sua privada do que uma que tivesse caído dentro de sua pia”.

Um vírus portador do gene que produz as tóxicas Shiga está agora infectando variedades até então inofensivas do E. coli. O dr. David Acheson, professor da Escola de medicina da Universidade Tufts, acredita que o alastramento desse vírus está sendo incentivado pelo uso indiscriminado de antibióticos na ração do gado.

Pág. 281

Os adolescentes que eu entrevistei em Colorado Springs, que trabalhavam em lanchonetes de fast food, me contaram outras histórias de horror. A segurança dos alimentos parece estar mais ligada à personalidade do gerente em serviço do que a qualquer regulamento escrito. Muitos com quem falei não punham nada na boca na lanchonete, a menos que eles mesmos tivessem preparado a comida. Um rapaz que trabalhava num Taco Bell me disse que era muito freqüente alguém apanhar a comida caída no chão e servi-la. Um funcionário da Arby’s me contou que um dos cozinheiros nunca lavava as mãos, depois de realizar consertos no carro. E vários adolescentes contratados por um mesmo McDonald’s de Colorado Springs forneceram, individualmente, minúcias sobre uma infestação de baratas nas máquinas de milk shake e sobre exércitos de ratos que urinavam e defecavam nos pãezinhos deixados de fora durante a noite, para descongelar.

10. Percepção global.

Pág. 295

A subseqüente explosão de Las Vegas veio graças ao governo federal, que gastou bilhões de dólares para construir a represa Hoover e as bases militares em volta da cidade. Enquanto a represa fornecia água e luz, as instalações do exército contribuíam com a clientela e assim surgiram os primeiros cassinos. Quando as autoridades do sul da Califórnia tornaram o jogo ilegal, depois da II Guerra, os jogadores tomaram o rumo de Nevada. Como ocorreu com Colorado Springs, o grande boom de Las Vegas começou no final dos anos 1970. Nos últimos vinte anos, a população da cidade quase triplicou.

No centro de tudo está a tecnologia: máquinas que resfriam o ar, provocam erupções do vulcão e acendem as luzes que piscam por toda parte. Mais importante de tudo é a máquina que faz dinheiro para os cassinos. Embora se apresente ao mundo como uma cidade exuberante e empreendedora, onde qualquer um pode chegar e tirar a sorte grande, a vida ali é mais rigidamente regulamentada, controlada e monitorada por câmeras ocultas do que praticamente em qualquer outro lugar dos Estados Unidos. A principal indústria da cidade é legalmente protegida contra as forças do mercado livre e opera segundo regras muito rígidas impostas pelo estado. O Gaming Control Board de Nevada determina não só quem pode ser dono de um cassino como quem tem permissão de entrar num cassino.

Pág. 298

Num dos primeiros discursos da manhã, um executivo saudou recordes da indústria de restaurantes no ano anterior, acrescentando, sem nenhuma ironia: “Como se as coisas já não estivessem boas o bastante, os consumidores também abandonaram toda e qualquer pretensão de querer comida saudável”. Um serviço constante de pesquisa, patrocinado pela indústria, constatara que as preocupações do público com sal, gordura e aditivos alimentares estavam em seu nível mais baixo desde 1982, ano em que começaram os estudos – mais uma boa notícia para justificar o atual “estado de beatitude” da indústria.

Pág. 305

Grupos europeus de consumidores estão tentando obter uma proibição total de todos os anúncios dirigidos ao público infantil via televisão. Em 1992, a Suécia proibiu toda a propaganda por televisão dirigida a crianças com menos de 12 anos. A publicidade foi proibida em programas infantis na Noruega, Bélgica, Irlanda e Holanda. Os hábitos alimentares da criança americana estão sendo vistos como um ótimo exemplo de tudo o que um país deve evitar.

Págs. 309 e 310

Helen Steel era uma moça de 25 anos, jardineira, motorista de um microônibus e atendente de bar, que entrara para o Greenpeace de Londres levada pela devoção ao vegetarianismo e aos direitos animais. Dave Morris era um pai solteiro de 36 anos, ex-funcionário dos correios, interessado em questões trabalhistas e no poder das multinacionais. Os dois amigos pareciam ter poucas chances contra a maior cadeia de fast food do mundo. Helen largara a escola aos 17, Dave aos 18; e nenhum dos dois tinha dinheiro para pagar um advogado. A McDonald’s, por outro lado, com uma receita de 18 bilhões de dólares, podia ter exércitos de advogados. O Estado negou ajuda jurídica aos réus, que foram obrigados a se defender sozinhos diante de um juiz, e não de um corpo de jurados. Mas, com uma certa ajuda do secretário da Sociedade Haldane de Advogados Socialistas, a dupla transformou o “caso McLibel”, ou McCalúnia, no mais longo julgamento da história jurídica da Grã-Bretanha e num desastre de relações públicas para a rede.

Págs. 310, 311 e 312

O juiz determinou que os dois não tinham conseguido provar muitas de suas alegações – mas que tinham de fato provado algumas. Segundo a decisão do juiz Bell, a McDonald’s realmente “explorava” as crianças através de sua publicidade, colocava em perigo a saúde de seus usuários regulares, pagava salários extremamente baixos a seus funcionários, opunha-se a atividades sindicais no mundo todo e era em parte responsável pela crueldade cometida contra animais por muitos de seus fornecedores. Helen e Dave foram multados em 60 mil libras. Os dois imediatamente anunciaram que iriam apelar da decisão. “A McDonald’s não merece um centavo”, disse Helen Steel, “e de todo modo nós não temos dinheiro nenhum.”

As provas apresentadas durante o processo revelaram muita coisa sobre o funcionamento interno da McDonald’s. Verdade que diversas de suas práticas trabalhistas, publicitárias e de segurança alimentar já vinham sendo publicamente criticadas dentro dos Estados Unidos havia vários anos. Mas os testemunhos dados no tribunal londrino revelaram novas facetas de atitude da empresa para com as liberdades civis e a liberdade de expressão. Dave Morris e Helen Steel ficaram espantados ao descobrir que a McDonald’s tinha informantes infiltrados no Greenpeace de Londres, pessoas que freqüentavam regularmente as reuniões e espionavam seus integrantes.

A espionagem começou em 1989 e só foi terminar em 1991, quase um ano depois de a McDonald’s ter entrado na justiça. E a empresa usou de subterfúgios não só para descobrir quem distribuía os folhetos como também para obter informação sobre como Dave e Helen planejavam se defender. Foram contratados pelo menos sete detetives. Durante algumas das reuniões do Greenpeace de Londres, cerca da metade das pessoas presentes era espiã da McDonald’s. Um espião arrombou o escritório da Greenpeace de Londres, tirou fotos e roubou documentos. Uma outra teve um caso de seis meses com um integrante do grupo ambientalista e, nesse tempo todo passou informações sobre ele à empresa. Sem querer, os espiões acabaram se espionando entre si porque não sabiam que havia pelo menos duas agências de detetives envolvidas. Eles participaram de protestos contra a rede e distribuíram folhetos como os outros.

Durante o julgamento, Sidney Nicholson – o vice-presidente da McDonald’s que supervisionara a operação secreta, antigo oficial de polícia na África do Sul e ex-superintendente da polícia metropolitana de Londres, admitiu em tribunal que a rede usara suas conexões na Scotland Yard para obter informações sobre Helen e Dave. De fato, oficiais pertencentes ao Special Branch, uma unidade de elite da polícia britânica que rastreia “subversivos” e figuras do crime organizado, tinham ajudado a McDonald’s a espionar a dupla anos e anos. Uma das agentes secretas que participaram das operações mais tarde mudou de lado e testemunhou a favor dos réus. “Em momento algum acreditei que eles fossem pessoas perigosas”, declarou fran Giller, após ter virado vegetariana. “Acho que eles acreditavam de coração nas questões que apoiavam.”

Para Dave Morris, o momento mais perturbador do julgamento foi quando tomou conhecimento de como seu endereço fora obtido. Um dos espiões admitiu em tribunal que uma doação de roupas de criança fora um disfarce para saber o endereço do ativista. Dave aceitara a doação sem desconfiar de nada, acreditando ser um gesto de amizade – e ficou indignado ao saber que seu filho durante meses usara roupas fornecidas pela McDonald’s, como forma de vigiá-lo.

Pág. 313

No dia 31 de março de 1999, os três juízes do Tribunal de Apelação derrubaram o veredicto original do caso “McLibel” e aceitaram as afirmações do folheto de que comer a comida de um McDonald’s pode provocar doenças cardíacas e que os funcionários da empresa são maltratados. O tribunal reduziu a indenização que Helen e Dave teriam de pagar para cerca de 40 mil libras.

A McDonald’s estava cansada da publicidade adversa e queria que o caso sumisse da vista do público. Mas Dave Morris e Helen Steel ainda não tinham terminado o trabalho. Resolveram apelar novamente, dessa vez para a Câmara dos Lordes, e processaram a polícia por tê-los espionado. A Scotland Yard entrou em acordo amigável, pediu desculpas à dupla e pagou 10 mil libras de indenização. Quando a Câmara dos Lordes se recusou a ouvir o caso, Dave Morris e Helen Steel entraram com uma apelação perante o Tribunal Europeu de Direitos Humanos, contestando não só a validade do veredicto como também a validade das leis de calúnia e difamação vigentes na Grã-Bretanha. No momento em que escrevo isto, o caso “McLibel” está entrando em seu décimo primeiro ano.

Pág. 316

Manfred Voig, o franqueado da McDonald’s em Plauen, é hoje um empresário bem-sucedido que, ao lado da mulher, Brigitte, tira férias na Flórida todos os anos. Numa entrevista ao Wall Street Journal, Manfred Voigt atribuiu seu recente sucesso a forças além de seu controle. “Foi pura sorte”, disse. “Destino.” Ele e a mulher não tinham nenhum dinheiro e nunca conseguiram entender por que a rede os escolhera para serem os donos do primeiro McDonald’s da Alemanha Oriental. Uma das explicações possíveis, jamais explorada pelo Wall Street Journal, pode ser a seguinte: os Voigts eram um dos casais poderosos de Plauen, sob o antigo regime. Eles dirigiam a filial local da Kousum, o monopólio estatal de fornecimento de alimentos. Hoje em dia o casal é um dos mais ricos da cidade; são donos de dois outros McDonald’s em cidades vizinhas. Por todo o antigo bloco oriental, aqueles que faziam parte da elite comunista acabaram se ajustando melhor à filosofia de consumo ocidental. Tinham as conexões certas e muitas das qualificações exigidas. E agora são donos de algumas das franquias mais lucrativas.

Extremistas de direita declararam grandes porções do leste como sendo território “livre de estrangeiros”, zonas onde os imigrantes não são bem-vindos. As estradas que levam a Plauen estão enfeitadas por cartazes de um partido de direita alemão que dizem “Alemanha para os alemães”, “Empregos para os alemães, não para os estrangeiros”.

Quando perguntei a uma funcionária do McDonald’s de Plauen se a lanchonete já fora alvo dos neonazistas, ela riu e disse que nunca houve nenhuma ameaça do tipo. As pessoas de lá não consideravam o McDonald’s “estrangeiro”.

Epílogo: você pode se impor

Pág. 319

A fazenda de Lasater ocupa cerca de 12 mil hectares de pastagens perto da cidade de Matheson, Colorado. É uma fazenda lucrativa que há meio século não usa pesticidas, herbicidas, venenos nem fertilizantes comerciais, que não mata nenhum dos predadores locais, como coiotes, e que não aplica hormônios, esteróides ou antibióticos no gado. Os Lasaters não são em hipótese alguma criadores típicos, mas vêm trabalhando para mudar a forma como a carne americana é produzida. Em questões de pecuária, a filosofia deles baseia-se num princípio simples: “A natureza é esperta feito o diabo”.

Pág. 320

Apesar da indignação e descrença dos vizinhos, recusou-se a matar os predadores ou a permitir a caça em suas terras, deixando os animais que os outros fazendeiros exterminavam – cascavéis, coiotes, texugos, esquilos de vários tipos e cachorros-do-mato – se multiplicarem. Achava que o gado se beneficiaria bem mais com os desafios do ecossistema natural do que com os esforços humanos para controlar o meio ambiente.

Pág. 321

Antes de assumir a fazenda da família, Dale Lasater passou um ano na Argentina, com uma bolsa da Fulbright, administrou uma empresa de engorda de gado em Kansas e algumas fazendas de gado no Texas, na Flórida e no Novo México. Acabou chegando à conclusão de que nosso sistema de produção de carne é insustentável. O preço dos grãos qualquer dia desses vai pegar os pecuaristas de surpresa. Mais importante ainda, Lasater acha que é difícil justificar os milhões de toneladas de grãos que estão sendo dados ao gado americano quando em outras partes do mundo milhões de pessoas passam fome. Ele respeita a decisão daqueles que se tornaram vegetarianos, mas não tolera o ar de superioridade moral que muitas vezes acompanha a opção. Crescer nas pradarias lhe deu uma visão da Mãe Natureza um pouco diferente da versão Disney. O gado que não é comido pelos seres humanos, que simplesmente envelhece e enfraquece no campo, é comido do mesmo jeito – por coiotes e urubus. E não é um espetáculo bonito de se ver.

Págs. 324 e 325

Os reustarantes In-N-Out seguiram seu próprio caminho: há versos da Bíblia no fundo de seus copos de refrigerante. Mais importante ainda, a cadeia paga os salários mais altos da indústria de fast food. O salário inicial de um trabalhador de meio período num In-N-Out é de 8 dólares a hora. Funcionários em tempo integral recebem um pacote de benefícios que inclui seguro médico, dentário e de vida. O salário médio de um gerente de restaurantes da rede é de mais de 80 mil dólares por ano. Os gerentes têm em média mais de treze anos de casa. Os altos salários dos In-N-Outs não levaram a preços mais altos nem à baixa da qualidade da comida. O item mais caro do cardápio custa 2,45 dólares. Não há micoondas, lâmpadas de aquecimento ou freezers nas cozinhas dos restaurantes In-N-Out. A carne moída é fresca, as batatas são descascadas todos os dias para fazer as fritas e os milk shakes são feitos com sorvete, e não com xarope.

Em março de 2000, uma pesquisa anual da Restaurants and Institutions constatou que, entre as redes de fast food que servem hambúrguer, a In-N-Out ocupava o primeiro lugar nos itens qualidade da comida, preço, serviço, atmosfera e limpeza. Na verdade, desde que foram incluídas na pesquisa, as lanchonetes da rede vêm obtendo a primeira colocação em qualidade todo ano. Segundo os consumidores consultados pela Restaurants and Institutions em 2000, entre todas as grandes redes que servem hambúrguer, a comida de pior qualidade foi a do McDonald’s.

Pág. 327

Em 1995, a Academia Americana de Pediatras declarou que a “propaganda dirigida a crianças é por natureza enganosa e explora os menores de 8 anos”.

Pág. 328

Trinta anos atrás, o Congresso proibiu os anúncios de cigarro no rádio e na televisão como medida de saúde pública – e olhe que esses anúncios eram dirigidos aos adultos. O vício de fumar declinou de lá para cá. Proibir a propaganda de comidas nocivas para crianças desencorajaria hábitos alimentares que não só são difíceis de erradicar como também representam um risco em potencial à vida do cidadão.

Pág. 331

Operários da IBP com quem conversei em Lexington, Nebraska, me disseram que os melhores dias eram aqueles em que preparavam carne para exportar para a União Européia, que impõe padrões muito rígidos à carne que compra. Eles me disseram que a IBP reduzia a velocidade da linha para que o trabalho pudesse ser executado com mais cuidado. Os operários da IBP gostavam desses dias porque o ritmo era menos frenético e havia menos acidentes.

Pág. 332

As multas impostas pela OSHA às empresas frigoríficas não mudam muita coisa; atualmente, a multa máxima por morte causada por negligência do empregador é de 70 mil dólares.

Pág. 333

Mais de um século atrás, durante o debate parlamentar sobre a Lei Sherman Antitruste, Henry M. Teller, senador republicano pelo Colorado, descartou o argumento de que preços mais baixos ao consumidor justificariam o exército implacável do poder do monopólio. “Eu não acredito”, argumentou Teller, “que o grande objetivo na vida seja tornar tudo barato.”

Tendo centralizado a agricultura americana, as agroindústrias estão agora tentando, como os velhos comissários soviéticos, abafar todas as críticas a suas políticas. Durante a última década, leis prevendo “calúnias vegetarianas”, apoiadas pelas agroindústrias, foram aprovadas em treze estados. Essas são as leis que declaram ser ilegal criticar um produto agrícola de forma inconsistente com evidências científicas “aceitáveis”.

3 thoughts on “País fast food

  1. Pingback: allanpatrick.net: País fast food

  2. Esse post foi de grande valia para mim. Aliás, deveria ser para todos os consumidores, principalmente, os que se alimentam diariamente em Fast Food. Estou montando um Blog e esta informação, aqui postada, despertou minha atenção para novos horizontes. Obrigado pelo texto.

    • Caro Victor, seja bem-vindo e obrigado pelo comentário! Fica aí sugestão: o livro País Fast Food de Eric Schlosser é uma ótima leitura. Procure também pelo filme Food Inc., pois é baseado nessa obra. Volte sempre!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *