O segundo tempo da crise econômica mundial

Por Allan Patrick

Protestos na Grécia. Foto: Wikipédia.

Tudo indica que se aproxima o segundo tempo da crise econômica mundial. Mas antes de falar sobre isso, vamos fazer uma breve recapitulação da fase aguda da crise em 2008. Quem teve a oportunidade de ver um filme como Inside Job ou ler algum livro sobre o assunto já deve estar a par de como os eventos se sucederam.

De início tinhamos uma bolha imobiliária no mercado americano, alimentada pelo sistema financeiro. Até os anos 1990, os bancos estavam submetidos a intensa regulamentação, o que – simplificando bastante – lhes impedia de agir tão temerariamente como fizeram na primeira década deste século XXI. Como funcionava essa bolha? As imobiliárias vendiam imóveis agressivamente, oferecendo condições extremamente atrativas de financiamento (e sem consulta ao “SPC e Serasa”!) a qualquer um, inclusive pessoas em situação financeira precária. Os beneficiários desses empréstimos eram conhecidos no mercado como ninjas (do inglês No Income, No Job, No Asset, ou sem renda, emprego ou bens).

Mas por que os bancos não se recusavam a financiar esses compradores que as imobiliárias displicentemente lhes encaminhavam? Por duas razões principais: a primeira é que o mercado imobiliário estava em alta. Portanto, se o banco empresta US$ 250 mil e um ano depois o cliente está inadimplente, toma a casa de volta e torna a vendê-la no mercado… agora por US$ 300 mil. Portanto, eram empréstimos com boas garantias (desde que o mercado imobiliário continuasse em ascensão).

A segunda razão para a despreocupação dos bancos era o fato de que eles não mantinham esses empréstimos em suas carteiras. Eles eram “empacotados” em fundos de investimento, avaliados por empresas de análise de risco (rating), e oferecidos ao mercado, que os adquiria. Esses fundos eram chamados de subprime porque se sabia que os tomadores dos empréstimos que constituiam os ativos desses fundos não eram pagadores de “primeira linha”.

Quando a música parou de tocar, ou seja, quando os imóveis alcançaram seu teto de valor, e o mercado começou a “perceber” a fragilidade do esquema, o banco de investimentos Lehman Brothers quebrou, porque tinha uma grande quantidade de fundos de investimento subprime em sua carteira que ainda não havia conseguido revender no mercado. Com a quebra do Lehman Brothers, no mercado financeiro todo mundo começou a desconfiar de todo mundo e ninguém emprestava a mais ninguém, dando o pontapé inicial à crise de 2008.

Muita gente se deu mal diretamente, como bancos europeus, que haviam adquirido grandes quantidades de quotas dos fundos subprime. A AIG, empresa seguradora, faliu estrepitosamente, pois vários bancos, por precaução, ao adquirirem quotas de fundos subprime, faziam seguros (tecnicamente, derivativos conhecidos como credit default swaps ou CDS) para se garantirem no caso dos fundos quebrarem, o que, de fato, veio a ocorrer. Não só os bancos que queriam se proteger pagaram por CDS junto à AIG, mas também especuladores que começaram a perceber que o castelo de cartas estava prestes a ruir. A AIG, ávida pelo lucro “fácil”, já que os fundos subprime tinham boas notas acreditadas pelas agências de risco, não se constrangeu e comprou “risco” em grandes quantidades. O salvamento da AIG pelo governo americano talvez tenha sido o evento singular na história da humanidade em que mais se transferiu dinheiro (US$ 55 bi) da coletividade (300 milhões de contribuintes americanos) para umas poucas centenas de indivíduos e corporações.

2011

E aí chegamos em 2011. Uma das consequências da crise de 2008 foi que todos os esquemas temerários do mercado financeiro ficaram vulneráveis, porque todos os agentes passaram a analisar com lupa o que acontecia. Desta forma, foram pegos com as calças na mão os bancos islandeses e irlandeses, envolvidos em suas próprias bolhas especulativas. Devedores temerários, como o governo grego, e quem teve que gastar muito dinheiro público para segurar o seu mercado bancário, como Irlanda, Portugal e Espanha, também passaram a sofrer um maior escrutínio em seus débitos.

A Grécia, que já era uma grande devedora, teve que adotar, sob pressão da União Europeia, uma agenda econômica recessiva, o que fez o seu PIB recuar e, portanto, o valor da sua dívida pública, em termos de % sobre o PIB, disparar. O que seria um problema da Grécia, na verdade é um problema alemão e francês, porque tal como o Lehman Brothers em 2008, os grandes bancos desses dois países estão carregados de títulos da dívida pública grega e, possivelmente, também de títulos de empresas privadas desse país. A quebra grega afetaria de forma imprevisível os dois gigantes da União Europeia. Até o momento a dívida grega vem sendo rolada, pois não é do interesse de ninguém que a música “pare” novamente, mas esse movimento não é indefinido. Um sintoma de que a situação pode estar se agravando é a notícia publicada no Wall Street Journal na semana passada indicando que o Santander não conseguiu passar adiante quotas de um fundo de investimento no qual havia empacotado títulos da dívida pública de governos regionais da Espanha. Ou seja, ficou com o pepino na sua própria carteira de crédito. Parece que a música vai parar de tocar…

Consequências

Na melhor hipótese, teremos uma repetição dos acontecimentos de 2008. Em tese, poderia ocorrer uma nova disparada temporária do dólar no Brasil, pois investidores afetados pela crise tentariam fazer caixa vendendo ativos no país. De um modo geral, a situação econômica no mundo seria bem pior do que em 2008, pois estaríamos falando de uma queda dentro da queda… um cenário temerário.

Mas, também hipoteticamente, o Brasil pode vir a passar mais uma vez incólume por esse segundo tempo da crise. Tudo vai depender da China. Paradoxalmente, por esse país ainda se concentrar, de um modo geral, na produção de itens de baixo custo, talvez sua economia não seja tão afetada por uma recaída europeia e americana.

Veja também

Como a crise atual (2008) se compara com a de 1929?
Europa: um desastre da Grécia à Letônia.
O Banco do Brasil salvou o país da crise.
– Tudo o que publicamos sobre a crise financeira.

One thought on “O segundo tempo da crise econômica mundial

  1. Sobre a AIG e os demais magnatas beneficiados com o ‘caldo da caridade’ preparado pelo Governo, parafraseando Churchil: ‘nunca poucos deveram tanto a tanta gente!’

    Excelente artigo, Patrick. Boníssima aula!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *