O colapso do governo do RN é por culpa da Copa?

Por Allan Patrick

Projeto inicial da Arena das Dunas.

Projeto inicial da Arena das Dunas. Aquele que só custaria R$ 300 milhões e se pagaria com a construção dos espigões ao redor.

Depois de acontecimentos como os que resultaram na Marcha do Fio de Aço ou a ameaça de prisão de secretários do governo estadual por descumprimento de ação judicial, cristaliza-se na mente de muitos potiguares a ideia de que o governo estadual (Rosalba Ciarlini/DEM) segue em marcha acelerada para repetir a tragédia da administração municipal de Micarla de Sousa (PV). A linha de raciocínio transmitida no boca-a-boca é que o governo está investindo todos os recursos do erário estadual na construção da Arena das Dunas e ignorando as demais demandas do serviço público.

O boato tem fundamento na imagem que o governo estadual transmite: praticamente não há uma semana em que não seja divulgada pela comunicação estatal uma visita da governadora ou do Secretário da Copa, Demétrio Torres, à obra da Arena das Dunas.

Quanto a esse boato, cabe esclarecer que não é verdadeiro. Isso é bom e é ruim ao mesmo tempo. O fato é que o governo estadual quase não está aplicando recursos públicos, no momento atual, na construção da Arena das Dunas. Por se tratar de uma Parceria Público-Privada (PPP), é a empresa construtora a responsável por angariar recursos. Sendo assim, a crise da administração estadual não afeta o ritmo da obra e esta não é desculpa para o atual colapso daquela. O Rio Grande do Norte só começará a pagar pela obra em 2015, ou seja, no próximo governo. Mas a partir daí terá esse compromisso por 20 anos, até 2035, totalizando R$ 1,2 bilhão em recursos públicos.

Outro fato relevante: colocar em funcionamento um estádio “moderno” não é nada barato. A pauta (o custo) da primeira partida oficial realizada no recém inaugurado Castelão, em Fortaleza/CE, foi de R$ 400 mil. Talvez duas partidas por ano no Rio Grande do Norte consigam bater esse valor. Quem ressarcirá a operadora da Arena das Dunas se não houver lucro em sua operação? Sim, você contribuinte potiguar. Assim está previsto no contrato da PPP.

Veja também:

A Copa do Mundo na Alemanha… e em Natal?

– Sou favorável a um plebiscito sobre a Arena das Dunas.

– Vale a pena gastar R$ 1,1 milhão por minuto em função da Copa?

– A Copa do Mundo em Natal. Vamos pagar quanto?

Como foi a Marcha do Fio de Aço

Por Allan Patrick

Esta manhã de sábado (26/01/2013), Natal foi palco da Marcha do Fio de Aço, convocada por diversas entidades em apoio ao cirurgião Jeancarlos Fernandes Cavalcante, que está sendo denunciado pelo governo estadual pelo simples fato de ter trazido a público a tragédia do dia-a-dia no principal hospital de urgências do Rio Grande do Norte, onde há falta até de fio de aço para procedimentos cirúrgicos.

Marcha do Fio de Aço na Av. Hermes da Fonseca.

Marcha do Fio de Aço na Av. Hermes da Fonseca.

Cerca de 300 pessoas se reuniram para colorir um pouco uma das principais avenidas da cidade e reclamar do descaso na saúde. Como já dissemos aqui, a classe média, por raramente usar serviços públicos, tem profunda dificuldade em enxergar quando a saúde pública passa do patamar de um serviço regular, ruim, para um péssimo, à beira da catástrofe. E não tem consciência de que serviços de emergência não encontram paralelo na rede privada.

Apesar de tudo, bom humor foi a tônica dos manifestantes.

Apesar de tudo, bom humor foi a tônica dos manifestantes.

Vários parlamentares se apresentaram no carro de som na abertura da marcha. Amanda Gurgel (PSTU), Marcos (PSOL) e Sandro Pimentel (PSOL), vereadores de Natal e Paulo Davim (PV), suplente de senador em exercício. Durante a caminhada, vimos ainda o vereador Hugo Manso (PT). Se o discurso duro da bancada do PSTU/PSOL já era esperado, a surpresa foi a forma incisiva como também se postou Paulo Davim, suplente de Garibaldi Filho (PMDB), cujo partido é um dos pilares de apoio do governo Rosalba (DEM).

A anedota ficou pelo momento em que a marcha cruzou com a carreata de encenação do encontro de Franklin Delano Roosevelt e Getúlio Vargas, comemorando o aniversário do momento em que o Brasil decidiu juntar seus esforços aos aliados. O locutor ligado à extrema-esquerda pediu uma vaia por se tratar de um acordo que resultou na instalação de uma base militar dos Estados Unidos em Natal como parte do esforço de guerra. Pelo visto, nem o combate ao nazismo faz com que esses setores enxerguem a necessidade de diálogo político.

O ponto de não-retorno do Governo Rosalba?

Por Allan Patrick

Rosalba (esq) e Micarla.

Rosalba (esq) e Micarla, destinos semelhantes?

A mais recente crise na administração da governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini Rosado (DEM), é ilustrativa do que poderíamos denominar de “ponto de não-retorno” do seu governo; aquele momento a partir do qual está cabalmente demonstrado que não há mais perspectiva otimista para o futuro e o único desenlace no horizonte é a penosa espera pela próxima administração.

Foi noticiado com destaque pela mídia nacional (Jornal Hoje, TV/Globo), que um cirurgião, no principal hospital de urgências do Rio Grande do Norte, precisou utilizar fio de nylon ao invés de fio de aço durante uma cirurgia de emergência, por falta deste último. Não foi qualquer cirurgião, mas o presidente do Conselho Regional de Medicina, Jeancarlos Fernandes Cavalcante.

É necessário ressaltar que fio de aço é insumo absolutamente básico e essencial em centros cirúrgicos, de custo irrisório.

Qual foi a reação do governo? Alguma ação, ainda que demagógica, na linha do “estamos cortando despesas, suspendendo diárias e passagens blábláblá e promovendo uma compra de material em regime de urgência para suprir a carência”?

Não! Ao invés disso, a governadora (médica pediatra) deu uma declaração catastrófica: “Se não tinha o fio de aço porque então começou a cirurgia?“, ignorando que se tratava de uma cirurgia de emergência numa vítima de violência (o paciente havia sido esfaqueado) e não uma cirurgia eletiva com data marcada. Não satisfeito com a primeira mancada, a segunda “atitude” do governo foi ameaçar processar o médico (“o jurídico está estudando uma representação“, foi a declaração do Secretário de Saúde). Como se vê, a reação foi completamente na defensiva e absolutamente nada foi anunciado para sanar o problema.

As reações dos defensores do governo no twitter vão de tapar o sol com a peneira:

Tapando o sol com a peneira no twitter.

Tapando o sol com a peneira no twitter. Como a atitude do médico pode ser classificada como promocional, inverídica ou sensacionalista?

Ao francamente ofensivo:

Havia aqui uma tentativa de humor? Por que o vídeo do cirurgião não identifica o paciente e o trecho em que parte do seu corpo é exibida está propositalmente borrado, para preservar sua intimidade.

Havia aqui uma tentativa de humor? Porque o vídeo do cirurgião não identifica o paciente e o trecho em que parte do seu corpo é exibida está propositalmente borrado, para preservar sua intimidade.

Acontece que as pessoas de classe média, por raramente usarem serviços públicos, não conseguem enxergar quando a saúde pública passa do patamar de um serviço regular, ruim, para um péssimo, à beira da catástrofe. Foi essa a aposta de Micarla, ex-prefeita de Natal, ao tentar ganhar a população apenas na comunicação e propaganda, confiando no que o seu entorno imediato lhe dizia. O resultado foi a pior administração pública municipal na história das pesquisas do Ibope. A população, em sua maioria, usa sim os serviços públicos e sabe, com um grau de maturidade geralmente subestimado, apontar a sua falha e a esfera governamental responsável.

A preocupação de Rosalba em não repetir Micarla aparentemente se restringe aos comunicados à imprensa (sintomático, aliás), quando deveria se concentrar no trabalho duro do dia-a-dia da administração da máquina pública.

Enquanto isso, sofremos todos nós, pois centros cirúrgicos de emergência, ao contrário do que pensa certa classe média-alta e elite de pensamento mesquinho do Rio Grande do Norte, são de uso compartilhados de toda população e não apenas “deles”, os pobres, pois nenhum hospital particular do Estado tem nem de perto a capacidade de atender urgências que o Hospital Walfredo Gurgel/Pronto-Socorro Clóvis Sarinho tem.