O fim do caso DSK?

Por Allan Patrick

Num caso criminal em que a promotoria se dedicou a acusar a vítima, não chega a me estranhar que o advogado de defesa praticamente confesse a culpa do cliente:

E por fim, eu gostaria de dizer isso, dizer publicamente, e com orgulho. Hoje é um dia extraordinário, é um evento extraordinário que um promotor se apresente no fórum e afirme publicamente que não vai apresentar a denúncia, concluindo que a testemunha de acusação não é digna de crédito. Eu estou nesse ramo há 35 anos. Eu penso que nunca vi uma situação como essa. Portanto eu dou todo o crédito a Cy Vance [promotor do caso].

Benjamin Brafman, criminalista, advogado de Dominique Strauss-Kahn, o ex-diretor do FMI.

Recapitulando: a promotoria, ao invés de denunciar o acusado do estupro, promoveu o linchamento moral da vítima, apesar das evidências materiais do estupro (sim, do estupro, não de uma mera relação sexual) que corroboram o depoimento da vítima. O New York Times publicou uma matéria dando apoio à promotoria e revelando uma ligação telefônica realizada pela vítima do estupro, no dia seguinte ao ocorrido, no qual ela teria afirmado que “ele tem um monte de dinheiro e agora eu sei o que vou fazer”. Toda a imprensa foi na linha dessa matéria, dando um peso extraordinário a essa declaração e entrando no clima de desmoralizar a vítima. O advogado da vítima, depois de mais de um mês, finalmente têm acesso à gravação e desmente o seu conteúdo. Conteúdo que, se fosse verdadeiro, não teria nada de mais, pois é bastante razoável que a vítima de um crime nutra ódio pelo agressor e queira prejudicá-lo de todas as maneiras possíveis.

Espero que algum jornalista conhecedor do submundo das varas criminais de Nova Iorque traga à luz no futuro um livro narrando os detalhes dessa história.

Veja também:

O estranho caso DSK.

2 thoughts on “O fim do caso DSK?

  1. Não bastasse a forte corrente doutrinária sobre o chamado direito penal do autor, agora, a promotoria nova-iorquina quer criar teoria sobre ‘direito penal da vítima’, conferindo importância mínima aos fatos… isso é anti-justiça! :/

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *