Corrupção, esse mal capitalista, e o que nos toca fazer

Por Allan Patrick

Hospital da Mulher, Mossoró/RN. Foto: O Mossoroense.

Hospital da Mulher, Mossoró/RN, um dos alvos da Operação Assepsia. O esquema de terceirizar  serviços públicos em larga escala com fins ilícitos nasceu na Espanha. Foto: O Mossoroense.

Quando conversamos com as pessoas, percebemos uma ingenuidade quase provinciana,  um sentimento amplo e difuso (a vontade que dá é de usar mais uma vez o famigerado palavrão alemão: zeitgeist), de que o Brasil é, inconteste, inigualável, o campeão mundial da corrupção. Basta abrir o facebook e constatar in loco. Ou, se preferir averiguar acrescentando um toque de humor, conferir o desopilante Classe Média Sofre.

Mas não é assim. Somos muito exagerados na nossa auto depreciação. Infelizmente, a corrupção é uma característica intrínseca a todo sistema onde o vil metal é cultuado como o valor moral último da sociedade, até mesmo por aqueles que se dizem seguidores de um Deus maior.

Estes dias (janeiro/2013), a Espanha, já assolada pela crise econômica, vê com furor tornar-se público mais um escândalo de corrupção, possivelmente o maior desde o fim do franquismo: Álvaro Lapuerta e Luis Bárcenas, tesoureiros do Partido Popular (PP), ideologicamente afim ao brasileiro Democratas e atualmente governando a maioria das regiões autônomas e o governo central espanhol, tiveram reveladas suas contas secretas em paraísos fiscais.

Essas contas eram abastecidas por dinheiro ilegal proveniente de diversas fontes, dentre as quais as empresas envolvidas no escândalo Gürtel, que consistia em fraudar terceirizações das comunidades autônomas e prefeituras administradas pelo PP (alguém mais aí pensou na Associação Marca?), além de burlar restrições à construção civil estabelecidas em planos diretores e áreas de proteção ambiental.

Essas contas eram utilizadas para abastecer remessas periódicas à Espanha, onde eram convertidas em dinheiro vivo e distribuídas em envelopes, de forma sistemática e praticamente mensal, a todos os integrantes mais graduados do Partido, incluindo-se aí o atual primeiro-ministro, Mariano Rajoy, Rodrigo Rato (ex-presidente do FMI) e várias outras figuras expressivas do partido. O procedimento teria se iniciado em 1997, quando da chegada ao poder de José Maria Aznar e o esquema foi trazido à luz da imprensa em meio à uma briga interna no partido provocada pela desconfiança de que Bárcenas estivesse desviando recursos das contas para uso próprio.

O Colégio Público Santa Catalina, em Majadahonda, abandonado à espera da demolição (2009). Foto: acervo pessoal.

O Colégio Público Santa Catalina, em Majadahonda, abandonado à espera da demolição (2009). Foto: acervo pessoal.

Numa investigação séria, como a deste caso, que já vinha acontecendo há vários anos, cruzam-se várias fontes, provas documentais e testemunhos (ao contrário da Ação Penal 470). Uma das testemunhas mais relevantes é José Luís Peñas, ex-vereador de Majadahonda, na região metropolitana de Madri.

(Por uma dessas coincidências da vida, entre 1987 e 1990 morei nessa cidadezinha. E, na virada de 2008 para 2009, tive a oportunidade de voltar para visitá-la. Qual não foi minha supresa ao tomar conhecimento que a escola pública onde havia estudado seria demolida para se tornar uma praça, ao custo de 20 milhões de euros e seria substituída por uma escola “concertada” – entidade privada, gratuita para os alunos, mas custeada com recursos públicos – mantida por uma associação “sem fins lucrativos”. Essas escolas costumam ser, na Espanha, 70% mais caras do que as públicas. Não levei muito tempo para chegar à conclusão que alguma coisa cheirava mal nessa fúria terceirizadora de atividades fins do estado.)

Voltando à investigação judicial do caso, que teve à sua frente o infatigável Baltasar Garzón, arrisco-me a afirmar que a mais expressiva violência à independência do judiciário em um país da Europa Ocidental neste século XXI ocorreu com sua expulsão da carreira judiciária em função da sua investigação neste caso. Publicamos aqui, em 2010, uma nota de José Saramago em solidariedade a Garzón. Sempre, nessas horas, surge o comentário bisonho sobre o fato da Espanha ser a “periferia” da Europa e “lá” ser “normal” que essas coisas “estranhas” aconteçam. Mas a União Europeia, tão ciente de suas cláusulas democráticas, e os demais países “paladinos” da democracia europeia, mantiveram-se em perfeito silêncio sobre esse ataque frontal à independência do poder judiciário.

Para acrescentar o insulto à injúria, o Partido Popular aprovou no ano passado uma anistia fiscal para quem repatriasse ao país os investimentos que estivessem escondidos em paraísos fiscais, a qual foi prontamente aproveitada pelo tesoureiro, Bárcenas, para legalizar (lavar com amparo legal) o saldo do dinheiro sujo mantido no exterior.

Talvez o leitor, em sua inocência, atribua essa situação à “cultura ibérica”. Sinto informar, entretanto, que Eva Joly, magistrada francesa, vive praticamente exilada em sua Noruega natal, após ter sido massacrada durante anos pela mídia da França, por suas investigações no Caso Elf, a ponto de toda uma obra cinematográfica ser produzida para difamá-la, resenhada aqui em A Comédia do Poder. Sobre os Estados Unidos, desfaça-se de sua inocência aqui.

Então, não há solução?

Claro que há. Mas não há nenhuma fórmula mágica nem bala de prata para tratar o problema, só muito trabalho. Aqui mesmo em Natal houve a #revoltadobusão, pá de cal do governo Micarla. De que lado você estava? Apoiando o movimento ou reclamando do trânsito? Só o Carnatal pode atrapalhar o trânsito, né? E quando da ocupação da Câmara Municipal de Natal? Tuítou contra esses jovens “baderneiros”? Ficou em cima do muro? Indiferente? Em silêncio?

Já nos ensinou Martin Luther King sobre os neutros e indiferentes:

Temos que refletir sobre esta geração. Não apenas pelas palavras ofensivas e pelos atos de violência dos maus, mas pelo silêncio aterrador e a indiferença das pessoas boas que ficam por ali dizendo “tenha paciência”.

 

It may well be that we will have to repent in this generation. Not merely for the vitriolic words and the violent actions of the bad people, but for the appalling silence and indifference of the good people who sit around and say, “Wait on time”

 

“Remaining Awake Through a Great Revolution”, sermon at the National Cathedral, 31 March 1968, published in A Testament of Hope (1986)

10 thoughts on “Corrupção, esse mal capitalista, e o que nos toca fazer

  1. Saudações,
    muito bem colocado a respeito da corrupção, ela não é coisa exclusiva do Brasil (muito menos novidade) e nem aqui e absurdamente ela é maior do que em outro países. É incrível como os brasileiros tendem a se inferiorizarem se comparado com outros países (especialmente da Europa e os EUA), talvez seja por causa da grande atenção dada pela mídia tradicional para a corrupção no país. Na verdade é até um dever da mídia em cobrir esses casos, mas não é dever da mídia encobrir outros ou dar menos enfoque em alguns. É visível que houve e ainda há muita agitação sobre o caso do mensalão, bem maior do que no caso Cachoeira, além de que a corrupção já existiu antes, mas nunca teve tanto destaque como tem hoje.
    A maior prova que a causa da corrupção não é o brasileiro, são os acontecimentos no exterior como na Espanha e essa história de “periferia” da Europa não cola, quanto a União Européia e outros países capitalistas a democracia só é válida enquanto lhes convém.
    E por fim, realmente temos um tendência conservadora muito e preconceituosa que taxam aqueles que lutam como “baderneiros” entre outros. Só se combate a corrupção e outros problemas políticos do país com luta, com greve, com marchas, e aqueles que são neutros acabam fortalecendo o status quo, mesmo que não pareça essa sua intenção.

  2. Patrick, muito interessante o contraponto com a situação espanhola e o poxão de orelha, em nós classe média. A motivação pode ter passado por uma caminhada recente na Av. Roberto Freire??? 😉

  3. Em relação à corrupção no Brasil, não que seja a maior do mundo, mas, brasileiros que somos, é ela que precisamos combater. E, infelizmente, o Brasil apresenta um traço cultural muito forte, o do famigerado jeitinho, que acaba sendo a porta de entrada para os demais tipos de corrupção. É comum as pessoas reclamarem dos políticos corruptos ao mesmo tempo em que furam filas, desrespeitam vagas de idosos, faixas de pedestres e outras lambanças correlatas cotidianas.

  4. Parabéns pelo blog Patrick.
    Estou rindo escandalosamente no classe média sofre. Vou trocar meu tempo no facebook para passear por lá. rsrs

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *