PT, Lula, Maluf e Haddad

Por Allan Patrick

Lula, Fernando Haddad e Paulo Maluf. Foto: Folha de S. Paulo/UOL.

Fiquei surpreso com o frisson nas redes sociais em torno do apoio do PP (leia-se Maluf) à pré-candidatura de Fernando Haddad, que provavelmente disputará pelo PT a eleição para Prefeito de São Paulo este ano.

Ora, se o PP já vinha apoiando e participando do Governo Lula (e agora, do Governo Dilma) há vários anos, o que há de novidade numa aliança, ainda no primeiro turno, na disputa para a Prefeitura de São Paulo? O PP só não apoiou Dilma no primeiro turno da última eleição presidencial por conta da ação pessoal do seu presidente nacional, Francisco Dornelles (primo de Aécio Neves), para mantê-lo neutro como forma de “apoio” indireto ao então candidato a presidente pelo PSDB, José Serra.

Saldo

De benéfico, para Haddad, está claro que é o aumento do tempo de seu programa no horário eleitoral gratuito na TV. Condenável essa atitude de se aliar a Maluf para conseguir tempo de TV? Poderia agir de um modo diferente? Infelizmente, vivemos numa democracia de massas com um sistema de comunicação social público extremamente oligopolizado e de pensamento único, portanto é provável que a pergunta tenha sentido unicamente retórico e simplesmente não exista alternativa para um candidato competitivo agir de modo diferente (quando Erundina foi eleita prefeita, nos final dos anos 1980, não havia segundo turno, o cenário portanto era outro).

O outro candidato principal, José Serra, apesar do festival de horrores revelados na obra A Privataria Tucana, nunca é questionado na mídia por suas opções éticas (quando isso ocorre, o profissional questionador prejudica sua carreira).

Efeito

Será indolor o apoio de Maluf? De forma alguma! Além da questão moral, em que normalmente nos deixamos manipular pelos relativismos mais simplistas, existe um prejuízo muito real da coligação com o PP no âmbito da formulação e execução de políticas públicas. No âmbito federal, a entrada do PP no governo transformou o Ministério das Cidades de uma instituição preocupada em planejar cidades para pessoas (o que lhe rendia críticas diárias na imprensa de que “não fazia nada”), tentando colocar em prática o Estatuto das Cidades, para um ministério rodoviarista na pior tradição possível: promove e financia viadutos, duplicação de avenidas e construção de conjuntos habitacionais sem a contrapartida de infraestrutura e em localidades distantes de empregos e oportunidades de lazer e cultura. É provável que um possível governo Haddad venha a pagar o mesmo preço em São Paulo. Não será ele o único culpado pelo congestionamento final, dada a popularidade que o uso do carro ainda goza em nossa sociedade, mas talvez o responsável pela morte do fio de esperança da reversão desse estado de coisas.

Valerá a pena? Os pragmáticos tem uma resposta pronta: a diferença na vida das pessoas entre os governos de Fernando Henrique e Lula paga o preço de aceitar um PP na coalizão. Dirão mais: a fracassada aposta rodoviária no transporte individual será, com certeza, redobrada num governo Serra (que recentemente afirmou “investir em ônibus em SP vai causar mais engarrafamentos“), enquanto num governo Haddad estará ainda sujeita a disputa.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *