Uma pérola da blogosfera potiguar

Por Allan Patrick

Papacapim, culinária vegetal.

Por mais curioso que possa parecer, o blogue de autoria potiguar com os textos que mais  me encantam e emocionam está localizado na Palestina (é lá que vive sua autora, a natalense Sandra Guimarães). E para redobrar o inusitado, sua temática é a culinária vegetariana, da qual, como apreciador duma boa carne-de-sol, não sou adepto.

Mas, em meio a textos excelentes sobre culinária vegetal, onde são abordados os aspectos culturais, nutricionais, históricos e gastronômicos de cada prato (às vezes até ilustrados por fotos de carnívoros que não dispensam uma iguaria vegetariana), surgem posts ainda mais brilhantes, sobre a Palestina. Ilustrados não apenas pela qualidade do texto da autora, mas pela riqueza das histórias dos seus personagens. Dois bons exemplos: Mustafa e Mohamad Alafandi, já na terceira geração como refugiados e mantendo a dignidade e a história de seu povo, e Khoulud Ayyad, que nós aqui no Nordeste tomaríamos como exemplo de mulher guerreira.

Amadurecendo…

Por Allan Patrick

A cada dia todos nós ficamos mais experientes. Mas há aquele momento em que temos uma epifania (no popular, “cai a ficha”) e chegamos à conclusão que não somos mais adolescentes ou jovens adultos. Já percebi isso há algum tempo, mas essa semana recebi um reforço.

Estava indo para o trabalho de trem. Um par de senhores sentou ao meu lado e quando a viagem se aproximava do fim, em meio à conversa animada, um deles se exalta ao falar sobre a violência urbana e fala pro seu interlocutor (e, de quebra, pra todo mundo no vagão ouvir):

“- Ah, mas nem sempre foi assim não. Antigamente dava pra dormir na rua que ninguém mexia em você.
– Quando, isso?
– Faz uns vinte anos, quando cheguei em Natal.”

Bem, com poucas variações eu já ouço esse diálogo desde que me entendo por gente, há uns bons trinta anos…

(Sobre violência urbana, eu pretendo escrever assim que achar no meio da mudança o meu exemplar anotado e rabiscado de Morte e Vida de Grandes Cidades – não se assuste, a resenha é da Veja, mas de 12 anos atrás).

Veja também:

Eu não tenho saudades de antigamente.

Música e cultura do Saara Ocidental

Por Allan Patrick

Localização do Saara Ocidental. Fonte: wikipédia.

O Saara Ocidental, como já falamos aqui uma vez mas não faz mal repetir, é a última nação africana a permanecer como colônia. Tal como ocorreu com o Timor Leste, que foi invadido e ocupado pela Indonésia quando Portugal se retirou do país, o Saara foi invadido pelo Marrocos quando o regime franquista começou a desmoronar na Espanha. Parte do seu povo vive discriminado como pessoas de segunda classe em sua própria nação e os demais vivem nas poucas regiões livres do país, em meio ao deserto do Saara, ou em acampamentos de refugiados na Argélia. O país é dividido por um muro de 2700km de extensão, com mais de 5 milhões de minas, construído pelo Marrocos para separar as regiões do país sob seu domínio daquelas que os próprios saaráuis controlam.

No último mês de abril, representantes do país estiveram no Brasil para tentar convencer nossas autoridades a reconhecerem o país (entre nossos vizinhos, Uruguai, Bolívia, Suriname, Guiana, Paraguai e Venezuela já mantem relações diplomáticas com o Saara).

Mas eu abri esse post foi pra falar de música, porque o programa Mediterráneo da Radio3 da Espanha – um dos melhores de world music gratuitamente disponíveis na internet – dedicou toda uma edição ao Saara Ocidental. Apesar de todas as provações do povo saaráui, sua cultura musical resiste. É só clicar play e ouvir.

Veja também

A última colônia africana.

Operação Judas: o modelo Casa Grande – Senzala como oportunidade para a corrupção

Por Allan Patrick

Tribunal de Justiça do RN. Foto: Júnior Santos / Tribuna do Norte.

No passado mês de janeiro de 2012, desencadeou-se em Natal/RN a Operação Judas, destinada a apurar o desvio de verbas públicas no setor de precatórios do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN).

Precatórios?

Antes de mais nada, cabe explicar que precatórios são ordens judiciais para pagamento de débitos dos órgãos públicos, oriundas de condenações judiciais transitadas em julgado, ou seja, sem possibilidade de recurso.

Carla Ubarana era a chefe da Divisão de Precatórios do TJRN e a principal responsável pela operação do esquema. Fez um acordo de delação premiada, pelo qual se comprometeu a informar como ocorria o desvio e os seus principais beneficiários, conforme se pode ver no vídeo com a íntegra do seu depoimento ao juiz da 7ª vara Criminal, realizado em 30/03/2012.

As estimativas para o total desviado na fraude chegam a R$ 30 milhões.

De onde vinha esse dinheiro e por que ninguém dava pela sua falta?

Conforme Carla relata no seu depoimento, o setor de pagamentos de precatórios era completamente desprovido de estrutura e carente de funcionários. Como resultado, os pagamentos dos precatórios se arrastavam por meses. Desse atraso, surgiu uma mina de ouro: os juros sobre os depósitos.

É um escárnio com o cidadão e exemplo ostensivo do modelo Casa Grande & Senzala, em que o topo da pirâmide (a Casa Grande) é hipertrofiado e goza de benesses incomuns, como sedes faustuosas e carros de representação luxuosos, e a base (a Senzala) é alvo do completo descaso.

Pelo relato da ex-chefe da divisão de precatórios, ficamos sabendo que o atraso e a demora eram tais que até mesmo pequenas prefeituras, conhecidas pela dificuldade de arcar com seus compromissos financeiros, chegavam a quitar o parcelamento de suas dívidas antes que o Tribunal desse início ao pagamento dos beneficiários.

Essa morosidade, injustificável se o Tribunal alocasse seus recursos equilibradamente em sua atividade fim, a de atender o cidadão, é que propiciou a oportunidade de desvio desvendada na Operação Judas.

A folha de pagamento do Tribunal de Justiça

Outro ponto importante levantado por Carla em seu depoimento – e que ainda não foi abordado na mídia ou na blogosfera – é a liberalidade com que o setor financeiro do Tribunal utilizava os recursos dos precatórios para fechar a folha de pagamento do Órgão. Segundo o relato de Ubarana, o Governo do Estado depositava R$ 500 mil todo mês na conta dos precatórios, para pagamento das diversas ações pelas quais o Estado havia sido condenado. No entanto, como ela revela, frequentemente só ficavam disponíveis para pagamento dos precatórios algo em torno de 200 ou 300 mil, porque o restante era apropriado pelo financeiro do Tribunal para pagamento da folha. É um indício de, no mínimo, algum descontrole na folha de pagamentos do órgão.

 

Espanha, futebol e crise econômica

Por Allan Patrick

Rodrigo Rato embolsou 1,2 milhão de euro mesmo após a intervenção no banco que dirigia.

Em junho de 2009, com a crise econômica já bem avançada, a Caja Madrid, controlada pelo governo regional de Madrid, sob administração do Partido Popular (PP), emprestou conjuntamente com o Santander, 150 milhões de euros ao Real Madrid para a aquisição dos passes dos jogadores Ronaldo e Kaká.

Qualquer esperança de lógica econômica nas ações da Caja Madrid se dissipou esta semana, quando o Bankia, resultado da fusão da Caja Madrid com outras caixas espanholas em 2010, foi alvo de uma intervenção pelo Banco Central local. Para evitar sua quebra receberá uma injeção de recursos entre 7 e 10 bilhões de euros (ao câmbio de hoje, entre 17 e 25 bilhões de reais) do combalido governo espanhol.

Numa demonstração de qual é a diferença entre o discurso e a prática no conservador Partido Popular, Rodrigo Rato, até então presidente da instituição bancária, receberá 1,2 milhão de euros de indenização pela demissão. Rodrigo, quando foi Ministro da Economia na primeira metade da década passada, defendeu, em sintonia com o governo do qual fazia parte, uma reforma trabalhista que reduziu o custo de demitir trabalhadores. (No passado mês de fevereiro, de volta ao poder, o PP aprovou nova reforma para reduzir ainda mais esse custo).

Veja também:

O Banco Santander e o Brasil.
O segundo tempo da crise econômica mundial.