As calçadas de Londres

Por Allan Patrick

Achei interessante preservar aqui um comentário que fiz no blogue da Lola em Peregrinação por uma cidade sem calçada:

Ah, Lola, um troll comenta que você foi a Roma só pra falar das calçadas… E se eu disser que estou quase completando meu terceiro mês em Londres admirando as calçadas da cidade 🙂

Ao contrário do que o troll poderia pensar, não fiquei sentado no meio fio admirando os paralelepípedos ou o cimento 🙂 … e sim a vida urbana. Os casais, pais ou mães levando os seus filhos em carrinhos para passear, fazendo compras, levando-os às creches ou escolas… Tudo isso à pé, porque as calçadas – não em todos os bairros, é verdade – geralmente são amplas e planas. É tão bonito ver crianças de 3 anos andando de patinete, sem medo de cair num desnível ou sem ter que apelar pra perigosa rua…

Cumprir todas as necessidades do dia-a-dia sem ter que babar por uma Toyota Hilux, como a nossa classe média faz! O resultado são cidades e pessoas mais saudáveis 🙂

13 de agosto de 2011 05:19

Fico pensando, o que é melhor para minha cidade, Natal? Isto:

Calçadas regulares favorecem o uso de patinetes por crianças, o deslocamento de pessoas portadoras de necessidades especiais, de idosos e, por que não?, de quem apenas gosta de caminhar. Foto: Juliana Rocha.

Isto:

Rua tomada dos carros para os pedestres em Londres. Foto: acervo pessoal.

Ou soluções pró-automóvel, como a proposta de ampliar para dez faixas a Av. Roberto Freire? Já parou pra pensar em dez faixas nas condições da BR-101, como na foto abaixo?

Um típico dia na BR-101 em Natal. Foto: Canindé Soares.

O pior é que entre amigos de classe média, em Natal, só ouço elogios a essa violência contra nossa cidade 🙁 …

Veja também:

Democracia vai além do voto.

20% dos deslocamentos na Grande Natal são feitos de bicicleta.

2 thoughts on “As calçadas de Londres

  1. Pô, Patrick, isso é de entristecer… eu soube que na apresentação do projeto da av. Roberto Freire (putz, vai virar uma via expressa, cortando qualquer ligação funcional e simbólica com o lado do parque das Dunas), um dos profissionais responsáveis pelo projeto foi indagado sobre a falta de ciclovia. A “bela” resposta: “mas as pessoas não andam mais de bicicleta…”.

    Cara, esse projeto em específico foi muito criticado por várias das secretarias. Tomara que essas críticas não sejam atropeladas pela tilintar sedutor de preparar Natal para copa. Inclusive, esse projeto não bate muiito com os estudos que embasaram os planos de mobilidade (que apontavam a necessidade de enfatizar transporte coletivo, vias para pedestres e bicletas, além dos gargalos para o transporte motorizado).

    O problema é que começam a reduzir a solução ao nosso contumaz erro de planejamento: esquece-se tudo e foca-se apenas na necessidade do transporte motorizado e individual. O projeto para a Roberto Freire, como está, pdoe até ser bem resolvido tecnicamente, mas é um desastre urbanístico.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *