A pior coisa sobre o Brasil

Por Vincent Bevins

Correspondente no Brasil do Los Angeles Times.

Traduzido por Allan Patrick de The worst thing about Brazil – Revisão: aiaiai63. Links acrescentados na tradução.

A desigualdade no Brasil é tão onipresente que as pessoas aqui simplesmente não mais a percebem. Uma inesperada mensagem recebida do exterior me serve como lembrete deste tópico que é tão pouco debatido na sociedade brasileira, na mídia ou mesmo nas eleições. Foto: Tuca Vieira/Folha Imagem.

A desigualdade no Brasil é tão onipresente que as pessoas aqui simplesmente não a percebem mais. Uma inesperada mensagem recebida do exterior me serve como lembrete deste tópico que é tão pouco debatido na sociedade brasileira, na mídia ou mesmo no processo eleitoral. Foto: Tuca Vieira/Folha Imagem.

Eu vivo no Brasil há quatro anos, algo incrível em todos os sentidos, inclusive no fato de que eu já me adaptei à cultura local. Mas há aspectos que me pertubam, também. Mais do que qualquer outra coisa, eu detesto o fato de que me tornei insensível aos chocantes e brutais níveis de desigualdade que se encontram por aqui. Eu me acostumei, como se isso pudesse ser considerado normal.

Aliás, como a maioria dos estrangeiros no Brasil aprende rapidinho, esse é um dos pré-requisitos para se considerar um autêntico brasileiro. O verdadeiro nativo entende que essa desigualdade extrema é um fato da vida e tocar nesse assunto ou cruzar as fronteiras de classe é sinal de mau gosto. A tal ponto que demonstrar muita preocupação por esse assunto – ou desejar conhecer o Brasil mais além das rodinhas de elite – pode ser frequentemente considerado como “coisa de gringo”. Mas, quanto mais eu me vejo como “nativo” no que diz respeito a esse tema, mais desconfortável eu me sinto.

Recentemente, esse assunto voltou a me atingir como um raio quando eu recebi uma mensagem pelo WhatsApp, enviada por um amigo brasileiro visitando o meu país pela primeira vez. Ele escreveu de Nova Iorque:

“Uau, estou realmente impressionado com a igualdade social por aqui. Meus parabéns!”

E prosseguiu: “Os negros são parte da sociedade. Eles não estão excluídos como no Brasil.”

Pra todos os fins, metaforicamente, essas duas mensagens fizeram minha cabeça explodir. Eu nasci e me criei nos Estados Unidos, um país com muitos – muitos e bastante óbvios – problemas, provavelmente até mais que o Brasil, praticamente irrelevantes por aqui. Fora a nossa famosa propensão a bombardear países e matar centenas de milhares de pessoas sem enxergar muito bem qualquer efeito positivo nisso, a injustiça social sempre foi um dos nossos maiores problemas. Temos um dos piores níveis de desigualdade entre as nações mais desenvolvidas do mundo e pra mim é bem claro que enfrentamos um grave problema racial, especialmente no que diz respeito aos nossos concidadãos negros. E ainda por cima, nessa questão da desigualdade, o problema só está piorando, tanto assim que Obama chegou ao ponto de discursar recentemente sobre a necessidade de combater “a perigosa e crescente desigualdade”.

Talvez não sejam todos os brasileiros que enxerguem as coisas tão claras como o meu amigo fez quando foi aos Estados Unidos e à Europa. Mas o fato de que brasileiros tenham a sensação que, entre tantos lugares, logo Nova Iorque seja um paradigma de harmonia social é um lembrete chocante de quão profunda e problemática é a desigualdade no Brasil.

Mas é claro que eu não devia ter ficado surpreso. Quando cheguei aqui, flagrei constantemente aspectos da cultura que me pareciam vindos de outras eras. Duas portas distintas nos apartamentos (uma para a família, outra para os empregados). Jovens de classe média alta que nunca lavaram suas próprias roupas ou seus banheiros (e muito menos trabalharam antes de se formarem na faculdade) e que ocasionalmente deixavam escapar algum comentário racista ou classista – desses que lhe excluiriam permanentemente dos círculos sociais mais polidos em muitos outros lugares do mundo – como se não fosse nada.

Mas tudo isso se tornou normal pra mim, da mesma forma que, eu imagino, há muito tempo é para a maioria dos brasileiros.

Claro, pra mim é muito fácil abordar essa temática do preconceito ostensivo, já que sou um homem branco vindo dos Estados Unidos (ou ainda que fosse da Europa), lugares nos quais boa parte da classe média alta de São Paulo se espelha, mas nos quais ela seria, ironicamente, considerada grosseira, reacionária ou racista – e de péssimo gosto.

Você pode até argumentar, às vezes com razão, que pessoas como eu até se beneficiam desse preconceito, mesmo se não quisermos. Mas os amigos e colegas brasileiros que infelizmente tem feições africanas, indígenas ou são de origem operária, quando levantam esse tema, são silenciados e tratados como bolcheviques ou preguiçosos interesseiros desejosos de se aproveitar do sistema de cotas.

É verdade que o Brasil é um dos poucos países do mundo que melhoraram a distribuição de renda na última década. Mas, na busca da justiça social e do aumento da produtividade econômica, o país ainda tem um longo caminho pela frente. Se você observar, no entanto, como as eleições estão se desenrolando, poderá pensar que o que este país precisa é de algumas reformas tecnocráticas ou de um candidato menos atingido por acusações de corrupção que os outros. Se você prestar atenção à mídia, vai imaginar que os avanços sociais desde 2003 já foram suficientemente revolucionários e assustadores, ou que não há muito o que falar sobre eles. Claro que, se você escolher ao acaso qualquer grande jornal daqui, você vai chegar à conclusão que eles são escritos pela classe média alta branca para a classe média alta branca, e é isso mesmo.

Sobre os “rolezinhos” que ocorreram no início deste ano, houve um debate se o Brasil era uma sociedade ao estilo do “apartheid”. Eu entendo que essa definição não é correta, posto que não há qualquer sanção estatal pra esse tipo de divisão social. Um amigo me sugeriu que temos aqui um sistema de “castas”, o que, acredito, está mais próximo de representar a realidade. Ao ponto de descrever com exatidão a seguinte situação: para um filho ou filha da “classe média”, a ideia de apresentar no almoço de família de domingo um namorado ou namorada cuja origem seja de família operária é algo basicamente desconhecido. De fato, eu já encontrei pessoas das duas classes que me admitiram nunca terem tido uma conversa real e com substância com membros da outra classe.

Mas por que não falamos sobre isso? Porque é muito óbvio.

Um passeio pela Escandinávia

Fragata Surprise, uma janela pro turismo.

Fragata Surprise, uma grata surpresa na blogosfera de turismo.

A comandante Cyntia Campos, da Fragata Surprise – um dos blogues mais interessantes de turismo na blogosfera brasileira – gentilmente publicou dois textos (Escandinávia: um passeio no fim do mundo e Uma road trip na Lapônia) de nossa autoria sobre uma road trip na Escandinávia (e é possível que novos posts ainda venham por aí!). Não deixem de passar lá pra conferir!

Razões para o Brasil oferecer um tratamento diferenciado aos seus vizinhos

Por Allan Patrick

Joseph Nye. Foto: Voz da América.

Uma entrevista com Joseph Nye, Professor na área de Relações Internacional na Universidade de Harvard, para o jornal Valor Econômico, revela porque o Brasil está defendendo seus próprios interesses ao oferecer um tratamento diferenciado aos seus vizinhos. Destaco o trecho que atraiu minha atenção:

Entrevista – Joseph Nye – Valor Econômico – 20/05/2011

Valor: E o “hard power” dos emergentes, cresce mais rápido que o “soft power”?

Nye: Com 10% de crescimento econômico anual e com orçamento militar crescendo ainda mais rápido que o PIB anualmente, o “hard power” da China está crescendo forte e rápido. Mas sempre que o “hard power” de alguma nação cresce forte, ela pode acabar assustando seus vizinhos. E se você assusta seus vizinhos demais – e não tem seu “soft power” para contrabalançar -, podem surgir coalizões contra você. Se olharmos com atenção, as relações atuais da China com Corea do Sul, Japão, Vietnã e Índia estão piores do que estavam há dois anos. Preste atenção: todos esses países querem a presença americana para contrabalançar o poder chinês.

A entrevista é de autoria do jornalista João Villaverde.

Eva Joly e o referendo na Islândia

Por Eva Joly. Publicado originalmente no The Guardian e traduzido pelo resistir.info. Adaptado para o português brasileiro por este blogue.

Islândia, combata esta injustiça

(Este artigo foi escrito antes do referendo de 09/Abril/2011, vencido pelo povo islandês com 59,1% de votos “não” contra 40,9% de “sim”)

Eva Joly. Foto: Marie-Lan Nguyen/Wikipédia.

No sábado o povo islandês vota em referendo sobre se o Estado islandês e portanto os cidadãos deveriam garantir o chamado pedido de indenização do Icesave. O Icesave era um banco com contas de depósito que prometia as melhores taxas de juro do mercado. Quando o banco faliu, levantou-se a questão de se o fundo de garantia de depositantes islandês [Nota: semelhante ao Fundo Garantidor de Créditos (FGC) brasileiro] – uma instituição privada financiada pelos bancos – deveria ter o apoio dos contribuintes. Ao invés de deixar os depositantes perderem o seu dinheiro ou mesmo à espera de compensação do espólio da bancarrota, os governos do Reino Unido e da Holanda (onde os produtos Icesave eram comercializados) decidiram reembolsar os depositantes dos seus próprios países. O reembolso incluía todo o principal, enquanto os proveitos dos juros temerariamente altos dos depositantes que se arriscaram foram acrescentados como bônus.

A seguir as autoridades britânicas e holandesas foram junto ao governo islandês e reclamaram, referindo-se à regulamentação da UE, que a compensação era de fato da responsabilidade do contribuinte islandês e que a Islândia tinha de reembolsar plenamente os britânicos e holandeses.

As exigências à Islândia são enormes, considerando a dimensão da sua população – £3,5 bilhões [€3,97 bilhões] equivale a uma exigência ao contribuinte britânico de £700 bilhões [€795 bilhões]. Tal exigência é contestável, tem uma duvidosa base legal e uma ainda mais duvidosa base moral.

Com uma disposição semelhante, os povos da Irlanda, Grécia, Portugal e outros países da UE teriam de aceitar uma garantia total de todos os empréstimos feitos por prestamistas comerciais, deixando portanto tanto as instituições financeiras como os possuidores de títulos livres de qualquer responsabilidade. Por que isto? Será que isto foi discutido adequadamente? Será a ideia de que contribuintes deveriam necessariamente garantir prestamistas privados uma proposta aceite habitualmente? Será de supor que o empréstimo temerário não tenha consequência?

Ao invés de aplicar os métodos costumeiros de cancelamento (writing off) da dívida, parece que foi criado um consenso invisível – que recorda a frase de Chomsky da “conspiração inconsciente” – de que os excessos financeiros e os empréstimos temerários da década passada serão transferidos para os contribuintes no futuro imprevisível. Em resultado disso, cidadãos através de toda a Europa estão a enfrentar cortes em serviços públicos, elevações de impostos e aumentos maciços no desemprego.

Até agora, problemas graves de dívida soberana eram limitados a países em desenvolvimento, frustrando o desenvolvimento social e econômico real. Mas agora os problemas que povos em alguns dos mais pobres países no Sul têm estado a enfrentar durante décadas estão a atingir o Norte.

É neste contexto que o referendo do Icesave é tanto significativo como importante para a Europa e para todo o vasto mundo. É evidente que o processo democrático está a faltar. Não houve debate público para decidir se, como questão de princípio, contribuintes deveriam salvar ou não instituições financeiras. Duvido seriamente que os contribuintes europeus pensem que isto é justo e razoável. Não está claro se isto é uma posição ideológica ou uma questão prática. E se for puramente prática, será sustentável?

A crise financeira provocou um sofrimento inimaginável para milhões de pessoas que perderam suas casas, empregos e pensões. Estes homens e mulheres sabem o que estas perdas significam, enquanto financeiros internacionais, banqueiros e possuidores de títulos fogem à plena compensação, com os seus bónus e salários surrealistas e lucros intactos, como se nada houvesse acontecido. O seu comportamento cínico e temerário é claramente visível, como crateras de bombas na paisagem econômica.

O mundo olha para o povo islandês, que até agora se tem recusado a aceitar a ordem do dia – salvamentos incondicionais do setor financeiro. Tenho esperança de que este louvável espírito combativo irá vencer.

Veja também:

A Comédia do Poder.

O duelo de legendas

Fonte: about.com através do Vi o Mundo de Luiz Carlos Azenha.

Duas formas de enxergar o desespero numa situação extrema.

Um jovem [negro] atravessa água de enchente na altura do peito depois de saquear uma loja em Nova Orleans

Dois residentes [brancos] enfrentam água na altura do peito depois de encontrarem pão e refrigerantes numa loja local após o Furacão Katrina passar por Nova Orleans…

Veja também:

Racismo e política de cotas.

Atualização em 28/11/2010:

O enlace para o Vi o Mundo está quebrado porque a matéria foi publicada na versão antiga e o Azenha ainda não republicou no sistema novo.