Como foi a Marcha do Fio de Aço

Por Allan Patrick

Esta manhã de sábado (26/01/2013), Natal foi palco da Marcha do Fio de Aço, convocada por diversas entidades em apoio ao cirurgião Jeancarlos Fernandes Cavalcante, que está sendo denunciado pelo governo estadual pelo simples fato de ter trazido a público a tragédia do dia-a-dia no principal hospital de urgências do Rio Grande do Norte, onde há falta até de fio de aço para procedimentos cirúrgicos.

Marcha do Fio de Aço na Av. Hermes da Fonseca.

Marcha do Fio de Aço na Av. Hermes da Fonseca.

Cerca de 300 pessoas se reuniram para colorir um pouco uma das principais avenidas da cidade e reclamar do descaso na saúde. Como já dissemos aqui, a classe média, por raramente usar serviços públicos, tem profunda dificuldade em enxergar quando a saúde pública passa do patamar de um serviço regular, ruim, para um péssimo, à beira da catástrofe. E não tem consciência de que serviços de emergência não encontram paralelo na rede privada.

Apesar de tudo, bom humor foi a tônica dos manifestantes.

Apesar de tudo, bom humor foi a tônica dos manifestantes.

Vários parlamentares se apresentaram no carro de som na abertura da marcha. Amanda Gurgel (PSTU), Marcos (PSOL) e Sandro Pimentel (PSOL), vereadores de Natal e Paulo Davim (PV), suplente de senador em exercício. Durante a caminhada, vimos ainda o vereador Hugo Manso (PT). Se o discurso duro da bancada do PSTU/PSOL já era esperado, a surpresa foi a forma incisiva como também se postou Paulo Davim, suplente de Garibaldi Filho (PMDB), cujo partido é um dos pilares de apoio do governo Rosalba (DEM).

A anedota ficou pelo momento em que a marcha cruzou com a carreata de encenação do encontro de Franklin Delano Roosevelt e Getúlio Vargas, comemorando o aniversário do momento em que o Brasil decidiu juntar seus esforços aos aliados. O locutor ligado à extrema-esquerda pediu uma vaia por se tratar de um acordo que resultou na instalação de uma base militar dos Estados Unidos em Natal como parte do esforço de guerra. Pelo visto, nem o combate ao nazismo faz com que esses setores enxerguem a necessidade de diálogo político.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *