Diários de bicicleta

Diários de bicicleta. Editora Manole, selo Amarilys.

Editora Manole, selo Amarilys, 2010. 1ª edição brasileira. Autor: David Byrne.

1. Cidades dos Estados Unidos.

Pág. 23 e 24.

Na maioria das vezes, o que na verdade acontece é que os carros usam essas rodovias [Nota: vias expressas ou elevadas] não para ter um acesso mais fácil a locais de emprego ou moradia na cidade ali perto, como era a intenção original, mas sim para a contornar a cidade por inteiro. Essas rodovias permitiram que as pessoas fugissem da cidade e se isolassem em cidades dormitório, o que deve ter parecido uma boa escolha para muitos – a chance de ter seu próprio lugar, um jardim para as crianças, escolas seguras, churrascos no quintal e um amplo espaço de estacionamento.

Anos atrás, muitos acreditavam que as nossas cidades não eram adaptadas o bastante aos carros. Aqueles que queriam se locomover rapidamente de carro tinham que enfrentar congestionamentos frustrantes e ruas lotadas. Isso levou os engenheiros a sugerirem que novas vias expressas e artérias de concreto poderiam resolver a questão do trânsito. Mas não resolveram. Elas logo ficaram cheias com mais carros ainda – talvez porque muitas pessoas acharam que agora seria mais rápido ir e vir por essas vias expressas. E então ainda mais rodovias foram construídas.

As ruas menores foram divididas ao meio ou desfiguradas pelas artérias maiores a ponto de inviabilizar a locomoção por ruas comuns, mesmo que se queira. Como ciclista ou pedestre, isso faz com que você se sinta indesejado ali, como um intruso, e você acaba se irritando.

Pág. 50.

Pittsburgh

A cidade ainda está praticamente falida, especialmente após construir dois estádios espetaculares um bem ao lado do outro. Os eleitores foram contra os gastos com os estádios, mas uma proposta reformulada conseguiu ser aceita; agora as contas estão vencendo, e como não houve um aumento de impostos para que elas pudessem ser pagas, as dívidas estão imensas. A bancada republicana vetou qualquer tipo de aumento de impostos, especialmente nos subúrbios mais abastados, então outros serviços tiveram que ser cortados para a construção dos estádios: as piscinas municipais foram fechadas e o efetivo policial foi diminuído. O fardo dos gastos e impostos acabou ficando com aqueles que ainda moram na cidade em si, especialmente os mais pobres.

Pág. 55 e 56.

Por via de regra, as cidades usam menos energia per capita do que as comunidades suburbanas em que as pessoas vivem mais afastadas umas das outras.

Em geral, um bairro com diversos tipos de pessoas e negócios é um bom lugar para se viver. Seria até interessante se houvesse uma lei obrigando os empreiteiros a criarem áreas com diferentes tipos de comércios e de pessoas em seus projetos de revitalização, porque esses são os tipos mais vigorosos e saudáveis de comunidades.

2. Berlim

Págs. 59, 60 e 61.

Pedalo pelas ciclovias aqui em Berlim e tudo me parece muito civilizado, agradável e evoluído. Nenhum carro estaciona ou anda nas ciclovias, e os ciclistas não zanzam pelas ruas e também não sobem nas calçadas. Existem pequenos semáforos só para os ciclistas e as bicicletas têm até sinal de seta! (Em geral, os ciclistas são liberados alguns segundos antes do resto do trânsito para poderem sair do caminho.) E não há necessidade de dizer que a maioria dos ciclistas aqui para nesses semáforos. Os pedestres também não entram nas ciclovias! Fico até um pouco chocado – tudo funciona tão bem. Por que não pode ser assim onde eu moro? [Nota: Nova Iorque/EUA]

Aqui, até as bicicletas são práticas. Elas são, geralmente, pretas, com apenas algumas poucas marchas, para-lamas, e muitas vezes um cesto – coisa que nenhum ciclista esportivo jamais sonharia em acoplar à sua mountain bike nos EUA. Na Holanda, eles vão ainda mais longe e instalam carrinhos especiais para levar os filhos ou compras e até para-brisas (!) para proteger as crianças. Mas claro, pedalar pelas ruas de Nova York com seus constantes buracos, lombadas e recapeamentos mal-feitos, é mesmo algo mais próximo de um esporte radical do que andar de bicicleta por aqui, onde, por algum motivo, a maioria das ruas é lisa como um tapete e não tem obstáculos, apesar dos inveros rigorosos. Hmmm. Os maiores problemas por aqui ficam por conta de algumas ruas de paralelepípedos ou trechos de calçamento. como eles conseguem fazer isso? Ou melhor, como o país mais rico do mundo [Estados Unidos] não consegue fazer isso?

Págs 64 e 65.

A teoria quantitativa da insanidade, de que existe uma porção limitadade de sanidade no mundo? Segundo essa concepção, cada traço psicológico, cada fragmento do nosso caráter e personalidade, representa uma troca feita por alguma outra forma inexprimível de comportamento social. Sob essa ótica, se você é mais feliz do que a média, isso significa que você abriu mão de alguma outra coisa – da sua inteligência, por exemplo.

Nossos cérebros têm mesmo essa estranha limitação? Será que intuímos essa ideia de escambo psicológico? Todos conhecem os casos de pessoas cegas que sofreram alterações em suas ondas cerebrais e começaram a criar novas conexões neurológicas em áreas antes usadas pela visão. Seria essa mesma lógica válida para outros elementos psíquicos dos nossos seres? Será que algum desses clichês mentais/psicológicos têm um fundo de verdade? Grandes gênios criativos estão fadados a ter menos senso comum ou tino para negócios? (…) O aprimoramento de uma determinada área implica necessariamente a atrofia e degradação de outra?

3. Istambul

Pág. 96

Enquanto pedalo pela cidade, percebo que os prédios antigos – casas de madeira, palácios de estilo europeu do século XIX e edifícios do período otomano – estão sumindo. Por toda parte, só vejo tediosos prédios residenciais de concreto sendo erguidos. Fico pensando em como prédios e bairros tão característicos podem ser eliminados com tanta facilidade. O que essas pessoas têm na cabeça? Isso pode até parecer algo que o Príncipe Charles diria, mas não entendo como ninguém consegue enxergar o que está acontecendo.

no mundo todo, aquilo que o Museu de Arte Moderna classifica como “estilo internacional” foi usado como desculpa para a construção de inúmeros prédios que mais parecem casamatas, projetos habitacionais horrorosos, prédio apáticos de escritórios e os inconfundíveis e decadentes projetos habitacionais e comerciais terceiro-mundistas de blocos de concreto. Esse lixo é visto como algo de qualidade porque imita, ainda que porcamente, um estilo prestigioso. Mas por que esse estilo se alastrou tanto assim? Por que as mais lindas cidades no mundo inteiro estão sendo transformadas em um enorme labirinto de tijolos cinzentos verticais com fileiras de janelas idênticas nas fachadas?

Pág. 115

Dado o trânsito local que está entre um dos piores do mundo – a população da cidade explodiu nas últimas décadas – é difícil entender por que o centro de Istambul, com seu agradável clima mediterrâneo, ainda não adotou as bicicletas como um meio de transporte. A não ser pelas colinas, eu só consigo pensar no estigma de status como a única explicação possível. Claro, como em Nova York, as pessoas vão dizer, “Mas não é perigoso? E onde vou estacionar a minha bicicleta?”. Todas essas questões podem ser facilmente respondidas e eliminadas quando se existe vontade política – ou quando a gasolina estiver custando cinco vezes mais do que hoje. Na verdade, esses problemas são apenas desculpas, meras justificativas para não se fazer nada; não questões reais.

4. Buenos Aires

Pág. 117

Acredito que não seja por nenhum desses motivos. Acho que a ideia de se usar uma bicicleta simplesmente não é cogitada por aqui. O meme do ciclismo ainda não foi inserido na cultura ou talvez nunca tenha se firmado. Tendo a concordar com Jared Diamond em seu livro Colapso, em que ele afirma que as pessoas desenvolvem afinidades culturais com certos alimentos, meios de locomoção, roupas e costumes que se tornam tão arraigados a ponto de, segundo ele, fazer com que as pessoas insistam nesses hábitos mesmo que isso signifique a extinção delas mesas ou até de toda uma civilização. Ele mostra diversas evidências históricas, como o caso de uma colônia norueguesa do século XI na Groenlândia, em que os colonos insistiram em criar gado, por mais inviável que isso fosse. Os forasteiros nunca adotaram ou adaptaram a culinária e os hábitos dos inuítes – a dieta e os costumes dos habitantes locais não eram culturalmente aceitáveis -, o que, por fim, resultou na morte de todos os colonos. E isso também não aconteceu do dia para a noite – o processo levou mais de quatrocentos anos, o bastante para que eles se convencessem de que tudo estava indo bem. E, claro, em uma era marcada pela total dependência de combustíveis fósseis e pela ameaça do aquecimento global, as aulas de história de Diamond suscitam repercussões assustadoras. Então, embora todos prefiram pensar que a humanidade não é idiota o bastante a ponto de causar sua própria extinção – com alternativas que poderiam nos salvar bem na nossa frente – é importante saber que isso é possível sim e fatalmente acontecerá.

Não estou dizendo que andar de bicicleta seja uma questão de sobrevivência – embora isso seja parte de nossa solução para o futuro – mas aqui em Buenos Aires esse seria um meio de transporte tão coerente que essa suposta aversão cultural é o único motivo que me vem à cabeça para justificar a falta de ciclistas pelas ruas. Esse meu hábito era visto como algo tão inusitado que meus passeios de bicicleta por várias regiões até viraram notícia – gerando matérias nos jornais locais.

Pág. 149

A ampla maioria dos restaurantes por aqui fica aberta até pelo menos quatro da manhã – muito mais do que em Nova York – e as ruas ficam lotadas até as três e meia! Os cinemas têm sessões regulares que começam à uma e meia da manhã, e não com filmes como The rocky horror picture show ou outras produções comuns nesse tipo de horário – até El rey león (O rei leão) estava passando às três da manhã! E depois dos filmes, o público inevitavelmente sai para comer ou tomar alguma coisa. Famílias inteiras saem para passear no meio da madrugada!

5. Manila

Pág. 161

Por que é que todos os mercados do terceiro mundo são estruturalmente quase os mesmos? Lembro-me de lugares parecidos em Kuala Lumpur, Cartagena, Marrakesh, Salvador e Oaxaca. É quase como se esses mercados tivessem sido todos desenhados pela mesma pessoa no mundo inteiro, já que eles têm formas muito parecidas em todo lugar. A escala humana e o caos agradável devem ser parte de um plano inconsciente, embora completamente evoluído, assim como os cheiros e as pilhas de dejetos aqui e ali. Um dono de banquinha varre a água da chuva e a lama da rua com uma vassoura. Isto é evidência para mim de um layout em branco, uma forma subconsciente, e um mapa invisível, que se estende até a um sistema não escrito de automanutenção. Suponho que este padrã e estrutura recorrentes emerjam porque a escala humana automaticamente autorregula a maneira com que bens parecidos vendem melhor, como e onde eles são expostos de maneira mais eficiente. É como se existisse em nós alguma propensão a determinada arquitetura genética, a fim de nos guiar sutil e invisivelmente a como organizar primeiro um quiosque, depois uma banca, e daí acrescentar incrementos como nossos instintos inatos nos orientam, até que logo exista todo um mercado e uma vizinhança. Alguma parte minúscula de nosso DNA nos diz como construir e manter lugares como estes, do mesmo jeito que códigos genéticos dizem ao corpo como fazer um olho ou um fígado.

Nota: devemos levar em consideração que o regramento urbanístico (ou sua ausência), a falta de uma vigilância sanitária e a miséria é que levam a esse comportamento emergente “padronizado”. É resultado evidente de um estado raquítico, que não regula nem tem atuação social. Esse sim é um fato que se repete globalmente, em todos os países citados pelo autor.

6. Sydney

Pág. 190

Santo hooley dooley (N. do T.: expressão australiana de surpresa, espanto).

Pág. 192

Como lugar para ciclismo urbano, as cidades australianas são melhores que a maioria das outras no mundo. Sydney é um pouco difícil – a geografia e as artérias movimentadas que ligam os vários bairros não são muito hospitaleiras – mas descobri que Melbourne, Perth e Adelaide são mais amigáveis. O clima é praticamente perfeito, mediterrâneo, e estas cidades, embora sejam um pouco espalhadas, não se comparam em tamanho às dos EUA, portando pode-se ir de um extremo ao outro da cidade em razoavelmente pouco tempo. Há ciclovias ao longo dos rios que cortam muitas das cidades australianas – vias que acabam levando ao mar, e a cada ano surgem mais delas.

O planejador urbano Jan Gehl foi trazido da Dinamarca há alguns anos e estudou Adelaide, Melbourne e, mais recentemente, Sydney. Os relatórios e recomendações de Gehl para Melbourne, em 1993 e 2005 foram implementados, e como resultado, o centro da cidade todo se tornou um lugar mais habitável. Houve um aumento de 83% no número de residentes nesta região. Isto significa que muitas pessoas agora vivem perto de onde trabalham ou estudam e, portanto, conseguem facilmente resolver a maior parte de suas necessidades de transporte com a bicicleta ou a pé. Parques foram criados, arcadas e becos foram revitalizados e brotaram cafés com espaço ao ar livre – aproximadamente 300 deles. Desnecessário dizer que mais ciclovias foram criadas em toda a cidade. (Falarei sobre a filosofia de Gehl depois).

Pág. 194

Em uma cidade grande como Sydney, pensa-se estar seguro. Sydney, no entanto, é o lar de uma das criaturas mais perigosas de todas – a aranha-de-teia-de-funil. Lidar com o burburinho urbano não perturbou nem um pouco esta aranha mortal. Ela adora lugares levemente úmidos, e uma toalha caída ao lado da piscina ou no banheiro lhe serve muito bem. Nas palavras do escritor e climatologista Tim Flannery, uma vítima mordida é “imediatamente mergulhada em dor excruciante e logo começa a convulsionar em uma espuma de suor e saliva”. humanos adultos conseguem suportar por volta de trinta horas disto antes de morrer, mas crianças aguentam apenas uma hora. Para completar o aspecto traiçoeiro da natureza aqui, a peçonha da aranha-de-teia-de-funil é mais ou menos inofensiva para muitos animais, como cães e gatos, mar mortal para humanos.

7. Londres

Pág. 219/220/221

Segundo o jornal The Independent, depois da 2ª Guerra Mundial, uma série de estudos e relatos de oficiais militares estima que apenas um entre cada quatro soldados realmente chegou a atirar contra o inimigo. Os outros não estavam psicologicamente preparados para matar e simplesmente não atiravam. Isso irritava muito os comandantes. A imagem cristalizada que temos dos soldados correndo para a abatalha e tiros voando para todos os lados simplesmente nunca aconteceu. (…) As técnicas de condicionamento psicológico de [Dave] Grossman foram aprimoradas ao longo dos anos com a chegada de simuladores – aparelhos muito semelhantes aos atuais jogos de tiro em primeira pessoa (o que até nos faz pensar se os militares não merecem um pouco do crédito pela criação de softwares que acabaram se tornando jogos de videogame). O desempenho dos soldados treinados usando essas simulações quadruplicou e assim foi comprovada a extrema eficácia dessa técnica.

Com base nessas evidências, Grossman escreveu um livro chamado On killing e desde então se tornou um crítico do impacto gerado pelos videogames, afirmando que eles na verdade estão transformando os jogadores adolescentes em máquinas de matar. (…)

(…)

Da mesma forma, o recém-falecido professor de comunicação George Gerbner afirmava que, se consumida em quantidade suficiente, a mídia moderna, como a tevê, pode substituir a realidade das ruas pela sua própria realidade “in loco“. Segundo ele, pessoas que assistem tevê demais começam a viver suas vidas como se a realidade da tevê fosse um reflexo fidedigno do mundo lá fora. Depois de um tempo, a realidade da tevê acaba subjugando o mundo “real”. E levando-se em conta o que acontece na tevê, essa versão televisiva da verdade pinta o mundo como um lugar perigoso e infestado de criminosos, personagens suspeitos e trapaceiros – e com uma porcentagem bastante hiperbólica da população dedicada à manutenção da lei. As cidades retratadas na tevê estão repletas de homens e mulheres descaradamente sensuais, estereótipos de pessoas bizarras e agentes corruptos, além dos policiais que estão lá para enfrentar todos eles. É um mundo que parece se dividir entre jovens bonitos e baladeiros, criminosos e oficiais da lei. Segundo Gerbner, essa visão distorcida do mundo tende a se transformar em uma profecia autorrealizável até certo ponto. Quando uma população saturada pelas imagens da tevê começa a agir como se a realidade televisiva fosse real, e passa a se comportar dessa forma – reagindo, segundo a hipótese de Gerbner, com medo e suspeita a um mundo visto como um lugar povoado em maior parte por traficantes e golpistas – o mundo real acaba se ajustando para se enquadrar nessa ficção. A verdade é que existem sim elementos como policiais, traficantes, prostitutas baratas e pessoas bonitas com comentários sagazes e espirituosos na ponta da língua. Esses estereótipos não são totalmente inventados. A existência de todos eles pode ser confirmada. Apenas não nas mesmas proporções vistas no mundo da tevê. Mas é como dizem os profissionais de marketing e publicidade: imagem é tudo.

8. São Francisco

Pág. 245.

Paradoxalmente, enquanto se torna cada vez mais fácil organizar todo tipo de serviço por nossos telefones ou laptops e acessar informações sem limite, o interesse a procura por coisas que não podem ser digitalizadas aumenta: performances ao vivo, encontros cara a cara, interações, experiências, gostos, tranquilidade. Aqueles que frequentam redes de relacionamento social passam a valorizar a autenticidade como um tipo de compensação, já que essas qualidades podem ser falsificadas com muita facilidade no mundo on-line.

9. Nova York

Pág. 270.

Entre 2007 e 2008 o tráfego de bicicletas em Nova York cresceu 35%. Difícil dizer quem causa o que aqui – se ter mais ciclovias inspirou um maior uso de bicicletas ou se foi o contrário. Fico feliz em suspeitar que, pelo menos até o momento, tanto o Departamento de Transportes como os ciclistas de Nova York estejam na mesma sintonia. Quanto mais jovens criativos passam a residir no Brooklyn, mais aumenta o número de suas bicicletas cruzando as pontes. O tráfego de bicicletas na Ponte de Manhattan quase quadruplicou ano passado (2008) e o da Ponte de Williamsburg triplicou. E esses números vão continuar a crescer, já que a cidade continua a fazer melhorias em suas ciclovias e a criar bicicletários e outras facilidades. Nesse sentido a cidade está, de certo modo, se adiantando em relação a algo que vai acontecer em um futuro próximo – muito mais pessoas vão usar bicicletas para ir ao trabalho ou para se divertir.

Pág. 272.

Eu estive recentemente em Hong Kong, e um amigo de lá comentou que a China não tem um histórico de engajamento civil. Tradicionalmente, na China, uma pessoa tem que se adequar a dois aspectos da humanidade – o imperador e sua burocracia, e sua própria família. E, mesmo que essa família seja bem grande, ela não inclui vizinhos ou colegas de trabalho, então grande parte do mundo é deixada de fora. Pro inferno com eles. Desde que o imperador ou seus ministros não estejam atrás de mim e minha família esteja bem, então está tudo certo com o mundo. Eu fiquei muito chocado com o nível de destruição de qualquer coisa que se relacione a lazer social e interação social em Hong Kong – mercados de rua, parques, marinas, ciclovias (claro) – fiquei impressionado com o fato de que tudo o que foi projetado para o bem comum rapidamente é demolido, privatizado ou substituído por um condomínio ou uma torre de escritórios. De acordo com meu amigo, a vida cívica simplesmente não faz parte da cultura deles. Então, pelo menos neste caso, a cidade é um reflexo físico e exato de como a cultura se enxerga. A cidade é uma manifestação 3-D do social e do pessoal – e eu estou sugerindo que, por sua vez, a cidade, fisicamente falando, reforça esses valores e os recria em sucessivas gerações de moradores locais e naqueles que emigraram para lá. As cidades autoperpetuam as mentalidades que as criaram.

Pág. 290.

Associado a esse fórum [Nota: sobre o uso de bicicletas para transporte nas cidades] haveria entretenimento relacionado ao ciclismo – música, coisas divertidas e palestras com apresentação de slides irônicos. Parte da minha motivação pessoal para tentar fazer esse evento é questionar se o engajamento civil, propostas de melhorias, discussões e ações podem ser combinados com sucesso à arte e ao entretenimento – se cultura, humor e política podem misturar-se e se tentar fazer da nossa cidade um lugarmelhor para viver pode ser divertido. Essa ideia é, para mim, quase tão importante quanto toda essa luta em defesa do ciclismo. Se a luta for chata, então esqueça.

Pág. 292.

Pelo menos um terço de todos os trabalhadores de Copenhague vai para o trabalho de bicicleta agora! Ele diz que metade deles irá aderir em breve. E ele não está sonhando. Nós aqui em Nova York podemos achar que isso é bom e natural para os dinamarqueses, mas que nova iorquinos são enfezados e têm uma mentalidade mais independente, então isso não pode acontecer aqui (a razão pela qual as pessoas sentem que dirigir um carro deixa alguém com uma mentalidade mais independente é um mistério para mim). Mas Gehl revela que de início suas propostas foram recebidas lá exatamente com o mesmo tipo de oposição: os moradores disseram, “Nós dinamarqueses nunca vamos concordar com isso – dinamarqueses nunca vão usar bicicletas“. [Nota: grifo nosso]

Pág. 294

[Nota: sobre a mudança de uma rua comercial, transformada numa rua para pedestres] Os usuários e comerciantes locais fizeram as melhorias – colocando cadeiras do lado de fora e instalando toldos – embora no início muitos deles tenham reclamado que se as pessoas não pudessem parar em frente aos seus estabelecimentos seus negócios iriam sofrer. Essa parece ser a maneira como Gehl trabalha, fazendo, aqui e ali, mudanças relativamente pequenas ao longo dos anos que acabam por transformar a cidade inteira, tornando-a um lugar melhor para viver.

Epílogo: o futuro da locomoção

Pág. 305.

Nova York [Nota: por sua densidade] é na verdade mais verde que várias cidades que, ao menos aparentemente, com suas inúmeras árvores e quintais, parecem ser mais bucólicas e supostamente mais ecológicas. Mas um campo de golfe não é ecológico.

Pág. 312.

[Nota: citação de Enrique Peñalosa, ex-prefeito de Bogotá]

Uma medida comum de quão limpo é um córrego na montanha é procurar por trutas. Se você as encontrar, o habitat é sadio. O mesmo é válido para a presença de crianças numa cidade. Crianças são uma espécie de indicador. Se conseguirmos construir uma cidade boa para crianças, teremos uma cidade boa para todos…

Pág. 313.

[Nota: citação de Enrique Peñalosa, ex-prefeito de Bogotá]

Em cidades de países em desenvolvimento, a maioria do povo não possui carros, por isso digo, quando você constrói uma boa calçada, você está construindo democracia. Uma calçada é um símbolo de igualdade… Se a democracia deve prevalecer, o bem público deve prevalecer sobre interesses privados.

Pág. 318.

[Nota: escrevendo a respeito de “Morte e vida de grandes cidades”, de Jane Jacobs] Ela percebeu que o uso misto era a chave. Que quando uma rua ou parque são usados por diferentes tipos de pessoas, em horas diferentes do dia, ela se mantém social e economicamente saudável, e mais segura. Você não precisa de mais policiamento e leis severas para tornar uma vizinhança segura. Você precisa evitar sugar a vida dela. Jacobs viu que o que alimenta um parque ou rua afeta a saúde daquela rua tanto quanto o que de fato está nela.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *