Cercas e janelas

Cercas e Janelas. Editora Record.

Cercas e Janelas. Editora Record.

Editora Record, 2003. Autora: Naomi Klein.

Prefácio

  • “Quando as escolas estavam sem dinheiro ou a água era contaminada, colocávamos a culpa na inépcia da gestão ou na cabal corrupção de governos nacionais. Agora, graças a maior troca de informações interfronteiras, reconhece-se que tais problemas são os efeitos locais de uma ideologia global específica, imposta por políticos nacionais mas concebida centralmente por alguns interesses corporativos e instituições internacionais, incluindo a Organização Mundial do Comércio, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial.” Pág. 11
  • “Na verdade, muito poucas pessoas excluídas pelas cercas da globalização voltam-se para a violência. A grande maioria simplesmente se muda: do campo para a cidade, de um país para outro.” Pág. 19
  • “Os brasileiros, por exemplo, gastam 4,5 bilhões de dólares por ano em segurança particular, e os quatrocentos mil seguranças particulares armados superam em número os policiais em uma proporção de 4 para 1.” Pág. 20-21

I – Janelas de discordância

Seattle – O começo de um movimento.

  • “Quando os manifestantes gritam sobre os males da globalização, a maioria não está pedindo a volta a um nacionalismo estreito, mas sim que as fronteiras da globalização sejam expandidas, que o comércio seja ligado aos direitos trabalhistas, à proteção ambiental e à democracia.”
  • “É isso que diferencia os jovens manifestantes de Seattle de seus predecessores dos anos 1960. Na era Woodstock, recusar-se a cumprir as regras do Estado e da escola era considerado um ato político por si mesmo. Agora os oponentes da OMC – e muitos que chamam a si mesmos de anarquistas – enfurecem-se com a falta de regras aplicadas a corporações, bem como com a flagrante tendenciosidade na aplicação de regras existentes em países ricos e pobres.” Pág. 31
  • “Não está havendo uma luta entre globalizadores e protecionistas, mas entre visões radicalmente diferentes da globalização. Uma vem mantendo o monopólio nos últimos dez anos. A outra está apenas fazendo sua estréia.” Pág. 32

Washington, D.C. – O capitalismo sai do armário

  • “O Banco Mundial tem emprestado dinheiro às nações mais pobres e desesperadas para que construam economias baseadas em megaprojetos de propriedade de estrangeiros, agricultura industrial, fabricação voltada para a exportação com baixos salários e finanças especulativas. Tais projetos são vantajosos para as empresas multinacionais de mineração, têxteis e de agronegócios em todo o mundo, mas em muitos países levam também à destruição ambiental, à migração em massa para centros urbanos, desvalorizações monetárias e empregos mortais em sweatshops.[Nota de Patrick: sweatshops são instalações fabris onde as condições de trabalho se assemelham àquelas do período inicial da Revolução Industrial (1830 – 1850), com jornadas de trabalho próximas das 16 horas diárias].
  • “E é aí que o Banco Mundial e o FMI entram com suas perversas ajudas financeiras, sempre sob certas condições. No Haiti, essas condições foram um salário mínimo congelado; na Tailândia, a eliminação de restrições à propriedade estrangeira; no México, um aumento nas taxas de educação universitária.” Pág. 35

Praga – A alternativa ao capitalismo não é o comunismo, é o poder descentralizado

  • “Muitos dos jovens tchecos que conheci esta semana dizem que sua experiência direta com o comunismo e o capitalismo ensinou-lhes que os dois sistemas têm uma coisa em comum: ambos centralizam o poder nas mãos de poucos, e ambos tratam as pessoas como seres inferiores.” Pág. 66
  • “Na conferência sobre globalização que antecedeu a reunião de Praga, a física indiana Vandana Shiva explicou a rejeição em massa aos projetos do Banco Mundial menos como uma controvérsia sobre uma determinada empresa ou programa social e mais como uma luta por democracia local e autogoverno. ‘A história do Banco Mundial’, disse ela, foi a de ‘retirar o poder das comunidades, dá-lo a um governo central e depois cedê-lo às corporações através da privatização’.” Pág. 67

Toronto – Militância antipobreza e discussão da violência.

  • “É por isso que tantas pessoas se irritam com John Clarke [Nota de Patrick: diretor de uma ONG – OCAP – de sem-teto em Ontário, Canadá]. Seu crime não é o de organizar um tumulto. É se recusar a higienizar a pobreza para o benefício de câmeras e políticos. A OCAP não pede a seus membros que se submetam ao protocolo elegante do protesto educado. E não diz às pessoas furiosas que elas não devem ter raiva, especialmente quando enfrentam alguns dos mesmos policiais que batem nelas nos becos ou os políticos que promulgam leis que custam suas casa.” Pág. 72

II – Cercas na democracia

A democracia algemada – Quem se beneficia do livre comércio?

  • “E às vezes a interferência é uma queixa à Organização Mundial do Comércio de que a propriedade pública de um serviço de correios ‘discrimina’ uma empresa de serviço postal estrangeira. É uma guerra comercial travada contra países que decidem, democraticamente, proibir a carne tratada com hormônios ou fornecer medicamentos gratuitos contra a Aids a seus cidadãos. É o incessante clamor por cortes nos impostos de lobistas empresariais em cada país, baseado na ameaça sempre presente de que o capital fará suas malas se não atendermos aos desejos imediatistas das corporações.” Pág. 79 e 80

FMI, vá para o inferno

O povo da argentina tentou a abordagem do FMI; agora quer a oportunidade de governar o país

  • “É a receita de sempre, só que desta vez há um problema: a Argentina já fez tudo isso. Como aluno modelo do FMI nos anos 1990, o país escancarou sua economia (e é por isso que a fuga de capital tem sido tão fácil desde que a crise começou). Quanto aos supostamente desenfreados gastos públicos da Argentina, um terço vai diretamente para o serviço da dívida externa. Outro terço vai para os fundos de pensão, que já haviam sido privatizados. O terço restante – que na verdade corresponde à saúde, educação e assistência social – ficou muito aquém do crescimento populacional, e é por isso que as partidas de alimentos e remédios doados estão chegando por mar da Espanha”. Pág. 89 e 90

Não há lugar para a democracia local

  • “Em 1991, a Metalclad, uma empresa americana de gerenciamento de lixo, comprou uma fábrica fechada de tratamento de lixo tóxico em Guadalcanal, no México. A empresa queria construir um imenso depósito de lixo perigoso e prometeu limpar a sujeira que fora deixada pelos antigos proprietários. Mas nos anos que se seguiram eles expandiram as operações sem a aprovação local, conquistando pouca benevolência em Guadalcanal. (…) a cidade negou permissão à Metalclad para construir, e o Estado declarou que a área em torno do local era parte de uma reserva ecológica. (…) A essa altura, o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) estava em pleno vigor. Assim, a Metalclad lançou mão do Capítulo 11, argumentando que o México estava ‘expropriando’ seu investimento. A queixa foi ouvida em agosto de 2001 em Washington por uma mesa de três juízes. A Metalclad pediu noventa milhões de dólares e foi recompensada com 16,7 milhões.” Pág. 94

O histórico do Nafta

  • “Sempre existe uma desculpa pronta para o fato de que a riqueza gerada pelo livre comércio está presa no topo: uma recessão, o déficit, a crise do peso, a corrupção política e agora outra recessão que se agiganta. Sempre há um motivo para o fato de que se deve gastar em outros cortes de impostos em vez de em programas ambientais. O que Mulroney [Nota de Patrick: político canadense] não compreende é que só os economistas veneram a criação de riqueza como uma abstração, só os muito ricos a fetichizam como um fim em si mesma. O restante de nós está interessado naqueles números crescentes no livro-caixa relacionado com o que eles podem comprar: será que, com o comércio e o investimento aumentados, poderemos arcar com a recuperação de nosso sistema de saúde? Poderemos manter nossas promessas de dar um fim à pobreza infantil? Financiar melhor a educação? Construir habitações baratas? Arcar com o investimento em fontes de energia mais limpas? Trabalhar menos, ter mais tempo de lazer? Em resumo, poderemos ter uma sociedade sustentável mais justa e melhor?” Pág. 107
  • “Como Mulroney foi generoso o bastante para admitir, ‘o livre comércio é parte de um todo que inclui o GST [Nota de Patrick: Receita Federal do Canadá], a desregulamentação, a privatização e um esforço concentrado para reduzir os déficits, a inflação e as taxas de juros.'” Pág. 108

Cercas mais altas na fronteira

  • “Mas os trabalhadores migrantes, que agora somam de 70 a 85 milhões em todo o mundo, são mais do que o efeito colateral não visto do ‘livre comércio’. Uma vez expulsos, voltam a entrar no livre mercado não mais como clientes, mas como mercadorias, vendendo a única coisa que lhes restou: seu trabalho.” Pág. 117

Fazendo, e quebrando, as regras

Sr. Primeiro-ministro, não somos antiglobalização, somos os verdadeiros internacionalistas

  • “Há também muito debate sobre os propósitos deste movimento. Por exemplo, faço uma forte objeção a sua expressão ‘antiglobalização’. A meu ver, faço parte de uma rede de movimentos que está lutando não contra a globalização, mas por democracias mais profundas e mais sensíveis, local, nacional e internacionalmente. Esta rede é tão global quanto o capitalismo. E não, não é um ‘paradoxo’, como o senhor afirmou. É hora de parar de combinar princípios básicos de internacionalismo e inter-relação – princípios a que só se opõem os luditas e os nacionalistas estritos – com um modelo econômico específico que é altamente contestável. Não é o mérito do internacionalismo que está em questão. Todos os militantes que conheço são internacionalistas ferrenhos. Em vez disso, questionamos a internacionalização de um único modelo econômico: o neoliberalismo.” Pág. 122 e 123
  • “As políticas protecionistas que estimularam a Revolução Industrial britânica eram tão extremas, que era ilegal sepultar um corpo sem primeiro provar que a mortalha funerária havia sido tecida em um moinho britânico.” Pág. 129

II – O mercado engole o bem comum

Arroz geneticamente modificado

  • “Durante a chamada Revolução Verde, pequenos agricultores, desenvolvendo uma grande variedade de safras para alimentar suas famílias e comunidades locais, foram estimulados a mudar para a agricultura industrial orientada para a exportação. Isso significou safras únicas e de alta produtividade, produzidas em larga escala. Muitos camponeses, agora à mercê de preços voláteis de mercadorias e afundados em dívidas para com as empresas de sementes, perderam suas terras e mudaram-se para as cidades. No campo, enquanto isso, a desnutrição grave existe junto com ‘safras industriais’ florescentes como de banana, café e arroz. Por quê? Porque na dieta das crianças, como nos campos, diversos alimentos foram substituídos pela monotonia. Uma tigela de arroz branco é almoço e jantar. Que solução as gigantes do agronegócio estão propondo? Não é repensar a agricultura de monocultura e encher a tigela com proteínas e vitaminas. Elas querem agitar outra varinha mágica e pintar a tigela branca de dourado.” Pág. 136 e 137

Poluição genética

  • “Algumas empresas de alimentos orgânicos estão considerando processar o setor de biotecnologia pela contaminação, mas a lei segue no sentido contrário. O agricultor Percy Schmeiser, da província canadense de Saskatchewan, foi processado pela Monsanto depois que suas sementes de canola geneticamente patenteadas foram transportadas para a fazenda do agricultor graças à passagem de caminhões e campos vizinhos. A Monsanto diz que quando as sementes transportadas pelo ar criaram raiz, Schmeiser estava roubando sua propriedade. O tribunal concordou e, dois meses atrás, decidiu que o agricultor deveria pagar vinte mil dólares à empresa, mais custas judiciais. O caso de contaminação mais conhecido é o do milho StarLink. Depois que a safra geneticamente alterada (destinada a animais e terrivelmente imprópria para consumo humano) ganhou acesso ao fornecimento de alimentos, a Aventis, que possui a patente, propôs a solução: em vez de refazer o milho, por que não aprovar seu consumo para seres humanos? Em outras palavras, mude a lei para que a contaminação seja adequada.” Pág. 142

Cordeiros sacrificiais com febre aftosa

  • “Quando ouvi falar pela primeira vez dos animais como cordeiros sacrificiais do capital (foi o ambientalista alemão Mathias Greffrath que me disse isso), pensei que era uma hipérbole. Certamente, aquelas encostas estavam ardendo para proteger a saúde pública, e não o valor de mercado da carne ou o futuro acesso ao mercado externo.” Pág. 143

Cooptando a dissidência

  • “Nada mudará até que as corporações percebam que elas não têm um problema de comunicação. Elas têm um problema com a realidade.” Pág. 154

Apartheid econômico na África do Sul

  • “Thabo Mbeki adotou o programa de livre comércio de sempre: tentar fazer a economia ‘crescer’ agradando aos investidores estrangeiros com privatizações em massa, demissões e cortes salariais no setor público, corte de impostos corporativos e coisas semelhantes. Os resultados foram arrasadores. Meio milhão de empregos foi perdido desde 1993. Os salários dos 40% mais pobres caíram em 21%. Áreas pobres viram seus custos com abastecimento de água aumentar 55%, a eletricidade em mais de 400%. Muitos passaram a beber água contaminada, levando a uma epidemia de cólera que infectou cem mil pessoas. Em Soweto, vinte mil casas tiveram sua eletricidade cortada a cada mês. E o investimento? Eles ainda estão esperando. Esse é o tipo de histórico que tem feito do Banco Mundial e do FMI os párias internacionais, arrastando milhares de pessoas às ruas de Ottawa no fim de semana passado, com um ‘protesto solidário’ em Johannesburgo. The Washington Post recentemente contou a história pungente de uma moradora de Soweto, Agnes Mohapi. O repórter observou: ‘Apesar de toda essa infelicidade, o apartheid nunca fez isso: não a retirou de seu emprego, não aumentou as tarifas de serviço público e depois interrompeu o fornecimento do serviço quando ela inevitavelmente não pode pagar. A privatização fez isso, disse ela.” Pág. 157 e 158

Uma política destrutiva em Ontário

  • “Antes de os tóris serem eleitos, alguns invernos foram passados sem absolutamente nenhuma morte de sem-teto nas ruas de Toronto. O tributo da morte começou a ser cobrado em 1995, no mesmo ano em que os tóris cortaram o bem-estar social em 21,6% e no mesmo ano em que eles abandonaram os planos para novas habitações populares. Logo depois disso, a recuperação econômica que os tóris adoram alardear começou a levar os aluguéis às alturas, enquanto a Lei de Proteção ao Proprietário dos tóris tornou muito mais fácil aos proprietários de imóveis expulsar seus locatários. Aproximadamente 1.600 inquilinos agora enfrentam ordens de despejo a cada mês em Toronto. O resultado é um número assustador de pessoas nas ruas e não há leitos suficientes para elas nos abrigos. No ano passado, havia cinco mil leitos disponíveis em albergues de emergência na cidade, mas muitos assistentes sociais dizem que há demanda para o dobro desse número. À medida que os albergues e ruas tornam-se mais apinhados, a cultura da rua torna-se mais degradada e violenta. E é aqui que os tóris entram, com sua Lei de Segurança nas Ruas, uma nova medida que permite à polícia tratar os sem-teto como criminosos, preparando os habitantes para o superpresídio particular que em breve surgirá em Ontário.” Pág. 160 e 161

III – Cercas no movimento: criminalizando a dissidência

Policiamento interfronteiras

  • “A ironia real nos ataques da polícia aos que militam contra o livre comércio é que isso acontece em meio a meses de pregração sobre como o maior comércio com a China deu aos cidadãos daquele país uma sede irreprimível de democracia e liberdade de expressão.” Pág. 174

Tráfico do medo

  • “Expressar discordância, em vez de ser um saudável exercício de democracia, está se tornando um esporte radical e perigoso, adequado somente a militantes corajosos, com acessórios bizarros e diplomas de doutorado em alpinismo em prédios. Mais repressão à discordância acontece quando aceitamos as histórias dos jornais, cheios de fontes anônimas e declarações não assinadas, sobre como alguns desses militantes são na verdade ‘agitadores’ que estão ‘planejando usar de violência’, empacotando tijolos e explosivos. A única prova fornecida por tais afirmações inflamatórias é a de que os ‘anarquistas’ estão se organizando em ‘pequenos grupos’ e que esses grupos são ‘autônomos’, o que significa que eles não contam aos outros o que vão fazer”. Pág. 186 e 187

Aderindo ao espetáculo – Será o início de um McMovimento?

  • “… tentaram espalhar idéias intencionalmente deturpadas sobre os manifestantes – por exemplo, que eles são ‘anticomércio’ ou que anseiam por uma utopia pré-agrária.” Pág. 212

IV – Tirando proveito do terror

O cálculo brutal do sofrimento – Quando algumas vidas parecem importar mais que outras

  • “Na primeira noite em que era minha vez de ficar até tarde, um tornado em um estado do Sul dos EUA matou três pessoas, e o editor sênior decidiu refazer a primeira página. Em minha segunda noite, li no telégrafo que 114 pessoas haviam sido mortas no Afeganistão, e assim eu zelosamente fiz sinal ao editor sênior. Lembrem-se de que eu era jovem, e parecia para mim que se três pessoas garantiam a reelaboração da primeira página, então 114 pessoas certamente seriam classificadas como um importante evento a ser noticiado. Jamais me esqueci do que o editor me disse. ‘Não se preocupe’, disse ele, ‘essa gente se mata o tempo todo’.” Pág. 218

V – Janelas para a a democracia

Rebelião em Chiapas

  • “… Marcos disse àqueles que o procuravam que ele não era um líder, e que sua máscara preta era um espelho, refletindo cada uma de suas lutas; que um zapatista é qualquer pessoa, em qualquer lugar que lute contra a injustiça: ‘Nós somos você.’ A frase mais famosa foi dita a um repórter: ‘Marcos é gay em San Francisco, negro na África do Sul, asiático na Europa, um chicano em San Ysidro, um anarquista na Espanha, um palestino em Israel, um maia nas ruas de San Cristobal, um judeu na Alemanha, um cigano na Polônia, um mohawk em Quebec, um pacifista na Bósnia, uma mulher solteira no metrô às dez da noite, um camponês sem terra, um membro de gangue nas favelas, um trabalhador desempregado, um estudante infeliz e, é claro, um zapatista nas montanhas.’ (…) ‘Abaixo das cidades’, declarou o comando do EZLN, ‘nós não existimos. Nossa vida vale menos que a de máquinas ou animais. Somos como as pedras, como ervas daninhas na estrada. Somos silenciados. Não temos rosto.’ ” Pág. 274 e 275
  • “Em dezembro de 1997, aconteceu o brutal massacre em Acteal, em que 45 adeptos dos zapatistas que estavam rezando em uma igreja foram mortos, a maioria deles mulheres e crianças.” Pág. 283

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *