Se eu moro num apartamento de 62m2, por que um índio deve ter direito a 87 ha?

Por Allan Patrick

Uma latifundiária, nos dizeres de spam que circula por correio eletrônico e nas redes sociais.

Um dos tantos spams (mensagens eletrônicas, não-solicitadas, enviadas em massa) que circulam por aí demonstra grande indignação porque o cidadão X, que paga seus impostos e reside num apartamento de 62m2 numa grande cidade brasileira, deve tolerar que um povo nativo do Brasil (no popular, índios), ocupe imensas áreas como reservas. O texto segue argumentando que, na Raposa Serra do Sol, em Roraima, há 20 mil índios para 1.743.089 hectares, ou seja, 87,15 hectare por cada nativo! Um verdadeiro absurdo, “um imenso latifúndio”, conclui o texto.

Será mesmo? A comparação está correta, 62m2 do “cidadão de bem” urbano versus 87 hectares do índio “arruaceiro” e “improdutivo”?

Vamos fazer alguns cálculos. O cidadão urbano toma, todo dia, um belo e gostoso banho usando seu chuveiro elétrico de 5 KW. Vamos supor que a energia utilizada para fazer funcionar esse chuveiro venha da usina hidrelétrica de Balbina, localizada na Amazônia. O lago de Balbina ocupa 2.600 km2 (algumas fontes apontam para 2.360 km2, outras informam que pode chegar a 4.438 km2). Em condições ideais, com potência máxima, a usina gera 250 MW, embora a potência média gerada seja de 120 MW e a potência firme (nas condições mais adversas), seja de apenas 63 MW. Isso significa que, em condições quase ideais, temos:

250 MW de potência para 2600 km2 de área ocupada, ou seja, 0,09615 MW/km2, que, para facilitar a leitura, podemos converter para 96,15 KW/km2. Se o parâmetro for, como já sugerimos, um chuveiro elétrico mediano de 5 KW de potência, chegaremos ao número fatídico de que cada km2 de área inundada suporta apenas 19,23 chuveiros. Ou, para deixar esse dado ainda mais claro, cada chuveiro ligado corresponde a uma área inundada de 52 hectares.

Então, a questão que eu faria é: se nós, seres urbanos, podemos chegar a ocupar 52 hectares só pra tomar um banho, qual o mal em um brasileiro dos povos originários ocupar 87 hectares para todas as necessidades de sua vida?

P.S.: adicionalmente, Balbina gera 10 vezes mais CO2 que uma usina a carvão de mesma capacidade.

11 thoughts on “Se eu moro num apartamento de 62m2, por que um índio deve ter direito a 87 ha?

  1. Pingback: Se eu moro num apartamento de 62m2, por que um índio deve ter direito a 87 ha? « Web Potiguar

  2. Pesquisei bastante sobre o tema da demarcação de terras indígenas no Ceará, abordando tanto a parte antropológica como a parte jurídica da questão, e fico muito feliz que uma pessoa influente como você pense dessa forma. Parabéns!

  3. Olá Patrick, não sei qual é a sua formação, mas voce tem um excelente raciocínio geográfico! Parabéns pelo escrito. Também divulguei no meu facebook.

  4. Parabéns Patrick, A ignorância impera no mundo urbano em relação ao modo de vida indígena e o mínimo impacto de sua subsistência na natureza. Evidente que o indivíduo não produz tudo que precisa em seu “mundinho imaginário” de 62m²? A carne do boi, o papel, o transporte, os cereais, o insumos pra manutenção da saúde, o lazer, o trabalho… O habitat é muito maior do que o mundinho de 62m² do apartamento. Na verdade ele é apenas mais um individuo de uma tribo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *