Causos londrinos: aviões

Por Allan Patrick

Avião sobrevoando Londres. Foto: Allan Patrick.

Antes de vir para Londres, eu já tinha lido algumas notícias sobre as reações populares à construção de mais uma pista no principal aeroporto de Londres, o Heathrow.  Mas agora eu entendo perfeitamente o sentimento dos londrinos. A cidade tem nada menos do que cinco aeroportos, todos com movimento de passageiros superior ao de Natal. A poluição sonora é brutal, principalmente porque o mais movimentado deles, o aeroporto de Heathrow, está pessimamente localizado de forma tal que todos os aviões que chegam ou saem cruzam boa parte da cidade a baixa altitude. É quase insuportável ouvir um avião passando sobre sua cabeça, em casa, na escola ou em qualquer lugar a cada cinco minutos.

Causos londrinos: a terra da privatização

Por Allan Patrick

As necessidades mais básicas do ser humanos custam R$ 1,00 em Londres. Foto: Allan Patrick.

O liberalismo veio ao mundo aqui no Reino Unido. Também foi aqui que Margaret Thatcher deu início ao mais feroz processo de privatizações que se tem notícia. E aqui também surgiu a terceira via, uma social-democracia com vergonha de ser social-democrata e que serviu (e serve) de modelo a boa parte da esquerda europeia, tendo influenciado até personagens políticos no Brasil, como o ex-presidente Fernando Henrique. Foram essas pessoas que conseguiram implantar a ideologia do “se privatizar, vai melhorar” na mente das pessoas. Sendo assim, eu não deveria ter razão para me surpreender com o que vejo em Londres. Já citei o elevado custo do metrô, cujas passagens eram subsidiadas até o início dos anos 1980 com base numa alíquota extra do IPTU dos imóveis mais caros de Londres. Essa forma simples e direta de tributação progressiva foi extinta no governo Thatcher. Finalmente, na década passada, foi privatizado e opera como uma Parceria Público-Privada. Uma passagem no metrô londrino pode chegar a custar R$ 10,00.

Nada mais em sintonia com essa linha de raciocínio que os banheiros públicos – todos eles, seja numa estação de trem ou num shopping center – cobrem pedágio para serem utilizados, £ 0.30 (aprox. R$ 1,00).

Também não devemos estranhar que até mesmo o pagamento da restituição de impostos tenha sido privatizado!

No destaque, a comissão cobrada pela empresa privada responsável pela restituição do VAT (o ICMS do Reino Unido).

Portanto, uma compra que fiz no valor de £ 131.00 e que deveria resultar na restituição de £ 21.83 quando deixasse o país, vai ser encolhida para £ 13.30 porque a empresa privada responsável pela restituição vai cobrar de taxa de administração “módicos” £ 8.53. Enquanto isso, na “caótica” Argentina… quando lá estive recebi minha restituição por inteiro sem nenhum intermediário… nem precisando enfrentar maiores trâmites burocráticos do que aqueles que ainda terei que enfrentar aqui.

Banco Mundial, o relatório Doeing Business e a escravidão

Por Allan Patrick

Sede do Banco Mundial em Washington. Foto: Wikipédia.

Há um tempo que eu quero escrever sobre o relatório Doeing Business do Banco Mundial, anualmente divulgado e que normalmente coloca o Brasil entre os “piores lugares” do mundo para se fazer negócios. Esse relatório é divulgado a torto e a direito e ninguém se preocupa em constatar que ele não tem nenhuma conexão com a realidade, pois é evidente que a economia brasileira é muito mais vibrante do que a grande maioria dos países que estão à nossa frente nesse “ranking”.

Uma das razões para a má posição do Brasil é a demora para expedição de um alvará pela Prefeitura do Município de São Paulo (o relatório utiliza como parâmetro a maior cidade do país), que leva cerca de cem dias, um prazo totalmente fora da realidade no resto do país.

O outro ponto que prejudica bastante o Brasil nesse “ranking” são as exigências trabalhistas. Em parte, com razão, pois ainda não é simples fazer o registro e manter em dia a documentação trabalhista dos funcionários de uma pequena ou média empresa.

Mas o irritante é que, pelos critérios do Banco Mundial, países como o Kuwait ou os Emirados Árabes Unidos (Dubai), onde a escravidão por dívida é um fato (imigrantes só recebem seu passaporte e autorização para retornarem aos seus países com o “de acordo” de seus patrões), lideram o “ranking” Paying Taxes (pagando impostos) em grande medida devido às suas “práticas trabalhistas” favoráveis aos “empregadores”. O Kuwait é o nono melhor colocado nessa classificação. O mesmo país que está nas manchetes dos grandes portais da internet nas seções de notícias bizarras em função de uma questão que gira em torno de direitos humanos e “práticas trabalhistas”:

Kuwait: política sugere que homens tenham direito a escravas sexuais

Homens deveriam ter direito a possuir escravas sexuais no Kuwait, e a atividade poderia ser exercida por mulheres não muçulmanas que se encontram presas no país. Que tal a ideia? Pois saiba que ela foi defendida por uma mulher: Salwa al-Mutairi, política, ativista islâmica e apresentadora de TV local.

Salwa acredita que, ao comprar uma (ou mais) escrava sexual “importada”, o homem se mantém decente, viril e devotado à sua mulher, evitando ser seduzido pelo adultério.

A política defende até que o Kuwait importe prisioneiras de guerra para atuarem como escravas no país, noticiou o “Daily Mail”.

Segundo Salwa, a atividade de escrava seria até boa para as mulheres, pois elas evitariam morrer de fome.

“Não há vergonha alguma nisso”, disse a política.

O governo, acrescentou Salwa, deveria abrir escritórios para a contratação de escravas no mesmo molde daqueles que servem para selecionar empregadas domésticas.

A política deu, como exemplo, Haroun al-Rashid, líder muçulmano do século VIII que governava com sucesso uma área que atualmente equivale a Irã, Iraque e Síria e que teria tido 2.000 concubinas.

Ainda nessa linha, é bom lembrar que os Emirados Árabes Unidos, um paraíso fiscal, está classificado em quinto lugar. Omã, o último país do mundo a abolir a escravidão (em 1970) figura em oitavo lugar. A Arábia Saudita, que aboliu a escravidão apenas em 1962, também ocupa um lugar de destaque, não só no paying taxes, mas também na classificação geral do doeing business.

Robert Baer, ex-agente da CIA especializado no Oriente Médio e consultor do filme Syriana, relata em suas obras auto-biográficas, See No Evil e Sleeping with the Devil como a multitudinária família real saudita (mais de 10 mil pessoas) tem por costume “adquirir” compulsoriamente propriedades privadas (imóveis) ou participações em empresas (mesmo pequenas ou médias, como restaurantes da moda) por valores aviltantes, mesmo sem a aquiescência dos proprietários originais (isso sim é que o se pode chamar de ato do príncipe!). Mesmo assim, esse país é um lugar que o Banco Mundial considera como “bom para fazer negócios”.

Se no Brasil, esquemas de escravidão por dívida são perseguidos, ainda que timidamente, pelo estado e constituem uma infração trabalhista e um crime, nesses países as autoridades dão respaldo a esse procedimento. É justo colocar essas nações como modelos a serem seguidos?

Causos londrinos: olhe o batente!

Por Allan Patrick

Mind the gap! Foto: Allan Patrick.

Um detalhe que me chama cada vez mais a atenção na vida urbana e a questão da acessibilidade. Porque, se de fato almejamos construir uma sociedade democrática de massas, temos que incluir a todas as pessoas no exercício de seus direitos básicos de cidadadão. E, portanto, devemos ter ambientes urbanos que facilitem ao máximo o acesso a pessoas com dificuldades de locomoção, seja porque são portadores de necessidades especiais, seja pelas condições físicas naturais da idade, como é o caso de crianças e idosos. Faça essa longa introdução formal para registrar minha surpresa com o desastre que é o metrô de Londres, o Underground. Não estou me referindo à entrada das estações, algumas centenárias, onde muitas vezes só estão disponíveis escadas normais e nem escadas rolantes existem (obras milionárias vem sendo realizadas nas principais capitais europeias, inclusive Londres, para adaptar velhas estações e incluir elevadores, se não em todas, na maioria). Refiro-me ao batente existente ao subir (literalmente!) nos vagões. Toda vez que as portas abrem, o sistema de som nos lembra em tom alto e claro: mind the gap! (não se esqueça do batente). Não é excesso de preciosismo, ao contrário da maior parte desses avisos automáticos! Os batentes dos vagões do metrô de Londres são realmente imponentes.

Pode-se argumentar: ora, se para chegar ao embarque tivemos que subir e/ou descer escadas, qual o problema de mais um “batentezinho”? O problema é que esse “batentezinho”, como vemos na foto aí de cima, ao contrário dos batentes das escadas, não é bem sinalizado, prejudicando quem tem alguma debilidade na visão. E, lembrando ainda, esse batente é transposto no momento de maior tensão e pressa, quando dezenas de pessoas estão querendo entrar ou sair do trem (pense na hora do rush!).

A mesma imagem, agora ressaltando o "gap".

Sei que alguém pode contra argumentar a minha reclamação lembrando da absurda “escadaria” que temos que encarar nos ônibus brasileiros. Há aí, contudo, uma diferença fundamental. Infelizmente, nossos ônibus tem que ser preparados para enfrentar estradas e ruas em péssimas condições. Isso os faz assumir praticamente características de veículos off-road (preste atenção na próxima vez que você vir um ônibus escolar da rede pública, um destes recém-adquiridos pelo Ministério da Educação: parecem hummers). Já o metrô londrino circula em ambiente absolutamente controlado e imutável. É uma falha inaceitável, ainda mais se você lembrar que este é um dos metrôs mais caros do mundo (a viagem simples sai por £ 4.00 ou R$ 10,40 em 12/06/2011).

Atualização em 17/06/2011

Essa situação é tão constrangedoramente notória, que há até um artigo na wikipédia (inclusive traduzido para o português!)