A nova liderança do Tea Party e os recursos públicos

Por Allan Patrick

Michele Bachmann. Foto: wikipédia.

A deputada americana Michele Bachman, figura proeminente do Tea Party, movimento político que opera no interior do Partido Republicano dos Estados Unidos, venceu a consulta popular entre os militantes do partido em Iowa. Conhecida como Iowa Straw Poll, é uma consulta informal que age como termômetro para medir os sentimentos dos eleitores republicanos. Embora nem sempre o seu vencedor venha a ser o escolhido no resultado final das primárias, o histórico mostra que costumam ser candidatos competitivos. Neste ano, o resultado prático foi a desistência de um candidato importante, Tim Pawlenty.

Voltando ao Tea Party: esse movimento se notabilizou pela sua aversão ao Estado, a tudo que é público e, claro, ao pagamento de impostos.

Não deixa de ser curioso, portanto, registrar que Michele Bachman trabalhou por cinco anos como advogada para o IRS (a Receita Federal americana), alvo predileto do ódio do Tea Party e de um atentado terrorista suicida da extrema-direita em 2010. Além de ter trabalhado para o Leviatã do Tea Party, a fazenda da família Bachman recebeu mais de 260 mil dólares em subsídios agrícolas entre 1995 e 2008. Mas não ficou por aí: a clínica psicológica que mantem em sociedade com o marido faturou quase 200 mil dólares provenientes de planos públicos de saúde, como o Medicare, entre 2006 e 2010.

Estado pequeno é muito bom… desde que seja para os outros.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *